LITERATURA PORTUGUESA
Textos literários em meio eletrônico

Livro das obras de Garcia de Resende


Edição de Referência:

Livro das obras de Garcia de Resende.

Lisboa: Calouste Gulbekian, 1994, 899 p.

 

LIVRO DAS OBRAS

DE GARCIA DE RESENDE

 

 

 

ÍNDICE

 

 

 

LYVRO DAS OBRAS DE GARCIA DE RESENDE

 

ALVARA

 

PROLOGO DE GARCIA DE RESENDE a el rey nosso senhor

 

AS FEIÇÕES E VIRTUDES  D’ EL-REY DOM JOÃO

 

VIDA E FEITOS D’ EL-REY DOM JOÃO SEGUNDO

 

Cap. I                      Nacimento d’el-rey Dom João

 

Cap. II                     De como foy baptizado

 

Cap. III                   De sua criaçam

 

Cap. IV                    Do seu casamento

 

Cap. V                     De como foy na tomada  d’ Arzilla

 

Cap. VI                    Do que lhe aqueceo de noite

 

Cap. VII                  De como tomou sua molher

 

Cap. VIII                 Do nacimento do yffante seu filho

 

Cap. IX                    De como ficou em Portugal

 

Cap. X                     De como tomou Ouguella

 

Cap. XI                    De como partio pera Çamora

 

Cap. XII                  De como foy a Castela a socorrer a el-rey seu pay

 

Cap. XIII                 De como venceo ha batalha de Touro

 

Cap. XIV                 De como tornou a Portugal

 

Cap. XV                   Doutras cousas que no reino se seguiram andando el-rey seu pay em França

 

Cap. XVI                 De como tomou Alegrete

 

Cap. XVII                De como foy alçado rey

 

Cap. XVIII              Do que fez quando seu pay veo de França

 

Cap. XIX                 Do que passou com ho cardeal

 

Cap. XX                   Da morte de Lopo Vaz de Torram

 

Cap. XXI                 Do que fez nas terçarias

 

Cap. XXII                De como foy alçado por rey outra vez

 

Cap. XXIII              Do saymento d’ el-rey Dom Afonso

 

Cap. XXIV               Do que fez sobre hum alvara de Nuno Pereira

 

Cap. XXV                De como fez a cidade da Mina

 

Cap. XXVI               Das cortes que fez em Evora

 

Cap. XXVII             Do principio do caso do duque de Bragança

 

Cap. XXVIII            De como se deram as menajens

 

Cap. XXIX               Do que nas cortes el-rey ordenou

 

Cap. XXX                Ida d’ el-rey a Montemor e do que aqueceo ao marquês da dita villa

 

Cap. XXXI               Do que o marquês fez contra el-rey

 

Cap. XXXII             De como el-rey quisera mandar carregedores aas terras dos senhores

 

Cap. XXXIII            Das graças e separadas

 

Cap. XXXIV            Embaixada que foy a Inglaterra

 

Cap. XXXV              Doutra embayxada que foy a Castella

 

Cap. XXXVI            De como a raynha moveo

 

Cap. XXXVII           Da falla que el-rey fez ao duque

 

Cap. XXXVIII         Reposta do duque

 

Cap. XXXIX            Do que depois desta fala se passou

 

Cap. XL                   Descubrimento de Gaspar Jusarte  e Pero Jusarte a el-rey do caso do duque

 

Cap. XLI                  Embaixada dos reys de Castela

 

Cap. XLII                Desfazimento das terçarias

 

Cap. XLIII               Entrada do principe em Evora

 

Cap. XLIV               Da prisam do duque de Bragança

 

Cap. XLV                 Do que se cometeo a el-rey sobre o duque

 

Cap. XLVI               Do perdam do duque de Viseu e da morte do duque de Bragança

 

Cap. XLVII              Da vinda do senhor Dom Manoel

 

Cap. XLVIII            Partida d’ el-rey pera Abrantes

 

Cap. XLIX               Da justiça na estatua do marquês

 

Cap. L                      Partida pera Sam Domingos

 

Cap. LI                    Do que aqueceo a el-rey em Santarem

 

Cap. LII                   Do começo do caso do duque de Viseu

 

Cap. LIII                 De como foy a morte do duque

 

Cap. LIV                  Da merce que el-rey fez ao senhor Dom Manoel

 

Cap. LV                   De como se notificou aa iffante a morte do filho

 

Cap. LVI                  Embaixada que veo de Castela

 

Cap. LVII                Mudança que se fez no escudo real

 

Cap. LVIII               Da embaixada que el-rey mandou a Roma

 

Cap. LIX                  Tomada das galees de Veneza

 

Cap. LX                   De como Azamor tomou el-rey por senhor

 

Cap LXI                   De como mandava descobrir a India

 

Cap. LXII                Da polvora que mandou a el-rey de Castella

 

Cap. LXIII               Da prisam de Dom Alvoro de Souto Mayor

 

Cap. LXIV               De como el-rey defendeo as sedas

 

Cap. LXV                 De como se descobrio Beni

 

Cap. LXVI               Do que mandou sobre as letras de Roma

 

Cap. LXVII              Ida de Dom Diogo d’ Almeyda aos aduares

 

Cap. LXVIII            Da prisam de Barraxe mouro

 

Cap. LXIX               Da enquisição sobre os confessos

 

Cap. LXX                 De como mandou repayrar as fortalezas

 

Cap. LXXI               Da prisão do alcayde d’ Alcacer Quebir

 

Cap. LXXII              Da prisão d’ el-rey dos romãos

 

Cap. LXXIII            Do conselho sobre o casamento do principe

 

Cap. LXXIV             Prisão do conde de Penamocor

 

Cap. LXXV              Como captivaram Dom Antonio

 

Cap. LXXVI             Ida do capitão a Africa

 

Cap. LXXVII           Do que el-rey fez com hum touro

 

Cap. LXXVIII          De como Bemohi veo a Portugal

 

Cap. LXXIX             De como foy feito ho marquês

 

Cap. LXXX              Do que el-rey disse por Dom João

 

Cap. LXXXI             Do principio da Graciosa

 

Cap. LXXXII           De como el-rey quis yr em pessoa

 

Cap. LXXXIII          Do que el-rey passou com Pero Pantoja

 

Cap. LXXXIV          Do que el-rey fez a dous fidalgos que se vieram d’ Arzila

 

Cap. LXXXV            Do que el-rey disse a Ruy d’ Abreu

 

Cap. LXXXVI          Do que el-rey disse a Fernão Serram

 

Cap. LXXXVII         Do que el-rey fez a Diogo d’ Azambuja e a Pero de Mello

 

Cap. LXXXVIII       Do que fez ao capitão da Ylha

 

Cap. LXXXIX          Do que fez a Joam Alvarez o Gato

 

Cap. XC                   Da merce que fez a João Goo

 

Cap. XCI                 Da honrra que fez a mestre Antonio

 

Cap. XCII                Do que disse por dous ladrões

 

Cap. XCIII              Do que el-rey escreveo ao conde de Borba

 

Cap. XCIV               Do que fez a Gomez de Figueredo

 

Cap. XCV                Da merce que el-rey fez a hum desembargador por dar hũa sentença contra elle  

 

Cap. XCVI               Da merce que fez a Alvoro Mazcarenhas

 

Cap. XCVII             Do que passou el-rey sobre hum feito seu

 

Cap. XCVIII            De hum homem a que el-rey deu a vida

 

Cap. XCIX               De hum moço a que deu a vida

 

Cap. C                     Do feyto do carcereiro

 

Cap. CI                    Doutro homem a que deu a vida

 

Cap. CII                  Doutro homem a que deu a vida

 

Cap. CIII                 Dum homem que disse mal doutro

 

Cap. CIV                 Do que disse ao corregedor da corte

 

Cap. CV                   Da maneira que deu hum oficio  

 

Cap. CVI                 Do que el-rey fez a hum homem por esperar hum touro

 

Cap. CVII                Do que fez el-rey por nam passar hum alvara

 

Cap. CVIII              Do que el-rey disse por Manoel de Melo

 

Cap. CIX                 Das cortes d’ Evora

 

Cap. CX                   De hũa justiça nova

 

Cap. CXI                 Tomada de Targa

 

Cap. CXII                Mudança do Moesteiro de Sanctos

 

Cap. CXIII              Vinda do senhor Dom Jorge filho d’ el-rey aa corte a primeira vez

 

 Cap. CXIV              Do principio do casamento do principe Dom Afonso

 

Cap. CXV                Da nova do principe ser casado

 

Cap. CXVI               Da morte da iffante yrmaã d’ el-rey

 

Cap. CXVII             De como el-rey e a raynha de Castella notificaram a el-rey o casamento do principe

 

Cap. CXVIII            Da salla da madeira que se fez

 

Cap. CXIX               De como se despejou ha cidade

 

Cap. CXX                Da vinda da princesa

 

Cap. CXXI               De como a princesa foy entregue em Portugal

 

Cap. CXXII             De como el-rey e o principe foram aa princesa a Estremoz

 

Cap. CXXIII            Entrada da princesa em Evora

 

Cap. CXXIV            Do banquete da sala da madeira

 

Cap. CXXV              Doutro banquete na sala da madeira

 

Cap. CXXVI            Como se ordenaram as justas reaes

 

Cap. CXXVII           Dos ricos momos da sala da madeira

 

Cap. CXXVIII         De como el-rey deu amostra nas justas

 

Cap. CXXIX            Sayda d’ el-rey da cidade

 

Cap. CXXX              Como el-rey tornou aa cidade

 

Cap. CXXXI            De como ho principe entrou em Santarem  

 

Cap. CXXXII           Da triste morte do principe

 

Cap. CXXXIII         Da mudança do senhor Dom Jorge

 

Cap. CXXXIV          Do saymento do principe

 

Cap. CXXXV           Hida da princesa pera Castella

 

Cap. CXXXVI          Hida d’ el-rey e a raynha a Lisboa

 

Cap. CXXXVII        Provisam dos mestrados ao senhor Dom Jorge

 

Cap. CXXXVIII       Hũa reposta d’ el-rey

 

Cap. CXXXIX          Da merce que el-rey fez aos filhos de Dom Pedro d’ Eça per sua morte

 

Cap. CXL                 Do principio do Esprital de Lixboa

 

Cap. CXLI               De hũa reposta aa raynha de Castella

 

Cap. CXLII              Do que el-rey disse quando fez mordomo-mor a Dom Joam de Menezes

 

Cap. CXLIII            De quando defendeo as mulas

 

Cap. CXLIV             Do que el-rey fez a Dom Francisco d’ Almeida

 

Cap. CXLV              Do que respondeo a Ruy Gil

 

Cap. CXLVI             Do que el-rey fez sobre hũa caravella da Mina que lhe tomaram hos franceses

 

Cap. CXLVII           Do que el-rey fez quando partio a sua nao  

 

Cap. CXLVIII          Do que el-rey disse ao barão

 

Cap. CXLIX             Do que el-rey disse a João Fogaça

 

Cap. CL                   Do que el-rey fez a Pero d’ Alanquer

 

Cap. CLI                  Do que el-rey fez sobre huns capitolos que lhe mandaram dum homem

 

Cap. CLII                Do que disse ao bispo de Tangere

 

Cap. CLIII               Do que el-rey disse a hum homem

 

Cap. CLIV               Do que el-rey Dom Fernando e a raynha e el-rey de França disseram por el-rey

 

Cap. CLV                 De como se descubrio o reyno de Congo

 

Cap. CLVI               Chegada dos negros a sua terra

 

Cap. CLVII              De como os christãos foram a el-rey

 

Cap. CLVIII            Da entrada dos christãos na corte

 

Cap. CLIX               De como se fez a ygreja

 

Cap. CLX                 Como el-rey foy feyto christão

 

Cap. CLXI               Como a raynha foy feita christaã

 

Cap. CLXII              Principio da doença d’ el-rey

 

Cap. CLXIII            Entrada dos judeus de Castella

 

Cap. CLXIV             Embaixada que foy a Roma

 

Cap. CLXV              Descubrimento das Antilhas

 

Cap. CLXVI             Embaixada que veo de Castella

 

Cap. CLXVII           Embaixada que foy a Castella

 

Cap. CLXVIII          Dos avisos aos embaixadores

 

Cap. CLXIX             Vinda de Monseor de Lião

 

Cap. CLXX              Embaixada d’ el-rey de Napoles

 

Cap. CLXXI             Da romaria que el-rey fez

 

Cap. CLXXII           Do que fez a Dom João

 

Cap. CLXXIII          Do que fez a Ruy de Sousa

 

Cap. CLXXIV          Da merce que fez a Vasco Fernandez

 

Cap. CLXXV            Da merce que fez a Nuno Fernandez

 

Cap. CLXXVI          Da merce que fez a Diogo Fernandez Correa

 

Cap. CLXXVII         Do que disse a Lopo Soarez

 

Cap. CLXXVIII       Do que fazia a Dom Joam d’ Atayde

 

Cap. CLXXIX          De como el-rey mandou aa Ylha de Sam Tomee os moços que foram judeus          

 

Cap. CLXXX            Da doença da raynha

 

Cap. CLXXXI          Dos tiros grossos en caravelas

 

Cap. CLXXXII         Partida d’ el-rey pera Evora

 

Cap. CLXXXIII       Dos oficiaes pera despachos

 

Cap. CLXXXIV        Do que disse a Ruy de Sande     

 

Cap. CLXXXV         D que disse a Joam Fogaça

 

Cap. CLXXXVI        Do que fez ao bispo d’ Evora

 

Cap. CLXXXVII      Do que disse a Dom Martinho

 

Cap. CLXXXVIII     Do piloto e marinheiros que mandou matar em Castella

 

Cap. CLXXXIX        Do que fez aa entrada dhũa porta

 

Cap. CXC                Do que disse a Dom Martinho

 

Cap. CXCI               Do que ordenou em sua capella

 

Cap. CXCII             De como fez meirinho do paço

 

Cap. CXCIII            Do que fez sobre dous moços

 

Cap. CXCIV            Do que disse ao comendador-mor    

 

Cap. CXCV              Do que disse ao mordomo-mor

 

Cap. CXCVI            Do que disse ao conde de Borba

 

Cap. CXCVII           Do que disse sobre has espadas

 

Cap. CXCVIII         Do que fez a Antam de Figueredo

 

Cap. CXCIX            Do que fez a Eytor Borralho     

 

Cap. CC                   Do que disse a Anrrique Correa

 

Cap. CCI                 Dalgũas cousas que el-rey disse a Garcia de Resende

 

Cap. CCII                Do que el-rey fez em Evora sobre a venda do pão

 

Cap. CCIII              Partida d’ el-rey pera as Alcaçovas

 

Cap. CCIV               De como se determinou que el-rey entrasse em banhos

 

Cap. CCV                Da embaixada d’ el-rey de Castella que veo às Alcaçovas

 

Cap. CCVI               Da armada que el-rey tinha prestes pera ho descubrimento da India

 

Cap. CCVII             De como determinou yr aas caldas

 

Cap. CCVIII            De como el-rey fez seu testamento

 

Cap. CCIX               De como el-rey partio pera o Algarve

 

Cap. CCX                De como foy pera Alvor

 

Cap. CCXI               De como el-rey conheceo sua morte e do que sobre ysso fez

 

Cap. CCXII             De como foy a morte d’ el-rey

 

Cap. CCXIII            Dos que eram com el rey

 

Cap. CCXIV            Do que se fez depoys da morte d’ el-rey

 

Cap. CCXV              Do que se achou em hũa boeta d’ el-rey de que elle tinha a chave

 

Cap. CCXVI            De como o senhor Dom Jorge filho d’ el-rey veo a el-rey Dom Manoel

 

Cap. CCXVII           De Garcia de Resende em que conta de como a morte d’ el-rey muy sentida e do que nisso se fez,

                                 e como Nosso Senhor sempre daa seus galardões conformes aos serviços que lhe fezeram

 

        DA TRASLADAÇAM DO CORPO D’ EL-REY

 

        A ENTRADA D’ EL-REY DOM MANOEL EM CASTELLA

 

        A YDA DA YFFANTE DONA BEATRIZ FILHA D’ EL-REY DOM MANOEL A SABOYA

 

        AS QUATRO PAIXÕES EM HŨA por hos quatro evangelistas autorizadas e acotadas por has margens, tiradas ao pee

                                                   da letra como as eles escreveram

 

        O SERMÃO SOBRE A VINDA DOS TRES REYS MAGOS

 

        MISCELLANEA

 

 

 

 

   A    louvor    de    Deos    e    da    glorio-

sa Virgem Nossa Senhora se acabou o Livro da vida e fey
tos d' el-rey Dom João ho segundo de Portugal, e a
Trasladaçam do seu corpo, e a Yda d' el-rey Dom Ma-
noel a Castella, e a Yda da yffante Dona Breatiz
a Saboya, e as Quatro payxões em hũa, e
o Sermão da vinda dos tres reis magos.
Feito por Garcia de Resende, e visto
e examinado poios deputados
da Sancta Inquisição. Foy im-
presso em casa de Luys
Rodriguez livreiro d' el-
-rey nossso senhor
aos XII dias do
mes de Ju
nho de mil
e quinhen
tos e
quarenta e cinco annos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

TEXTO

 

 

 

Lyvro das obras de Garcia de Resende

que trata da vida e grandissimas virtudes, e bondades, magnanimo esforço, excelentes costumes e manhas e muy craros feitos do christianissimo, muito alto e muyto pode­roso principe el-rey Dom João o segundo deste nome, e dos reys de Portugal o trezeno de gloriosa memoria. Começado de seu nacimento e toda sua vida até a ora de sua morte. Com outras obras que adiante se seguem.

Com privilegio real.

 

 

 

 

ALVARA

 

Eu el-rey faço saber a quantos este meu alvara virem que Garcia de Resende fidalgo de minha casa e escrivão de minha Fazenda, me disse que elle tinha feitas algũas obras, assi em prosa como em metro em linguajem portugues; as quaes obras por serem boas e proveytosas elle as queria mandar ymprimir com meu prazer e contentamento, pedindo-me por merce que mandasse que pessoa  algũa nam podesse imprimir nem mandar imprimir suas obras, senam a quem as elle mandasse imprimir ou pera ysso desse sua licença, e ysto assi nas obras que ora tem novas, como nos cancioneiros geraes que elle ordenou e mandou imprimir, em quanto os elle tevesse pera vender ou mandasse imprimir outros o que ey por bem. E per este meu alvara mando que pessoa algũa de qualquer calidade que seja nam possa imprimir nem mandar imprimir os ditos cancioneiros geraes, nem obra algũa que o dito Garcia de Resende tenha feita em prosa ou metro, salvo a pessoa a quem o elle mandar imprimir ou deer pera ysso licença, sob pena de perder todolos volumes que fizer pera o dito Garcia de Resende, e mais pagar cem cruzados ametade pera o meu Esprital de Todolos Sanctos de Lixboa, e a outra ametade pera quem o acusar; e assi me apraz que  imprimindo-se o dito cancioneiro geral ou algũas de suas obras fora destes reynos, se nam possão trazer a vender neles sob as ditas penas, e ysto em quanto elle tiver os ditos livros ou os mandar imprimir. Notefico-o assi a todos meus corregedores, juyzes, justiças, oficiaes, e pessoas a que este meu alvara for mostrado e o conhecimento dello pertencer, e lhes mando que em tudo o cumprão, guardem, e fação inteiramente cumprir e guardar como se em ele contém sem lhe nisso ser posto duvida nem embargo algum, porque assi o ey por bem e meu serviço; e quero que este valha e tenha força e vigor como se fosse carta per mi assinada e asselada do meu selo pendente, e passada per minha chancelaria sem  embargo da ordenação do segundo livro titolo XX que diz que as cousas cujo efeito ouver de durar mais de hum anno passem per cartas e valerá outrosi, posto que este nam seja passado polla chancellaria sem embargo da ordenação do dito livro segundo que o contrairo dispoẽ.

Manoel da Costa o fez em Evora a XXVI dias do mes de Janeiro de mil e 30 quinhentos e trinta e seys annos.

 

 

 

 

PROLOGO DE GARCIA DE RESENDE

DIRIGIDO A EL-REY NOSSO SENHOR

 

 

 

Muyto alto, muyto excelente e muito poderoso rey e senhor:

 

Ainda que de Deos mais merce não recebera que achegar-me a tempo que sem letras nem sciencia, soo com meu cuidado e diligencia alcançasse, que a gloria, excelentes virtudes, e craros feitos, perfeiçam de bondade, grandissimo esforço, e singular nobreza, honrra, e fama, de hum tam catolico, e prudente, tam sancto e acabado rey, em algũa maneira per mi fossem alembradas onde estavam esquecidas, eu me contentara muyto se Nosso Senhor assi como me deu vontade pera o fazer, me dera saber pera bem o acabar e poder servi-lo nisto tam inteiramente, quanto em sua vida sempre ho desejey. Esperança tenho em Deos que pois este atrevimento que tomey foy com a tençam que sabe, elle mostre seu poder no fim de cousa tam justa, e que pellos merecimentos de tal rey criaraa de novo em mi o que nam tenho, pera que possa fazer isto que sobre tudo tanto desejo.

Muyto bem aventurado e glorioso rey, pouco tendes que agradecer a quantos neste mundo de vós tem recebido dignidades, senhorios, beneficios, e honrras, merces, acrecentamentos, pois antre tantos se nam achou quem de vossa tam esclarecida memoria se lembrasse. Que se esta ingratidão nam vira, claro estaa que nam ousara meu fraco entender e baixo juyzo em cousa tam alta e que tanto saber requere, emprender. Mas poys outrem o nam faz menos mal seraa fazer-se per mi, que deixar de se fazer pois he rezão que se faça, e eu quero antes sofrer a vergonha da reprehensão que alguns me podem dar, que a door que tenho do esquecimento que vejo; porque as muytas e estremadas virtudes, vitorias, e muyto grandes façanhas que os reys fazem com a lança, esqueceriam se nam ouvesse quem com a pena as escrevesse e louvasse. Hũa cousa soo entendo que pera falar de tal rey e de tantas perfeições e grandissimas virtudes, quem delle ouvesse d'escrever devia de ter tam alto estillo, tam subida eloquencia, tam singular engenho, tanta abastança e doçura de palavras, tam perfeito em tudo ysto, quanto o elle foy em todalas cousas que a hum alto e excelente principe convem. E tambem sey que Nosso Senhor Jesu Christo aos seus escolhidos apostolos e sanctos que muito amou nam deu gloria neste mundo, antes muitas perseguições, muitos trabalhos, pobreza, grandes desprezos e martirios, pera que quanto mais padecessem nesta vida, mais merecessem pera a outra que he pera sempre. E assi a este tam sancto rey por lhe dar a gloria que por fee temos que tem poys que tem feytos milagres pera poder merecê-la, cumprio que passasse pollos nojos e fortunas que em sua vida passou, e que os catorze annos de seu reynado fossem breves e cheos de grandes cuydados; e ainda pera mais merecimentos fosse dos escriptores tam esquecido neste mundo depois de sua morte, que eu sem nenhum saber viesse a escrever sua vida do tempo de seu nacimento tee ser alçado por rey por nam yr em sua coronica, tambem outras cousas muytas atee seu falecimento; a qual vida nam louvarey mais que quanto suas obras a louvarem; mas eu sey que ellas sam taes e de tam alto louvor, que o grande primor dellas encobriraa meu defeyto; e o que na eloquencia mingoar suprirey com a verdade; se algũa cousa ficar sera por mais nam saber e nam por minha vontade; pois o seu fim foy em Deos e o meu começo nelle, e agora pode mais do que no mundo podia, a elle quero ynvocar que peça a Nossa Senhora que empetre de seu filho, que neste novo cuydado pera mi e tam estranho, pellos seus merecimentos e sua morte e paixam me queira encaminhar pera poder sayr delle da maneyra que desejo e tal principe merece, e que nisto vaa fora do estillo dalguns ystoriadores; antes que de principio comece quero fazer hum breve sumario de sua vida, feições, manhas, custumes e virtudes, que foram taes e tanto pera todos desejarem de ouvir, que lendo por ellas folguem mays d' acabar de saber tudo que atentar nas pallavras com que ho digo.

E porque, senhor, vossa alteza sempre de sua mocidade atee agora foy muy incrinado e teve muito amor às cousas d' el-rey Dom João vosso tio, porque em sua coronica ficaram muitas por escrever por descuydo ou esquecimento, trabalhey em minha memoria quanto a mi foy possivel por me lembrarem algũas, e por saber quanto vossa alteza com ysso avia de folgar pois lhe parece tam bem, tomey esta acupaçam e lhe fiz este serviço em escrever sua vida, que me deve d' agardecer ao menos pollo perigo em que me pus a ser julgado de muytos e diversos pareceres a que per ventura posso parecer mal; e se o estilo lhe nam parecer bem, com sua muita prudencia, grandeza, bondade, e singular condiçam o queira, senhor, encobrir. E muytas pessoas tem em seus reynos de muytas letras, sciencia, e autoridade que o podem enmendar; e prazeraa a Nosso Senhor que vendo vossa alteza seus feytos, lhe fara tanta aventagem quanta elle a fez aos principes de seu tempo e a muytos dantes delle, que esta he a menos cousa que de vossa alteza se espera; e a mi faraa merce por lhos trazer aa memoria e tambem por espertar quem for vosso coronista que nam lhe esqueção taes cousas como na vida deste glorioso rey ficaram por escrever, as quaes eu alumiey de quam escuras estavam pera sempre esquecidas; e Deos sabe que desejo viver cem annos pera que outro tanto serviço podesse fazer a vossa alteza no que ficasse por dizer na sua, que onde há tanto que escrever nam poode tudo lembrar, senam com força de amor e desejo de servir, e gram zelo de verdade, co respeyto soo em Deos e d' aproveytar a muytos e a si nenhua cousa; que estas foram as causas por que ysto escrevi e Deos dou por testemunha, porque elle soo me ajudou que a elle soo tomey nesta obra por valledor; e tenho, senhor, por fee que sem elle a nam podera começar nem acabar porque em mi nam avia pera ysso habilidade; e pois disso lhe aprouve e com ella foy servido, vossa alteza ho deve ser.

 

 

 

 

FEYÇÕES, VIRTUDES, CUSTUMES E MANHAS

D' EL-REY DOM JOAM O SEGUNDO

 

 

 

FEYÇÕES, VIRTUDES, CUSTUMES E MANHAS

D' EL-REY DOM JOAM O SEGUNDO QUE SANCTA GLORIA AJA

 

El-rey Dom Joam era homem de muyto bom parecer e bom corpo, de meaã estatura, porém mais grande que pequeno, muyto bem feyto e em tudo muy proporcionado, ayroso e de tanta gravidade e autoridade que antre todos era logo conhecido por rey. Ho rosto tinha algum tanto comprido, e assi o nariz em boa maneira, e a boca muyto bem feyta, os dentes alvos e bem postos; os olhos eram pretos, graciosos e de muyto boa vista, e aas vezes tinha nas alvas hũas veas de sangue que o faziam com menencoria ser muy temido; e nas cousas de prazer era alegre e muyto bem assombrado, de muyta graça. Em tudo era muy alvo e no rosto corado em boa maneira, a barba tinha preta e bem posta, e o cabello castanho e corredio, e em ydade de trinta e sete annos tinha ja na barba e na cabeça muytas cãas de que mostrava contentamento e nam consentia que lhe mondassem algũa. As mãos tinha compridas, alvas e fermosas, e as pernas grandes e muy bem feytas. E atee ydade de trinta annos foy muito bem desposto e dahi por diante engordou algũa cousa.

Era prudente, de muy vivo saber e muito pronto e esperto e de muito sotil engenho e mistico em todalas cousas e prezava-se bem disso; e teve muito grande memoria e craro juyzo e falava muito bem, e nas cousas de sustancia suas palavras tinham sempre mais verdade e autoridade que despejo nem sabor, porque algum tanto eram vagarosas e entoadas pollos narizes; porém em cousas de folgar era gracioso e tocava muito bem qualquer cousa. E foy homem de grandissimo esforço e de alto e muy ardido coraçam, de muy altos pensamentos, e muy desejoso de cousas grandes em que sua grandeza podesse mostrar e executar, e tudo por serviço de Deos e honrra, acrecentamento de seus reynos, e nisto eram seus sentidos muy acupados. Era muito justo e amigo de justiça e nas execuções della temperado sem fazer deferenças de pessoas altas nem baixas; nunca por seus desejos nem vontade a deixou inteiramente de comprir, e todallas leis que fazia compria tam perfeitamente como se fora sojeyto a ellas: defendeo as sedas e nunca mais as vestio, defendeo as mulas e sendo muito doente nunca mais em mula cavalgou, defendeo os jogos e nunca jogou defeso jogo; nunca na justiça usou de poder obsoluto nem de crueza, e muitas vezes usava de piadade porém nam que tirasse justiça aas partes nem em grandes crimes; e secretamente tinha dito na Relaçam que como nam fosse caso feo ou ladram ou tevesse partes, que dessem vida aos homens que muitas ylhas avia ahi pera povoar, porque hum homem custa muito a criar; outro tanto tinha dito aos meyrinhos acerca das prisões com as pessoas honrradas. E por amor da justiça se começou a desaventura das trayções que por querer mandar corregedores aas terras dos senhores se escandalizaram delle; e todallas sestas-feyras hia sempre aa Relaçam pollas menhãs, e aas tardes estava com desembargadores do paço, e aos sabados aa tarde hia aa Fazenda e estava na mesa della com os veadores e escrivães vendo as cousas que relevavam; em despachos e petições era vagaroso e de maa vontade entendia em papeis, e porém a principal causa de nam despachar muito foy os casos grandes que em sua vida lhe sobrevieram e sua muy grande e muito comprida doença que quatro annos lhe durou e nunca teve descanso.

Foy rey muito estimado e nomeado em todallas partes do mundo, e em seus reynos tam reverenceado, acatado, e temido que soo com olhos que punha em qualquer pessoa que fallava ou estava como nam devia enmendava tudo; e tam grandemente ensinava os homens que diante delle nam avia mao ensino nem fora se o elle soubesse que ficasse sem reprehensam ou castigo. E por onde quer que hia ninguem se chegava a elle se nam era pera lhe falar com muito acatamento, e nos lugares onde compria muito mayor lugar fazia com olhar, do que todolos oficiaes e porteyros com muito trabalho podiam fazer. Era tam verdadeiro e prezava-se tanto de o ser que nunca o viram mentir nem passar hum alvara em contrairo doutro nem ho ousava ninguem requerer; e porque hum dia por falsa enformaçam passou hum alvara em que deu de perda a hum homem dozentos mil reais, quando se lhe veo agravar por nam passar outro em contrairo lhe mandou dar os dozentos mil reais logo em ouro e lhe disse que ho calasse. Era magnanimo e tam gramdioso que as cousas que com guosto fazia eram mays perfeytas que todas, como foram has festas do casamento do principe seu filho que ja pera sempre ficaram por singulares e nomeadas por mayores que nunca foram, e assi a sua grande entrada de Lixboa e outras cousas que fez. Tinha tanta autoridade que como mostrava boa vontade a hũa pessoa, era logo estimado tanto quanto se nam pode crer; e tendo muy aceytos servidores e privados, pessoas muy principaes a que fazia grandes merces e dava parte de seus segredos e conselhos, foy sempre tam ysento que nunca nenhum cuydou que o poderia governar nem fazer que fizesse ho que nam devia; e desta ysenção que elle sempre quis ter o tinham por seco de condiçam os grandes e principaes que cuidavam que muyto valiam, que dos outros e da gente meaã e dos povos foy grandemente amado e querido. E depoys de sua morte foy de todos em geeral muy chorado e mays desejado que nunca rey foy.

Era tam certo e tam constante que quando prometia algũa cousa por muy grande que fosse, soo com sua pallavra hiam hos homens tam contentes e satisfeytos como se levassem jaa os despachos feytos na mão e nunca dava alvaraes de lembrança.

Estimou sempre muyto os bons homens virtuosos, e os bons cavaleyros, os verdadeiros, hos letrados e homens de bom saber e de bons costumes, e manhas, e os seus naturaes, e com qualquer homem que em especial tinha alguũa cousa boa folguava muyto. Honrrava muyto has honrradas donas, e quando lhe queriam falar as hia ouvir em algum moesteyro ou ygreja afastado que o nam ouvissem, e porém perante todos; e assi fazia muyta honrra aas virtuosas religiosas e aos bõos religiosos. E ysto fazia aver sempre em seu tempo muytos ypochritas em todollos estados, que depoys de sua morte se enfadaram de ho ser, e foram conhecidos por quem eram, porque os homens que boas calidades nam tinham valiam pouco ante elle. Favoreceo muyto hos bons officiaes de todollos officios, e elle sabia muyto em todos. Estranhava muyto a moços trazerem espadas e defendia-lhas atee serem grandes, e dezia que nam serviam de mays que de se fazerem fracos, que se acertavam de se tomar com homens e hos escoziam que ficavam pera sempre com receo e covardos. E em muy grande maneyra criava e douctrinava hos moços e a todos; e honrrava tanto seus criados, que qualquer que por seu prazer casava e lho pedia por merce, o hia receber a sua casa que fosse pobre escudeyro; e eu lhe vi em Evora antes das festas hir receber a casa de seu sogro hum Ruy da Costa porteiro da camara do principe seu filho. Favoreceo muyto os cavaleyros e fazia-lhe muyta honrra e muytas merces, e dezia que eram como a sardinha, que era muyta e sabia muyto bem, e custava muyto pouco, e que sempre na batalha de Touro os achara junto de si. Foy muyto nobre e gram liberal em fazer merces e dadivas a quem devia, e como devia, e da maneira que devia por sua propia vontade e nam por importunaçoões de ninguem; dava poucas tenças a homens solteyros, e merces de dinheiro dava mais e mayores que os outros reys de seu tempo; e muytas vezes sem lhas pedirem quando os homens mais descuidados estavam disso, sem alvaraes nem despachos lhe mandava dar o dinheiro na mão com pallavras de amor, de que ficavam tam contentes e satisfeytos como se tevessem muytas rendas; e geralmente a todos seus moradores fazia em cada hum anno merce, e como traziam certidam da Fazenda de como avia hum anno que a nam ouveram, sem falarem a el-rey somente aos veadores ou escrivães da Fazenda lha despachavam; e se faziam cadernos de muitas pessoas, em que os

veadores da Fazenda punham por fora na margem a cantidade que lhe parecia que cada hum devia d' aver que se chamavam as contias, os quaes cadernos el-rey via e a muitos acrecentava em mais merce e a nenhum nam demenuya. E dezia por quem estas merces nam pedia que era pequice perder reçam de paço que por ysso nam avia de deyxar de lhe fazer outras muytas; e nam somente fazia merces a seus criados e naturaes mas nos reynos estrangeiros de Castella, Araguam, França, Roma, e outras muytas partes muytas e grandes pessoas recebiam delle em cada hum anno muytas e grandes merces secretamente, dos quaes elle recebia muytos e grandes avisos muy necesarios a seu serviço e estado; e as esmollas eram tantas que chegavam a Jerusalem, e tudo por serviço de Deos e por sua honrra e bem de seus reynos. E pollos grandes desejos que tinha de os acrecentar dava muyto poucas cousas da coroa, e sendo tam liberal e guastador, era tambem muy grande estucioso e aqueredor.

Antre outras muytas vertudes tinha esta singular: tanto cuydado de quem no bem servia que sem lhe pedir merce lha fazia e trazia secretamente hum livro escripto por sua mão que algum nunca ho soube senam depois de sua morte, no qual tinha feyto todolos homens a que mays obriguado era cada hum em sua cantidade em capitollos que dezião: "Foam me tem feitos taes serviços, lembrar-me-ha quando cousa vaguar que nelle cayba de o prover". E quando as cousas vagavam e lhas vinham pedir dizia: "Jaa a tenho dada"; e então secretamente via no livro as pessoas da calidade da tal cousa e aquella a que mais obrigaçam tinha a dava; e aas vezes estando as tais pessoas fora do reyno em seu serviço lhe mandava cá fazer seus despachos, de que muytos se espantavam, e foy singular vertude em que todollos boõs tinham muyta esperança de seus serviços; e este livro tenho eu em meu poder. E assi tinha outro livro em segredo em que tinha escripto todollos homens autos pera delles se servir nas cousas pera que eram, cada huns em seus titulos, huns pera capitães de cousas grandes e outros doutras somenos, outros para embayxadores, e assi pera enviadeiros, e tambem pera todollos carregos e cousas necessarias. De maneira que como avia necessidade de hũa cousa logo achava muytos homẽes nomeados pera ella, e sem falar a alguem escolhia ho que milhor lhe parecia e assi era sempre muyto bem  servido e muyto prestes. Tinha muyto grande cuydado de prover as cousas de seus reynos antes d' aver necessidade dellas, e tanto que na mayor força das festas do casamento do principe seu filho se faziam com mais deligencia as torres e cava de Olivença e outras fortalezas do estremo. E agravando-se-lhe el-rey de Castella disso por em tempo de tanta paz fazer cousas que pertenciam a guerra, com honesta e boa reposta nam deyxou de o fazer. E elle foy o primeyro que enventou e achou estando em Setuvel em caravellas e navios pequenos trazer bombardas muy grossas.

Foy desenvolto e muy manhoso em todallas boas manhas que hum principe deve ter, era singular dançador em todallas danças, e muyto bom cavalgador da gineta e da brida, muy destro, muyto braceiro e forçoso; tanto que cortava com hũa espada tres e quatro tochas juntas de hum golpe que nunca achou quem ho fizesse; folgava de montear e de caçar com galgos e com açores, e muyto mais com caça d' altanaria, e tinha sempre muyto boõs monteyros e caçadores, e singulares aves e cães e a seus tempos folgava nisso, e tambem com muito bons librees e alãos que sempre mandava lançar a touros; e assi trazia os milhores lutadores que se podiam achar, e muytas vezes via lutar; e avia fidalgos que ho faziam muito bem que elle nisso favorecia; e tambem os fazia acupar a correr e saltar, e lançar lança e barra, todallas cousas de desenvoltura assi a pee como a cavallo, e a serem boõs ginetarios, que todas estas cousas elle fazia muito bem em sua primeyra ydade quando pera isso avia tempo; e gabava tanto os homens que as fazião bem que todos trabalhavam por terem boas manhas; em seu tempo ouve homens muy manhosos e que valião muito por ysso e eram delle estimados.

Folgava com concerto e limpeza, e suas cousas desejava que fossem milhores que todas, e qualquer homem que fazia algũa d'aventagem dos outros, recolhia logo pera si e lhe fazia favor e merce. Vestia-se ricamente, e nunca se vestia de festa que o nam dissesse primeyro a pessoas pera se vistirem com elle, a que sempre pera ysso fazia merces; e quando assi se vestia avia sempre muytos homens muyto bem vestidos aos quaes com os olhos e palavras dava muyto contentamento, e sempre nos tais dias se vestia tambem a rainha e as damas, e avia ahi seram de salla de danças e baylos, que ficava em festa. E nestes dias e assi nos domingos e dias santos cavalgava polla cidade, e muytas vezes com trombetas, e atabales, charamellas e sacabuxas, e com muyto estado andava as ruas principaes, de que ho povo e todos recebiam muyto contentamento, e lhe alimpavam com grande deligencia as ruas, e lançavam panos aas janellas e as molheres postas nellas; e se via hum homem honrrado aa sua porta detinha-se com elle e perguntava-lhe algũa cousa, de que os homens ficavam com grande contentamento, e ganhava com ysso os corações de seus povos. E sempre hia aa carreyra e fazia correr todos os que ho bem faziam, e elle corria as mais das vezes e o fazia com muyta graça e desenvoltura; e era muyto pera folgar de ver os singulares ginetarios e ginetes que entam avia.

Comia muyto e muyto bem com muyto vagar e cerimonia, porém no mais de duas vezes por dia, e sempre aa sua mesa avia boas praticas, e muytas vezes desputas de grandes leterados e teologuos, e nos dias santos danças, estormentos, menistres, e bailos de mouros, e mouras vestidos de muytas sedas que pera ysso tinham; e ho faziam tam bem que era pera folgar de ver. E o serviço da mesa era tudo muy perfeyto e abastado e os oficiaes escolhidos pera ysso limpos e muito bem despostos. E atee hidade de trinta e seis annos em que adoeceo nunca bebeo vinho, e dahi por diante com necessidade e requerimento de todolos fisicos o bebeo muyto temperadamente. E era muyto cerimonial, e as cousas de seu estado sempre quis que lhe fizessem em todolos tempos com grande veneraçam. E sendo em suas camaras e retreites muy familiar, muy despejado, e muito alegre, em pubrico era tam grave que os mais chegados a ele lhe  tinham mayor acatamento; e era em suas palavras muy honesto, e porém tam craro que se tinha maa vontade a alguem nam lho avia d' encobrir e logo lho dava a entender; e nas cousas de castigo nam dissimulava nem deixava por sua vontade passar tempo; e avia por cousa baixa ter odio, e se com payxão fazia ou dizia algũa cousa, era logo tam arrependido com sastifaçam, que dezia o bispo de Viseu Dom Diogo Ortiz que foy seu confessor, que era pecador e singular penitente. E sendo em principe muyto amigo de molheres, depois que foy rey foy nisso tam temperado e casto, que se afirma nunca mais conhecer outra molher senam a sua.

Foy muyto catolico e em grande maneyra amigo de Deos e temente a elle, e muyto  devoto da payxam de Nosso Senhor Jesu Christo, e da sagrada Virgem Maria Nossa Senhora; e confessado por elle à ora de sua morte, nunca em sua vida lhe pediram cousa aa honrra das cinco chagas que nam fizesse; e todollos dias ouvia muy devotamente missa, e em quaesquer casas que estevesse tinha oratorio fechado em que todallas noytes depois de despejado e despido se recolhia com muyta devaçam a rezar hos sete psalmos e se encomendar a Deos, e afirmava-se que com hos joelhos nus postos em terra; e muytas vezes tardava tanto que era muyto trabalho aos que ho aguardavam, e ysto todallas noytes per ordenança; e polas menhãs na cama e aa mesa rezava sempre as oras de Nossa Senhora e outras muytas oraçoẽs. E em hũa boeta de que elle tinha a chave se achou depois de sua morte hum confissionayro, e hũas deceprinas, e hum aspero celicio que muytas vezes trazia sobre a carne debayxo da camisa e vestiduras reaes. E pera se hos oficios divinos fazerem em grande perfeyçam e com muyto acatamento, trazia sempre em sua capella riquissimos ornamentos, e muytos e boõs capellães e hos milhores cantores que se podiam aver; e as suas missas em pontifical, eram ditas com mais devação, acatamento, e cerimonias que em outra nenhũa parte. E nas Endoenças sempre dormia onde o sacramento estava, e com doo e grande loba e capello. O qual doo dava sempre d' esmola a algum cavaleiro prove; e era boa esmola que sempre tiraria vinte covados de contray. E o lavar dos pees aos pobres e *todallas outras cerimonias fazia com tanto acatamento e lagrimas que aos bons religiosos dava singular enxempro, quanto mais aos seus familiares. E as festas eram delle com grande veneraçam celebradas, e sempre nellas se vestia ricamente; e com grande estado real guardava os antiguos costumes dos reys seus antecessores, s.: no Natal consoada, na Pascoa ressurreyçam, dia de Corpus Christi, preciçam e touros, bespora de Sam Joam grandes fogueyras, e no dia canas reaes, e assi dia de Sam Jorge fazia sempre festa por caso da Gorrotea que tinha que elle muyto prezava; e todas as outras festas do ãno eram grandemente guardadas e cerimoniadas, e nellas muitos pontificaes que depois se tiraram; e elle foy o primeiro rey que em sua capella fez ordenadamente rezar as oras canonicas como em ygreja catredal; e pera se melhor poder fazer e com mayor perfeiçam deu-lhe rendas de que ouvessem destrebuiçoẽs, e a pôs na ordem em que ora estaa que he a melhor que rey christão tem.

Fez christão el-rey de Manicongo e a raynha e principe com outra muita nobre gente; edeficou a cidade de São Jorge na Mina, e foy o primeyro que ordenou o descobrimento da Yndia; venceo a batalha de Touro, e em seus reynos outros mayores perigos como esforçado e valentissimo rey; ordenou e começou o grande esprital de Lixboa da maneira em que estaa que he o milhor que se sabe; e assi fez e ordenou outras muytas e boas cousas de muito proveito e boa governaçam de seus reynos e naturaes em que mostrava o grande amor que a seus povos tinha, e bem conforme ao pelicano que por devisa trazia.

Acabou muito santamente sua vida, e tanto que de muitos he avido por sancto com  esperança de milagres. E falleceo de doença muy comprida em ydade de corenta annos e seis meses, dos quaes os vinte e cinco foy casado com a raynha Dona Lianor sua molher; e reynou catorze annos e dous meses com tantas doenças, nojos, trabalhos, cuydados, com tam pouco descanso que nelles por suas singulares obras e muyto grandes vertudes, mereceo alcançar a gloria que he pera todo sempre.

 

Deo gracias

 

 

 

VIDA E FEITOS D' EL-REY DOM JOÃO SEGUNDO

 

 

 

Livro da vida e grandissimas virtudes e bondades, magnanimo esforço, excelentes costumes e manhas, e muy craros feitos do christianissimo, muyto alto, e muito poderoso principe el-rey Dom João ho segundo deste nome, e dos reys de Portugal o trezeno de gloriosa memoria. Começado de seu nacimento e toda sua vida atee a ora de sua morte. Ordenado e escripto no anno de Nosso Senhor Jesu Christo de mil e quinhentos e trinta e tres per Garcia de Resende fidalgo da casa d' el-rey nosso senhor. Que muytas das cousas vio e foy presente a ellas, por ser de menino criado do dito senhor em sua camara e aceito a elle, e o servio em cousas de muyta fieldade atee a ora de sua morte a que era presente e dormia em sua camara. E o que per si nam vio vay com grande fieldade e muyto verdadeiramente escripto, de que sam boas testemunhas muytos nobres e pessoas de muyta autoridade e credito que ao presente sam vivas. Dirigido ao muyto alto, muyto excelente, e muyto poderoso principe el-rey Dom João o terceiro nosso senhor.

 

 

 

VIDA E FEITOS D' EL-REY DOM JOÃO SEGUNDO

 

Em nome de Nosso Senhor e redemptor Jesu Christo se começa a vida do excelentissimo principe el-rey Dom João ho segundo de gloriosa memoria.

 

 

 

De seu pay e sua mãy e seu nacimento

 

Capitulo primeiro

 

Ho muyto alto e muyto poderoso principe el-rey Dom Affonso ho quinto de gloriosa memoria, foy casado com ha serenissima e muyto excelente princesa ha raynha Dona Isabel sua molher, e sua prima com yrmaã filha do muyto excelente infante Dom Pedro seu tio. E estando el-rey em Almeirim vindo hum dia da caça, foy assi de caminho aa casa da raynha e teve com ella ajuntamento. Ha raynha tinha em hum anel hũa esmeralda de muito preço que muito estimava, a qual per esquecimento nam tirou do dedo e se lhe quebrou em pedaços. E quando assi a vio pesando-lhe muyto disse a el-rey: "Senhor, a minha esmeralda com que tanto folgava he quebrada", e elle lhe respondeo: "Senhora, tomay-o em muyto boa estrea, que prazeraa a Nosso Senhor que agora concebereis dhum filho que estimareys mais que todallas esmeraldas do mundo"; e dito por el-rey naquella hora emprenhou do principe Dom Joam seu filho que sobre todallas cousas muyto estimaram, o qual pario na muyto nobre e sempre leal cidade de Lixboa nos paços d' alcaceva. Naceo aos tres dias do mes de Mayo do ãno de Nosso Senhor Jesu Christo de mil e quatrocentos e cincoenta e cinco annos, de que el-rey e a raynha receberão grandissimo contentamento, e foy grande prazer em todo o reyno e fezeram-se muytas festas e alegrias.

 

De como o principe foy baptizado,

e das grandes festas que se fezeram no dia do bautismo

 

Capitolo II

 

E aos onze dias do dito mes de Mayo, em hum domingo foy o principe bautizado na See de Lisboa com grande solẽnidade.  E dos paços atee a See era tudo ricamente armado, e toldado per cima de ricos panos, e per baixo muito limpo e espadanado, e a See muyto hornamentada; e todollos senhores, e fidalgos, senhoras, donas, e damas hiam a pee, e levaram muytas tochas apagadas que aa vinda vieram acesas. E ho muyto excelente infante Dom Fernando yrmão d' el-rey, levava ho principe nos braços debaixo de hum paleo de rico brocado. E hia com elle ho muy catholico e virtuosissimo infante Dom Anrrique tio d' el-rey, e ha muyto excelente infanta Dona Catherina yrmaã d' el-rey, e a muito illustre senhora Dona Felipa yrmã da raynha, e a marquesa de Villa Viçosa, e outros muitos senhores e senhoras, e muita e muy nobre fidalguia. E diante do principe muytas trombetas, atambores, charamelas, e sacabuxas, e outros muitos estormentos, e muitos porteiros da maça, reys d' armas, porteiros-mores, mestre-salas, veador, e o mordomo-mor com todallas cerimonias reaes. Sayram da Sé a recebê-lo com muito solẽne precissam, o arcebispo de Braga, e tres bispos com muyta e muy honrrada clerezia, e ho arcebispo ho bautizou. Ho paleo levavam estes senhores diante, o conde de Villa Real, Dom Pedro de Meneses, e o prior do Crato, Dom Vasco de Tayde. E detras ho marquês de Villa Viçosa, e Dom Fernando conde d' Arrayolos seu filho mayor. Ho saleyro levava Dom Fernando de Meneses, e ho gomil e bacio da offerta Lionel de Lima. Foram padrinhos ho infante, e o prior do Crato. E madrinhas a infanta, e ha marquesa, e Dona Breatiz de Vilhena. E neste dia ouve sessenta senhores e fidalgos vestidos de opas roçagantes de ricos brocados, e sessenta senhoras, donas e damas vestidas aa francesa de ricos brocados, e ouve muytos vestidos de ricas sedas, e fizeram-se muitas festas.

 

Da criaçam do principe

 

Capitulo III

 

Foy grandemente criado com muyto grande cuydado, e tanto que teve entender lhe ordenou logo el-rey seu pay pessoas virtuosas, prudentes, e muy examinadas que delle tevessem cuydado, e que fossem taes de que podesse tomar boa doutrina, e lhe deu bons mestres que o ensinassem a ler, rezar, e latim, e escrever, e assi moços bem ensinados pera se criarem com elle e ho servirem: tudo feito como tal pay ordenava e tal filho merecia. De maneira que asi como crecia no corpo e na ydade, creciam nelle virtudes, bons custumes, bom ensino, e boas manhas em tanto crecimento, que sendo muyto moço veo logo a ganhar tanta auctoridade com hos povos, com hos nobres, e com el-rey seu pay, que nam fazia conselho nem cousa grande em que o nam metesse e tomasse seu parecer.

 

Do casamento do principe

 

Capitulo IV

 

Polla muyto grande fama que por muytas partes corria das virtudes, saber, manhas, e perfeições do principe, el-rey Dom Anrrique de Castela mandou muytas vezes cometer a el-rey Dom Afonso que casasse ho principe com a princesa Dona Joana sua filha. E el-rey Dom Afonso por querer muyto grande bem ao infante Dom Fernando seu yrmão, e por lhe fazer merce por aver muyto que lhe pedia, nam quis concertar nem fazer ho casamento com ha princesa herdeyra de Castella. E sendo o principe de ydade de quinze annos ho casou com a senhora Dona Lianor d' Alemcrasto, filha mayor do infante, e prima com yrmaã do principe que foy da propria maneira que el-rey seu pay casou. A qual princesa era tam singular pessoa, e de tam grandes virtudes e bondades, de tanta fermosura, manhas, e gentileza, tam acabada e perfeita, que parece que como ambos naceram tam excelentes, logo Nosso Senhor ordenou que ele nam podesse achar outra tal molher nem ella tam magnanimo marido. E ho dito casamento se fez e concertou no anno de Nosso Senhor Jesu Christo de mil e quatrocentos e setenta annos. E antes de vir aa despensaçam o infante se finou em Setuvel a XVIII dias de Setembro de mil e quatrocentos e setenta e depois de sua morte veo a despensaçam, e o principe recebeo ha princesa na dita villa de Setuvel a XXII dias de Janeiro de mil e quatrocentos e setenta e hum sem festa algũa por causa da morte do infante.

 

De como o principe foy com el-rey seu pay na tomada d' Arzila

onde foy feito cavaleyro

 

Capitulo V

 

E logo no ãno seguinte de mill e quatrocentos e setenta e hum, el-rey Dom Afonso determinou de yr tomar a villa d' Arzilla em Africa. E ho principe pedio tam apertadamente a el-rey seu pay que ho levasse consigo, que lho nam pôde negar, e contra conselho de todos lho concedeo nam tendo outro filho. E porém el-rey lhe aprouve disso porque estimava tanto ho principe seu filho e sua vista e conversaçam, que em todos seus prazeres e perigos o quis sempre tomar por companheiro pollo que delle conhecia. E quando lhe assi concedeo a hida, ho principe lhe beyjou por ysso a mão e lho teve tanto em merce como se algũa grande lhe fizera.

E concertado tudo ho que pera tal yda cumpria (como em seu lugar he decrarado) el-rey e o principe partiram da cidade de Lisboa dia de Nossa Senhora d' Assunçam a quinze dias do mes d' Agosto; e aos vinte dias do dito mes chegaram aa villa d' Arzilla onde el-rey e o principe foram dos primeiros que tomaram terra sendo tam perigosa a entrada, que se perdeo nella hũa galee e muitos navios e batees, em que morreram dozentos homens, em que entraram oyto  fidalgos e muitos cavaleiros e escudeyros. E logo a dita villa por el-rey e o principe com esses que eram fora, foy cercada e combatida até aos vinte e quatro dias do dito mes d' Agosto dia de Sam Bertolameu polla menhaã que se tomou. Na qual entrada e combates ho principe o fez tam valentemente e como tam esforçado e ardido cavalleyro, que de todos foy grandemente louvado, e d' el-rey seu pay muyto mais que de ninguem. Porque na força dos perigos em que el-rey se meteo e peleijou, achou sempre ho principe junto consigo, ferindo tam bravamente nos mouros, que dos grandes golpes que dava, ha espada andava toda torcida, e dos que feria e matava toda muy chea de sangue, em que ganhou muyto grande louvor sendo em hidade de dezasseis annos. E na primeira cousa em que se vio, tam bem pelejada e de tanto perigo, mostrou logo a grandeza e esforço de seu coraçam.

E no mesmo dia depois de feyto acabado com tanta honrra sua, el-rey seu pay com muyto contentamento o fez cavalleyro dentro na mezquita, e junto do corpo do conde de Marialva que ahi jazia morto e morrera como esforçado cavaleiro. E el-rey pollo na morte honrrar disse ao principe: "Filho, Deos vos faça tam bom cavaleiro como este            aqui jaz". E no combate mataram os mouros o conde de Monsancto, e o conde de Marialva, e outras muytas pessoas. E dos mouros forom mortos dous mil, e cativos cinco mil almas, e tomado muyto rico despojo foy avaliado em oitocentas mil dobras; e foy tudo de quem o tomou que el-rey fez escala franca.

 

Do que ao principe aqueceo andando de noyte soo

 

Capitulo VI

 

O principe como homem mancebo que era, ainda que o esforço, saber, e os cuidados eram de muito mayor hidade que a sua, todavia não podia negar o que a natureza daa e aquilo a que geralmente os mancebos sam mais incrinados. E algũas horas hia de noite fora secreto com hũa ou duas pessoas a folgar em cousas d' amores. Aqueceo por duas vezes, hũa yndo com elle Dom Diogo d' Almeida prior de Crato, e a outra Dom Fernando Mazcarenhas seu capitão dos ginetes e da guarda pessoas de que elle sempre muyto confiou e estimou, nam sendo conhecido, saltarem com elle muitos homens armados em Lisboa junto com Sancta Justa cuidando que saltavam com outrem; e por se nam dar a conhecer jugaram aas cutiladas com todos, e o fez tam valentemente que foy muyto falado nisso, sem saberem quem era e ferio muitos até lhe fogirem. E o principe avendo muitas e grandes feridas nas armas, nam ouve nenhũa em seu corpo por hir muito bem armado. E porque alguns dos homens o fizeram muito bem como esforçados e elle vio que hiam feridos, ao outro dia teve logo maneira secretamente, e per todolos solorgiães soube os homens que naquella noite, e aaquellas oras e lugar forão feridos; e sabido lhe mandou logo fazer merces de dinheiro e curá-los muyto bem, e como foram sãos os tomou por seus criados.

 

De como o principe tomou sua molher e casa

 

Capitulo VII

 

E no anno seguinte de mil e quatrocentos e setenta e dous annos tomou o principe ha princesa sua molher e sua casa e lhe foy dada em Beja onde estava a senhora ifante Dona Breatiz sua sogra que tudo lhe deu em muyta perfeiçam. E dahi a poucos dias com sua casa hordenada elle e a princesa se foram aa cidade de Evora.

 

Do nacimento do ifante Dom Afonso filho do principe,

e do que el-rey Dom Afonso fez

 

Capitolo VIII

 

Estando o principe em Arronches com el-rey seu pay que dhi entrou logo em Castela, lhe veo recado como a princesa parira o ifante Dom Afonso seu filho na cidade de Lixboa nos paços d' alcaçova, aos dezoito dias do mes de Mayo de mil e quatrocentos e setenta e cinco annos, de que el-rey e o principe e toda a corte e o reyno receberam grande prazer e se fezeram festas e muytas allegrias. E porque el-rey hia a casar a Castella, determinou logo ahi e o deixou assi assentado, que sendo caso que ele ouvesse filhos da raynha e o principe fallecesse primeiro que elle, que a socessam do reyno ficasse ao ifante Dom Afonso seu neto; e logo ahi o decrarou por seu erdeiro, e deixou ordenado que o jurassem, como logo dahi a pouco com muyta solennidade todos juraram por erdeiro dos reynos de Portugal e dos Algarves.

 

De como o principe ficou em Portugal com a governaçam do reyno

 

Capitolo IX

 

E da dita villa d' Arronches entrou el-rey em Castela com cinco mil e seiscentos homens de cavalo, e catorze mil de pee, todos bem armados afora a carruagem que era muyta. E o principe foy com elle falando na maneira que avia de ter no regimento do reyno e em outras muytas cousas até o lugar de Pedra Boa. E depoys de todo concruido o principe com devido acatamento se despedio d' el-rey seu pay e se veo a Portugal, onde logo teve muytos e grandes cuidados nas cousas da justiça, e muito mayores nas da guerra em que muyto teve que fazer. Que por el-rey seu pay ser em Castella e levar a principal gente de Portugal, assi elle recebia nos estremos do reino muitos rebates da gente dos contrairos, a que acudia com tanto esforço, saber, cuidado, e diligencia, quanto hum singular e ardido capitão de muitos ãnos acustumado na guerra o podia fazer, sendo elle muy mancebo; e nam se contentava de com quam pouca gente como tinha defender os reynos, mas ainda com ella fazia muita guerra aos imigos que em grande maneira o temiam. E assi teve tambem muito trabalho com os do reyno, porque avia muitas cousas a que acudir; o que tudo fazia com tanto saber e bondade, esforço, e valentia, que mais não podia ser.

 

De como o principe tomou Ouguela

 

Capitolo X

 

E neste mesmo anno estando o principe em Estremoz lhe veo nova como hum capitam castelhano que se chamava Galindo tomara a villa d' Ouguella. E tanto que o soube a foy cercar com hos que pôde ajuntar; e antes de a combater lha deram os castelhanos por concerto. E neste cerco João da Silva que era camareiro-mor do principe e entam capitam de sua gente, se topou de noite com ho Galindo capitam dos castelhanos; e vindo ambos diante de toda a gente sem se conhecerem, se encontraram tam fortemente que daquelle soo encontro morreram ambos, sem outra algũa pessoa dambas as batalhas morrer senam soo elles capitães. De que ho principe foy muy anojado, porque tinha muito amor a Joam da Silva, e alem de ser seu camareyro-moor, e pessoa muy principal, era muy vallente cavalleyro, e muyto bom capitam, que em tal tempo era pera sentir sua morte ainda que morresse em seu officio; e assi ho Galindo era muy esforçado cavaleiro e muyto bom capitão. E logo ahi deu o principe o officio de camareyro-moor a Ayres da Silva filho do dito Joam da Silva; e sendo Ayres da Silva bem moço começou logo de servir ho dito officio inteiramente, e o metia nos conselhos polo fazer mais cedo homem e ter mais autoridade.

 

De como o principe partio pera Çamora chamado d' el-rey seu pay

e do caminho se tornou

 

Capitolo XI

 

Estando el-rey em Çamora por has cousas que trazia antre as mãos serem de muyto grande peso e comprirem muyto aa sua honrra e seu estado, desejou muyto ver o principe seu filho pera com elle se aconselhar e consultar tudo, e escreveo-lhe com muito amor que receberia muyto grande prazer e contentamento em o logo querer yr ver. E o principe tanto que lhe a carta deram com muyta obediencia e desejo de ver el-rey seu pay logo cumprio. E deixando tudo ho que no reyno cumpria pera ha guerra e pera a paz muito bem ordenado partio; e sendo ja em Miranda do Doiro aforrado pera ahi vir gente d' el-rey por elle lhe chegou recado de seu pay que se tornasse por caso da trayçam da ponte de Çamora. O qual recado lhe trouxe ho Chichorro capitam dos ginetes d' el-rey que passou de noyte o Doyro a nado armado a cavallo como valente cavaleiro que era; e da nova foy ho principe muyto triste por nam ver o pay que muyto desejava, e polla trayçam da ponte que el-rey muyto sentio; e foy muyto grande perda e ouve rijos combates, nos quaes mataram Dom Tristam Coutinho, e derribaram da torre abaixo com hũa viga a  Dom Joam de Sousa querendo-a entrar esforçadamente por hũa escada, e foy levado como morto, e assi mataram e feriram outras muytas pessoas sendo ahy el-rey em pessoa.

 

De como o principe determinou d' hir em pessoa socorrer a el-rey

seu pay, e do que sobre ysso fez

 

Capitolo XII

 

Vendo o principe a trayção da ponte que assi foy feita a el-rey seu pay, temendo outras que podiam sobrevir, e lembrando-se da necessidade que o pay jaa tinha de gente e de dinheiro, como verdadeiro e virtuoso filho e muyto prudente principe  e valente cavaleiro, determinou de logo socorrer a el-rey em pessoa com a mays gente e mais dinheyro que podesse ajuntar, e yr com seu pay tomar parte de seus trabalhos per cima de quantos elle cá no reino tinha, o que logo com muita deligencia e grande cuidado poos por obra. E mandou aperceber e apurar toda a gente que pôde e todo o dinheiro que das rendas do reyno se devia, e outro que andou ajuntando e pedindo emprestado a pessoas que o tinhão. E porque lhe pareceo que nam era tanto quanto cumpria, com muito recado e muita certeza de paga tomou a prata das ygrejas e moesteiros, aquella que nam era sagrada que na sagrada se nam bolio nem pôs mão, a qual depoys de ser rey com muito cuydado pagou; e de todas estas cousas se fez boa soma de dinheiro. E por consentimento d' el-rey seu pay deixou o regimento e governança do reino aa princesa Dona Lianor sua molher, e com ella deyxou pessoas de muyta autoridade e letras e bom conselho com que nas cousas do reino se aconselhasse. E assi proveo as frontarias de capitães, e as fortalezas de alcaydes-mores, gente e armas e todo o mais que cumpria. E feyto assi tudo tendo jaa a gente prestes, partio da cidade da Guarda no mes de Janeiro de mil e quatrocentos e setenta e seis ãnos; entrou em Castella polla villa de Sam Felizes, a qual logo tomou per força por estar contra el-rey seu pay e a deixou por sua, e no combate ouve alguns mortos e feridos. E dahi foy ter junto com Ledesma, que sendo contraira deu ao arrayal por dinheiro mantimentos e provisões. E dahi por suas jornadas foy com sua gente tam concertada e em tanta ordem e regimento, que nunca ninguem ousou de o cometer.

Chegou aa cidade de Touro onde el-rey seu pay e ha raynha e toda sua gente estava; e foy recebido d' el-rey com grandissimo amor e muytas lagrimas de prazer de hũa parte e da outra, e assi da raynha e de todolos portugueses com tanto contentamento, que mais não podia ser; porque toda a esperança d' el-rey Dom Afonso e de todos os seus era soo na vinda do principe.

 

De como o principe venceo ha batalha de Touro,

e ficou no campo sem lho ninguem contradizer

 

Capitolo XIII

 

Tanto que ho principe foy em Touro por o grande favor que el-rey seu pay e todos com sua vinda receberam, porque el-rey Dom Fernando tinha cercado o castello de Çamora, determinaram logo de yrem cercar ha cidade da outra parte da ponte, o que logo fizeram; e deixou el-rey com a raynha em Touro o duque de Bragança, e o conde de Villa Real com a gente que compria. Nos quaes em hũa ylha que faz o Rio Doiro, se ajuntaram pera concerto de paz, da parte d' el-rey Dom Fernando o duque d' Alva e ho almirante, e da parte d' el-rey Dom Afonso, ho senhor Dom Alvaro e Ruy de Sousa, e teverão muytas praticas, mas nam fezeram concerto algum; e el-rey e o principe por lhe falecerem os mantimentos e lhe nam poderem viir, e aquelle sitio ser doentio e a gente receber muito mao trato, determinaram alevantar o arrayal e tornarem-se aa cidade de Touro. O que supitamente fezeram em hũa sesta-feira dous dias do mes de Março do ãno de mil e quatrocentos e setenta e seis, em querendo amanhecer, com toda deligencia e recado que se podia ter; porque tinham por certo que el-rey Dom Fernando por estar mays poderoso de gente e muyto milhor tratada, como quer que o soubesse, yria logo apos eles, como foy com todo seu poder.

E hindo el-rey e ho principe ja duas legoas da cidade de Çamora, vindo ha gente d' el-rey Don Fernando jaa muito acerca da d' el-rey, sendo a de Castella muyto mais que a de Portugal por ser jaa muyta chegada a Touro, e assi ficar muita com a raynha, o principe como tão esforçado e valente cavaleiro como era, determinou esperar el-rey Dom Fernando e dar-lhe batalha. E mandou logo recado a el-rey seu pay que era diante por o caminho a ter e fazer tornar a gente que com receo apressadamente se acolhia aa cidade. O qual muyto ledo e contente disso, como muy valente e esforçado rey tornou logo atras, e com o principe ordenou de darem batalha, e se poseram logo em hordem de a dar no campo junto com Touro, sendo ja el-rey Dom Fernando tam acerca que nam podiam ordenar sua gente que era bem pouca em respeito da dos castelhanos; e com tudo com muyta pressa a ordenaram em duas batalhas. A primeira e mayor ha d' el-rey com sua bandeira real, da parte donde estava a mayor batalha d' el-rey Dom Fernando com sua bandeira sem elle estar nella; e a segunda batalha de menos gente foy a do principe, porém era gente cortesaã e muy escolheita, e com sua bandeira se pôs aa outra parte defronte donde estavam duas muyto grandes batalhas de gente d' el-rey Dom Fernando. E vendo ho principe como as batalhas contrayras eram duas, ordenou sua gente tambem em duas batalhas, e apartou de si com os de sua guarda o capitão Fernam Martinz de Mazcarenhas; e por nam ter tanta gente como cumpria, encomendou a Gonçalo Vaz de Castelbranco e a Ruy de Sousa que com sua gente que era muyta e muyto boa se juntassem, como logo juntaram com Fernam Martinz; e por antre elles nam aver deferença sobre ha capitania, mandou laa Dom Pedro de Meneses que depois foy conde de Cantanhede, e todos juntos fizeram hũa boa batalha.

E estando assi has batalhas ordenadas de hũa parte e da outra pera encontrar sendo jaa quasi sol-posto, el-rey mandou dizer ao principe que lhe mandava a bençam de Deos e a sua, e que com ella desse logo rijamente nos contrairos; o qual por lhe obedecer e cumprir o que tanto desejava, depois de feito sinal polas trombetas, elle com todos os seus com grandissimo esforço e animo como singular capitão bradando todos pollo nome de Sam Jorge, com grande força e impeto deu tam bravamente nas batalhas contrairas, que sendo muyto mais gente nam poderam sofrer nem resistir hos grandes e asperos encontros, e sem muyta detença foram logo ambas desbaratadas e postas em fogida, com muyto dano feyto nellas. E era alferez do principe que levava a bandeira Lourenço de Faria, homem fidalgo e esforçado que neste dia e em outros ho fez como muyto bom cavalleiro  e o principe por tal o teve sempre. E assi como o principe desbaratou estas duas grandes batalhas, assi a batalha grande d' el-rey Dom Fernando desbaratou a d' el-rey Dom Afonso, porque vinha nella muyta e muy grossa gente d' armas, e muytos acubertados, e grande soma de espingardeiros que fezeram grande dano aos cavallos. E sendo assi a batalha desbaratada e el-rey Dom Afonso vendo-se assi desbaratado, parecendo-lhe que assi o seria a batalha do principe pois tinha muyto menos gente que a sua, da qual nam tinha vista nem recado achando-se da outra parte com muyto poucos, por salvar sua vida se recolheo com muyto perigo a Crasto Nunho, jaa muyto noite e bem soo onde o alcayde Pero de Mendanha como bom e leal cavalleiro o recolheo e fez nisso grandes finezas e lealdades, assi elle como sua molher, e o serviram muyto bem e deram muytos confortos. E el-rey se foy laa porque a gente dos contrairos era tanta antre a cidade de Touro e elle que nam podia jaa laa hir. E toda aquella noyte esteve com grande tristeza por nam saber novas do principe parecendo-lhe que podia ser morto ou ferido. E el-rei Dom Fernando que sem pelejar estava atras em hũa pequena batalha posto num alto, vendo o desbarato que o principe fez nas primeiras duas batalhas sendo de muyto mais gente que a sua, e vendo a sua batalha grande toda revolta sem ver bem ho que nella hia, parecendo-lhe tambem que era tudo desbaratado desemparou tudo e com esses com que estava se acolheo logo a Çamora. E o principe como prudente capitam vendo a grande vitoria que Deos lhe dera e a boa ventura daquella ora, quis mais segurar a honrra de tamanho vencimento que seguir mais o alcanço. E com muyto grande animo e recado recolheo a si sua bandeira e a bandeira real d' el-rey seu pay; a qual lhe trouxe hum escudeiro que se chamava Gonçalo Pirez criado de Gonçalo Vaz Pinto, que per força como homem esforçado a tomou a hum Souto Mayor castelhano que a levava e o prendeo; a qual bandeira nunca poderam tomar das mãos de Duarte d' Almeida alferez sem lhas primeiro deceparem e darem outras muytas feridas no rosto e no corpo até o deixarem por morto e viveo e fez alli como valente e muy esforçado cavalleiro. E assi recolheo muyta gente que pollo campo era espalhada e fez corpo, e com muyta segurança e sossego e grandissimo esforço e recado esteve no campo a mayor parte da noite sem nunca mover atras, estando junto delle muyta mais gente d' el-rey Dom Fernando que a sua, a qual pollo tam valentemente verem peleijar, e vendo a segurança e sossego com que estava, nunca ousou de o cometer, estando tam acerca huns dos outros que se ouviam o que falavam. E como a noite escureceo se foram todos, e o principe ficou soo no campo triunfando de tamanho vencimento; e fazendo recolher os feridos e mortos, como piadoso capitam esteve assi quedo. E com quanta rezam tinha d' estar muy alegre por tamanha honrra como tinha ganhada, estava em estremo triste sem o dar a entender, por nam saber novas d' el-rey seu pay que sobre tudo desejava de saber. E algũas pessoas principaes de sua batalha e outras muytas com o grande alvoroço do vencimento seguiram tanto o alcanço dos contrarios que deram na força da gente onde foram alguns mortos e captivos. E a gente da batalha d' el-rey Dom Afonso que polo campo andava perdida, ouvindo as trombetas e tambores do principe e vendo as fogueiras que no campo mandou fazer se recolheo toda a elle, com que fez hũa muyto grossa batalha, com que aquella noite ficou pacifico senhor do campo, no qual nam ficou algum dos reys cuja a causa era.

E alli Dom Vasco Coutinho que depoys foy conde de Borba  prendeo Dom Anrrique conde de Alva de Lista, pessoa principal que vinha a conhecer a batalha do principe. E trazendo-o assi preso, o principe andava correndo e cerrando sua gente e foy dar com eles, e deu com o conto da lança ao conde passo e disse a Dom Vasco: "Tende-o bem nam se vaa como o conde de Venavente". E em passando lembrou-lhe que era tio d' el-rey Dom Fernando, e tornou rijo e pedio-lhe que lhe perdoasse por lhe tocar com a lança; e o conde lhe respondeo: "Aa, senhor, nam vos dê disso que jaa me nam podeis tirar sessenta annos, e ser em tres batalhas campaes; nem se pode tirar a vossa alteza fazê-lo oje melhor do que há muytos annos que principe christão o fez". E o conde foy trazido preso a Portugal onde lhe foy feyta muyta honrra por ser pessoa de gram valia, e depois foy solto e livre tornado a Castella.

E depois do principe estar assi muyta parte da noyte no campo, e ver como os contrairos todos eram fogidos e delles nam aver nem parecer pessoa algũa, e jaa nam ficar cousa que fazer determinou estar no campo tres dias sem se partir dele, e foy aconselhado polo arcebispo de Toledo e outros senhores, que pois a gente dos contrayros era jaa toda fogida abastava e compria com estar tres oras; e para isso como sabedor na guerra e nas letras deu ao principe taes rezões que tomou seu conselho. E por o muyto mao trato que a gente tinha recebido, e por hos muytos feridos que avia, e tambem por lho pedirem o arcebispo de Toledo e outros senhores que ahi com elle eram se foy com grande trihunfo e vagar, com suas bandeiras tendidas, e trombetas e atabales aa cidade de Touro onde entrou e esteve com muyta tristeza atee outro dia que soube nova d' el-rey seu pay, de que ficou muyto ledo, e logo lhe mandou muyta gente com que veo a Touro onde a raynha e o principe estavam.

Nesta batalha e assi na tomada d' Arzilla e em outras partes nam falo em muytas pessoas nem nos esforçados feytos que fezeram per pertencer à cronica d' el-rey Dom Afonso, que atee qui nam digo senam o que toca ao principe, que se a mi pertencera, homens e feytos avia de que falar muyto dignos de memoria que eu bem folgara de escrever.

 

De como o principe por mandado d' el-rey seu pay se veo

a  Portugual, e das palavras que hum dia disse aa mesa

 

Capitulo XIV

 

Depois disto assi passado, loguo por el-rey foy determinado que o principe se viesse a Portugal; e depois de nisso se tomar concrusam, ho principe fez muitas honrras e muitas mercees aos que na batalha o serviram como bons cavaleiros, e mandou dar mercees de dinheiro aos feridos, e proveo alguns que da batalha d' el-rey seu pay foram cativos. E despedido d' el-rey com muyto grande saudade, e assi da raynha partio da cidade de Touro na somana mayor, e veo ter ha Pascoa a Miranda do Doyro, onde a princesa sua molher estava. E dahi a poucos dias disse alto e pubricamente estando comendo aa mesa estas palavras: "Muy necessaria cousa me foy vestir as armas pera conhecer hos homens a que devo de fazer merce". Palavras certo dignas de memoria.

 

E doutras cousas que no reyno se seguiram andando el-rey seu pay

en  França

 

Capitolo XV

 

Depoys d' el-rey Dom Afonso ser vindo de Castella, e partido de Lixboa pera França, o principe se veo logo aa cidade d' Evora, e dahi andava polla comarca d' Antre Tejo e Odiana donde fazia a guerra a Castella em que fez muitas entradas com muyto dano aos contrayros. E porque quando elle estava em Touro com el-rey seu pay, Dom Alonso de Monroy que entam era mestre d' Alcantara, e da parte d' el-rey Dom Fernando tomou per manha ha villa d' Allegrete, e estava nella forte e muy bem bastecido, ho principe com seu muyto grande esforço, no mes de Fevereyro de mil e quatrocentos e setenta e sete a foy cercar, e mandou tam rijamente combater, que por partido lha deram, e lhe foy entregue com muyta sua honrra e louvor, e porém com mortes e danos dambas as partes.

 

De como o principe tomou Alegrete, e como fez tornar ho mestre

de Santiago que com duas mil lanças vinha correr a Evora

 

Capitulo XVI

 

Acabado assi ysto estando o principe em Elvas com sua gente veo a Evora aforrado e no mesmo dia que chegou lhe deram nova como o mestre de Santiago de Castella com duas mil lanças era entrado e estava pousado na Ribeyra do Digebe com tençam de ao outro dia pola menhã cedo vir correr aas portas d' Evora sem saber que elle ahi estava. O principe quando lhe o recado derão ficou muyto triste e agastado por nam aver em Evora mais de trezentas lanças que ahi estavam com o bispo Dom Garcia, e nam era gente pera poder resistir a o mestre viir aa cidade, o que elle muito sentia por se acertar ahi soo e parecia-lhe que recebia nisso muita offensa. E como muyto prudente capitam com manha o quis remediar, pois com força nam podia. E logo aa noite mandou  Diogo da Silva de Meneses que depois foy conde de Portalegre, e Dom Joam de Sousa muy valentes cavalleyros e pessoas de que muyto confiava, e com elles trinta de cavallo onde ho mestre estava pousado com todo seu arrayal na dita ribeira; e de hum outeyro que sobre a ribeira estava, bradaram alto atee que da tenda do mestre acudiram, e Dom Joam disse: "Dizey ao senhor mestre que estam aqui Diogo da Silva e Dom Joam de Sousa com hum recado do principe pera sua senhoria". Sayo o mestre aa porta da tenda e perguntou o que queriam, e Dom Joam lhe disse: "Senhor, o principe nosso senhor manda dizer a vossa senhoria por nós que elle chegou oje aa cidade d' Evora, e soube como vossa senhoria aqui estava com tençam de polla menhaã hir dar hũa vista aa cidade, e que elle por amor de vós e desejar de vos ver, vos quer tirar desse trabalho, que vos agradeceraa muyto quererde-lo esperar aqui, que elle pola menhaã sera com vossa senhoria". Ho mestre lhe respondeo: "Dizey, senhores, a sua alteza que eu lhe beijo as mãos, e que nam sabia como elle ahi estava, e que agora que o sey me parece mais rezam hir eu lá pera o servir que sua alteza vir cá, e que polla menhaã prazendo a Deos serey com elle".

E com muyta cortesia dambas as partes se despediram Dom Joam e Diogo da Silva, e vieram ao principe ja depois da mea-noyte, ho qual nam acharam dormindo, mas armado a cavallo e com tochas andando polla cidade a buscar os homens por suas casas, que sabendo o poder do mestre de má vontade queriam sayr. E com o recado folgou muyto, e mandou logo o bispo Dom Garcia com trezentos de cavallo caminho donde o mestre estava e lá em lugar pera ysso aparelhado, andarão toda a parte da noyte trilhando todos a terra tanto que parecia trilha de mais de tres mil de cavallo e em querendo amanhecer se poseram em lugar onde nam podessem aver vista delles.

E o mestre ante manhaã levantou-se, e posta sua gente em hordem, mandou tornar sua carriajem por onde viera, e elle com dous mil de cavallo começou de andar caminho da cidade: e vindo assi com tençam de chegar atee as portas, foram dar na trilha da gente de que ficaram muy espantados. E quando ha virão tamanha foy em todos tamanho receo, que logo tornaram atras, e com muyta pressa e temor partiram caminho de Castella fogindo sem verem de que fogiam. E passando pollo porto de Mouram, sayo a ve-los Dom Diogo de Castro que ahi estava com cento e cincuenta lanças; e em o mestre passando por hum porto muy apressado, disse Ruy Casco a Dom Diogo: "Senhor, demos naquella gente porque vay desbaratada, que ouço yr traquejando hũas lanças com as outras como homens cortados de medo". O que Dom Diogo logo fez, e deu rijamente na traseira do mestre que ja era passado adiante, e desbaratou-os e captivou mais de cento de cavallo sem aver homem que voltasse atras pollo grande medo que levavão. Ho principe quando soube que o mestre assy se tornara, foy muyto allegre e muyto contente pollo assi fazer yr, e por se ver fora de tamanha vergonha como pera ele fora vir correr aas portas d' Evora. E quando lhe deram ho recado do desbarato que Dom Diogo na gente do mestre fizera folgou muito e a Ruy Casco polo conselho que deu a Dom Diogo que desse nelles fez merce de cincuenta mil reaes de tença.

E neste mesmo tempo e anno ouve o principe de Pero Pantoja que lhas deu as fortalezas de Zaguala e Pedra Boa do mestrado d' Alcantara, em que logo pôs seus alcaydes e capitães, e por ellas lhe deu em Portugal a villa de Santiago de Caçem. As quaes fortalezas de Zaguala e Pedra Boa com outras rendas nestes reynos deu o principe ao dito mestre Dom Afonso de Monroy por que servisse el-rey Dom Afonso seu pay, como na guerra bem e fielmente como esforçado cavalleiro sempre servio até se fazerem has pazes.

E assi ouve o principe de Martim de Sepulveda fidalgo castelhano a fortaleza de Noudal em que estava e era tomada dos castelhanos. E lhe fez por ysso em Portugal merce de que elle foy muyto contente e satisfeito.

E neste mesmo tempo fez o principe cortes na villa de Montemor-o-Novo, onde pollos povos pera estas necessidades da guerra lhe foy feito serviço de dinheyro.

 

De como el-rey Dom Afonso sendo em França se apartou

dos seus com tençam de se hir a Jerusalem, e do que

nisso se pasou, e como o principe foi alçado por rey

 

Capitulo XVII

 

El-rey Dom Afonso vendo como a fortuna em todos estes tempos lhe era muyto contrayra e lhe corria de rostro, e nam contente de seus trabalhos e fadigas, ainda por mayor desaventura por sua causa fora morto o duque de Borgonha seu primo, que elle muyto em estremo sentio por ser tam excellente principe e morrer com todos os seus tam cruamente; e vendo que tudo o que hum esforçado e vallente rey podia fazer elle o tinha feito em Portugal e Castella, Africa, França, e outras partes, e tudo se lhe hia a través; parecendo-lhe que ysto vinha por Deos ou seus pecados ou por sua má costelaçam, determinou de deyxar o mundo e se hir a Jerusalem meter em religiam; e com toda ha dissimulaçam que pôde ho pôs por obra.

E ahos vinte e quatro dias do mes de Setembro do anno de mil e quatrocentos e setenta e sete, hum dia ante manhaã com hum capellão, e dous moços da capella, e dous moços da camara e dous moços d' estribeira se partio muy secretamente. E do caminho mandou hum dos moços d' esporas avisado que nam dissesse por honde hia, com hũa chave de hũa sua boeta, e mandando que se abrisse como logo abriram. E acharam nella certas cartas e hũa estruçam do que mandava que fizessem, tudo escripto por sua mão. Hũa das cartas era pera el-rey de França, em que lhe encomendava muito o emparo, favor, e ajuda dos seus se lhe fosse necessario e dando-lhe conta de sua determinaçam. E outra pera o principe seu filho, em que com palavras de muita tristeza e sentimento lhe dava hũa muito triste conta de sua viajem e desconfortada tençam e das tristes causas que o a ysso moveram, encomendando-lhe muito e mandando-lhe por sua bençam que tanto que lhe a carta dessem logo se levantasse por rey; e outra carta pera todolos do reino em que lhe mandava que como a propio e verdadeiro rey lhe obedecessem. Has quaes cartas o conde de Farão a que elle na estruçam mandou que todos obedecessem e comprissem seus mandados até tornarem a Portugal, deu a Antam de Faria camareiro e guarda-roupa do principe que ao tal tempo lá era a visitar el-rey. Com as quaes Antam de Faria logo partio, e com pressa veo ao principe", que como singular, virtuoso e verdadeiro filho, com muitas lagrimas e grandes solluços as leo, e assi com muyta tristeza de todos os que presentes eram e de todo o reino.

E em comprimento de mandado d' el-rey seu pay, o principe foy alçado por rei com sua solenidade em Santarem nos alpendres de Sam Francisco, aos dez dias do mes de Novembro de mil e quatrocentos e setenta e sete ãnos, e nam com poucas lagrimas suas e dos que com elle eram. Sendo presentes o duque de Bragança e ho marquês de Montemor seu yrmão, ho arcebispo de Lisboa, ho bispo d' Evora Dom Garcia, ho bispo de Coimbra, e o bispo de Viseu, ho conde de Villa Real, o conde de Penella, ho conde de Momsanto, e outros senhores e pessoas mui principaes.

 

De como el-rey Dom Afonso foy achado e tornado a seus reynos, e da grande obbediencia e muy singular virtude que o principe fez

 

Capitulo XVIII

 

Tanto que foy sabido que el-rey Dom Afonso era partido, se poos tanta deligencia pellos franceses pera se buscar, que nam ficaram caminhos, estradas, nem atalhos por honde muyta gente nam fosse em sua busca. E assi todos hos portugueses com tanta tristeza, tanto door, tanto desemparo quanto bons e verdadeiros criados e vassalos, por tam excelente, tam virtuoso rey de que tantas merces e honrras tinham recebidas podiam ter, todos espalhados por todas partes com tanto desejo de o acharem pera com ele yrem e o servirem até morte, quanta era a desconsolaçam de suas almas. E tanta gente foy apos ele por todollos caminhos, que ouveram nova por onde hia, e dahi a dous dias foy achado por hum fidalgo frances que com muyto acatamento ho servio e deteve atee que hos senhores e fidalgos portugueses chegaram a elle. E com muyto trabalho o poderam tirar de seu proposito, e porém como virtuoso e piadoso rey lhe aprouve de fazer o que com tantas lagrimas e muy piadosas pallavras lhe pediam, que era tornar-se a seus reynos e nam nos deixar tam perdidos, tam tristes e desemparados em reynos e terras estranhas. E logo com todos se tornou, e por nam vir a Nafrol donde partira, foy a embarcar a hũa angra do mar que chamam a Oga, em hũa grande carraca, e a outra gente em naos que pera ysso tinham prestes e assi partio logo pera seus reynos. E vindo no mar foy aconselhado dalgũas pessoas principaes que fosse desembarcar a algũa das cidades que tinha em Africa e nam em Portugual, porque seu filho por ja ser rey nam lhe avia de obedecer nem consentir que mandasse nada, e el-rey lhe respondeo: "Prouvesse a Deos que tanta mercee me fizesse que fosse eu governado e mandado por meu filho".

Veo el-rey ter a Cascaes onde soube que o principe seu filho era levantado por rey, e ao outro dia foy desembarcar a Oeyras. E no mesmo dia veo ho principe ter com elle; que assi como lhe deram a nova, sem mays esperar ora nem ponto partio, e veo com muito grande pressa atee achegar ao pay, e em no vendo com grandissimo prazer, alegria, e lagrimas, com muyto grande acatamento, e os joelhos em terra lhe beijou a mão. E com palavras de principe tam prudente e virtuoso e filho tam obediente como era, renunciou logo de si, nas mãos d' el-rey seu pay ho titolo de rey que per seu mandado tinha tomado. De que el-rey e todos os que com elle vinham ficaram muy contentes e muy alegres, porque antre eles ouve alguns que duvidavam do principe fazer tamanha bondade; e el-rei com muito contentamento e muytas pallavras d' amor, e rezões muy evidentes que pera ysso ao filho alegou, quisera e apertadamente lhe cometeo e rogou que pois por seu mandado era alçado por rey, nam deixasse de o ser, e ficase rey de Portugual, que elle se contentara com ficar rey dos Algarves, e nos lugares dalem yr acabar sua vida fazendo guerra aos infieis por serviço de Deos. E o principe pollo grande amor e acatamento que lhe tinha, e por suas muyto grandes virtudes nunca o quis aceitar, dizendo que nunca Deos quisesse que em sua vida ouvesse outro rey senam elle. E apertando el-rey todavia muito nisso e per muitas vezes, o principe lhe pedio muyto por merce que tal lhe nam mandasse porque em nenhũa maneyra o avia de fazer, ainda que nisso lhe fosse desobediente, e que soubesse certo que muito mais estimava ser seu filho, que ser rey de muitos reinos. De maneira que logo el-rey Dom Afonso ficou como dantes era, e ho principe no mesmo dia se tornou a chamar principe; de que foy de todos em estremo muy louvado e foy grandissima virtude. Aos senhores e fidalgos que com el-rey seu pay vinham fez muita honrra e gasalhado; e assi recebeo todos hos mais com muyto amor. E dahi se foram el-rey e elle aa cidade de Lisboa, onde com muitos prazeres e mui grandes alegrias forão recebidos; e assi foy muy grande prazer em todo o reino.

 

Do que o principe passou em Almeirim com ho cardeal

 

Capitolo XIX

 

Ho principe nunca foy contente das cousas do cardeal de Portugal Dom Jorge da Costa, nem lhe parecia bem a muita honrra que el-rey seu pay lhe fazia mays do que era rezam, com que o cardeal se mostrava rijo, e fazia algũas cousas mais solto do que devia, de que ho principe tinha desprazer por el-rey lhas consentir. E estando el-rey em Almeirim andando passeando no campo, ho principe se apartou com o cardeal a cavallo, e foram passeando caminho de Santarem; e aa ponte d' Alpiarçoyla, o principe mandou ficar todos, e soo com o cardeal e hos moços d' estribeyra adiante afastados passou a ponte d' Alpiarça. E foy reprehendendo muyto ho cardeal com palavras asperas e feas estranhando-lhe has cousas que fazia; e ho cardeal dando-lhe muytas desculpas, o principe lhas nam recebia e lhe dise: "Pera que he nada senam a hum cardeal tam mal ensinado, desagradecido e de maa condiçam, mandá-lo tomar por quatro moços d' esporas e afogá-lo em hum rio e dizer que cahio e se afogou por desastre?". E isto hindo-se chegando ao Tejo, de que ho cardeal ouve tamanho medo que verdadeyramente cuydou que ho principe ho levava pera o mandar  matar. E dahi por diante se emmendou e ho temeo tanto, que logo determinou sua hida pera Roma e se foy; e laa contou a muytas pessoas que nunca tam grande medo ouvera, e que aquella hora se dera por morto.

 

De como Lopo Vaaz o Torrão se levantou com a vila de Moura

e do que o principe sobre ysso fez

 

Capitolo XX

 

Depois d' el-rey Dom Affonso ser vindo de França no ãno de setenta e oito durando ainda as guerras de Castella, Lopo Vaz de Castelbranco a que chamavam o Torram, sendo alcaide-mor da vila de Moura sem causa algũa se alevantou com a dita villa e fortaleza por el-rey de Castela, contra el-rey Dom Afonso que o criara, e chamou-se conde de Moura. E depois por ser muito estranhado de seus parentes homens principaes e leaes que no reyno avia, e aconselhado e requerido delles se tornou alevantar por Portugal, e desistio do titolo de conde que emdevidamente tomara, porém com promessas d' el-rey Dom Afonso, de que o principe ouve muyto desprazer, e nunca nisso consentio, antes disse a el-rey seu pay que pois queria fazer merce aos que contra elle se alevantavam, que faria aos que ho muito bem servissem.

E porque o principe sentio muyto ho dito Lopo Vaz se alevantar assi sem causa e nam fiar ja delle, por escusar de o poder fazer outra vez determinou de o mandar matar. E teve maneira que estando o dito Lopo Vaz em Moura bem receoso e guardado delle, por certos cavaleiros que manhosamente lá mandou dizendo que hiam fugidos o mandou matar, e o mataram no campo indo com eles aa caça. E tanto que o principe o soube acudio logo em pessoa e toda a corte apos elle, e segurou a villa e fortaleza e a entregou aa infanta Dona Breatiz sua sogra e mãy do duque Dom Dioguo cuja a villa e fortaleza era. O que o principe assi fez por se outros individamente e sem causa não levantarem. E hos cavalleyros que o assi mataram eram Joam  Palha, Mem Palha, Pero Palha, Bras Palha yrmãos, e Rui Gil e Diogo Gil Magro yrmãos e todos primos, aos quaes ho principe fez boas mercees.

 

Do que ho principe fez sobre has terçarias

 

Capitollo XXI

 

Depoys das pazes feitas por el-rey Dom Affonso e el-rey de Castela no fim do ãno de mil e quatrocentos e oitenta por assi estar assentado nas cupilações delas, o principe estando em Beja com a princesa e sua casa, mandou entregar o infante Dom Afonso seu filho aa infanta Dona Breatiz sua sogra que ja estava em Moura pera o ahi ter em terçaria. O qual infante foy grandemente acompanhado dos principaes senhores do reyno; e despedido do principe seu pay e da princesa sua mãy com muytas lagrimas e grandissima saudade foy levado e entregue aa senhora infanta sua avoo. E logo de Castella veo a infanta Dona Isabel filha mayor d' el-rey Dom Fernando e da raynha Dona Isabel, e com ella o mestre de Santiago, e outros muitos senhores e muy nobre companhia.

E antes de entregarem a senhora infanta vieram embayxadores à infanta Dona Breatiz alem dos que ja com ella estavam. Os quaes embaixadores apontaram de novo tantas e grandes duvidas e condições pera dilatarem a entrega da infanta Dona Isabel que foy necesairo yrem muitas vezes recados ao principe que estava em Beja, do que queria e mandava que se fizesse porque todo o caso dependia sobre elle. E o principe agastado de suas importunações e delongas, parecendo-lhe que nam queriam comprir o que era determinado e assentado nas capitulações das pazes, presumindo que ysto poderia vir doutrem, mandou aos embaixadores dous escriptos com duas soos palavras escriptas de sua mão, e em hum dezia paaz, e no outro guerra. E mandou que no conselho onde os de hum reino e do outro cada dia se juntavam, fossem os ditos escritos perante todos dados aos ditos embaixadores, e que logo em nome dos reis seus senhores escolhessem hum delles qual quisessem. E que se tomassem ho da guerra que della seria mays contente por ser hũa guerra, que de paz que tantas guerras lhe dava; que se quisessem o da paz que della tambem lhe prazeria, sem mais emnovações das que jaa eram concrodydas, e que pera isso logo trouxessem e entregassem a infante. Os quaes dous escriptos do principe com sua tam crara determinaçam, teveram no conselho tanto poder e auctoridade, que os embayxadores todos sem mays duvidas nem delongas, se conformaram todos, e acordaram a entrega da senhora infanta que logo entregaram.

E foy entregue aa infanta Dona Breatiz aos onze dias do mes de Janeiro de mil e quatrocentos e oytenta e hum ãnos. E a infanta Dona Isabel foy solenemente recebida, e ficaram ella e o infante Dom Afonso nas ditas treçarias, e hos senhores e embayxadores foram logo despedidos. E a infanta Dona Breatiz como foy entregue da infanta Dona Isabel, entregou ho senhor Dom Manoel seu filho, pera lá andar em quanto nam fosse ho duque Dom Diogo como era ordenado, porque ao tal tempo estava doente. E hos senhores o receberam e levaram com muyta honrra. E hia com muy honrrada casa e concerto, e muitos fidalgos honrrados tudo ordenado pollo principe.

 

Da morte d' el-rey Dom Afonso, e de como o principe foy alçado

por rey

 

Capitulo XXII

 

E depois do infante Dom Affonso assi estar em terçarias na villa de Moura em poder da infanta Dona Breatiz sua avoo como dito he, ho principe e ha princesa pollo grandissimo bem que ao infante queriam por ser tam excelente criatura, e nam terem outro filho nem filha, e polo grande receo que tinham à sua saude por a villa de Moura ser muyto doentia nos verãos, ficaram em Beja pera dahi cada dia saberem novas do filho que em estremo muito amavam.

E no mesmo ãno de mil e quatrocentos e oitenta e hum no mes d' Agosto, veo recado ao principe que el-rey seu pay estava na villa de Sintra muito doente de febres; e tanto que lhe deram a nova partio logo a grande pressa e o foy ver. E avendo muyto poucos dias que el-rey era doente, foram as febres tam rijas, que quando o principe chegou a elle o achou ja de maneira, que todos os fisicos desconfiavam de sua saude. Beyjou a mão a el-rey seu pay com muito acatamento. E el-rey foy muy ledo com a vinda e vista do principe porque em todas suas fortunas elle soo foy sempre ho principal conforto e remedio dellas, e ho que el-rey em todollos tempos sobre todos mays estimou. E naquelle tempo que era de tamanha necessidade, tanta tristeza, e desconsolaçam, ficou muy consolado com elle. E o principe como prudente e muy virtuoso filho, tanto que dos fisicos soube que a vida d' el-rey seu pay nam tinha remedio algum, lho quis buscar pera salvaçam de sua alma; e lhe lembrou logo com palavras de muyto amor e esforço, com grande prudencia e segurança as cousas que lhe pareceram necessarias pera descarrego de sua conciencia e bem de sua alma. Has quaes el-rey tomou delle com grande amor e muita paciencia, dando muytas graças a Deos por o livrar de tantos perigos como tinha livre, e ho deixar morrer em seus reinos e em sua casa e sua cama com conhecimento de sua morte; e conformando-se com sua vontade, e o de que mais fosse servido, fez logo tudo o que cumpria; com seu testamento feyto e muyto bem ordenado, confessado, comungado e ungido com muita devaçam e arrependimento de seus pecados, como catolico e virtuoso rey, perante o principe seu filho deu a alma a Deos, e se finou na dita vila de Sintra na mesma casa e lugar donde naceo, aos vinte e oito dias d' Agosto do dito ãno de mil e quatrocentos e oitenta e hum, em hidade de quarenta e nove annos dos quaes reynou  os quarenta e tres. Foy o principe por sua morte muy anojado e assi todos os que presentes eram e todo o reino, porque el-rey era muyto bem quisto e muy amado de todos. Foy logo ho corpo d' el-rey com muita solenidade e muito grande tristeza levado ao Moesteiro da Batalha, e sepultado na casa do capitollo onde ainda agora jaz.

Ho principe vestido todo de burel como entam era costume, se encerrou tres dias com tantas lagrimas e tanta tristeza, quanto hum tam singular filho por hum tam virtuoso pay podia ter. E no derradeyro dia do dito mes d' Agosto vestido de vestiduras reaes com o cetro na mão, e todas as cerimonias acustumadas foy pollos senhores e nobres do reyno que se ahi entam acertaram, alevantado por rey na mesma villa de Sintra no Joguo da Pella em ydade de vinte e seys annos e quatro meses. E loguo com grande solenidade foy em todos seus reinos levantado e obedecido por rey. E pollo grande sentimento que todos souberão que el-rey tinha polla morte d' el-rey seu pay, e tambem polo nojo em todos ser muy geral, por quam amado e bem quisto era, foram em todo o reino feytos muito grandes prantos com grandes cerimonias de tristeza, e toda ha gente vestida de burel, almafega, luto e vaso. E per mandado d' el-rey foram feitos em todolos moesteyros e ygrejas grandes, e devotas exequias, em que muy devotamente encomendavam sua alma a Deos. E d' el-rey Dom Affonso que sancta gloria aja nam ficarão mais filhos que el-rey Dom Joam, e a infanta Dona Joana mais velha que el-rey, que solteira sem casar com vida e obras de muy virtuosa e catolica princesa se finou no Moesteiro de Jesu d' Aveiro dahi a muitos dias em hidade de trinta e seis ãnos, no anno de mil e coatrocentos e noventa como ao diante se dira .

 

Do saimento d' el-rey Dom Afonso,

e doutras cousas que el-rey logo fez necessarias em tal tempo

 

Capitulo XXIII

 

Escreveo el-rey logo a todolos grandes e perlados e fidalgos principaes de todos seus reinos, e os mandou aperceber pera o saymento d' el-rey seu pay. Que logo muito honrradamente com muito grandes comprimentos e muitas despesas e grande perfeiçam, lhe mandou fazer no mesmo Moesteyro da Batalha no fim do mes de Setembro, a que el-rey foy em pessoa acompanhado de todolos grandes e nobres de seus reinos e de outra muyta gente honrrada; ho qual saymento fez muito perfeitamente e com grande sentimento no dito moesteiro.

E tanto que el-rey veo do saymento, mandou recado a todollas cidades e villas notaveis, e assi aos alcaides-mores que no mes de Novembro seguinte fossem todos na cidade d' Evora pera cortes que ahi avia de fazer, e assi pera darem obediencias e menajens.

E recolheo loguo pera si com muyto amor e guasalhado todolos officiaes da casa d' el-rey seu pay, e assi os moradores e muytos dos officiaes tomou pera si com os mesmos officios, e a outros deu satisfações de que foram bem contentes. E fez outras muyto grandes merces com muitas palavras de conforto e de muyta esperança, com que todos ficaram muy confortados e satisfeytos delle; que pera perda de tam bom senhor foy grandissimo remedio, tam virtuoso e verdadeyro emparo como todos em el-rey acharam. E nas cousas do testamento e descarrego da alma d' el-rey seu pay, o fez tam virtuosamente com tanta bondade, com tanto cuidado e deligencia, em tanta perfeiçam o cumprio sem ficar cousa algũa por fazer, que mais nam fizera por sua propria vida e salvaçam de sua alma; e por ysto foy de todos em estremo muy louvado.

 

Do que el-rey fez sobre hum alvara que tinha passado

a  Nuno Pereira

 

Capitulo XXIV

 

El-rey em sendo principe no tempo de sua mocidade folgou muito com Nuno Pereira fidalgo de sua casa, homem galante, cortesam e muito bom trovador; e sendo assi privado pedio ao principe que lhe fizesse merce dhum alvara em que lhe prometesse de o fazer conde tanto que fosse rey. E por o principe ser moço e lhe querer grande bem, lhe deu o alvara feito à vontade de Nuno Pireira sem o ninguem saber, o qual teve muitos ãnos em segredo sem disso dar parte a pessoa algũa, nem lembrar mais ao principe. E depoys que foy alçado por rey, Nuno Pereira com ho alvara na mão lhe veo requerer que lho comprisse. E el-rey quando vio e leo o alvara que nunca mais lhe lembrara ficou enleado, e tomou-o e disse-lhe que elle lhe responderia. E teve logo sobr' isso conselho, se era caso de castigo pois em moço lhe fizera fazer o que nam devia folgando muyto com elle. E emfim rompeo o alvara e disse a Nuno Pereira, que mayor mercee lhe fazia em o nam castigar, do que lhe fezera se lhe comprira o alvara e porém depois sempre lhe fez honra e merce.

 

De como el-rey mandou fazer o castello da cidade de Sam Jorge

na  Mina

 

Capitulo XXV

 

Em vida d' el-rey Dom Afonso sendo ainda el-rey principe, tinha ja a governança dos lugares dalem em Africa, e assi as rendas e tratos da Mina e todo Guinee que entam rendiam pouco; e os trazia a esse tempo arrendados Fernam Gomez da Mina cidadão de Lixboa que nelles ganhou muito dinheiro. E tanto que el-rey reynou como muito prudente e muy astucioso, cuidando muytas vezes o grande proveito que a elle e a seus reinos e naturaes recrecia se naquella parte da Mina podesse fazer e ter hũa fortaleza onde assentasse trato com muitas e boas mercadarias pera com ellas se aver muito ouro como tinha por verdadeira enformaçam que ali se vinha resgatar, e que assentando-se o trato e vindo a estes reinos ouro seria muito serviço e acrecentamento de sua honrra e estado, e principalmente por ha fee de Nosso Senhor Jesu Christo ser naquellas partes sabida como foy, determinou com hos do seu conselho de fazer como fez aa cidade de Sam Jorge na Mina de que tanto proveito a estes reinos recreceo. E avendo muitos que o torvavão por o averem por cousa impossivel pollas grandes doenças da terra, e a longura do caminho, e incerteza, e pouca verdade, e confiança dos negros, e outros muytos inconvenientes que pera ysso lhe lembravam, todavia determinou de o fazer. E o primeiro homem que pera yr lá se ofereceo, foy Fernam Lourenço seu escrivam da Fazenda, que despois foy feytor das Casas da India e da Mina homem muy honrrado a quem o el-rey muito agradeceo e lhe fez sempre muita honrra e muitas merces. Escolheo pera ysso Diogo d' Azambuja cavaleiro de sua casa, que depois foy do conselho, e tomou a cidade de Çafim aos mouros e foy della capitão, homem de muyto bom saber e esforçado coraçam, de confiança, e bondade, e outras boas calidades; e com todalas cousas necessarias em muyto grande abastança, o mandou com seyscentos homens a fazer a dita fortaleza, os cento delles pedreiros e carpinteiros, e os quinhentos homens d' armas, em que entravam muitas pessoas honrradas criados d' el-rey, levando logo de cá toda ha pedraria e madeira lavrada. E porque em todo o Mar Ouceano nam há navios latinos senam as caravelas de Portugal e do Algarve, el-rey por ninguem ousar d' ir aaquellas partes, fez crer a todos que da Mina nam podiam tornar navios redondos por caso das correntes. E pera isso toda a pedra, cal, telha, madeira, pregadura, ferramentas e mantimentos, mandou tudo em hurcas velhas pera lá se desfazerem, e dizerem que por caso das grandes correntes nam poderam tornar, e assi se fez com muito segredo e grandes juramentos, e o ouveram todos por tam certo, que em vida d' el-rey sempre pareceo que navios redondos nam podiam vir de lá; e com ysto teve sempre a Mina muy guardada. E com estas hurcas que diante foram e com muitas e muy boas caravelas partio Diogo d' Azambuja com sua armada da cidade de Lixboa bespora de Sancta Luzia doze dias do mes de Dezembro do dito ãno de mil e quatrocentos e oytenta e hum. E aos dezanove dias de Janeiro do anno de mill e quatrocentos e oitenta e dous, foy ho primeiro dia em que sayo em terra; e dahi a dous dias começou a fortaleza no lugar onde ora estaa, com muito saber e resguardo, e muitas dadivas aos da terra, tudo como homem prudente e muito bom cavaleiro. E depois de tudo feito como cumpria tomou a gente necessaria pera a guarda da fortaleza e pera o trato, e a outra mandou logo pera ho reino com recado do que ficava feito, de que el-rey recebeo muito contentamento; e elle ficou lá por capitam onde esteve dous annos e sete meses donde veo rico e muy honrrado; e sem o ele requerer, el-rey lhe fez em chegando muyta merce e acrecentamento e tanta honrra, quanto por tam bom serviço lhe merecia.

 

Das cortes que el-rey fez na cidade d' Evora, onde lhe deram

obediencias e menajeẽs

 

Capitollo XXVI

 

Depois de ser acabado o saimento d' el-rey Dom Afonso como ja fica dito, el-rey com a raynha e o principe se veo aa cidade d' Evora. E no mes de Novembro deste anno de mil e quatrocentos e oitenta e hum, foram juntos na cidade todolos grandes senhores e pessoas principaes e alcaides-mores, e assi todolos precuradores das cidades e villas notaveys pera cortes que se ahi aviam de fazer. As quaes se fezeram em hũa sala grande dos paços, con muyto grande solenidade, ordem e regimento com muyto ricos concertos, tudo em muito grande perfeiçam; el-rey em alto estrado e sua cadeira real com dorsel de brocado; e elle vestido de opa roçagante de tella d' ouro forrada de ricas martas com o ceptro na mão; e os senhores e officiaes-mores e os do conselho e assi todos hos precuradores do reino assentados em seus assentos ordenados segundo suas precedencias. E depois de tudo posto em ordem e a casa em grande silencio, o doutor Vasco Fernandez de Lucena chanceler da Casa do Civel fez em alta voz hũa arengua muy bem feita e bem conforme ao caso. E acabada Dom Fernando duque de Bragança e de Guimarães se levantou e se foy a el-rey, e posto em joelhos diante delle por si e pello duque Dom Diogo yrmão da raynha que ao tal tempo andava em Castella polo contrato das terçarias, deu a el-rey sua obediencia; e pollos seus castelos e os do duque, nas mãos d' el-rey lhe fez por todos menajem. E o senhor Dom Alvaro yrmão do duque como procurador do marquês de Montemor e do conde de Faram seus yrmãos, e em nome de todolos senhores do reino, e por si deu tambem nas mãos d' el-rey obediencia e menajem, e apos elle a deu hum precurador da cidade de Lisboa por todallas cidades, e outro de Santarem por todallas villas; o que assi se fez por abreviar, porque se todos ouveram d' ir per si fora cousa de fastio e grande vagar. E acabado assi tudo el-rey com grande estado real, e todos seus officiaes diante delle, e muytos reys d' armas e porteiros de maça, e os senhores e nobres que o acompanhavam se recolheo a suas camaras.

 

De como se começou e ouve principio o caso do duque de Bragança

 

Capitulo XXVII

 

E ante de se fazerem estas menajens, el-rey com o duque de Bragança e seus yrmãos e outros senhores e pessoas do conselho, praticou muitas vezes nas palavras que nas menajens aviam de dizer, em que ouve muitas perfias, desgostos, descontentamentos, por lhe parecer aspera forma a em que el-rey queria que se fizessem, sendo aquella propia em que ora se fazem, porque atee entam nam achavam regimento algum por onde se fizessem (cousa de muito grande descuido dos reis passados). E por que dahi em diante ouvesse forma e regimento por onde se todas fezessem, el-rey mandou fazer hum livro muyto bem ordenado que sempre andou em sua guarda-roupa, em que todalas menajens que todolos alcaydes-mores dahi em diante fezessem fossem nelle escriptas, nomeando o lugar, dia e mes e anno, e com os alcaides e testemunhas nelle assinados, e ordenou que se dessem nesta maneira: el-rey assentado e o alcayde em joelhos diante delle com as mãos ambas juntas metidas antre as mãos d' el-rey, estevesse assi até se acabarem has palavras da amenajem has quaes sam estas.

 

A maneyra em que se as menajens dam

 

Capitulo XXVIII

 

Aos tantos dias de tal mes e tal anno na cidade ou villa tal, nas casas taes onde el-rey nosso senhor pousa, Foam lhe fez preito e menajem pollo castello e fortalleza tal na forma que se segue (as quaes palavras ha-de leer alto o escrivam da poridade ou ho secretario): Muyto alto, muyto excelente e muito poderoso, meu verdadeiro e natural rey e senhor. Eu Foam vos faço preyto e menajem pollo vosso castello e fortaleza tal, de que me ora novamente encarregais e dais carrego; que a tenha e guarde por vós, e vos acolherey no alto e no baixo della, de noite e de dia, a quaesquer horas e tempos que seja, hirado e pagado com poucos e com muitos vindo em vosso livre poder; e delle farey guerra e manterey tregoa e paz segundo me per vós, senhor, for mandado; e ho nam entregarey a algũa pessoa de qualquer estado, grao, dinidade, ou preminencia que seja, senam a vós, meu senhor, ou a vosso certo recado, logo sem delonga, arte, nem cautella, a todo tempo que qualquer pessoa me der vossa carta assinada por vós, e asselada com vosso sello, ou sinete de vossas armas, por que me tiraes este dito preyto e menajem. E se acontecer que eu no castello aja de deyxar algũa pessoa por alcayde e guarda delle, eu lhe tomarey este dito preito e menajem na dita forma e maneyra e com has crausulas e condições e obrigações nelle conteudas. E eu por ysso nam ficarey desobrigado deste dito preito e menajem, e das obrigações e cousas que se nelle contem, mas antes me obrigo que o dito alcaide ou pessoa que assi leixar, tenha, e mantenha, cumpra, e guarde todas estas cousas e cada hũa delas inteiramente. E eu sobredito Foam faço preito e menajem em as mãos de vossa alteza que de mi ha recebe hũa, duas e tres vezes segundo vosso custume destes vossos reynos. E vos prometo e me obrigo que tenha, e mantenha, guarde e cumpra inteiramente este dito preyto e menajem e todalas crausulas, condições, e obrigações, e todas as cousas e cada hũa dellas em ella conteudas, sem arte, cautella, fraude, engano, nem mingoamento; e por firmeza delo assiney aqui. Testemunhas: Foão, e Foão. E eu Foão escrivam da poridade que esta menajem por mandado do dito senhor fez escrever, e estive ao tomar della e tambem assiney.

Ho duque e seus yrmãos e assi outros senhores ouveram então ha forma desta menajem por aspera e perjudicial a suas honrras. E ho duque fez logo per os requerimentos e protesto e pedio disso estormentos, que em caso que entam assi ha fizesse era quasi forçado, mas que protestava depoys de buscar has suas doações, escripturas, e previlegios, e el-rey o ouvir sobre ysso com sua justiça e lha guardar, e o nam obrigar a mais do que os reis passados seus antecessores obrigaram a elle e a seu pay e avoos.

E ho duque por ver se poderia remediar ysto que muito sentia, mandou logo o bacharel Joam Afonso veador de sua Fazenda a Villa Viçosa e deu-lhe a chave de hum cofre em que tinha suas doações e escripturas e todos os papees de seu segredo, e mandou-lhe que ho abrisse e antre todos buscasse todas as que lhe parecesem que pera este caso lhe compriam. E ho bacharel por descuido ou negligencia ou outras ocupações, ou por misterio de Deos, mandou buscar os ditos papeis por hum seu filho moço de que elle muito fiava. O qual filho buscando o dito cofre, chegou por acerto a elle Lopo de Figueredo escrivam da Fazenda do duque, homem de muita confiança; ho qual a requerimento do moço o ajudou a buscar todas as escripturas e papees que no cofre estavam, mais com tençam do serviço do duque que do que ao diante se seguio. E andando assi em busca dos ditos papees, topou com algũas cartas e estruções de Castella e pera os reis de Castella, dellas proprias e outras ementas corregidas e enmendadas da letra do mesmo duque. E como as assi vio escondidamente do moço has tomou todas e meteo na manga, e se foy a casa e secretamente vio todas. E vendo que eram contra ho estado, honrra e serviço d' el-rey, determinou de logo lhe yr tudo mostrar; e sem detença algũa partio de Villa Viçosa escondidamente e veo a Evora, e secretamente falou com el-rey com muito resguardo e com palavras de muito bom homem e leal vassallo mostrou tudo a el-rey, affirmando-Ihe e jurando que ho nam fazia por odio do duque, porque tinha rezam de o amar e servir, nem menos por esperar de sua alteza por iso merces, mas que era seu vassalo e temia a Deos e receava ho que dalli se podia seguir, e ha conta que a Deos daria podendo atalhar a tanto mal e nam no fazer.

El-rey depois de tudo muyto bem ver e lhe dar disso hos agradecimentos que devia, ficou triste e muy cuidoso. E mandou logo a Antam de Faria seu camareyro de que muito confiava e a quem descubria seus segredos, que com a mayor pressa que podesse treladasse todos aquelles papees ho que logo fez. E el-rey tornou os propios ao dito Lopo de Figueredo, pera os tornar ao cofre donde os tirara, porque ainda o moço tinha muyto que buscar; e se per ventura mays achasse que o traria a sua alteza, e nam mingoando nem se achando cousa menos no cofre nam averia que sospeytar. As quaes cousas dando a el-rey muyto cuydado e payxam as dissimulou de maneira, que nunca pessoa algũa  entendeo nada nelle e tudo guardou em si. E porém dalli por diante como prudente começou a entender e olhar por muytas cousas, e andar sobre aviso do duque e ter dele muitas sospeytas e má vontade sem lha nunca dar a entender.

 

Dalgũas cousas que el-rey nas cortes ordenou e quis fazer

 

Capitolo XXIX

 

E nestas cortes a requerimento dos povos e per vontade d' el-rey, que com muito cuydado tudo se fazia, ordenaram muitas e boas cousas, antre as quaes el-rey ordenou os contadores e oficiaes das terças e relidos, capellas, e espritaes, e orfãos, e os repartio nas comarcas como ainda agora estam. E tirou os adiantados que em cada comarca do reino eram postos por el-rey seu pay, pessoas principaes e de titolos que punham por si ouvidores que ouviam como corregedores. Isto a requerimento dos povos, e por lhe assi parecer serviço de Deos e seu. E assi determinou que as confirmações que avia de confirmar nam fossem geraes como hos reis seus antecessores costumavam, mas que todalas pessoas de qualquer estado e condiçam que fossem, assi ecclesiasticos como seculares, e todollos moesteiros e ygrejas de seus reynos, e todalas cidades, vilas, e lugares, dahi a certo tempo viessem ofrecer aos oficiaes deputados pera suas confirmações todallas doações, graças, privilegios que tevessem pera lhe confirmar as que rezam e justiça lhe parecesse; e não no comprindo que dahi em diante perdessem a graça de todo. E a principal causa por que el-rey isto assi mandou, foy por ver as doações e todas as mais cousas dos grandes e senhores, fidalgos e cavaleiros de seus reinos, por lhe ser dito que em suas terras e senhorios usavam de mayores jurdições e poderes do que suas doações, graças e previlegios se estendiam; e assi pera se nam confirmarem geralmente muytas cousas que hos reys passados deram principalmente el-rey Dom Afonso seu pay, que quasi constrangido em tempos de muita necessidade, guerras e afrontas outorgou muytas que de dereito e rezam antes se deviam revogar, que consentir nem confirmar. E assi pera mandar renovar em nova letra, previlegios e liberdades tam antiguos que se nam podiam bem ler.

 

Hida d' el-rey a Montemor-o-Novo, e do que aqueceo ao marquês

da dita villa no recebimento d' el-rey, e das palavras que ouve

com ho arcebispo de Braga

 

Capitolo XXX

       

E porque na cidade d' Evora começaram a morrer de peste, el-rey com sua corte no Janeiro seguinte de quatrocentos e oitenta e dous se foy a Montemor-ho-Novo pera ahi acabar de despachar as cousas particulares das cortes, e assi ordenar outras que pera bem de seus reinos e estado cumpriam.

E antes d' entrar na dita villa hindo com grande doo e todos vestidos de burel e almafega, ho marquês de Montemoor ho veo receber ao caminho com hum argao e pelote d' almafega, e debayxo hum gibão de brocado que parecia, e vinha em hum ginete arrayado com huns cordões e topeteira cramesins, querendo dar a entender a el-rey que tinha muito prazer e contentamento delle reinar e muy alegre lhe beijou a mão. El-rey ficou muy espantado de tamanha desonestidade, e ouve disso muito desprazer; e porque as cousas mal feitas nam deyxava passar sem reprensam ou castigo, mandou logo dizer ao marquês que se lhe lembrava a elle, que ho rey por quem trazia tal doo, ho fezera marquês e lhe dera Montemoor, e lhe fizera sempre muita honrra e muytas merces. Do qual recado ho marquês ficou envergonhado e escandalizado d' el-rey.

E logo na vlla por darem a Dom João Galvam arcebispo de Braga  d' apousentadaria hũas casas de hum criado do marquês que elle quisera escusar e nam pôde, disse ao arcebispo pubricamente palavras feas e injuriosas de que ho arcebispo muito sentido e ynjuriado foy loguo fazer queyxume a el-rey, que mostrou receber por isso muito descontentamento; e por ser no começo de seu reynado e em sua corte e antre pessoas tam principaes, sendo verdadeiramente enformado do caso esteve logo sobre isso com pessoas do conselho e leterados todos sem sospeita; e sem mais dilaçam mandou ao marquês que logo naquelle dia se saysse da dita villa de  Montemor, e dentro em cinco dias se passasse alem do Tejo onde estaria atee sua merce. E tanto que o recado foy dado ao marquês que ja no castelo onde pousava estava como preso, se sahio logo e em tudo comprio o mandado d' el-rey mostrando-se disso muyto agravado, descontente, e injuriado. E dentro nos cinco dias se foy a Castello Branco onde alguns dias esteve.

 

Dalgũas cousas que o marquês logo fez contra serviço d' el-rey

 

Capitolo XXXI

 

Ho marquês estando em Castelo Branco, logo com o odio e má vontade que a el-rey sem causa tinha, fez capitolos muy falsos e desonestos da vida d' el-rey que tocava muyto aa sua honrra e estado real, e os mandou logo por hum Afonso Vaz seu secretario a el-rey e aa raynha de Castella, que entam estavam em Medina del Campo. Os quaes capitolos por sua desonestidade el-rey e ha raynha nam receberam como ho marquês desejava, nem deram credito ao messageiro. E ho marquês tornou a fazer outros capitolos, que depoys enviou a el-rey e aa raynha de Castella por Pero Jusarte homem de que o marquês muyto confiava. E antes de Pero Jusarte partir, ho marquês por Lopo da Gama cavaleyro de sua casa mandou mostrar tudo ao duque de Bragança seu yrmão que estava em Villa Viçosa. E segundo se ouve por certo ao duque pesou muyto de hos ver, e lho mandou reprender e estranhar muito como cousa d' omem apaixonado e de pouco siso. E com tudo pollo degredo do marquês ser assi supito e apressado, e a seu parecer reguroso, o duque recebeo tanta paixam que lhe acrecentou a maa vontade que a el-rey tinha parecendo-lhe que o fazia por abatimento seu e do marquês seu yrmão.

 

De como el-rey a requerimento dos povos ordenou nestas cortes

de mandar corregedores aas terras dos senhores

e o que sobre yso passou com o duque

 

Capitolo XXXII

 

E porque polas guerras passadas e necessidades em que el-rey Dom Afonso se vio, e tambem por ser de sua condiçam as cousas da justiça andavam mais largas do que era rezam, el-rey nestas cortes requerido per seus povos quis logo a isso acudir como devia e primeiramente quis por algum tempo mandar seus corregedores aas terras dos senhores; e primeiro que nada fizesse o disse em Evora ao duque, rogando-lhe muito e encomendando-lho que o consentisse e ouvesse por bem, e que sem payxam algũa o quisesse fazer, poys sabia quanto a seu serviço e estado compria entender logo nas cousas de justiça em principio de seu reynado. E mais sendo tam apertadamente por isso dos povos requerido. E que elle duque devia de folgar de se saber a justiça que em suas terras se fazia e como eram governadas; porque sendo como elle esperava que fosse, levaria nisso muito contentamento. E avendo algũas cousas que emendar ou castigar, elle faria tudo com o resguardo e temperança que elle por sua honrra, seu sangue e dinidade merecia. E que fazendo-lhe este prazer seria enxempro para os senhores todos do reyno sem payxam o consentir. E o duque com todas estas boas palavras se escusou disso e nam lho quis conceder, antes elle e seus yrmãos porque suas terras eram disso ysentas mostraram receber grandes descontentamentos.

 

De como começaram as graças e separadas

 

Capitulo XXXIII

 

El-rey Dom Afonso e os reis ante dele pagavam a seus moradores os casamentos juntamente em hũa soo paga; e no tempo das guerras de Castella por el-rey Dom Afonso ter muita necessidade de dinheiro nam pôde pagar muytos casamentos a muytas pessoas que hos tinham tirados avia dias, e assentou de nam pagar nenhum e disse aos homens a que os devia que lhe prazia que em quanto lhe nam pagasse os ditos casamentos lhe fazer em cada hum anno graça de dez mil reais por cada mil coroas. E diz "graça" porque atee entam os reis deziam "Fazemos graça" e nam "Fazemos merce" como agora se diz. Os quaes dez mil reays aviam d' aver em quanto lhe nam pagassem has coroas do tal casamento. E porque has ditas graças eram merces pagavam e pagam oje em dia chancelaria.

E depois da morte d' el-rey Dom Afonso nestas cortes aqui em Montemor foy el-rey muy requerido pollos povos que nam desse mais has taes graças porque hiam de maneira pera pagar  muito dinheiro em cada hum ãno; e assi que todas as que el-rey seu pay tinha dadas tirasse e desempenhasse, porque estava metido em muyta despesa. E el-rey prometeo ahi aos povos de não dar mais as ditas graças dahi em diante, e de ter maneira de como os homens podessem aver pagamento de seus casamentos. E entam ordenou que os casamentos grandes fossem paguos em tres terços e tres annos, hum terço em cada hum anno, e os casamentos de mil coroas atee quinhentas fossem pagos em duas metades e dous ãnos, e os de quinhentas coroas e dahi pera baixo fossem pagos juntamente em hum anno como se ora faz; e disse que quanto aas graças que el-rey seu pay tinha dadas que ficassem, por quanto elle ao presente nam tinha com que has desempenhar. E hos povos apertando nisso mandaram dizer a el-rey por leterados que aquellas graças eram mal levadas e com conciencia se nam podiam levar nem dar porque craramente era husura, e nam podiam levar a el-rey ganho do que lhe devia. E el-rey praticado nisso por lhe dizerem que era assi, por descarreguo de conciencia sopricou ao Papa que ouvesse por bem de dar has taes graças em quanto nam podesse pagar os ditos casamentos. E ao  Padre Sancto aprouve disso com tal condiçam que quando se separasse o casamento por morte do marido ou molher, tanto que fosse separado lhe fosse tirado e descontado da dita graça a quinta parte della, s.: de vinte mil reays quatro mil e ficasse em dezasseis e de vinte e cinco, cinco mil e ficasse em vinte, e assi a este respeyto. A qual quinta parte avia de ficar a el-rey, e ainda que a graça fosse do marido e morresse a molher, ou polo contrairo, como se apartasse o matrimonio logo ficassem separadas. E porque no breve do Sancto Padre vinha esta palavra de "separada" tomaram o nome de "separadas", e dahi lhe ficou atee agora. E as do infante Dom Fernando nam sam desta calidade, que andam em nome de "tenças" porque as dava logo em tenças, e por ysso nam paguam chancelaria, e has outras si porque eram merces. E estas graças e separadas andavam em livro apartado per si, e el-rey has mandou ajuntar ao livro da Fazenda no anno de mil e quatrocentos e oytenta e oyto.

 

Embaixada que el-rey mandou a el-rey d' Inglaterra

 

Capitulo XXXIV

 

E daqui de Montemor mandou el-rey por embaixadores a el-rey Dom Duarte d' Ingraterra Ruy de Sousa pessoa principal e de muyto bom saber e credito de que el-rey muyto confiava, e o doutor Joam d' Elvas e Fernam de Pina por secretario. E foram por mar muy honradamente com muy boa companhia; hos quaes foram em nome d' el-rey confirmar as ligas antiguas com Ingraterra, que pola condiçam dellas o novo rey de hum reyno e do outro era obrigado a mandar confirmar. E tambem pera mostrarem o titolo que el-rey tinha no senhorio de Guinee, pera que depois de visto el-rey d' Inglaterra defendesse em todos seus reynos que ninguem armasse nem podesse mandar a Guine, e assi mandasse desfazer hũa armada que pera laa faziam per mandado do duque de Medina Cidonia hum João Tintam e hum Guilherme Fabiam ingreses. Com a qual embaixada el-rey d' Ingraterra mostrou receber grande contentamento, e foy delle com muita honrra recebida, e em tudo fez inteiramente o que pellos embaixadores lhe foy requerido; de que elles trouxeram autenticas escrituras das deligencias que com pubricos pregões se lá fizeram, e assi as provisões das aprovações que eram necessarias; e com tudo muito bem acabado e à vontade d' el-rey se vieram.

 

De outra embaixada que entam el-rey mandou a Castella

 

Capitolo XXXV

 

E assi neste ãno enviou el-rey de Montemor por embaixador a el-rey e raynha de Castella, Dom Joam da Silveira baram d' Alvito, homem muy prudente e de muito bom conselho, autoridade, e confiança, e com elle por secretario Ruy de Pina; e hia requerer algũas restituyções que pelos reys se aviam de fazer, e assi perdões que aviam de dar a alguns cavaleiros castelhanos que no tempo das guerras serviram el-rei Dom Afonso como em seu favor no trato das pazes fora capitulado, o que a muitos delles se nam compria, com achaques e cautellas que punham e outros entendimentos que aos capitolos davam desviados pera os nam comprirem. E ha principal causa a que ho embaixador foy, era sobre a mudança das terçarias de Moura pera a corte ou outra parte do reyno em lugar saadio, forte, e seguro onde tudo se comprisse, ou se desfizessem as ditas terçarias pello perigo em que o principe e a infanta Dona Isabel estavam pola vila de Moura ser muito doentia nos verãos.

Chegou o baram a Medina del Campo onde el-rey e a raynha estavam na Coresma. E nam foy alli acabado d' ouvir porque estando pera o despacharem, veo a el-rey recado como a villa d' Alfama no reyno de Granada era tomada pollo marquez de Cadiz que lhe mandou pedir socorro com muyto grande pressa e muita necessidade. E el-rey tanto que lhe a nova deram partio aforrado a grande pressa a lhe fazer hir o socorro que pedia. E tanto que a dita villa foy socorrida e provida como cumpria, el-rey se veo a Cordova e ahi esperou polia raynha, que andando prenhe se foy de Medina a Toledo e ahi  pario a infanta Dona Maria no ãno de mil e quatrocentos e oitenta e dous acerca da Pascoa da Ressurreiçam; e de Toledo se foy a raynha a Cordova onde a infanta foy bautizada na Ygreja Mayor pello bispo da cidade com grandes cerimonias. E esta infanta Dona Maria foy depoys raynha de Portugal casada com el-rey Dom Manoel, e mãy d' el-rey Dom João o terceiro nosso senhor, e o baram foy padrinho da dita infanta, e ahi acabou de dar sua embaixada, e começou de requerer despacho das cousas ao que hia.

E porque os reys de Castella tinham d' el-rey muitas sospeitas como nam deviam, e por isso cuidavam que o fundamento de seus requerimentos era cauteloso e com respeito de novidades e nam pera bom fim como o embaixador lhe dezia, em quantas cousas requereo nam tomou concrusam algũa que fosse pera aceitar. E por que nam parecesse mal os reis nam consentirem en cousas tam honestas e a ambas as partes tam proveytosas, pera as averem por boas cometiam a el-rey por condições, cousas tam feas e desonestas, que pareciam mais escusas que desejo de concordia; e as mais eram sobre a Excelente Senhora estar fora do poder d' el-rey e de toda sua ordenança e lhe dar vida muy apertada. Pollas quaes cousas o baram descontente dos despachos se despedio dos reys, e deles nam quis tomar grandes merces que lhe mandavam oferecer, e se veo a estes reinos dar de tudo conta a el-rey. Que cuidando quam proveytosa, honesta, e justificada sua embaixada era, e na sem razam dos despachos dela, teve muita sospeita que procederia de conselhos e avisos do duque de Bragança, a que do desfazimento das terçarias muito pesava, crendo que o penhor delas o segurava dalguns receos que tinha ou mostrava ter d' el-rey, porque com ellas por respeyto do principe seu filho  estava atado, confiando que em quanto durassem sempre o sosteria em sua honrra a infanta Dona Breatiz sua sogra, que parecia ter-lhe amor como era razam e dar muito credito a seu conselho. E nam foy sem causa  tomar el-rey do duque esta sospeyta, porque vistas as repostas que o baram trouxe de Castella, com os avisos que nas estruções do duque que el-rey tinha em segredo hiam pera os reis de Castella, achava-se claro sairem hũas cousas das outras, e tambem porque ante do baram partir destes reynos, ja el-rey e a raynha de Castella sabiam todas as cousas a que elle hia, o que tudo el-rey calou e dessimulou grandemente sem pessoa viva lho entender.

E no Setembro deste ãno tornou el-rey a mandar o dito Ruy de Pina aos reis de Castella que estavam no Moesteiro de Nossa Senhora de Guadalupe, com repostas e repricas da embaixada a que o barão fora, apertando com rezões muy evidentes, e com fundamento de mais amizades e amor antre elles, e que as terçarias todavia se mudassem ou desfizessem; e tambem que acerca da Excelente Senhora nam requeressem mais novidades nem estreytezas das que acerca della eram jaa concruydas, assi por nam parecer que as pazes e cousas passadas antre elles nam foram feytas com aquella firmeza que deviam. E tambem porque da maneyra em que ellas estavam seria bem e sossego e assi seguro da hũa parte e da outra. E se no casamento do principe com a ifanta Dona Isabel pola deferença das ydades tomassem muyto contentamento se fazer com a ifanta Dona Joana sua filha que na ydade tinha mais conformidade com elle, que por verem quanto estimava sua liança e amizade elle seria disso contente, com apontamento que se neste casamento quisessem antes entender, no dote se apontasse e requeressem as Ilhas das Canareas, que el-rey sempre desejou para mayor segurança de Guinee.

E os reys responderam logo a Ruy de Pina, que bem criam que tal principe como era el-rey seu primo nam diria nem afirmaria taes cousas se nam fossem verdadeiras e muito de sua vontade; porém que elles tinham comprendida hũa cousa em que el-rey de seu coraçam e desejo lhe daria muy craro testemunho, dizendo-lhe logo com palavras e mostranças de muy grande sentimento, que no Moesteiro de Nossa Senhora de Guadalupe tinham preso hum Pedro Montesinho castelhano com cartas e estruções de Dom Fernam Gonçalvez de Miranda bispo de Lamego, prior de Sam Marcos que fora de Castela, e Alonso de Ferrara castelhano, e d' Alvaro Lopez secretario d' el-rey, sobre casamento d' el-rey Febos de Navarra com a senhora Dona Joana. E por ser caso que tanto tocava a sua paz e amizade, que no castigo que a estes desse pois eram seus vassalos e andavam em sua corte se veria bem sua verdadeira vontade; e que pera ysso antes  que tomassem concrusam nas cousas que requeria era necessayro que elle Ruy de Pina tornasse a el-rey com esta duvida; e que segundo a obra que na execuçam della fezesse, assi entenderiam depoys nas cousas de seus requerimentos. E pera prova disto mostraram a Ruy de Pina has ditas cartas e estruções que o dito Pero Montesinho confessou e decrarou logo per tormento que lhe foy dado sobre ysso.

E por o perigo deste negocio que hos reys de Castella aviam por certo nam se tratar sem consentimento d' el-rey, e pollas deferenças que sabiam aver jaa em Portugal antre elle e ho duque de Bragança e seus yrmãos, desejavam muyto ver a infanta Dona Isabel sua filha fora das terçarias, porque lhe queriam muito grande bem e a estimavam muyto, e em tempos de mudanças e em reyno estranho vindo has cousas a se danarem como parecia que podia ser, estava em muito risco sua vida e liberdade. E doutra parte receavam abrir mão da paz, que era o principe e a infanta em terçarias, temendo-se que el-rey polas enformações que tinham se tevesse o filho livre, poderia vir com algũas cousas de que antre elles se podessem seguir odios e guerras que como prudentes principes desejavam escusar.

Com ho qual recado Ruy de Pina tornou a el-rey, e logo sobre este negocio de Pero Montesinho teve conselhos. E porque aos que nisso tratavam e andavam em sua corte nam deu castigo algum, se o faziam contra seu consentimento e vontade, nam se achavam neste caso desculpas por el-rey que satisfizessem aos reys de Castella.

E porque el-rey no desejo de ver ho principe fora de terçaria era com elles conforme, que em estremo desejavam ver ha infanta sua filha fora dellas, depois de tudo muito bem visto e cuidado, logo no Janeyro seguinte de mil e quatrocentos e oitenta e tres, tornou a mandar aos ditos reys frey Antonio seu confessor frade observante da ordem de Sam Francisco homem de grande credito e autoridade e o dito Ruy de Pina, os quaes foram aos ditos reys que estavam em Madrid; aos quaes o dito frey Antonio disse em reposta das cousas passadas em nome d' el-rey taes cousas e deu taes desculpas, com que lhe aprouve consentir no desfazimento das terçarias; porque toda a desculpa d' el-rey pera se ellas desfazerem como tanto desejavam lhe parecia boa e de receber. E concertou-se tambem o casamento do principe, que com a infanta Dona Isabel ficava desatado, de se fazer com ha infanta Dona Joana e que se lhe daria mayor dote por hum grao, que mais era alongada na soceçam de Castella que a infanta Dona Isabel. E destas cousas fizeram hos reys hum escripto que frey Antonio e Ruy de Pina secretamente trouxeram a el-rey, com certidam que passada a Pascoa, hos reys lhe mandariam seus embaixadores pera concruyrem ho dito casamento, e assi pera levarem ha infanta Dona Isabel das terçarias. E com este recado vieram a el-rey que estava em Almeirim, com ho qual foy muito alegre e contente, porque nelle teve esperança de ver cedo seu filho em seu poder, a que muyto contrariavam as cousas que no reyno lhe eram reveladas e jaa contra si sentia.

 

De como a raynha moveo e esteve muyto mal, e da vinda dos duques por esta causa aa corte

 

Capitolo XXXVI

 

Estando el-rey en Almeirim neste ãno de mil e quatrocentos e oytenta e tres na Coresma andando a raynha Dona Lianor prenhe moveo hũa  criança de que esteve muyto mal e sua vida muy duvidosa, e el-rey por ysso muito triste e muy anojado. E vieram logo ver a raynha ho duque de Viseu seu yrmão que jaa era vindo de Castella, e ho duque de Bragança e outros muytos senhores e senhoras do reyno; e com ha vinda dos duques el-rey recebeo muito prazer e lhe fez muyta honrra e deu de si muyta parte. E desejando sossegar ha vontade aho duque de Bragança, e fazê-la conforme aas cousas de seu serviço, o apartou hum dia na capella dos paços dentro na cortina, perante Dom Fernam Gonçalvez de Miranda bispo de Lamego e seu capelão-moor e lhe fez hũa fala nesta maneira.

 

De hũa fala que el-rey fez ao duque de Bragança

 

Capitollo XXXVII

 

“Muito honrrado duque, porque as cousas que vos agora quero dizer ham-de ser ditas nesta casa sancta em que estamos, aveis de crer que sam tam verdadeiras,  como se diante de Deos vo-las disesse. Eu sam enformado que vós contra o que a mi deveis e a meu estado e serviço, e sem aquelle resguardo que a vossa honrra e lealdade pertence, tendes em Castella algũas negoceações, modos, e maneiras, que nam sey como lhe dee fee poys tantas rezões pera mi e pera vós sam a isso muy contrairas. Porém se nisso com algũa maginaçam errada algũa cousa entendestes, sabey que minha vontade e verdadeiro desejo he esquecer-me de tudo, e assi vo-lo perdoar como se as culpas disso fossem serviços e merecimentos. Pollo qual com toda efficacia que posso,  e mais do que devo vos rogo muyto, que posposto tudo queiraes ser conforme comiguo, poys me Deos fez e deixou por erdeiro desta coroa de Portugal; que em tantas cousas por merecimentos vossos, e dos que decendeis vos foy e he tam liberal, que soes por ysso apos mi nestes reynos outro principal esteo que ho deveis soster. Porque alem do muito patrimonio real que comvosco partio, sabeis que da nobre geraçam das duas yrmaãs que do ynfante Dom Fernando, e da infanta Dona Breatiz naceram, deu a mi hũa e a vós juntamente nam negou a outra. E com tudo eu nam me escuso da culpa geeral que dam aos juyzes e officiaes novos, e assi sera ao rey novo, de quem em seus principios nam se escusam alguns agravos. Mas estes quando agravassem, vós sobre todos por singular enxempro de obediencia e lealdade os avieis de comportar e sofrê-los sem paixam, quanto mais que hos meus pera vós, que sam ho degredo do marquês vosso yrmão, e a entrada dos corregedores em vossas terras, nam sam tam crimens, que na rezam e honestidade nam tenham muita parte; e que ha nam tevessem soffrendo-os sem escandalos, tanto mays me obrigarieis, porque sendo assi, bem sey que por vossa grandeza e merecimentos, vosso saber e lealdade, enfim sempre ey-de folgar de fazer ho que vós quiserdes. E por tanto a mi a quem esta casa de Portugual per graça de Deos coube em soçessam aveis sempre em tudo ajudar e soster, nam somente com o saber e bom conselho que tendes, mas com has armas e forças quando me comprir; e assi vo-lo rogo e outra vez encomendo que o façaes”.

 

Reposta do duque a el-rey

 

Capitolo XXXVIII

 

E o duque depois de tudo ouvir, como muyto prudente, esforçado e leal vassallo lhe respondeo dizendo: “Senhor, eu beijo as reaes mãos a vossa alteza por esta merce, que pera mi por muytas causas ey por muy grande e muy singular. E por que em breve lhe responda, saiba que de todo o que me aqui disse pera lhe muyto dever e o servir eu sam em muyto verdadeiro conhecimento e certamente assi he; e por ysso vos peço muyto por merce que de mi nam creaes senam que sempre ey-de viver e morrer por vosso serviço. E a ysto nam contradiz ser eu por ventura agravado de vós em cousas de que vossa alteza me desagravaraa com merce, honrra, acrecentamento como espero. Porque os achaques nam se escusam antre os senhores e servidores, pois hos há antre hos paes e os filhos. Mas os meus nam sam de graveza nem de calidade, pera deyxar de ter a vossa alteza o grande amor e muita lealdade com que vos sempre ey-de obedecer e servir em todo o que a vossa honrra, estado, e serviço, e bem de vossos reynos

cumprir”.

 

Do que depoys desta fala e reposta se passou

 

Capitollo XXXIX

 

E sobre esta tam boa e leal tenção do duque com que pareceo que então se despedio d' el-rey, se afirmou que logo em se recolhendo a sua pousada mostrou grande contentamento do que com el-rey passara, atrebuindo suas palavras tão reaes, verdadeiras, e esforçadas a medo e pouco esforço. E logo ho duque de Viseu e o duque de Bragança e seus yrmãos, depoys de partidos d' Almeirim, se ajuntaram no Vimieiro onde todos teveram pratica sobre ysso, louvando muito os modos que tinham pois el-rey delles presumia que pera seu favor e ajuda quando lhes comprisse tinham os reys de Castella, pollo qual el-rey os estimaria e trataria como elles mereciam. E segundo ditos dalguns que a ysto foram presentes, alli tomaram todos por concrusam e determinaçam de nam consentirem a entrada dos corregedores em suas terras e que com todo o risco lhe resestissem. E sobre isto ho marquês de Montemor, o conde de Farão, e o senhor Dom Alvoro se viram e ajuntarão algũas vezes no Moesteiro de Santa Maria do Espinheyro em Evora. Em que com temor do odio d' el-rey que contra si maginavam consultavam a maneira que teveram pera contra elle se valerem. Em que claramente se soube que o voto e tençam do marquês cada vez era mais aceso com desamor e deslealdade contra el-rey, e que per todalas maneiras precurava desobediencia e rompimento. A que o conde de Faram e o  senhor Dom Alvoro com palavras de fee e muyta lealdade a el-rey sempre o contrariaram dizendo-lhe, que quando pera desobediencia ouvesse a rezam que nam avia, entregassem a el-rey todo o que delle tevessem, e se desnaturassem delle e de seus reynos como ja outros fizeram e que entam o desservissem. Porque desta maneyra nam cayriam no caso em que sem ysso fariam que nam era pera crer; e porém que a decraraçam sua com el-rey lhe parecia boa e necessaria, mas o modo e com que palavras se faria ficasse somente a juyzo e desposiçam do senhor Dom Alvoro, e que em outra maneira nam consenteriam nem se faria. E de tudo o que passavam avisavam logo o duque de Bragança que estava em Vila Viçosa.

El-rey como soube destas vistas e ajuntamentos lembrando-se da maneira em que tinha o principe seu filho, que nam consentia semelhantes cousas determinou como prudente, com brandura, dissimulaçam e siso apagar sua furia e encendimento. E pera isso deixou de mandar hos corregedores a suas terras (o que com pallavras doces e com respeitos do que a elles por sua honrra e contentamento se devia, ho noteficou logo ao senhor Dom Alvoro) que com mostrança de muito prazer e alegria por ver fora a principal causa de seu escandallo ho fez logo saber a todos. E por el-rey acrecentar mays nesta temperança, satisfez ho marquês e ho conde de Faram a suas vontades, em certos requerimentos que jaa de dias com elle traziam, o que deu entam causa a se esfriarem de seu aceso preposito e cessarem de seus negocios e recados.

E neste tempo veo ao duque de Bragança hum messageyro da raynha de Castella que se chamava Tristam de Villa Real homem aceyto a ella. E segundo testemunho dos que o viram, elle secretamente e de noyte tratava e negoceava com ho duque, depoys de dar boas noites sem ser visto dalgũa pessoa, salvo de Jerônimo Fernandez meirinho do duque que encubertamente em sua casa ho gasalhava; e de Villa Viçosa ho duque se passou aa Vidigueira e com ele encuberto o mesmo Tristam de Villa Real.

E sobre ha concordia e assento que tomaram fezeram hũa capitolaçam, que foy mostrado ao marquês que pola ver veo alli  de noite das Alcaçovas onde entam estava, e com elle Afonso Vaz seu secretario, que disse a dita capitolaçam ser em desserviço d' el-rey sobre duas cousas: ha primeira acordaram que os reys de Castella requeressem a el-rey, que por quanto a Excelente Senhora em nome, trajos, e serviço nam cumpria em sua religião ho que por bem do capitollado e seu habito era obriguada, que hos reis apertassem muito que se entregasse em poder do duque ou de cada hum de seus yrmãos, pera lhe fazerem cumprir o que fosse honesto e rezam poys que eram seus vassalos e aviam d' estar em seus reinos; e ha segunda que por quanto na capitolaçam das pazes fora defeso que os castelhanos sob graves penas nam fossem tratar aas partes de Guinee ho que hos reys de Castella nam podiam fazer por ser contra ho bem comum de seus reynos, nos quaes nam era negado seus tratos e proveytos aos portugueses pagando seus dereitos ordenados, antes com ysso hiam e vinham e tratavam livremente; que assi com imposiçam dalgum justo dereyto e tributo, dessem lugar aos seus naturaes que ho trato de Guinee lhe nam fosse defeso por el-rey. E o desleal fundamento disto era que com quanto estas cousas pareciam justas e honestas e que era rezam se fazerem, que polla calidade dellas el-rey as nam avia de conceder nem outorgar em nenhũa maneira, e que entam os reis de Castella terião com ysso rezam de romper com elle guerra, e que o duque e seus yrmãos com esta causa parecer justa se escusariam d' el-rey a o nam servirem, nem sosterem guerra pois nam queria seguir rezam, e aos reis de Castella serviriam e dariam entrada a suas gentes por suas terras. A qual capitolaçam foy metida em cera e dada ao dito Geronimo Fernandez que com ella na mão encima de hum muyto bom cavallo partio de noyte com o dito Tristam de Vila Real, sendo avisado pollo duque que se algũa gente o salteasse fizese todo o possivel por esconder e salvar a dita estruçam, e como chegase em salvo a Castella a entregasse como entregou ao dito Tristam de Villa Real.

 

De como Gaspar Jusarte e Pero Jusarte

descobriram a el-rey

o que do caso do duque de Bragança sabiam

 

Capitolo XL

 

Estando el-rey em Santarem na Coresma do anno de quatrocentos e oytenta e tres, Gaspar Jusarte homem fidalgo e muito bom cavaleyro sabendo que seu yrmão Pero Jusarte que vivia com ho duque de Bragança hia a Castella per seu mandado e do marquês seu yrmão contra a pessoa e estado d' el-rey, elle como bom e leal vassalo determinou de lho descobrir; e pera ysso per escriptos que em grande segredo se mandaram, e por consentimento d' el-rey se vio em hum casal com Antam de Faria seu camareiro, a quem logo descubrio a sustancia de hũa estruçam que sobre ysso vira. A qual o dito Pero Jusarte per conselho de seu yrmão depois mostrou e deu a el-rey estando em Avis em grande segredo, que foy posta no feyto que se processou contra ho duque como ao diante se diraa. E por este grande serviço que Gaspar Jusarte e Pero Jusarte fizeram a el-rey, lhe fez muita merce e acrecentamento, principalmente a Pero Jusarte que ho fez senhor da villa d' Arrayolos com todas suas rendas em sua vida e de hum seu filho; e em sua vida sempre os favoreceo, honrrou e acrecentou .

 

Da embaixada que os reis de Castella mandaram a el-rey

sobre o desfazimento das terçarias

 

Capitolo XLI

 

Daqui de Santarem na entrada deste ãno de oytenta e tres, foy el-rey ver a infanta Dona Joana sua irmã que estava no Moesteiro de Jesu d' Aveiro, e tornou logo a Santarem a ter a Pascoa com a rainha sua molher; e passada a festa veo recado a el-rey que o prior do Prado confessor dos reys de Castela que depois foy arcebispo de Granada pessoa de muito grande confiança e a elles mui aceita, vinha por embaixador sobre o desfazimento das terçarias e que era ja em Avis; de que el-rey foy muy alegre e com a raynha e toda a corte se partio logo pera a dita villa d' Avis, onde ouvio o dito embaixador. E logo aos quinze dias do mes de Mayo do dito ãno de oitenta e tres, tomou concrusam e assento jurando e afirmando no desfazimento das ditas terçarias per que o principe e a infanta ficaram delas livres, e assi desatados e soltos todos os seguradores e desnaturamentos, e assi todalas obrigações que por eles eram feytas. E o casamento ficou entam concertado de futuro com a infanta Dona Joana filha segunda dos ditos reis com as mesmas condições e obrigações que com a dita infanta Dona Isabel e o principe Dom Afonso era concertado, dando porém mais em dote aa dita infanta Dona Joana dez contos de reaes; e no dito contrato ficou logo decrarado e especeficado hum ponto sustancial sem entam aver esperança de se comprir: o qual era que se ao tempo que o principe comprisse ydade de quatorze annos a dita infanta Dona Isabel estevesse por casar, que neste caso ho casamento se cumprisse antre eles per palavras de presente como primeiro fora concertado.

E pera receberem o principe em Moura e o trazerem a sua corte fez el-rey seus precuradores, Dom Pedro de Noronha seu mordomo-mor e o doutor Joam Teixeyra chanceler-mor, e frey Antonio seu confessor. Os quaes todos e assi o dito prior do Prado embaixador partiram logo caminho de Moura; e el-rey e a raynha se foram logo caminho da cidade d' Evora, pera ahi receberem o principe, e pousaram nas casas do conde de Olivença que sam pegadas com o Moesteiro de Sam Joam, por serem de bons aares pera ho verão que ahi esperavam ter.

E antes d' el-rey partir d' Avis lhe trouxe Pero Jusarte em pessoa escondidamente a estruçam com que fora a Castella como atras se disse, e acerca do caso lhe descubrio muitas particularidades. Pollo qual el-rey logo determinou de prender o duque, e quando o nam podesse prender, de o cercar em qualquer lugar que estivesse. E pera isso ouve logo secretamente muyto dinheiro junto que trazia em sua guarda-roupa; e assi fez loguo has menutas das cartas e provisões que em tal caso avia de mandar pollo reyno, e aas villas e castelos do duque a seus alcaydes-mores, ho que tudo lhe aproveytou na noyte que prendeo o duque como adiante se dira.

Ho duque de Bragança ao tempo que o dito embaixador de Castella entrou em Portugal estava em Villa Viçosa; e porque se disse logo que el-rey pera despacho da embaixada se vinha a Estremoz, que era tam acerca donde elle estava, cre-se por honestidade por escusar sospeitas e outros inconvenientes de sua honra se partio soo pera Portel, onde hos precuradores d' el-rey que hiam a Moura o acharam dia de Penthecoste yndo ja pera Moura, hos quaes por modo de conselho praticou sobre o que acerca da vinda do principe devia de fazer pois vinha por suas terras: porque de hũa parte por obediencia e por sua dinidade, e por outras muytas causas lhe parecia bem yr-se pera ho principe e ho acompanhar e servir atee a corte, e em suas terras lhe fazer aquelle recebimento e serviço que era rezam e elle por ser seu senhor merecia; e da outra receava de o fazer por nam saber quanto el-rey disso seria servido e contente pois lhe nam escrevia. E depois de muitas praticas que sobre este caso passaram, os ditos precuradores saãmente e sem cautella o aconselharam que pera elle soldar quebras e achaques que no povo se dezião aver antre el-rey e ele, e tambem porque assi era rezam elle se devia yr pera ho principe e servi-lo e festejá-lo em suas terras e yr com elle atee a corte; e que na ora que el-rey visse o principe seria tam allegre e contente, que lhe esqueceriam quaesquer sospeitas ou maas vontades que antre elles ouvesse. Do que ho duque mostrou ser satisfeito e muy alegre, e na deligencia que logo pôs pera se aperceber, e no desejo que amostrou pera em tudo servir el-rey e ho principe, mays parecia entam aver nele amor e lealdade que o contrairo. E depois dos procuradores serem do duque despedidos yndo pollo caminho, ouve antre elles duvida se fora bem ou mal conhecendo a condiçam e descriçam d' el-rey aconselharem o duque daquella maneyra. E pera com tempo se atalhar quando el-rey o nam ouvesse por seu serviço, loguo do mesmo caminho lho fizeram saber polas paradas de cavallo que d' Evora a Moura eram postas. E el-rey lhe respondeo logo mostrando que folgava muyto e louvando com doces e fingidas palavras ha determinaçam e conselho do duque, e dando algũas escusas que pareciam honestas, porque pera ysso o nam convidara nem lho escrevera, por ser certificado que o duque ao tal tempo nam estava tam bem desposto de sua saude que ho podesse nisso servir. A qual reposta d' el-rey foy logo mostrada ao duque en Moura onde jaa estava, porque aforrado foy logo noteficar aa infanta Dona Breatiz sua yda com o principe aa corte, que lhe pareceo muy bem, vendo ha carta d' el-rey com tam segura dissimulaçam com que ha infanta e ho duque mostraram ser muy alegres; e do alvoroço e despejo do duque que entam mostrava, parecia aver nelle muyto amor e lealdade pera el-rey. Esta carta que o duque vio, que parecia à boa fee e nam dobrada como vinha ho descarregou e segurou tanto, que nam quis despois crer hos muitos avisos que no caminho lhe foram dados pera que nam entrasse em Evora.

 

De como se desfizeram as terçarias e a entregua do principe

e da infanta

 

Capitulo XLII

 

Os procuradores d' el-rey e o embaixador de Castela chegaram aa villa de Moura aos vinte quatro dias de Mayo de quatrocentos e oytenta e tres. E dentro no castello perante o principe Dom Afonso, e as senhoras infantas Dona Isabel e Dona Breatiz, o dito embaixador fez hũa fala com muita autoridade, dizendo que aquelle desfazimento das terçarias se fazia porque hos penhores da paz que foram aquelles senhores principe e infanta, nam eram jaa necessarios antre os reis de Castella e de Portugal, polla grande certidam e verdadeira segurança que de sua paz e amizade tinham, com muytas rezões e comparações de grande prudencia e muito ao proposito. E acabadas a senhora ynfanta Dona Breatiz entregou logo o principe aos ditos precuradores d' el-rey, e ha senhora infanta Dona Isabel ao embayxador d' el-rey e da raynha seus padres; e ysto com muitas lagrimas d' amor pola grande saudade que da infanta Dona Isabel avia.

Com os quaes loguo sayram da fortaleza, e ha senhora infanta Dona Breatiz com quanto tinha ja feito entrega do principe, veo com elle atee Evora e ho entreguou outra vez a el-rey seu pay. E ho duque de Viseu que tambem era hi, foy com a infanta Dona Isabel atee ho estremo onde a entreguou aos senhores de Castella que ahi esperavam por ella; e despedido da senhora infanta, tornou logo com muyta pressa pera ho principe que alcançou no caminho e entrou com elle em Evora.

 

Da entrada do principe na cidade d' Evora

 

Capitulo XLIII

 

O principe veo de Moura dormir ao luguar da Vera Cruz, onde chegou a ele muita e muy nobre gente da corte; e ho outro dia nam passou de Portel por o recebimento, festas e banquetes que lhe o duque de Bragança ahi fez em muita perfeiçam, que o duque era muy largo e abastado em suas cousas e trazia muy honrrada casa. E ao outro dia foy ho principe dormir aa Torre dos Coelheiros, e aa terça-feira bespora da bespora do dia do Corpo de Deos foy dormir a Evora e com elle ambos os duques e muitos senhores com muita nobre gente; sayo el-rey a receber o principe com muita e honrrada gente, e os vassallos da cidade e comarca vinham ao recebimento todos armados, porque el-rey hia em duvida se prenderia logo o duque tanto que o visse ou se o deixaria pera depois, e polo grande repouso e muita segurança que nele vio o nam quis então fazer. Recebeo o principe com muito grande prazer e alegria e tanto contentamento que mais nam podia ser; e aa infanta e os duques fez tanta honrra, tanto gasalhado, como ao principe seu filho, abraçando os duques com tanto amor e mostranças de folgar com elles, que parecia que em seu coraçam nam jazia o contrairo; e com quanto hia prestes pera prender ho duque se lhe bem parecesse, quis que nam fosse então e ficasse pera depoys por ser com menos alvoroços como se fez. E ao outro dia bespora de Corpo de Deos, e assi no dia pola acostumada solenidade da festa, como pola vinda do principe cousa tam desejada d' el-rey e da raynha, ouve na cidade muytas festas e touros, e nos paços grandes serãos de danças e bailos, a que ho duque era presente sem nunca poder conhecer d' el-rey o contrairo do que lhe mostrava. O que foy causa de nam crer muitos avisos que nestes dias lhe vieram em especial do marquês seu yrmão que lhe aconselhava que se saysse e salvasse. Mas o duque confiando na segurança que via em el-rey o nam quis fazer, e tambem porque sabia que has cousas em que o podiam culpar, eram papees que elle a muy bom recado e segredo tinha em seu cofre sem presumir que podiam ser vistas como eram; parecia-lhe que todo ho mais seriam presunções de que ele muy levemente se poderia absolver e por yso nam deu credito algum ao marquês pera fazer mudança de si e porém determinava de se hir ao outro dia.

 

De como foy ha prisam do duque de Bragança

 

Capitolo XLIV

 

E logo aho outro dia sesta-feira vinte e nove dias do mes de Mayo do dito ãno de mil e quatrocentos e oitenta e tres, o duque por sua vontade sem ser chamado d' el-rey, se foy aa tarde ao paço com tenção de se despedir delle e se hir embora pera suas terras, e achou el-rey em despacho de petições com os desembargadores do paço. E em o duque chegando com a honrra acostumada lhe mandou dar hũa cadeira e fez assentar junto consigo, e perante elle esteve despachando algũas cousas; e acabado fez de todo despejar a casa em que estava que era hum sotão e ficou soo com o duque, que logo falou a el-rey algũas cousas que trazia pera lhe dizer, antre as quaes lhe tocou nas sospeitas que delle contra seu serviço lhe faziam ter, pedindo-lhe muito por merce que as nam cresse e ouvesse por certo o que ja em Almeirim sobre tal caso lhe dissera, que era morrer por sua honrra e estado e serviço quando comprisse; e que pois ysto assi era que às pessoas que tamanhos erros contra elle assacavam falsamente devia dar o castigo que por tal caso mereciam; e que por nam parecer a sua alteza que elle por receo dalgũas suas culpas se acautelava, lhe pedia por merce que se quisesse bem enformar da verdade, e do que achasse fizesse o que fosse rezam e justiça.

El-rey lhe respondeo logo ao que primeiro lhe falou, a cada cousa per si, e antes de responder a esta lhe disse que por quanto era tarde e a casa estava ja escura, que se sobisem acima a hũa sua guarda-roupa. E depois de sobidos estando el-rey em pee lhe disse que quanto aas cousas que apontara que lhe delle deziam, e pedia que se enformasse da verdade, que seu requerimento era tal e tão justo que se devia de conceder, e que elle assi determinava de o fazer, e que pera ysso por se escusarem alguns ynconvinientes, e se fazer com mayor seguridade, era necessario que elle duque estevesse alli retraydo, e que fosse certo e seguro, que sua honrra com sua defesa e justiça lhe seria ynteiramente guardada. E como el-rey ysto disse deixou o duque na guarda-roupa em poder d' Aires da Silva camareiro-moor e d' Antam de Faria camareiro, os quaes com muito acatamento guardando-lhe muy inteiramente sua honrra o guardaram como entam cumpria. E vendo Ayres da Silva o duque muito triste e agastado o quis confortar dizendo-lhe, que nam tomasse sua senhoria paixam nem se agastasse que prazeria a Nosso Senhor que seria por mays sua honrra e acrecentamento de seu estado; e o duque lhe respondeo: “Senhor Ayres da Silva, o homem tal como eu nam se prende pera soltar”.

El-rey se sobio a outra camara onde logo mandou vir alguns fidalgos e cavaleiros a que encomendou a guarda e serviço do duque; e assi mandou chamar os senhores e pessoas principais d' autoridade que na cidade estavam pera conselho que logo sobre o caso teve; os quaes vieram logo com tam grande pressa e espanto como ha novidade do caso o requeria.

E como a nova foy polla cidade sabida, porque tocava en deslealdade contra el-rey, foy tam estranha e contrayra nos ouvidos e corações de todos, que toda a gente da cidade acudio na mesma ora a el-rey, nam soomente os que pera seu serviço eram necessarios, mas ainda os velhos e moços; e eram tantos que nam cabiam nos terreiros e ruas, todos pollo grande amor que lhe tinham com grande yra bradando por crua vingança sem nenhũa piadade lhe lembrar, somente o estado e vida d' el-rey como a propria de cada hum; e faziam tamanha oniam, ruydo, e estrondo, que era cousa de grande terror e espanto e mais por ser de noite.

E estando ja muitos do conselho e assi alguns letrados com el-rey, elle com muita temperança como muy justo e virtuoso rey, mostrou a todos por causa e fundamento da prisam do duque as cartas e estruções de que atras faz mençam, e com todos tomou o assento de todo o que pera tal caso e necessidade cumpria. Primeiramente que se segurasse bem a pessoa do duque e que seus castellos, villas, e fortalezas se cobrassem logo; e assi se notificasse logo ho caso aos reys de Castella e nam como a sabedores da causa delle, e assi ao prior do Prado embaixador, por se atalharem e empedirem requerimentos e alvoroços daquelles reynos pera estes.

E mandou logo el-rey a todalas fortalezas que o duque tinha em todo ho reyno que eram muytas e muy boas, fidalgos principaes e cavalleyros de sua casa, delles que na corte estavam e outros que eram ausentes, pera com suas cartas e provisões, e com outras do duque que tambem  levavam as averem ou combaterem logo nam se querendo entregar, repartindo logo apontadamente as comarcas, villas, e fortallezas a que cada hum com melhor desposiçam avia de hir. Os quaes todos como bons e leaes servidores oulhando ho tempo e ymportancia do caso, com grande amor e deligencia compriram em tudo hos mandados d' el-rey. Porque como chegarão logo sem alvoroço, perigo, nem contradiçam, as ouveram todas aa mão, em que poseram  alcaydes e pessoas que sobre suas menajens as tevessem sempre fielmente a serviço d' el-rey. Cousa certo de muyto louvor e espanto, entregarem-se assi levemente e tam sem duvida vinte e cinco villas e fortalezas do duque só por mandado d' el-rey sem vista de sua pessoa nem resistencia algũa dos alcaydes, que he muito de louvar sua muyta obediencia e grande lealdade a el-rey, e que parece cousa de misterio de Deos.

Ho marquês de Montemor estava nas Alcaçovas, e ho conde de Faram n' Odemira, e pollo aviso que loguo ouveram da prisam do duque sem mays esperar na mesma hora e ponto que ho souberam fogiram e se poseram em salvo e acolheram a Castella. E ho marquês veo por Portel e se quisera lançar  na fortalleza de que era alcayde do duque Nuno Pereyra, que por ser jaa do caso avisado o não quis ahi recolher; e ho marquês se foy logo a Terra de Campos em Castella, e depois recolheo a marquesa sua molher em Sevilha.

E o conde de Faram se passou a Andaluzia onde dahi a pouco tempo com mayor tristeza e sentimento do que nestes casos tinha de culpa, se finou e acabou sua vida. Do que a el-rey nam aprouve antes lhe pesou muyto, porque se o conde se tornara pera ho reyno como loguo lho mandou dizer, teve tençam de se aver com elle nobre e virtuosamente porque el-rey tinha sabido o conde não ser culpado.

E com o senhor Dom Alvoro yrmão do duque assentou el-rey que por entam se fosse fora de Portugal e nam ficasse em Castella nem estevesse em Roma ysto atee sua merce, e que em todolos outros reynos e terras podesse estar, e aver lá todalas rendas que neste reyno tinha atee el-rey aver por bem de o mandar vir; e elle se foy com tençam de o comprir e preposito de yr a Jerusalem o que nam cumprio, porque chegando à corte de Castela foy d' el-rey e da raynha tam favorecido que nam passou adiante e ficou em seus reynos e corte a que recolheo ha senhora Dona Felipa sua molher e filhos. E lhe foy dado por el-rey e a raynha a governança da justiça em sua corte, e com elles teve grande credito e autoridade por ser pessoa de grande siso, saber e conselho. E lá em Castela faleceo depois de ser a estes reynos de Portugal tornado e restituydo a todo o seu per el-rey Dom Manoel que sancta gloria aja. E porém quando se assi foy do reyno ficou cá en Portugal hũa sua filha a que el-rey fazia muyto honrrada criaçam em casa da raynha sua molher e a trazia com muita honrra e abastança, ha qual ora he duquesa de Coimbra e molher do mestre de Santiago e d' Avis filho natural d' el-rey. E ficaram do senhor Dom Alvoro dous filhos e quatro filhas, s.: ho mayor que he marquês de Ferreira e conde de Tentuguel erdeyro de sua casa e de muyta renda, pessoa muy principal e de muita estima e gram valia; e Dom Jorge de Portugal que vive em Castella com muyta renda e conde e alcayde-mor do alcacer de Sevilha; e ha dita duquesa de Coymbra; e outra casada em Castella com ho conde de Benalcacer; e duas outras casadas nestes reinos hũa com o conde do Vimioso e outra com o conde de Portalegre. Todas pessoas muy principaes e de muito grandes virtudes.

E assi os filhos do conde de Faram tambem foram tornados a estes reynos por el-rey Dom Manoel e dado ao mayor suas rendas com o titolo de conde d' Odemira; e en Castella ficou hum que ora he arcebispo de Çaragoça e viso-rey em Aragam homem de grande valia; e assi  casaram lá duas filhas  suas, hũa com o infante Fortuna neto d' el-rey d' Aragam, e a outra com ho duque de Medina Celi; e outro filho mais moço que ora he mordomo-mor da raynha nossa senhora.

A senhora duquesa Dona Isabel molher do duque de Bragança ao tempo da prisam do duque estava en Villa Viçosa, e tanto que do caso foy avisada, mandou logo tres filhos seus a Castella e com elles fidalgos de sua casa, s.: Dom Felipe o mayor que sendo moço lá faleceo; e Dom Gemes o segundo que ora he duque de Bragança e de Guimarães e o moor senhor d' Espanha de sangue, terras, e vassallos e pessoa singular, que tomou a cidade d' Azamor aos mouros depois de tornado a estes reynos por el-rey Dom Manoel seu tio que sancta gloria aja; e Dom Denis o terceiro que em Castella casou com hũa filha do conde de Lemos herdeira da casa. E com ha senhora duquesa ficou hũa filha menina que avia nome Dona Margarida que nestes reynos dahi a poucos annos faleceo. E ha raynha de Castella como muy nobre e virtuosa princesa recolheo hos filhos do duque  que eram seus sobrinhos a sua casa e os tratou e honrrou sempre como era rezam que fosse e fizesse a sobrinhos tam chegados a ella que eram filhos de sua prima com yrmaã e netos do infante Dom Fernando e da infanta Dona Breatiz que era yrmaã da raynha de Castella sua mãy. E do marquês de Montemor nam ficou filho algum.

Ho duque não sahio mais da guarda-roupa em que ho el-rey deyxou, onde estava sem ferros nem outra algũa prisam em seu corpo, porém era de bons fidalgos e cavalleiros bem guardado, e em tudo muy acatado e servido como a seu estado cumpria sendo em sua liberdade. Assi no serviço da mesa com suas salvas devidas e costumadas, como nos officios divinos e pratica e visitações de seu confessor, e tambem nos avisos de seus precuradores, que nunca lhe foram defesos quando ho elle desejava e algũa necessidade ho requeria. E sendo el-rey aconselhado dalgũas pessoas, que per dereyto podia mandar fazer justiça do duque pois do crime era certificado, elle o nam quis fazer. Antes no primeiro conselho que sobre este caso teve, ho viram chorar muytas lagrimas e dizer pallavras de compayxam e sentimento, mostrando que desejara muyto achar ao duque boa desculpa como homem mais cheo de piedade que de yra nem rigor, acusando a Deos seus pecados propios, reportando estas cousas a elles como virtuoso e catholico principe que era; e tomou por concrusam que o caso se visse e determinasse por justiça.

 

Do que alguns senhores cometerão a el-rey sobre ho caso do duque

 

Capitolo XLV

 

Alguns grandes e senhores do reyno que na corte eram presentes, praticando antre si sobre este caso, doendo-se da destruyção e queda do duque e por escusarem sua morte, todos juntos pediram por merce a el-rey que lhe quisesse dar a vida, e que por segurança do que a seu serviço cumpria, e ho duque dahi em diante sempre bem e lealmente ho servisse, ouvesse sua alteza a seu poder todas suas fortalezas, e mais as suas delles mesmos, as quaes em vida do duque fossem sempre em seu poder e el-rey has desse de sua mão. E porque ao tempo que ysto lhe cometeram nam tinha ainda recado algum da entrega das fortalezas do duque que  eram na comarca d' Antre Doiro e Minho e de Tra-los-Montes, em que tinha muyta duvida e receo, mostrou que lhe parecia bem o partido e que avia prazer de lho cometerem e de entender nelle; ysto com fundamento que se algũas das ditas fortalezas revelassem a sua obediencia ou sobesse que em Castela se fazia sobre este caso algũa revolta, aceitar ho dito partido e com elle feyto mandar soltar o duque mostrando que aquella fora sempre sua vontade. Mas como foy certo da entrega de todalas fortalezas e assi de em Castella se nam fazer cousa algũa e estar tudo assossegado, escusou-se do dito partido e requerimento, e como seguro e descansado dos receos que tinha, mandou logo que o caso do duque se visse e determinasse per justiça.

 

De como el-rey perdoou ao duque de Viseu a culpa que neste caso

tinha, e da morte do duque de Bragança

 

Capitulo XLVI

 

E logo ao outro dia depois da prisão do duque, el-rey mandou chamar o duque de Viseu aa casa da raynha sua yrmaã e perante ella lhe fez hũa fala na qual o reprendeo muyto dizendo-lhe que elle fora sabedor de todas as cousas passadas que o duque de Bragança e o marquês seu yrmão contra elle quiseram cometer; e que se com rigor e justiça o quisera castigar, cousas tinha sabidas delle por onde com direito o podera fazer. Porém por ser filho do yfante Dom Fernando seu tio e por sua pouca ydade e polo amor que sempre lhe tevera e tinha e principalmente por ha raynha sua yrmaã que ele sobre todas tanto estimava e amava, lhe perdoava tudo livremente, e dava por esquecidos quaesquer erros ou culpas que neste caso tivesse, dando-lhe sobre tudo tam vertuosos e verdadeyros conselhos e ensinos, que ho infante seu pay se fora vivo lhos nam podera dar milhores; e o duque por nam ter escusas nem repricas sem falar palavra algũa lhe beijou a mão por tamanha merce. E a raynha que ysto muyto estimou com palavras de grande amor e muita prudencia o teve muito em merce a el-rey.

E pera o caso do duque de Bragança mandou el-rey vir a Evora todollos leterados da Casa da Supricaçam que entam estava em Torres Novas, e foy logo dado por juyz o licençeado Ruy da Grã muito bom homem, e de muyto  boa conciencia e bom letrado, e por procurador d' el-rey o doutor Joam d' Elvas, e por precurador do duque ho douctor Dioguo Pinheiro que depois foy bispo do Funchal homem fidalgo e de muito boas letras e bom saber, e da criaçam do duque, e com elle Afonso de Bairros que era avido por hum dos milhores procuradores do reyno. Aos quaes el-rey mandou e encomendou que com muito cuidado e estudo precurassem e defendessem a causa do duque, e que por ysso lhes faria muyta merce.

Foy feyto e dado libello contra ho duque que logo procedeo com vinte e dous artigos fundados naquellas cousas em que parecia elle ser culpado; hos quaes polo juiz lhe foram logo levados onde estava e todos lidos, de que o duque mostrou logo algũa torvaçam, porque na substancia delles conheceo claramente que muitas cousas suas eram descubertas que elle avia por muito secretas e escondidas. E depoys de estar hum pouco cuidoso ante de nada responder, encomendou a Ruy de Pina que era presente que fosse dizer al rey seu senhor, que aquelas cousas e en tal tempo nam tinham reprica mais propia de servo pera senhor nem que mais conviesse a sua grandeza, vertudes e piadade que a que o profeta Davi disse a Deos no psalmo: “Et non  intres in juditium cum servo tuo Domine, quia non justificabitur in conspecto tuo omnis vivens”. E que quando ysto que a elle por todos respeitos mais convinha nam quisesse fazer, que entam por sua dinidade e por ser assi dereito lhe quisesse dar juyzes conformes a elle e que seu feito mandasse determinar a principes e duques pois o ele era; e el-rey ouve tudo isto por escusado e mandou que todavia respondesse e se livrasse por dereyto. E alem das cartas, estruções, e escripturas que logo pera prova do libelo foram no feito oferecidas, se preguntaram pellos artigos delle, estas pessoas por testemunhas, convem a saber: Lopo da Gama, Afonso Vaz secretario do marquês, Pero Jusarte, Lopo de Figueiredo, Diogo Lourenço de Montemor, Jeronimo Fernandez, Fernam de Lemos, e Joam Velho de Viana de Caminha, todos da criaçam do duque e de seus yrmãos, cujos testimunhos pareceo que fazia prova ao libello, nem avia a elles contraditas nem lhas receberam.

Foy ho processo contra ho duque acabado em vinte e dous dias, e nenhũa deligencia que pera ele cumprisse foy necessaira fazer-se fora da corte. E pera final determinaçam delle foram per mandado d' el-rey juntos pera juyzes alguns fidalgos e cavaleiros do reino homens sen sospeita que com os letrados foram por todos vinte e hum juyzes. E tanto que o feyto foy concruso, os juyzes foram todos juntos em hũa sala dentro do apousentamento d' el-rey armada de panos da ystoria, equidade e justiça do emperador Trajano. Onde se pôs hũa grande mesa aparelhada como cumpria pera o auto,  em que da hũa parte e da outra os juyzes estavam todos assentados, e no tope della el-rey, e junto com elle ho duque assentado em hũa cadeyra, a quem el-rey em chegando a elle e em se despedindo guardou inteiramente sua cortesia e cerimonia. Ho qual veo ali duas vezes, em que vio ler o feito e pellos precuradores da hũa parte e da outra desputar em grande perfeiçam os merecimentos do processo. E a  terceyra em que pubricamente se aviam de repreguntar as testemunhas em pessoa do duque, el-rey o mandou pera ysso chamar, e elle se escusou e nam quis vir, dizendo a Ruy de Pina que o foy chamar estas palavras: “Dizey a el-rey meu senhor que eu me confessey e comunguey oje, e que agora estou com o padre Paulo meu confessor falando em cousas de minha alma e do outro mundo, e que estas pera que me.chama sam do corpo e deste mundo e de seu reyno de que elle he juyz; que as julgue e  determine como quiser, porque a yda de minha pessoa nam he necessaria”, e nam foy. E com esta reposta mandou el-rey logo despejar a sala pera sobre a final sentença tomar hos votos dos juyzes. Aos quaes ante de votarem fez el-rey hũa fala em que lhe encomendou ho que devia como virtuoso e justo rey, e isto com muitas lagrimas que todos aquella noite lhe viram correr; porque cada voto que cada juyz concrudia na morte do duque el-rey chorava com grandes soluços e muita tristeza. E no votar se deteveram dous dias menhã e tarde, com a noute derradeira muyto tarde em que finalmente acordaram todos com el-rey que na sentença pôs ho seu passe, que vistos hos merecimentos do processo, conformando-se no caso com as leys do reyno e imperiaes, e com a pura e muy antigua lealdade que aos reys destes reynos de Portugal se devia sobre todos, acordaram que ho duque morresse morte natural, e fosse na praça d' Evora pubricamente degolado, e perdesse todos seus bens, assi hos patrimoniaes como hos da coroa pera o fisco e real coroa d' el-rey. E acabada d' assentar e assinar a sentença, tomou el-rey logo com todos assento sobre o que na execuçam della se avia de fazer.

E aos vinte dias do mes de Junho do anno de mil e quatrocentos e oytenta e tres de noyte ante manhaã tiraram ho duque dos paços encima de hũa mula, e Ruy Tellez nas ancas apegado nelle e muyta e honrrada gente a pee que o acompanhava com grande seguridade. E ho duque em sayndo cuidou que ho levavam a algũa fortaleza; e quando vio todos a pee, ficou muyto enleado e muy triste. Foy assi levado a hũas casas da praça, que parece cousa de notar, porque o dono della se chamava Gonçalo Vaz dos Baraços, e em Evora nam se vendiam senam em sua casa. Onde ho duque conheceo ha verdade que logo claramente lhe foy descuberta por o padre Paulo seu confessor que o ja estava esperando, e lhe deu com muitos confortos e esforços a muy triste e desconsolada nova, a qual o duque recebeo com palavras de muyta paciencia e muy em si como homem muy esforçado.

E logo ahi fez hũa cedula de testamento que elle notava e hum Christovam de Bayrros escrivam escrevia, na qual assinou com ho padre Paulo seu confessor. Em que por descarreguo de sua alma declarou algũas cousas, principalmente pedio aa duquesa sua molher por merce, e assi a seus yrmãos, e encomendando a seus filhos por sua benção e encomendou a seus criados que todos por o caso de sua morte nam tevessem odio nem escandalo contra algũa pessoa que lha causasse, nem muyto menos contra el-rey seu senhor porque em tudo o que fazia era verdadeiro menistro de Deos e muy inteiro executor de sua justiça, porém nam decrarando se era ou leixava de ser culpado no caso por que morria, falando muytas cousas e fazendo em tal tempo algũas perguntas como de homem muy acordado e de grande esforço, e sobre tudo catolico e bom christam. E mandou pedir perdam a el-rey com pallavras de muyta umildade e de acusaçam de si mesmo, e pedio que antes de padecer lhe trouxessem o recado como lhe fora em seu nome pedido e assi se fez.

E tanto que o duque entrou nas ditas casas, foram logo juntos muytos carpinteiros e oficiais, e com muyta brevidade fezeram hum grande e alto cadafalso casi no meo da praça, e hum corredor que de hũa janella das casas hia a elle, e no meo do cadafalso outro pequeno pouco mor que hũa mesa, mais alto com degraos tudo de madeira cuberto de alto a baixo de panos negros de doo, e feito como avia poucos dias que a el-rey perante o duque disseram que se fizera em Paris outro tal com tal cerimonia  a hum duque que el-rey Luys de França mandou degolar. E no fazer do cadafalso e corredor que era grande e no que mais era necessario se deteveram tanto que eram ja mais de dez oras do dia, no qual tempo o duque cansado e desvelado da noyte polla grande agonia em que estava pedio de beber, e sobre figos lampãos bebeo hũa vez de vinho. E em hũa cadeira d' espaldas em que estava assentado se afirma que se encostou e dormio hum pouco. E acordado tornou a estar com seu confessor, e disse que fizessem o que quisessem que ele nam tinha mais que fazer. Vestiram-lhe hũa grande loba, capello e carapuça de doo. E ataran-lhe diante ao cinto com hũa fita preta os dedos polegares das mãos. E em lhos atando lhe disseram que ouvesse paciencia e nam se escandalizasse porque assi era mandado por el-rey. E elle respondeo: “Sofre-lo-ey e mais hum baraço no pescoço se sua alteza o mandar”. Sahio assi ao corredor por onde avia d' ir ao cadafalso, e diante delle confessores e religiosos com hũa cruz diante encomendando com devotas orações sua alma a Deos. E quando vio o cadafalso e da maneira que tudo estava ordenado, lembrou-lhe o que vira contar a el-rey sobre o duque que em Paris degolaram e disse: “Aa como em França”.

E nesta morte do duque o fez o conde de Marialva muyto honrradamente, que sendo meirinho-mor e mandando-lhe el-rey que fosse estar com ho duque, lhe pedio muyto por merce que tal lhe nam mandasse; porque antes perderia quanto tinha que o fazer porque era grande amiguo do duque; e el-rey lhe conheceo de sua rezam e o escusou e mandou servir de meirinho-mor a Francisco da Silveira que ora he cõdel-mor. O qual com muyta gente d' armas, e elle ricamente armado foy lá com vara de justiça na mão e o duque quando o vio assi pesando-lhe disse: “Bem galante está Francisco da Silveira”. Foy com muyta segurança atee o cadafalso que era defronte da capella de Nossa Senhora, e em chegando se pôs em joelhos e com os olhos na imagem se encomendou com muita devaçam a ella, e os religiosos dizendo-lhe palavras pera tal ora de muito esforço e grande confiança em Deos. Mas ele foy sempre tam esforçado, tam inteiro na fee, e tanto em seu inteiro acordo, que pareceo que pera sua salvaçam has nam avia mester. E porque a gente principal do reino acudio toda a el-rey era a praça tam chea de gente d' armas, que nam cabia nem pollas ruas, e a cidade toda em grande revolta, ho confortaram muyto que de vista e rumor tam espantoso não tomasse torvação nem escandalo; e elle respondeo: “Eu nam me torvo nem escandalizo do que me dizeis, porque se ho posso ou devo dizer Jesu Christo Nosso Senhor nam morreo morte tam honrrada”. E falando com o confessor perguntando-lhe se se lançaria, se sobio ao outro cadafalso mais alto donde todos o viam, e assentado nelle com os olhos em Nossa Senhora encomendando-lhe sua alma, chegou a elle por detras hum homem grande todo cuberto de doo que lhe nam viram o rosto, ho qual se affirma nam ser algoz e ser homem honrrado que estava pera o justiçarem, e por fazer esta justiça em tal pessoa foy perdoado; e com hũa toalha d' olanda que trazia na mão lhe cubrio hos olhos, e com muita honestidade o lançou de costas pedindo-lhe primeiro perdam; e acabado hum espantoso pregam que hum rey d' armas dezia e dous pregoeyros em alta voz davam, ho homem com hum grande e agudo cutello que tirou debayxo da loba perante todos lhe cortou a cabeça. E acabado de ho assi degolar se tornou aa casa donde o duque sayra por o mesmo corredor sem ninguem saber quem era. E o pregam dezia assi: “Justiça que manda fazer nosso senhor el-rey, manda degolar Dom Fernando duque que foy de Bragança por cometer e trautar trayçam e perdiçam de seus reinos e sua pessoa real”. E el-rey  tinha mandado que tanto que o duque fosse morto tocassem ho sino de Sancto Antam; e estando el-rey com poucos ouvio tocar ho sino, e em no ouvindo levantou-se da cadeira e pos-se em joelhos e disse: “Rezemos polla alma do duque que agora acabou de padecer”, e ysto com hos olhos cheos de lagrimas; e assi em joelhos esteve hum espaço rezando por elle e chorando.

E certo ho duque recebeo a morte com tanta paciencia, tanto arrependimento e contriçam de seus peccados, tanto esforço, e em tudo tam achegado a Deos que muytos se maravilharam de tam sanctamente morrer, porque em sua vida nam era avido por tam devoto como na morte mostrou, antes por homem muito metido nas pompas e cousas deste mundo mais que nas do outro. Esteve assi o corpo do duque pubricamente no cadafalso aa vista de todos por espaço de hũa ora, e dali sem dobrarem sinos nem aver choro, ho cabido da See com a clerezia da cidade com suas cruzes e muitas tochas acesas o levaram honrradamente ao Moesteiro de Sam Domingos, onde foy soterrado na capella mayor. E na corte nam tomou pessoa algũa doo por elle, salvo el-rey que esteve tres dias encerrado vestido de panos pretos com capuzes cerrados e barrete redondo.

 

De como o senhor Dom Manoel yrmão da raynha que era em Castella

pollo das terçarias se tornou aa corte

 

Capitolo XLVII

 

E porque na capitolaçam das terçarias foy concertado que em quanto durassem, o senhor Dom Manoel yrmão da raynha, que aynda era moço andasse em Castella, el-rey para comprimento disso, ho ãno passado lhe ordenou e deu casa honrrada com todos seus oficiaes dos seus propios moradores. E lhe deu por ayo Diogo da Silva de Meneses que depois foy conde de Portalegre, homem de nobre sangue, de muito bom siso, e saber, e bom conselho. E entam lhe deu el-rey por devisa a espera; cousa certo de misterio e profecia por que lhe deu a esperança de sua real socessam como ao diante se seguio, avendo entam muytas pesoas vivas que ante dele eram herdeyros; hos quaes todos depois faleceram para ele vir herdar. E sendo ja ho senhor Dom Manuel em Freyxinal vila do estremo de Castella, porque has terçarias se desfezeram, sua hida nam foy mais necessaria e se tornou aa corte. E el-rey com toda ha casa que lhe tinha dada ho recolheo e criou depois em sua cama, e mesa, e nos conselhos, e boas doutrinas com mostranças e obras de verdadeyro amor de filho. E para ter com que sostevesse seu estado em sua mocidade tinha ja el-rey ordenado de lhe dar o mestrado d' Avis com grande e honrrado assentamento de sua Fazenda; mas logo se seguiram cousas por onde ha provisam disso cessou como ao diante se dira.

 

Partida d' el-rey d' Evora para Abrantes,

e do recado do Santo Padre que lhe ahy veo

 

Capitolo XLVIII

 

No mes de Julho deste ãno de oytenta e tres, el-rey com a raynha e ho principe e sua corte se foy aa villa d' Abrantes, onde veo a ele hum nuncio com hum breve do Papa Sisto quarto, por que por cousas e causas nelle apontadas, em que parecia el-rey meter mão indevidamente nas cousas da Ygreja, o emprazou que por si ou seu procurador parecesse em corte de Roma pera dar dellas rezam. De que el-rey  mostrou receber payxam e sentimento, porque ainda lhe pareciam pendenças da desaventura passada pera no temporal e esperitual lhe darem fadiga.

E porque el-rey era muito livre da culpa de todas aquellas cousas, porque as mais dellas passaram em tempo que elle ainda nam reinava, determinou desculpar-se logo do Papa e do sagrado collegio dos cardeaes, e assi lhe respondeo pollo mesmo nuncio que se chamava Joanes de Merle, e ordenou logo de mandar sua embayxada honrrada, e por embaixadores Fernam da Silveira condel-moor e o doutor Joam d' Elvas. Os quaes sendo ja despachados pera partirem, foy disso avisado o cardeal Dom Jorge arcebispo de Lisboa que era em Roma; e por ser certificado que muyta da embaixada hia fundada em reprensões e ingratidões suas, de quem presumiam que as ditas enformações contra el-rey naceriam, elle mesmo cardeal por se em Roma nam abater seu credito e autoridade que era grande, ouve do Sancto Padre que el-rey fosse escuso do emprazamento. Por onde a embayxada nam foy, o que o cardeal fez mais pollo que a elle compria que nam pello d' el-rey, a que sempre teve maa vontade ja em vida d' el-rey Dom Afonso seu pay como atras fica dito.

 

Da justiça que em Abrantes el-rey mandou fazer

na estatua do marquês de Montemor

 

Capitulo XLIX

 

Estando el-rey em Abrantes por ser certificado que o marquês de Montemor, estando en Castela nam deyxava de seguir sua maa vontade contra elle, com os do seu conselho e leterados, ordenou e quis em sua ausencia mandar fazer justiça e justiçar sua estatua nesta maneira. Na praça da dita villa se fez hum cadafalso de madeira, grande e alto e todo cuberto de panos de doo, e nelle assentos para corregedores, desembargadores, e juyzes, e ahi em pee meirinhos, alcaydes, e officiaes da Justiça. E pubricamente foy alli trazida hũa estatua do marquês natural como viva que se parecia com ele, e vinha armado de todas armas, e emcima dellas sua cota d' armas, e na mão dereyta hũa espada alta, e na esquerda hũa bandeyra quoadrada de suas armas; e alli pollos juizes lhe foram lidas em alta voz suas culpas, e logo per todolos juizes e desembargadores sentenceado que morresse per justiça morte natural e  pubricamente fosse degolado. E acabada de ler a sentença veo hum rey d' armas e em voz alta dizia: “Por quanto vós, condestabre, por vosso tam grande oficio ereis obrigado a ter muyta lealdade a vosso rey, e a servi-lo e ajudar a defender seus reynos, e vós nam no fizestes, antes trabalhastes e precurastes por lhe ofender e lhe fostes desleal, nam mereceis ter tal espada”, e logo lhe foy tirada da mão; e tornou logo a dizer: “Por quanto vós, marquês, por vossa grande dinidade vos foy dada bandeyra quoadrada como a principe, e por esta honrra e dinidade de que recebestes ereis obrigado guardar a honrra e estado d' el-rey vosso senhor, e servi-lo e acatá-lo como a natural e verdadeiro rey e senhor, e vós tudo ysto fizestes ao contrayro, tal bandeira nam deveis ter porque a nam mereceis”, e lha tomaram logo da mão; e pola mesma maneira e cerimonia lhe tirarão a cota d' armas e armadura da cabeça e todas as outras peças das armas, atee ficar desarmado em calças e em gibam. E entam veo hum pregoeyro e hum algoz e com pregam de justiça, em que decrarava suas culpas, lhe cortaram a cabeça de que sayo sangue arteficial que parecia que era d' omem vivo. E acabada esta grande cerimonia de justiça que durou muito, se deceram todos do cadafalso, e logo foy posto fogo nele, e a estatua e o cadafalso todo assi como estava foy queimado, cousa que pareceo espantosa. E o marquês sendo disto sabedor foy muy anojado e triste; e dahi a pouco tempo se finou em Castella onde estava.

 

De como d' Abrantes el-rey partio pera São Domingos da Queimada

e a outras partes

 

Capitolo L

 

E na fim de Setembro deste ãno el-rey com a rainha e o principe e o senhor Dom Manoel se partio d' Abrantes, e o duque de Viseu por ser mal sentido ficou em Tomar. E foram em romaria a Sam Domingos da Queimada que he junto da cidade de Lamego, com grande devaçam pedir-lhe que por seus merecimentos Deos lhe desse filhos dantre ambos que el-rey muyto desejava e lhe levaram ricas ofertas que lhe ofereceram. E de Lamego se tornou a raynha a Viseu e dahi se foi à cidade do Porto. E el-rey foy a Vila Real e a Bragança e alguns outros lugares de Tra-los-Montes, e Antre  Douro e Minho em que ainda nam fora, correndo montes reaes, e provendo alguns repayros de fortalezas, e assi cousas de justiça que compriam. E tornou-se ao Porto onde o a raynha com o principe estava esperando; e por virem grandes invernos esteveram ahi até Janeyro do ãno seguinte de oytenta e quatro, e do Porto se vieram a Aveyro onde estava a infanta Dona Joana yrmã d' el-rey, a quem ele e a raynha falaram em casamento com o duque de Viseu yrmão da raynha. E por sua má ventura se nam concertou porque se entam se acabara, ficara muyto contente e tevera mayor amor a el-rey e nam ousaram de lhe danar a vontade como fezeram donde se seguio sua morte como logo se diraa. E d' Aveyro se veo el-rey com a raynha e o principe a Santarem onde logo veo o duque de Viseu que ficara em Tomar. E passada a Pascoa se fezeram de dia e de noite muitas festas de touros, canas e danças tudo em muyta perfeyçam e com grandes festas.

 

Do que aqui em Santarem aqueceo a el-rey de noyte

Capitolo LI

 

Estando el-rey nos paços de Santarem na cama com a rainha depois de todos repousados  acerca da mea-noite dormindo ja el-rey, lhe bateram aa porta da camara onde jazia. Acordou e perguntou quem era, e nam lhe responderam; ficou enleado cuydando o que podia ser; dahi a pouco tornaram a bater e elle levantou-se muyto manso e vestio hum roupam, e tomou hũa espada e hũa adarga e hũa tocha acesa na mão e foy muito passo só abrir a porta; e em na abrindo sentio yr diante si homem que abrio outra porta, e elle depos elle lhe foy o homem fogindo, abrindo todas as portas atee os  desvãos dos paços, que he cousa tam carregada, que de dia se carrega qualquer pessoa d' andar soo por elles, quanto mais de noite e a taes oras; e mais avendo ahi sospeita que alli sentiam cousa maa. A raynha bradou alto, e aos brados lhe acudiram molheres que a grande pressa chamaram os fidalgos da guarda e monteiros que logo acodiram todos com armas e tochas acesas, e foram achar el-rey só nos desvãos buscando todolos cantos delles tam seguro e sem receo que mais nam podera ser se fora no meo do dia. E entam perante si fez buscar tudo sem ficar nada, e nam se achou cousa algũa, por onde elle e todos affirmaram ser cousa passada desta vida. Tornou-se el-rey entam com todos, fazendo fechar has portas, tam despejado e ho  rosto tam seguro e alegre que todos vinham espantados. Deu boas noites e tornou-se a lançar na cama com ha raynha como dantes jazia, e nam deyxou por ysso de repousar e dormir.

 

De como se começou o caso em que o duque de Viseu

foy contra el-rey

 

Capitulo LII

 

Aqui em Santarem se começou a praticar e tratar a segunda deslealdade contra el-rey, donde se seguio a triste e rebatada morte do mal logrado duque de Viseu. A qual naceo mais de crer perversos e errados conselheiros, que de sua condiçam porque d' el-rey nunca recebeo escandallo nem agravos pera que com rezam lhe devesse de querer mal; mas a maa incrinaçam e o odio dos que o nisso metiam, mais por seus proprios odios a el-rey, que por desejarem de ele reinar como lhe faziam crer, com hũa vaã esperança e desordenado desejo o cegaram de maneira, que lhe fizeram esquecer que el-rey era seu natural rey e senhor, e que o criara como filho e honrara como irmão e que era seu primo com yrmão e yrmão da rainha sua molher e filho  do infante Dom Fernando seu tio. Pollas quaes cousas elle mays que outra nenhũa pesoa tinha rezam de com verdadeira lealdade, amor e obediencia servir e acatar el-rey em tudo o que a sua vida, sua honrra e seu estado real e bem de seus reynos comprisse. E nam lhe lembravam que o fizeram meter na conjuraçam dos primeiros que a desobediencia e destruyçam d' el-rey tratavam e que sendo elle nella comprendido e posto em seu poder, el-rey por suas muyto grandes virtudes, movido mais de piadade e misericordia que de yra nem rigor, e avendo tambem respeito a sua pouca ydade e pollo da raynha, nam quis olhar suas culpas por saber que entam nam naciam delle, e quis mais perdoar-lhe como pay que castigá-lo como rey; que se entam quisera seguir inteiramente a ordem de justiça, por ventura o podera bem fazer. E nam somente levou entam contentamento de lhe tudo perdoar como atras fica dito, mas por sua grandeza d' animo e muy real condiçam levava el-rey gosto em o aconselhar com amor e honrrar muito e favorescer; mas tanto bem nam aproveitou ao mal que se seguio. Porque o mal afortunado do duque por sua má costellaçam ou algum secreto juyzo nam pôde aqui em Santarem fugir a outros danados e piores conselheiros, que fazendo elle crer que andava preso e fora de sua liberdade com hũa esperança de sem rezam e sem causa o fazerem rey, o fizeram inclinar e consentir a contra Deos e toda rezam quererem matar el-rey seu verdadeiro senhor; e nam lhe lembravam nem elle se queria lembrar que devia a el-rey a vida que Deos lhe dera, o que em sua memoria devera d' andar pera sempre com verdadeiro amor e lealdade, e nam devera estimar tam pouco aquelle tam real, tam grande e piadoso perdão que com puro amor e sem necessidade algũa lhe tinha feito em Evora; mas os grandes peccados de seus diabolicos conselheiros o traziam enleado com tanta indignaçam, que este tamanho bem lhe faziam crer que era mal. E nam lhes lembrando Deos nem a obediencia, amor, e lealdade que a el-rey deviam ter, pois era seu rey natural e filho d' el-rey Dom Afonso que a muitos deles tinha feito grandes senhores e grandes merces e assi as grandes virtudes e perfeições d' el-rey e as muitas e grandes merces que a muitos delles tinha feytas; e esquecidos de si mesmos, de suas honrras e vidas e da nobreza de seus sangues, e assi do grande perigo em que se metiam, tratavam em matar el-rey a ferro ou com peçonha, e seus reinos tirá-los ao principe seu filho a quem de dereito vinham pera os ter quem contra justiça e toda rezam os queria  tomar. Mas Nosso Senhor Deos por sua grande misericordia, e polla ynocencia e grande devaçam d' el-rey tornou tudo isto ao contrario do que elles tinham ordenado, e guardou sempre a vida d' el-rey por quam bem elle guardava a justiça e verdade e seus mandamentos e por quam verdadeira fee tinha; que verdadeiramente ver quam soo el-rey era, e eles tantos e tam principaes pessoas, e tam chegados a elle, e tantas vezes o cometerem fora e em casa e elle sempre escapar, nam he de crer senam que foy per mysterio de Deos, a quem el-rey sempre primeiro que tudo sua vida e suas cousas encomendava. E o triste, desastrado e mal afortunado caso foy nesta maneira que se segue.

O duque de Viseu pousava fora da cerca de Santarem nas casas do arcebispo de Lisboa que sam junto com o Moesteiro de Sam Domingos das Donas. E o bispo d' Evora Dom Garcia de Meneses, dino de muito grande culpa, pois tanta cavallaria, tantas letras, fidalguia, e rendas, e outras muytas e boas partes tam mal soube aproveytar, pousava nas casas de hum Afonso Caldeira junto com o postigo de Santo Estevam, donde secretamente sahio a falar com o duque e com elle Dom Fernando de Meneses seu yrmão. E assi foram Fernão da Silveira escrivam da poridade d' el-rey e filho do baram d' Alvito e  Dom Goterre Coutinho filho do marichal a quem el-rey tinha dado, avia bem pouco a comenda de Cezimbra, e Dom Alvoro d' Ataide yrmão do conde d' Atouguia e do prior do Crato, e seu filho Dom Pedro d' Atayde e o conde de Penamocor Dom Lopo d' Albuquerque, e Pero d' Albuquerque seu yrmão alcaide-moor do Sabugal. Os quaes todos foram os sabedores e consentidores desta amor deslealdade e trayçam. Ainda que muito claro se provou que Dom Fernando de Meneses somente quando polo duque com quem vivia, e pollo bispo seu yrmão lhe foy descuberto, lhe pesou muito de o saber; e com palavras de lealdade e muyta prudencia, sempre como bom portugues e fiel vassallo d' el-rey, o estranhou muito e contradisse gravemente, porém nam no descubrio por ser criado do duque. E depois da Pascoa pasados alguns dias, el-rey com a raynha e o principe com sua corte, se partio pera Setuvel e foy polas leziras a montes e caças com muitos banquetes, prazeres, e festas, e todos estes com elle e outra nobre gente.

 

De como foy a morte do duque de Viseu

 

Capitulo LIII

 

E foy primeiramente el-rey avisado deste caso per Diogo Tinoco homem fidalgo a quem  o bispo d' Evora por ter por manceba hũa Margarida Tinoca sua irmaã a que queria muito grande bem e por confiar muito nelle lhe deu disso parte. E Diogo Tinoco o mandou logo descubrir a el-rey per Antam de Faria, e depois o disse per si meudamente a el-rey no Moesteiro de Sam Francisco de Setuvel vestido em habito de frade por mayor dissimulaçam. A quem el-rey com palavras e obras muito o agradeceo e satisfez como tam leal e proveitoso aviso merecia. E lhe deu logo juntamente cinco mil cruzados em ouro e seiscentos mil reaes de renda em beneficios loguo nomeados, polos quaes logo mandou despedir as letras; mas nam ouveram efeito porque antes de despedidas o dito Diogo Tinoco faleceo.

E depoys foy el-rey de tudo avisado por Dom Vasco Coutinho filho do marichal e yrmão do dito Dom Goterre, o qual Dom Vasco por descontentamentos que tinha d' el-rey estava a este tempo despedido delle pera se yr fora do reyno. E Dom Goterre pesando-lhe da hida do yrmão, e avendo por cousa certa a morte d' el-rey com que sua yda seria escusada, lhe mandou muyto pedir que antes de se partir se visse com ele em Cezimbra, onde se viram e Dom Goterre por lhe nam descubrir a causa principal de seu fundamento lhe disse, que o mandara chamar sentindo muyto seu despedimento e partida, e lhe pedio muito que estivesse alli alguns dias, nos quaes trabalharia remedear com el-rey seus agravos com que sua yda se escusasse. E porque Dom Vasco o nam quis fazer parecendo-lhe que eram delongas, Dom Goterre pollo segurar lhe descubrio inteiramente todo o caso e Dom Vasco lhe disse entam que ficaria e seria com elle nisso. E tanto que o soube, lembrando-lhe sua lealdade e fidalguia, e a longa criaçam que d' el-rey recebera, e nam os agravos e pouca mercee que dezia que delle tinha recebida por onde era delle despedido, determinou logo como bom, verdadeyro e leal vassalo descubrir tudo a el-rey. E muy secretamente per meo d' Antam de Faria se vio com el-rey a quem meudamente tudo descubrio; e que o que tinham determinado era matarem-no a ferro, e recolherem o principe per mar a Cezimbra, e que per logo com elle sossegarem o reino o levantariam por rey, e que o seria enquanto o duque quisesse o que ficaria en sua mão e vontade.

E sabendo el-rey tudo ysto tam meudamente por taes duas pessoas, o dissimulou de maneira que nunca foy sentido por esperar mais inteira prova; e porém andava mui a recado armado mui secretamente e sempre com espada e punhal e a cavallo e nunca em mula; porém tudo feito com tanta prudencia e dissimulaçam, que nunca sentiram  o que elle sentia. E quando Dom Goterre disse ao duque e aos que com ele eram como Dom Vasco seu yrmão se nam hia e era metido no caso e que tinha jurado de ele ser o primeiro que lhe posesse o ferro, disse o bispo Dom Garcia: “Muito me doe o cabello de Dom Vasco”. E andavam buscando tempo desposto em que o melhor podessem fazer; e dizem que hũa vez ho quiseram matar andando no Trouno passeando a cavallo, e que el-rey o sentio e se pôs com as costas na Ygreja de Nossa Senhora d' Anunciada confiando que por diante ninguem ousaria de o cometer, e assi esteve atee que o capitam chegou com os da guarda; e que outra vez o quiseram fazer e cometer decendo por hũa escada de noyte pera casa da raynha e nam se acabaram de determinar. E dahi a pouco foy el-rey a Alcacer do Sal, e sabendo o duque e os da conjuraçam que avia de tornar per maar em hũa barca com poucos, determinaram esperá-lo na praya, e ao sahir dos batees o matarem. Do qual concerto e perigo ordenado, el-rey foy logo avisado per Dom Vasco que com elles era nisso. Pollo qual el-rey mudou a vinda por mar e se veo por terra polla Landeira muy bem acompanhado da boa gente da sua guarda que pera isso sem algum alvoroço fingindo outra cousa mandou aperceber. Porque depois da morte do duque de Bragança, sempre el-rey trouxe guarda da camara e dos  ginetes, de que era capitam Fernam Martinz Mazcarenhas, que nestes feytos em que a vida d' el-rey e bem dos reynos pendiam, sempre servio continuadamente muito bem e lealmente, e pessoa de que el-rey muito confiava.

Chegou el-rey a Setuvel sesta-feira vinte dous dias do mes d' Agosto de mil e quatrocentos e oitenta e quatro. E o duque sabendo que el-rey vinha por terra nam no esperou em Setuvel e foy-se a Palmella onde estava apousentado elle e a senhora infanta sua mãy. E ao outro dia sabado mandou el-rey chamar o duque a Palmella, o qual dizem que veyo com muito pejo; e em se cerrando a noyte el-rey o chamou a sua guarda-roupa, que era nas casas que foram de Nuno da Cunha em que entam el-rey pousava, onde o duque entrou soo sem algũa pessoa entrar com elle; e sem se passarem muitas palavras el-rey per si o matou aas punhaladas, sendo a tudo presentes e pera isso escolheitos Dom Pedro d' Eça alcayde-mor de Moura, e Diogo d' Azambuja e Lopo Mendes do Rio. E esteve assi morto secretamente sem se ouvir rumor nem cousa algũa até que el-rey mandou cerrar as portas da villa e poer nellas grandes guardas e mandar muita gente por fora da villa guardar os caminhos e mandar em Setuvel preguoar grandes e temerosos preguões e fazer muytas e grandes deligencias pera se averem os outros todos  da conjuraçam; que foy hũa noyte de muito grande terror e espanto e sobre tudo muyto grande tristeza, porque casi a todo Portugal tocava a desaventura daquelles que nisso eram culpados, por serem pessoas tam principaes. Foy o corpo do duque assi vestido como estava levado ante menham aa igreja principal da villa; em hum cadafalso cuberto de panos de doo jouve no meo da igreja descuberto aa vista de todo o povo até a tarde que o soterraram.

E de sua morte foy logo feito hum auto por o doutor Nuno Gonçalvez como juiz, e por Gil Fernandez escrivam da camara d' el-rey, em que el-rey verbalmente disse as cousas e  rezões que tevera pera matar o duque, que logo foram escritas e per ellas logo perguntadas por testemunhas o dito Dom Vasco e Diogo Tinoco que com seus ditos approvaram e justificaram a morte do duque.

 

Da merce que el-rey fez ao senhor Dom Manoel

yrmão do duque do mestrado de Christus e ducado de Beja

 

Capitolo LIV

 

E logo sem delonguas nem esperar que algum lhe falasse, el-rey mandou chamar o senhor  Dom Manoel que entam jazia doente e com elle Diogo da Silva seu  ayo, vindo elle muy temorizado por o dia ser de tanto temor e espanto. E el-rey lhe disse que elle matara o duque seu yrmão porque elle duque com outros o quiseram matar; e porque todallas cousas que elle em sua vida tinha per sua morte ficavam livremente a sua  coroa, elle de todas dali em diante lhe fazia merce e pura doaçam pera sempre porque Deos sabia que elle o amava como a propio filho, e lhe dizia que se o propio seu filho falecesse sem outro filho legitimo que o socedesse, que daquella ora pera entam o avia por seu filho erdeyro de todos seus reynos e senhorios; e isto de hũa parte e da outra foy dito e ouvido com muita tristeza e lagrimas porque el-rey muita parte destas desaventuras atribuya a seus pecados posto que fossem por culpas alheas; e o senhor Dom Manoel com muito acatamento pôs os joelhos em terra e lhe beijou por tudo a mão e assi Diogo da Silva seu ayo; e el-rey mudou-lhe o titolo de duque de Viseu por se nam entitular como seu yrmão e ouve por milhor que se intitulase duque de Beja e senhor de Viseu como di endiante se chamou. E logo nesta mesma fala el-rey tocou ao duque em querer pera si as villas de Serpa e Moura e que por ellas lhe daria dentro  no reino muy inteira satisfação, e assi apontou nas saboarias do reyno que tinha, em que per ventura averia mudança porque as avia por opressam dos povos e por carrego de sua consciencia. E tambem lhe disse que a Ylha da Madeira no que pertencia a sua coroa elle duque a teria em sua vida inteiramente mas que per seu falecimento quando Deos ho ordenasse era rezam que por ser cousa tamanha se tornasse aa coroa e aos reys destes reinos que os socedessem. As quaes palavras que el-rey entam disse ao duque foram todas profecias do que ao diante se vio, pois tudo foy como elle entam o disse.

O bispo d' Evora ao tempo da morte do duque estava com a raynha, e ahi o foy chamar da parte d' el-rey o capitão Fernam Martinz; e em saindo fora foy loguo preso e levado com muita gente e muito recado ao castello de Palmella e metido em hũa cisterna sem agoa que está dentro na torre da menajem, onde dahi a poucos dias falleceo e dizem que com peçonha.

E na mesma noite foram presos per mandado d' el-rey Dom Fernando de Meneses e Dom Goterre; e foram trazidos diante d' el-rey na Relaçam onde Dom Fernando fez hũa fala a el-rey muy elegante como homem muy prudente e esforçado cavaleiro e muy isento, na qual disse algũas palavras a el-rey de que ouve desprazer, e por isso se nam ouve com elle piadosamente como tinha em vontade, e mandou que per justiça se determinasse seu  feito e foy julgado aa morte e degolado na praça de Setuvel.

E Dom Goterre tambem quis fazer fala e falou tam mal com palavras piadosas que el-rey o nam quis ouvir e o mandou tirar de diante si. E porque Dom Vasco seu yrmão tinha ja pedido a el-rey que nam morresse por justiça, el-rey mandou levar o dito Dom Goterre preso aa torre d' Avis, onde tambem logo morreo, e segundo fama não morte natural senam arteficial.

E Dom Pedro d' Atayde sendo fogido de Setuvel e yndo caminho de Santarem, foy no caminho preso e trazido a Setuvel, onde contra elle foy acerca de suas culpas processado, pollas quaes per justiça foy pubricamente degolado e feito em quartos.

E Fernam da Silveyra foy escondido em hũa casa dentro em hũa cova por segredo e fiança de hum cavalleyro que fora criado de seu pay, que se chamava Joam Pegas que nunca se corrompeo, nem por temor das mortaes penas d' el-rey a quem o escondesse, nem por suas promessas e grandes merces a quem o descubrisse. E na pousada de Fernam da Silveira foy achada hũa sua barjoleta com muytos cruzados, que por mandado do duque recebera de que ja despendera muitos mais por aquelles da conjuraçam, cujos nomes e somas por suas ementas se acharam; e dahi a muitos dias o dito Fernam da Silveira se salvou per meo e ajuda de hum mercador que se chamava Bartalo homem estrangeiro que pollo seu se aventurou a muito, e por mar demudado em baixos trajos foy ter a Castella; e depoys sendo della desterrado a requerimento d' el-rey, foy em França morto a ferro na cidade d' Avinhão a oyto dias de Dezembro de mil e quatrocentos e oytenta e nove ãnos per o conde de Palhaes catalão que em França tambem andava desterrado, a quem el-rey pollo fazer por seu mandado fez merce de muita soma d' ouro em que se primeiro concertou. E porém o conde per mandado d' el-rey de França foy por ysso logo preso em perpetua prisam, a quem os favores e requerimentos que el-rey por elle mandou fazer, nam aproveitaram pera mais, que pera logo pello mesmo caso nam morrer por justiça de que com muita dificuldade escapou.

E Dom Alvoro d' Atayde era em Santarem onde pollos da conjuraçam foy acordado que estevesse com muyta gente que com dissimulações recolhia, pera tanto que da morte d' el-rey ou dalgum alevantamento contra elle fosse certificado logo recolhesse ao castello a Excelente Senhora Dona Joana, que entam estava no Moesteyro de Sancta Clara da dita villa, por que pera hũa cousa e pera a outra se o caso sobreviera, tinha ja as cousas aviadas e postas em hordem astuciosamente. Porque sobre o recolhimento desta senhora tinham esperança d' ajuda e favor dos reis de Castella a quem segundo fama tudo ysto era revelado. E por Dom Alvoro ser homem muy sabedor, de muito credito e autoridade estava em Santarem com esta empresa; mas como da morte do duque foy avisado como sesudo que era se pôs logo em salvo e se foy pera Castella onde sempre andou em vida d' el-rey; e depoys por el-rey Dom Manoel que sancta gloria aja foy a estes reynos tornado com sua honrra e restituydo ao seu. Porque na verdade muyto menos culpa e caso era estar Dom Alvoro em Santarem, posto que estivesse por parte do duque e em ajuda sua, que a dos outros que com suas proprias mãos queriam matar seu rey e senhor de que muitas e grandes merces tinham recebidas; que Dom Alvoro ainda que consentisse em o fazerem, nam no quis elle fazer nem ver fazer, e por isso estando el-rey em Setuvel estava elle em Santarem. E depois de assi ser nestes reynos casou com Dona Violante de Tavora molher de muy nobre geraçam, e ouve della hum filho que se chama Dom Antonio d' Atayde que ora he conde da Castanheira senhor de Povos e Chileiros, alcaide-moor d' Alegrete e de Colares, e veador da Fazenda d' el-rey nosso senhor, homem de muito grande estima e muyto aceyto a el-rey, de muita valia e tam bom saber, que sendo muito mancebo alcançou todas estas cousas e muita renda per si. E segundo seu contino serviço e o grande amor que lhe el-rey tem, e a muita confiança que tem nelle, se espera alcançar outros mayores.

E Pero d' Albuquerque fugindo foy logo preso em Lisboa, e trazido aa Casa da Sopricaçam onde foy contra ele processado e ouvido perante el-rey, a que fez hũa grande falla muy eloquentemente que falava muito bem, na qual alegou muitos serviços e grandes feitos em armas que era valente cavaleiro. E nada lhe aproveitou porque em fim por o caso foy julgado à morte e pubricamente degolado em Montemoor-o-Novo.

E o conde de Penamocor se acolheo e lançou logo na dita sua villa. E quando el-rey hia ao Sabugal como ao diante se dira, tornando-se el-rey de Castello Branco pera Santarem, o dito conde com seguro real lhe veo falar no lugar das Cortiçadas que se ora chama  Proença-a-Nova; e porque se nam quis poer a dereyto como el-rey queria se despedio delle e de seus reynos e com sua molher e filhos se foy pera Castella; e depois em Roma e fora d' Espanha andou em muitos reynos cometendo contra el-rey muitas cousas até que tornou outra vez a Castella onde acabou como ao diante se dira.

 

De como el-rey mandou noteficar aa  infanta

a morte do duque seu filho

 

Capitulo LV

 

Ao tempo da morte do duque de Viseu a senhora infanta Dona Breatiz sua mãy estava em Palmella, a quem el-rey polo doutor Nuno Gonçalvez do Desembargo pessoa de muitas letras e autoridade e per Gil Fernandez seu escrivam da camara pessoas de que confiava lhe mandou logo noteficar a morte do filho e mostrar as causas e culpas do caso pera ver as rezões que tevera de o matar; e assi lhe mandou levar e amostrar a grande e liberal doaçam que a seu filho o senhor Dom Manoel tinha feita, pedindo-lhe e encomendando-lhe muyto com palavras de muita prudencia, cortesia, e honestidade que se confortasse e ouvesse paciencia. E ela vio e ouvio tudo com muita dor e tristeza e com muitas lagrimas lhe respondeo com palavras que ainda que fossem de princesa desconsolada, foram com muito sofrimento e honestidade e de molher muito inteira como ela era.

E logo na noite da morte do duque el-rey mandou fazer as deligencias que cumpriam pera se averem suas fortalezas como ouveram todas sem algũa duvida nem resistencia, e assi as dos que com elle eram salvo a fortaleza do Sabugal muito forte, e no estremo em que estava Dona Caterina molher de Pero d' Albuquerque, que sabendo da prisam de seu marido a nam quis entregar; e pera el-rey atalhar e remediar ysto, mandou logo diante Dom Pedro de Noronha seu mordomo-mor homem de muyta autoridade que cercasse como loguo cercou o Sabugal; e el-rey se aparelhou pera yr logo apos elle e foy em pessoa e chegou até Castello Branco onde com elle se ajuntou logo muita e muy boa gente do reino muy aparelhada d' armas e bons cavallos. E dali nam passou mays adiante porque Dona Caterina como soube de sua yda entregou logo o castello, e el-rey lhe fez merce da fazenda do marido que por sua deslealdade tinha perdida.

 

Embayxada que aqui em Castello Branco veo a el-rey

d' el-rey e da raynha de Castella

 

Capitolo LVI

 

Aqui em Castelo Branco vieram a el-rey por embaixadores d' el-rey e da raynha de Castella, o bispo de Cordova pessoa de grande autoridade, e Gaspar Fabra valenciano homem muy honrrado. E ao que principalmente vinham, era requererem restituyçam dos filhos do duque de Bragança que andavam em Castella em casa da raynha, e porque ao tempo da partida dos ditos embayxadores, os reys nam sabiam da morte do duque de Viseu. El-rey temporizou com elles acerca de seus requerimentos e deyxou sua determinada reposta com a outra sua embayxada que sobre ysso e sobre outras cousas enviou despois por Fernam da Silveira, e com elle Estevam Vaz. Com escusas boas e de receber pera os requerimentos passados e pera sobre ysso nam deverem mays fallar lhes lembrava que a socessam destes reynos se esperava viir a seus filhos dambos antre quem o casamento era ja concertado a que  semelhante restituyçam muyto perjudicaria.

        E em Castelo Branco adoeceo el-rey, e pollo perigo supito em que esteve, teve maginaçam que fora de peçonha; e de Castelo Branco ainda doente se veo aas Cortiçadas e dahi pollo Tejo a fundo atee Almeirim, onde depois de são se foy a Montemoor-o-Novo com toda sua corte em que esteve atee o Janeiro do anno de oytenta e cinco.

E em Montemoor-o-Novo fez el-rey novamente conde de Borba Dom Vasco Coutinho pollo leal e assinado serviço que lhe fez em lhe descubrir o caso do duque de Viseu, estando dele despedido como atras fica dito. E deu-lhe a dita villa e condado de juro e d' erdade pera quantos delle decendessem; e mais lhe deu o castello e reguengos d' Estremoz com outras rendas e seu honrrado assentamento, e sempre lhe fez muita honrra, favor e merce, como ele o merecia que foy homem muy honrrado, muito nobre e muito bom cavaleyro e outras muito boas partes.

E de Montemoor por começarem de morrer nelle de peste que neste tempo era no reyno geral, el-rey se foy a Viana d' Alvito e dahi a Beja.

E neste tempo em que el-rey tinha tanto escandalo e odio aas cousas do duque de Bragança e do duque de Viseu, nam avendo no reino outro parente chegado senam Dom Afonso filho do marquês de Valença, e primo com yrmão da infanta Dona Breatiz e do duque de Bragança, sendo Dom Afonso bem mancebo lhe deu o bispado d' Evora livremente sem pensam nem deixar cousa algũa que tevesse; ho qual bispo foy pessoa singular de muitas letras e autoridade e gram senhor. E delle ficarão dous filhos e hũa filha: o primeyro he Dom Francisco de Portugal conde do Vimioso e senhor d' Aguiar, veador da Fazenda d' el-rey e camareiro-moor do principe, homem de muito preço e grande estima, de muito credito e autoridade, muy sesudo, e prudente, e de muito bom conselho, casado com hũa filha do senhor Dom Alvoro muy virtuosa e honrrada senhora; e o segundo Dom Martinho de Portugal que ora he arcebispo do Funchal e primas das Indias muy magnifica pessoa; e a filha se chama Dona Breatiz de Portugal a quem o pay deu cincuenta mil cruzados pera seu casamento e sendo molher moça nam quis casar e fez tudo em hum morgado e o deixou e trespassou em Dom Afonso de Portugal seu sobrinho filho do dito conde seu yrmão. E este bispo Dom Afonso começou em Evora hum grande e honrrado collegio com muita  renda e obra muy vertuosa e em no começando se finou. E na See fez muitas e reaes obras e deu muy riquissimos ornamentos.

E sentindo-se el-rey tanto de Fernam da Silveyra, que dentro em França o mandou depois matar com grandes dadivas a quem o matou, porque Fernam da Silveyra era homem de muito preço e valia e de muito boas calidades, disse hum dia perante muytos aa mesa que Fernam da Silveyra era tal, que nam yria a parte algũa onde lhe nam fezessem muita honrra.

E do bispo Dom Garcia disse el-rey muitas vezes bem dizendo que era muito bom cavaleyro e grande leterado e tinha outras boas partes e eu lho ouvi per vezes; e assi disse tambem a algũas pessoas que quisera antes perder muito que ter mandado matar Dom Fernando de Meneses posto que per justiça fosse julgado. E por Dom Alvoro d' Atayde disse quando foy a sua grande entrada de Lisboa, yndo debayxo do paleo: “Nam se pode negar que sem Dom Alvoro Lisboa nam presta pera nada”, porque isto dizia, Dom Alvoro por ser muy principal sempre nos taes dias levava os reys pollas redeas, e era tam sabedor, cortesão, e gracioso que elle per si fazia festa. E era el-rey tam vertuoso, tam justo, tam verdadeyro, que aynda que quisesse mal a alguem nam lhe tirava sua honrra se a tinha nem deyxava de dizer algũas boas partes se as nelle avia; e ysto por sua grandeza d' animo e muy real condiçam.

 

Da mudança que el-rey fez no escudo real de suas armas

e das novas moedas que mandou fazer.

 

Capitulo LVII

 

Em Beja teve el-rey conselho sobre as moedas novas que avia de fazer, e ainda nam tinha feytas, pera as quaes anovou e ordenou algũas cousas no real escudo de suas armas. E a primeira mudança, foy que tirou do dito escudo a cruz verde da hordem d' Avis, que nelle por grande erro como parte d' armas substanciaes andava jaa encorporada, porque el-rey Dom Joam o primeyro seu visavoo ante que devidamente e por authoridade apostolica se yntitulasse rey dos reynos de Portugal, e do Algarve era mestre d' Avis. E depois de ser rey tomou por devaçam da hordem assentar o escudo das armas de Portugal sobre a cruz verde com as pontas dela fora do escudo na bordadura, como ainda em suas obras  e muy excelente sepultura no Moesteyro da Batalha oje em dia se vee. E depois por descuydo ou pouco aviso dos reys d' armas andou assi muyto tempo em vida d' el-rey Dom Duarte, e d' el-rey Dom Afonso; e por tirar isto que parecia mal, el-rey a mandou entam tirar de todo fora. E assi mandou mudar os cinco escudos de dentro, porque os dous das ilhargas andavam atravessados com as pontas debayxo pera o do meyo que parecia cousa de quebra, e os pôs todos dereytos com as pontas pera baixo da maneira em que agora andam.

E neste anno e tempo se intitulou el-rey primeiramente em seu titulo senhor de Guinee como agora anda.

E assi fez neste ãno de oytenta e cinco no mes de Junho as primeiras suas moedas, s.: moeda d' ouro, a que chamou justo e era de ley de vinte e dous quilates e de peso de seiscentos reys, e tinha de hũa parte o escudo real dereyto com letra derredor do nome e titulo d' el-rey, e da outra parte el-rey armado de todas armas assentado em cadeira real e o ceptro na mão, e a letra dezia: “Justus sicut palma florebit”. E assi mandou fazer outra moeda d' ouro que se chamava espadim, que era da ley dos justos e da metade do preço e peso delles que era trezentos reaes e tinha de hũa parte o escudo real com o nome e titulo d' el-rey, e da outra hũa mão com hũa espada nua com a ponta pera cima e por letra derredor: “Dominus protector vitae meae a quo trepidabo?”; e estes espadins mandou fazer deste nome por devaçam e lembrança da conquista d' Africa que sempre com a espada na mão se fez e prossegue por honrra e exalçamento da fee de Jesu Christo. Fez tambem vintens e meos vintens de prata e  cincos de ley de onze dinheyros, e de preço de vinte reaes, e de dez, e de cinco, e fez outros espadins de cobre da feyçam e grandura dos de ouro e eram prateados de preço de quatro reaes. E assi deu novo crecimento aa valia da prata que mandou geralmente que valesse o marco dahi em diante a dous mil e duzentos e oytenta reaes e a este preço se fezeram os ditos vintens. E assi se lavravam em seu tempo mais que outra nenhũa moeda os cruzados da propia ley e peso que ora sam, porém valiam a trezentos e noventa reaes cada hum; que os dez reaes de mais com que ora tem valia de quatrocentos, el-rey Dom Manuel que sancta gloria aja lhos acrecentou na valia no anno de quinhentos e dezassete. E em tempo d' el-rey valendo a trezentos e noventa eram tantos em todo o reyno que davam por cambar hum cruzado cinco reaes e ficavam em valia de trezentos e oitenta e cinco, e avia no reyno em todalas cidades e villas principaes cambadores que ganhavam muito nisso, os quaes agora nam há porque dam pollos cruzados quem os há mester a quatrocentos e dez reaes.

 

Da embaixada que el-rey mandou com a obediencia

ao Papa Inocencio oitavo

 

Capitulo LVIII

 

Neste anno estando el-rey em Setuvel, lhe veo recado como era falecido o Papa Sisto quarto, e assi da nova criaçam do Sancto Padre Inocencio oitavo por seu breve. A que logo ordenou mandar sua acostumada obediencia, e lhe mandou com ella por embaixadores Dom Pedro de Noronha seu mordomo-mor e comendador-moor da ordem de Santiago, e o doutor Vasco Fernandez de Lucena do seu conselho, grande letrado e muito bom orador, e Ruy de Pina por secretairo, e muytos fidalgos e cavaleyros e muy honrrada companhia, e foram por terra atee Roma. Onde foram muyto honrradamente recebidos de toda a corte de Roma. E a obediencia foy dada em consistorio muy solenemente por o doutor Vasco Fernandez que fez hũa muito elegante oraçam com grandes e verdadeiros louvores do Papa e dos reys de Portugal. E as cousas que em nome d' el-rey se requereram o Papa por meo do cardeal de Portugal que era seu proteitor, fez todas com muito amor e boa vontade e antre has muitas graças e cousas que se concederam foram estas as principaes.

Primeiramente a cruzada pera a guerra d' Africa, com grandes indulgencias e remissões de peccados, aos que pera ella dessem certa soma logo taxada, segundo as calidades das pessoas e valia das fazendas de cada hum; e assi licença pera nos castellos do estremo destes reynos se poderem dizer missas em lugares honestos sem perjuyzo das ygrejas e parrochias. E outra tal licença pera nas casas da Justiça que sam da Sopricaçam e do Civel, tambem se poderem dizer pera sempre missas. E licença a el-rey pera poder tornar em hum soo esprital todolos espritaes de Lixboa que eram muitos, e assi os de Santarem e Evora. E tambem grandes yndultos de beneficios pera capelães d' el-rey, da raynha e do principe e outras muytas graças particulares.

E neste ãno querendo el-rey que em seus reynos ouvessem muitas armas, e prover todos seus vasalos dellas de que avia necessidade, mandou fazer e trazer de fora aa sua custa hũa grande soma de lanças compridas, e hum grande numero de couraças de muytas sortes e as mandou lançar pollo reyno segundo cada hum devia de ter, e pola paga deu a todos em geral hũa honesta espera em que pagassem.

 

Das galees de Veneza que tomaram os franceses,

e do que el-rey fez aos venezeanos

 

Capitulo LIX

 

E neste ãno foram ao Cabo de Sam Vicente tomadas e roubadas de franceses quatro galees de Veneza que hiam muito ricas pera Frandes. E o capitam-mor e capitães delas muito feridos, roubados, e maltratados, foram lançados em Cascaes, onde entam estava Dona Maria de Meneses condessa de Monsancto, e el-rey era em Alcobaça, e a raynha em Sintra; aos quaes capitães a condessa fez muyta honra e mandou muyto bem agasalhar e os proveo de bestas e dinheyro como muy vertuosa e nobre pessoa, e por saber que el-rey o avia assi d' aver por bem; os quaes se foram esperar el-rey a Sintra onde a rainha os mandou agasalhar e prover com  grande honrra e muita abastança como a sua grandeza convinha. E como el-rey chegou e soube como o dito capitão-mor e capitães vinham de todo desbaratados nam nos quis ver nem ouvir, atee primeyro lhe mandar aas pousadas vestidos inteyros, e dobrados de sedas, e ricos panos, com todallas outras cousas que pera elles e pera os seus eram necessarias, e assi cavallos e mullas em que andassem. E lhe mandou dizer que pera homens tam honrrados e tanto seus amigos falarem a tal rey, nam era rezam que ante elle viessem com menos atavios, porque sendo doutra maneira pareceria que seus reynos lhe eram estranhos, o que muyto senteria. Porque pola antiguoa amizade que elle e os reys seus antecessores tinham com Veneza, todos os de sua naçam deviam d' aver e estimar seus reynos e senhorios por propia sua terra. E assi foram ante el-rey que com muyta honrra os recebeo e elles em suas palavras e obras mostraram bem serem em tudo gente nobre e bem agradecida; e com palavras d' omens prudentes deram conta a el-rey de sua perda e  estrema necessidade. E el-rey se lhe ofereceo a todo o que fosse rezão; e porque os franceses tinham aynda em Cascaes as ditas galees lhe disse que se as quisessem comprar e resgatar que lhe emprestaria pera isso quarenta mil cruzados em ouro, e mais se mais quisessem. E porque os franceses com hos venezeanos se nam concertaram, os franceses recolherão as mercadarias a seus navios, e venderam as galees que el-rey comprou, e mandou levar a Ribatejo até ver o que a senhoria de Veneza ordenava dellas. E assi defendeo que nenhũas cousas que das ditas galees foram tomadas em seus reynos nam fossem compradas o que assi se comprio. E ao despedir do dito capitão e capitães, el-rey lhe fez a todos pera ajuda do caminho merce em muita abastança.

E neste tempo era vindo de Roma o mordomo-mor de dar a obediencia como atraz se disse, e veo por Veneza pola ver. E a senhoria sabendo que era embayxador d' el-rey lhe fez muy honrrado recebimento e muytas festas, e mandou a todos muy largamente apousentar; e lhe mandou ricas dadivas tudo muy perfeytamente e com muitas palavras de grande amor e muito conhecimento das grandes merces que os seus capitaẽs em Portugal receberam d' el-rey dizendo o duque e todos os regedores que o estimavam tanto que nunca em suas vontades o acabariam de servir. E logo sobre ysso mandaram a el-rey por terra hũa muy honrrada embayxada com muito ricos presentes e serviços, a reconhecer e ter em merce as muitas honrras e merces que a seus capitães fez, em que veo por embayxador hum Jeronimo Donato grande leterado e singular orador. Que foy muito honrradamente recebido, e el-rey lhe fez muyta honrra, e ao despedir muita merce de muita e muyto rica prata lavrada de bastiaẽs, e ginetes e mullas com ricos jaezes e guarniçoẽs, muitos negros muito bem despostos e bem vestidos, e assi outras cousas que em Veneza nam avia. E o embaixador se partio elle e todos os seus com grande contentamento d' el-rey e assi de toda sua corte.

E neste ãno de oitenta e cinco pollos muytos serviços e merescimentos de Gonçalo Vaz de Castelbranco veador da Fazenda, e el-rey polo acrecentar fez a elle e a seus filhos e aos que delle decendessem de dom; e dahi em diante se chamou Dom Gonçalo, e mais lhe deu assentamento de conde e bandeira quadrada. E por a confiança que tinha de sua bondade e bom saber lhe deu a governança da Casa do Civel de Lisboa, e elle foy o primeyro que teve titulo de governador; e ho officio de veador da Fazenda deu a seu filho Dom Martinho de Castelbranco, que depoys foy conde de Villa Nova. E por falecimento do dito Dom Gonçallo seu pay, lhe fez el-rey merce da governança de Lisboa, e ho officio de veador da Fazenda deu a Dom Alvoro de Crasto. E por fallecimento d' el-rey, el-rey Dom Manoel que sancta gloria aja fez com Dom Martinho que deyxasse a governança de Lisboa a Dom Alvoro e tornasse a ser veador da Fazenda, ysto com grandes promessas, e Dom Martinho ho fez assi, e teve com el-rey muyto grande credito e authoridade, e confiou muyto delle e ho fez conde de Villa Nova, e ho mandou com ha infanta sua filha a Saboya por capitam-mor e governador de toda a frota e ha infanta entregue a elle, e elle a entregou ao duque, e lhe fez deixar ho officio de veador da Fazenda, e ho fez camareyro-moor do principe seu filho el-rey Dom Joam o terceyro nosso senhor; e ho oficio de veador da Fazenda deu ao conde do Vimioso e emfim deyxou el-rey por seu testamenteyro ho dito conde de Villa Nova pollo amor que lhe tinha e ho que delle conhecia.

 

De como a cidade d' Azamor em Africa tomou el-rey por senhor

 

Capitolo LX  

 

No anno de mil e quatrocentos e oitenta e seis os governadores e moradores da cidade d' Azamor em Affrica, temendo mandar el-rey ou yr sobre ella, e receando sua destruyçam com acordo e precuraçam de todos, mandaram a el-rey sua obediencia e o reconheceram por seu senhor com tributo em cada hum anno de dez mil savẽs. O qual recado veo a el-rey estando em Santarem, que foy disso contente, e lhe deu sua bandeira real; e em tudo se fizeram firmes contratos que muyto ynteyramente sempre cumpriram em quanto el-rey viveo.

 

De como el-rey secretamente mandava descubrir a India por terra

 

Capitolo LXI

 

Pollo muyto grande desejo que el-rey tinha do descubrimento da India, que com muito grande cuydado pollo  mar mandava descubrir o longo da costa e tinha ja descuberto atee alem do Cabo de Boa Esperança, o quis tambem fazer por terra, e neste anno de oytenta e seys, mandou hum Afonso de Payva natural de Castello Branco, e outro Joam de Covilham homens autos pera ysso e de que confiava, aos quaes deu largas despesas per letras pera muitas partes, e suas estruções pera por via de Jerusalem ou pollo Cayro passarem a terra do Preste Joam; os quaes lhe levavam suas cartas em que lhe dava conta de tudo ho que polla costa de Guine tinha descuberto, pera saber se algũas daquelas terras eram perto de seus reynos e senhorios pera por ellas se poderem comunicar e prestar e fazer com que a fee de Jesu Christo fosse exalçada, mandando-lhe noteficar o grande desejo que tinha de se poderem conhecer e terem verdadeyra amizade. Os quaes partiram e depoys delles foram outros com muytas despesas que el-rey nisso fez; e enfim nunca se soube nada porque nunca mais nenhum delles tornou atee agora, que certas pessoas que da India foram ao Preste acharam lá vivo o João de Covilham que pelos perigos que passou nam ousou tornar.

 

Da polvora que el-rey mandou ao cerco de Malega

 

Capitolo LXII

 

Neste anno de mill e quatrocentos e oitenta e seis estando el-rey Dom Fernando e a raynha Dona Isabel de Castella em cerco sobre a cidade de Malega do reyno de Granada, que muy apressadamente e com muyta força combatiam com armas e tiros de fogo, estando jaa hos mouros em muyta  estreyteza e necessidade, e nam podendo jaa sofrer hos continos e rijos combates, faleceo o arrayal a polvora de que el-rey e a raynha ficaram muyto tristes, porque tendo a cidade jaa quasi tomada seria necessario levantarem o arrayal poys sem artelharia se nam podia tomar. Pollo qual hos reys com palavras de muyto amor e confiança, e com muyta necessidade mandaram pedir a el-rey ajuda e socorro de polvora ou salitre emprestada. O qual recado chegou a el-rey estando em Santarem e tanto que lho deram, com muita pressa e deligencia e verdadeira vontade mandou logo armar hũa grande caravela, na qual lhe mandou por Estevam Vaaz hũa grande soma de polvora e salitre tudo de graça, com grandes oferecimentos de sua pessoa e seus reinos e cousas delles pera tudo ho que comprisse pera hũa tam sancta empresa. Com o qual recado e socorro el-rey e a raynha e todo ho arrayal receberam muyto grande prazer e contentamento, e o estimaram tanto como se tomaram a mesma cidade, que dahi a poucos dias por caso do dito socorro logo tomaram. E assi o mandaram dizer a el-rey polo mesmo Estevam Vaz, a que fizeram muyta honrra e muyta merce.

 

De como foy preso Dom Alvoro de Souto Mayor

com sospeyta de trayçam

 

Capitolo LXIII

 

Dom Alvoro de Souto Mayor filho de Dom Pedro Alvarez de Souto Mayor que foy conde de Caminha e era galego, neste ãno de quatrocentos e oytenta e seys foy preso em Lisboa per mandado d' el-rey com sospeyta de trayçam. Porque hum Joam da Gualda que fora criado do conde seu pay disse  a el-rey que ho dito Dom Alvoro era vindo de Castella onde andava pera o matar. Pollo qual foy metido a aspero tormento, pera delle se saber a verdade, e nunca confessou cousa algũa; e porque o testemunho do dito Joam da Galda foy achado falso foy logo preso. E por testemunhar falsamente e em tal caso, foy per justiça degolado e esquartajado na praça de Santarem. E ao dito Dom Alvoro fez el-rey muita merce como por sua inocencia merecia e ele fora de moço criado d' el-rey.

 

De como el-rey defendeo has sedas e brocados

 

Capitolo LXIV

 

E neste mesmo anno pollos muytos e demasiados gastos que na corte e em todo o reyno se faziam em sedas e brocados, chaparias, borlados, e canotilhos, el-rey polla grande perda que ho reyno e seus naturaes nisso recebiam, e por escusar tamanhas despesas, defendeo e fez ordenaçam, que em todos seus reynos e senhorios  nenhũa pessoa assi homem como molher de qualquer estado e condiçam que fossem, dahi em diante nam vestissem mais cousa algũa das sobreditas; somente os homens poderiam trazer gibões, carapuças, e pantufos de seda, e as molheres saynhos, e cintas, e bordaduras de seus vestidos. E por se melhor comprir el-rey e a raynha, o principe, e o duque nunca mais vestiram sedas senam nas cousas sobreditas. No que a todos deram singular enxempro, e fizeram grande virtude, de que o reyno recebeo muito grande proveito, e muito mais os cortesãos a que a ley muyto aproveitou pollos tirar de tamanhos gastos. E porém nas festas do casamento do principe Dom Afonso com a princesa Dona Isabel se despensou em todo a dita ley, e acabadas se tornou loguo muy inteiramente a comprir.

 

De como se descubrio o reyno de Beni

 

Capitulo LXV

 

O reyno e terra de Beni foy primeyramente descuberta neste ãno per hum Joam Afonso d' Aveiro que lá faleceo; e dahi veo a Portugal a primeira pimenta que se  vio de Guine. Da qual foy logo mandado a Frandes e a outras partes as amostras dela, e foy logo avida em grande preço e estima; e el-rey de Beni mandou logo a el-rey por embayxador hum seu capitam de hum lugar porto de mar que se chamava Hugato, homem de bom saber e bom siso, e foram-lhe feytas muitas festas. O qual vinha saber novas desta terra por averem por muyto estranha cousa a gente dela; e com grandes oferecimentos foram-lhe mostradas muitas cousas das boas destes reynos, e el-rey o mandou tornar a sua terra honrradamente em hũa boa caravella, e aa partida lhe fez merce de vestidos ricos pera elle e sua molher e doutras cousas. E a el-rey de Beni mandou per elle presente rico, e de muitas cousas que elle em sua terra avia muito d' estimar. E assi lhe mandou muytos e sanctos conselhos pera o tornar aa fee de Nosso Senhor Jesu Christo mandando-lhe muyto estranhar suas ydolatrias e feytiçarias que em suas terras os negros tinham e usavam. E assi mandou logo com elle feytores e oficiaes pera laa estarem e resgatarem a dita pimenta e outras cousas que na terra avia. E depois por ser muito doentia e o trato nam ser de muyto proveyto como se esperava, ha feytoria se desfez, e hos officiaes se vierão.

 

De como el-rey mandou que has letras apostolicas se pubricassem

sem serem vistas na Chancelaria

 

Capitulo LXVI

 

Custumava-se antiguamente nestes reynos, que todollos breves e rescritos, letras e bullas que de Roma viessem, nam se fizesse por ellas obra algũa sem primeiro serem vistas e examinadas polo chanceler-moor; e as que achava serem verdadeyras e dereytamente espedidas, dava licença que se pubricassem e se darem a execuçam; e ysto era como são e bom respeito por se escusarem falsidades, com que as partes nam recebessem enganosamente perda e dano. E principalmente porque em tempo de cismas avendo mais de hum Papa como muytas vezes se vio, nam se avia de obedecer nestes reinos senam ao Padre Sancto de Roma. E ao Papa Inocencio oitavo com o collegio dos cardeaes por lhe parecer ysto cousa grave e algum tanto desobediencia e quebra de sua autoridade, no anno de oitenta e sete mandaram requerer a el-rey que nam usasse mais do tal costume. E el-rey por lhe obedecer como catolico principe e comprazer em tudo, o fez assi como lho mandaram pedir. De que o Papa e cardeaes ouveram muito prazer e muito contentamento, e com muitos louvores d' el-rey lho mandaram muito agradecer; e depois pera cá sempre se fez assi.

E neste ãno de oitenta e sete estando el-rey em Setuvel, desfez os estaos da villa que eram como em Lisboa e soltou apousentadoria por toda a villa; e porque dos estaos, apousentadoria e emposiçam avia hi dinheiro junto, el-rey por mays nobrecimento de Setuvel, e por proveito comum com o dito dinheiro, e com outro muito que elle deu de sua Fazenda por fazer merce aa dita villa, mandou fazer os canos d' agoa que aguora vem da serra aa dita villa, e assi a praça do çapal e a do paço do trigo, e outras benfeitorias em que gastou bem de sua Fazenda e nobreceo muito a dita villa.

 

De como Dom Diogo d' Almeida foy aos aduares em Africa

 

Capitolo LXVII

 

E neste mesmo anno de mil e quatrocentos e oytenta e sete no mes d' Agosto  mandou el-rey fazer hũa armada junto de Povos e Villa Franca porque morriam em Lisboa entam de peste. A qual era de trinta navios em que entravam muitas taforeas e hiam nella cento e cincuenta de cavallo todos da casa d' el-rey, em que entravam muitos fidalgos e cavaleiros, e com elles mil homens de pee os mays besteiros e espingardeiros; e foy por capitam-mor Dom Diogo d' Almeyda que depoys foy prior do Crato, muy esforçado cavaleiro, e de outras muito boas calidades e a el-rey muyto aceito; e com ele hia Dom Joam d' Atayde filho do conde d' Atouguia que el-rey mandou por segundo capitam quando Dom Diogo o nam podesse ser. E porque ho ardil a que hiam nam ouve effeyto e se torvou, por nam yrem em vão arribaram junto da cidade de Anafee onde ho capitam por conselho dos principaes que com elle eram, mandou certos cavaleiros e besteiros de cavalo com guias espiar a terra, hos quaes com grande risco foram espiar outros aduares de mouros da Enxouvia, nos quaes avia alguns de muyta gente, e estavam duas legoas da costa do mar. E ho capitam com ha mais gente que pôde, porque nam poderam tam prestes desembarcar, foy dar sobre elles com os quaes pelejou, e sendo os mouros muito mays  hos desbaratou todos, e mataram novecentos mouros e foram muytos feridos, e captivaram quatrocentas almas homẽes e molheres que trouxeram a estes reynos, com muitos cavallos e outro muito despojo, e ysto sem nenhum perigo dos christãos. E por o feito ser tam honrrado foram ahi feytos muytos cavaleyros com muita honrra sua. Da qual nova el-rey foy muy alegre e recebeo muito prazer e contentamento por o feito ser tal e por ser sem perigo dos christãos. E deste feito toda a Enxouvia tomou grande temor e espanto, porque el-rey mostrou que lhe mandara fazer este dano por desobedecerem a Muley Beljabe seu rey com que el-rey entam tinha paz, porque se dava por seu amigo e servidor. E o dito rey se favoreceo muyto com ysto e segurou seu estado, e logo sobre o caso mandou a el-rey sua embaixada com grandes presentes estimando muyto a grande merce que nisso recebera, e oferecendo-se-lhe pera sempre estar a seu serviço, o qual recado veo a el-rey estando em Almeirim.

 

De como Barraixe mouro foy desbaratado e preso

per Dom João de Meneses

 

Capitolo LXVIII

 

E assi neste anno de oitenta e sete a onze dias d' Outubro Ale Barraxe antre os mouros avido por xarife e muyto bom cavalleiro, muyto sabedor na guerra, que continuamente fazia aos christãos, homem de grande valia e senhor de muita terra, veo com quatrocentos de cavallo e muita gente de pee correr aa cidade de Tangere, estando nela por capitão e governador Dom Joam de Meneses, que depoys foy conde de Tarouca e prior do Crato e mordomo-mor d' el-rey. E levando os mouros cativos alguns christãos e todo o gado que acharam, o capitão sahio a elle com sua gente e pelejou com o dito Barraxe tam valentemente, que o desbaratou e mataram quarenta mouros principaes, antre os quaes foy hum Cideomar tio de Barraxe e mouro de muyta estima e muyto bom cavalleiro; e ho dito Barraxe com grandes cinco feridas foy caativo, e trazido aa dita cidade com grande prazer dos christãos, e diante delle vinha ha cabeça de seu tio; e por a vitoria ser melhor dos christãos nam receberão perda algũa que fosse de sentimento. A qual nova chegou a el-rey em Santarem, de que recebeo muito contentamento e ouve muito prazer e deu a Deos muiĩtos louvores, e a Dom Joam mandou muytos agradecimentos como por tam honrrado feyto merecia e assi aos que com elle nelle foram, e ao messageiro que a nova trouxe fez boa merce por alvissaras della. E mandou logo fisicos e sororgiães pera curarem o dito Barraxe, que em quanto esteve captivo foy sempre tratado muyto honrradamente e sem ferros. E depoys mandou Estevam Vaz seu escrivam da camara, que depoys foy feytor das Casas da India e da Mina, homem de que el-rey confiava, que com o dito Dom Joam entendesse no resgate do dito Barraxe. O qual se concertou com eles de se resgatar por quinze mil dobras de banda, e dez captivos christãos e vinte cavallos bons, pera que loguo deu filhos seus e outras pessoas principaes por seus arrefens. E foy solto fazendo a el-rey concerto e capitolaçam de sempre ser a seu serviço, porque ao tal tempo ele estava mal e era ĩmigo de Moley Xeque rey de Fez e tinha com elle guerra, e sabia que el-rey continuadamente lha mandaria fazer como fazia. E este resgate nam ouve effeyto, porque dahi a poucos dias foram livremente soltos hos filhos e arrefens de Barraxe e dados por Dom Antonio filho do conde de Vila Real que sendo capitam em Ceyta por seu pay, foy dos mouros  em hũa peleja muy ferido e cativo como ao diante se dira.

 

De como el-rey por authoridade apostollica mandou enquerer

sobre os confessos que de Castella eram nestes reinos

 

Capitulo LXIX

 

El-rey deixou estar nestes reynos muitos confesos e marranos que a elles se acolheram de Castela com medo da inquisiçam que se contra elles tyrava, e ysto com tal decraraçam que eles vivessem bem como bons e verdadeiros christãos. E porque a el-rey foy dito que antr' elles avia muitos herejes e maos christãos, neste anno de quatrocentos e oitenta e sete, per autoridade e licença do Papa começou de entender neles, e ordenou certos comissairos doutores em canones e outros mestres em theologia que pollas comarcas do reyno entenderam em suas vidas, tirando sobre ysso verdadeiras enquerições em que acharam muytos culpados e se fez nelles muitas justiças, que delles forão queimados, outros em carceres perpetuos, e  a outros pendenças segundo suas culpas o merecião. E porque alguns delles se lançaram por mar em terra de mouros, e lá pubricamente se tornaram logo judeus, el-rey defendeo que em seus reinos e senhorios so pena de morte e perdimento de fazendas pessoa algũa nam passasse algum delles per mar. E depoys deu lugar que se sayssem os que quisessem, e os capitães das naos ou navios que os levavam, davam seguras fianças de os nam levarem a terra de mouros, salvo a Levante e os poerem em terra de christãos, e trazerem disso autenticas certidões.

 

De como el-rey mandou prover e repairar

as fortalezas dos estremos

 

Capitulo LXX

 

Estando el-rey en muita paz e amizade com hos reis de Castella como muito prudente principe fazia sempre e ordenava suas cousas antes d' aver necessidade dellas. E no começo do ãno de mil e quatrocentos e oitenta e oito, com muyto cuydado e deligencia mandou prover, fortalecer, e repairar todalas cidades, vilas e castelos dos  estremos de seus reinos assi no repairo e defensam dos baluartes, cavas, muros e torres, como em artelharias, polvora, salitre, armas, almazẽes e todallas outras cousas necessarias. E em todalas fortalezas mandou de novo fazer apousentamentos e casas pera ysso ordenadas. E porque tudo isto nam quis fiar na deligencia e pouco cuidado que os alcaides podiam ter, ordenou novos oficiaes-moores pessoas de credito e autoridade e bom saber, repartidos pollas comarcas pera que com muyto cuidado provessem ameude todas as ditas cousas. E pera que estevessem muyto bem guardadas,  fez em algũas comarcas novas taraçenas em que estavam muito bem concertadas e governadas. E neste mesmo ãno mandou começar a cava e gram torre de Olivença, do que aos reys de Castela pesou, e com muytos rogos lhe mandaram dizer e pedir que em tempo de tanta paz, tanta amizade como antre elles avia, nam se deviam de hũa parte nem da outra fazer cousas de que se podesse presumir nem sospeitar que antre elles podesse aver desconcerto nem guerra; e el-rey lhe respondeo com palavras de grande amizade e muyta segurança e porém nam deyxou de fazer tudo assi e na maneira que o tinha mandado começar.

 

De como foy desbaratado e preso o alcaide d' Alcacer Quebir

por ho conde de Borba e de seu resgate

 

Capitulo LXXI

 

Neste ãno de quatrocentos e oytenta e oyto estando o conde de Borba Dom Vasco Coutinho degradado em Arzilla, fez hũa entrada em terra de mouros sobre hum ardil que hum mouro lhe tinha dado falsamente em que o conde hia vendido, e levava comsigo setenta de cavallo em que entravam fidalgos e bons cavaleiros; e depois de serem entrados e sentidos, tornando pera a vila sem fazerem cousa algũa e vindo muyto cansados e descontentes acharam antre si e a vila o alcaide d' Alcacer Quebir homem de grande poder e muyta estima antre os mouros, e muyto bom cavaleyro e contino guerreyro. E trazia consigo quinhentas e cincoenta lanças muy escolheitas com tençam de nam escapar o conde nem algum dos seus. E o conde tanto que ouve vista delle a primeira cousa que fez, foy esconder a bandeira, por os mouros cuydarem que detras vinha mays  gente com ella. E acolheo-se a hum pequeno cabeço, e alli cerrados todos lhe fez hũa fala com muito esforço como muy valente cavaleyro que era, dizendo-lhe que outro remedio nam tinham em suas vidas senam em pelejarem esforçadamente, porque se o assi nam fezessem hum e hum os tomariam às mãos, e que fazendo elles como cavaleyros, Nosso Senhor daria sua ajuda, o que todos determinaram de fazer até morrer. E os mouros em chegando a elles o conde com todos deu tam rijamente nelles, que daquelle primeyro encontro mataram cincoenta mazaganis, homens principaes em que entravam dous sobrinhos do alcaide, e o alcaide foy muyto ferido e preso. E os mouros vendo quam esforçadamente pellejaram, e vendo os mortos cuydando que o alcaide era tambem morto, e parecendo-lhe por nam verem bandeira que ficava detras mais gente esteveram quedos sem ousarem de mais pellejar. E o conde vendo a grande merce que Deos he fezera a quis segurar, e tomando o despojo dos mortos levando o alcaide escondido, começou com sua batalha muy cerrada de andar pera a villa com muyto tento, e os mouros hiam apos elle sem ousarem de o cometer nem se determinarem por nam terem capitam. E o conde tanto que lhe pareceo que era em salvo tendo passado o Rio Doce mandou alçar sua bandeira. E quando os mouros viram que nam era mais gente que aquella, ficaram de  todo mortos por tamanha mingoa passar por elles, e tam poucos christãos os desbaratarem e levarem preso seu capitam. E ho alcayde quando vio a bandeyra perguntou ao conde por sua gente e elle lhe disse: "Sabe, alcaide, que nam trouxe mais que estes poucos, e com estes te desbaratey e captivey"; e ho alcayde ficando muyto triste e maravilhado disse-lhe: "Conde, Deos foy oje christão, outro dia sera mouro". E na pelleja nam morreo christão algum, e assi com muyta honrra, muito prazer e contentamento entrou ho conde com o alcayde em Arzilla, onde todos cuydavam que nam escapasse christão algum de preso ou captivo.

Escreveo logo o conde a el-rey esta nova, ha qual chegou em Avis, de que el-rey teve muyto contentamento; e por este tam honrrado feyto fez logo merce ao dito conde da capitania d' Arzilla, que ora tem seu filho o conde Dom Joam Cautinho. E sobre o resgate do alcaide, mandou el-rey a Arzila Joam Garces escrivam de sua Fazenda com poderes; e com o conde resgataram o alcaide em quinze mil dobras de banda e dez cativos christãos e vinte cavalos bons; e o alcaide deixou logo por si dezoito mouros pesoas principaes sobre os quaes  foy solto, e elles ficaram cativos até se acabar de pagar o dito resgate. E ao conde alem da merce mandou el-rey muytos agradecimentos com muitas palavras de contentamento; e assi aos que com ele foram como tal feyto merecia e ao que trouxe a nova fez muita merce.

 

De como foy preso el-rey dos romãos em Brujes, e de sua soltura,

e do que el-rey sobre ysso fez

 

Capitulo LXXII

 

Estando el-rey em Avis na Coresma deste ãno de oytenta e oyto lhe vieram cartas de Diogo Fernandez Correa seu feytor em Frandes, e com ellas hũa carta de crença ao dito Diogo Fernandez de Maxemeliano rey dos romãos que era primo com yrmão d' el-rey, em que lhe dava conta da grande guerra que avia antre elle e el-rey de França, e da esperança que avia de ser muyto mayor pedindo-lhe pola muyta rezam que antre elles avia, e por outras vertuosas causas que lhe alegou, quisesse antre elles ser medeaneyro, e os contratasse à paz. El-rey polla natural  obrigaçam que a ysso tinha e por sua muita bondade e ser serviço de Deos que era a principal causa ante elle, folgou muyto de o aceitar e ho pôs logo por obra. E determinou logo mandar por embaixador a el-rey de França, ho doutor Joam Teyxeira chanceler-moor, e com elle por secretairo Fernam de Pina com honrrada companhia. Estando ja despedido pera partir veyo a el-rey outra nova certa do mesmo Diogo Fernandez, que lhe foy dada em Almeirim bespora de Pascoa, em que lhe certificava o dito rey dos romãos ser preso em Brujes pellos governadores da cidade e posto em seu poder com sua vida e estado em muito grande perigo assacando-lhe que queria meter na dita cidade muita gente d' armas pera a meterem a saco e os matar e roubar. Sobre o qual caso forom logo sem causa e endevidamente degolados e justiçados muytos dos seus, e antre elles entraram fidalgos honrrados e cavaleyros da casa do dito rey dos romãos. Com a qual nova el-rey mostrou muito nojo, muita tristeza, e sentimento e assi toda sua corte. E el-rey por isso se vestio de panos pretos, e seus paços e da raynha e do principe, foram logo desarmados dos ricos panos de que estavam armados pera a festa, em que nam ouve tangeres nem danças, nem cousa algũa de prazer; e assi  se fez sempre até vir nova de como era solto. E tanto que el-rey soube de sua prisam mandou logo que a embaixada que estava pera partir nam partisse. E depois de sobre o dito caso ter conselho mandou logo por embayxador Duarte Galvam do seu conselho con cartas ao emperador e a el-rey de França, e pera outras cousas que compriam, e com poder de desafiar e romper guerra com os imigos do dito rey dos romãos e com quaesquer que pera sua soltura lhe parecesse necessario. E assi levou grandes creditos, provisões, e letras e precurações abastantes pera receber e poder despender atee cem mil ducados d' ouro em tudo o que podesse aproveitar pera logo ser solto. E assi offerecimentos e determinaçam de logo destes reynos mandar grande frota e muita gente em sua ajuda se necessario fosse.

E sendo ja o dito Duarte Galvam partido, estando el-rey em Almada pera dali poder tudo prover, no mes de Junho logo seguinte vierão a el-rey per mar cartas de Frandes per que foy certeficado que ho dito rey seu primo era jaa solto, e em sua liberdade em poder do emperador seu pay, o qual com grande poder vinha sobre a dita cidade, e com medo seu o soltaram; as quaes cartas trouxe hum Joam de Bayrros, com que el-rey foy muy alegre  e recebeo muito prazer e grande contentamento, e assi toda a corte e o reino todo. E em Lixboa e na corte se fezeram solenes procissões, e muitas festas e alegrias assi no mar como na terra que duraram muitos dias; e ao dito Joam de Bairros fez muita merce e assi aos do seu navio por alvissaras de tam boa nova. E Duarte Galvam depois de ser chegado a Frandes aproveitou muito ao rey dos romãos posto que fosse solto, assi en virtude de dinheiro que per virtude de seus poderes lhe deu, como em vir por medianeiro e requeredor de sua paz e segurança com muitos  senhores em terras que o dito rey requereo de que tinha muita necessidade; o que tudo acabou a muito contentamento seu.

 

Do conselho que el-rey teve sobre o casamento do principe

 

Capitolo LXXIII

 

E estando el-rey em Almada no mes d' Agosto deste anno de mil e quatrocentos e oytenta e oito teve conselho com todos os do seu conselho que presentes eram sobre o casamento do principe seu filho. Porque como atras se disse ao tempo que as terçarias se desfizeram em Moura, foy desatado o casamento do principe com a infanta Dona Isabel, e ficou concertado com a infanta Dona Joana mais moça, ficando logo declarado que se ao tempo que o principe ouvese ydade perfeita pera contratar matrimonio per palavras de presente, a infanta Dona Isabel que era mayor estevesse por casar, que o principe casasse todavia com ella, assi como de primeiro fora concordado. E porque o principe então entrava em ydade de quatorze ãnos, e a dita infanta Dona Isabel nam era casada, quis el-rey saber o que neste caso faria. Sobre o qual acordou de ho fazer assi saber a el-rey e aa raynha de Castella per Ruy de Sande, que entam era moço da camara e a el-rey muyto aceito, que depois foy Dom Rodrigo de Sande do conselho e homem de muita valia e de muita renda. E com cartas d' el-rey foy aos ditos reys, que per elle logo responderam sua final determinaçam ser darem ao principe a infanta Dona Isabel por molher. E nam na quiseram dar ao filho mayor do rey dos romãos que no mesmo tempo lha mandava requerer, e de Valhadolid despediram os seus embayxadores sem lha quererem dar, e assi a el-rey de França e de Napoles que sobre o casamento da dita infanta Dona Isabel ouve grandes requerimentos e muitas pendenças. E com este recado que Ruy de Sande trouxe ouve el-rey muyto grande prazer e contentamento; e logo foy certificado que no anno que vinha se avia de fazer o dito casamento. Pera ho qual el-rey logo começou de dar ordem e aviamento pera as grandes festas que ordenou de fazer, e pera todallas outras cousas necessarias. E d' Almada no Setembro logo seguinte com toda sua corte se partio pera Setuvel.

 

 

De como em Ingraterra foy preso o conde de Penamocor

 

Capitolo LXXIV

 

Neste anno foy el-rey certificado que o conde de Penamocor nam cansando de prosseguir com suas forças e pouco poder a deslealdade que contra elle e seu estado e serviço ja começara, era passado a Frandes, e a Ingraterra. Só com seu nome mudado em Pero Nunez, comprava mercadarias e cousas pera os tratos e resgates de Guine, e andava requerendo e convidando pesoas, e armadores daquellas terras pera ysso, que ja em algũa maneira se aparelhavam. E el-rey por atalhar cousas de tanto seu serviço, ordenou de mandar a Yngraterra em hũa caravella muito bem armada a Alvoro de Caminha cavaleyro de sua casa que depois foy capitão da Ylha de Sam Tomee,  pera com algum engano ou dissimulaçam prender o dito conde e o trazer a estes reinos, ou matá-lo quando mais nam podesse. E nenhũa cousa destas o dito Alvoro de Caminha pôde fazer, nem teve lugar pera ysso e se veo. E el-rey sobre o caso tornou a mandar laa Joam Alverez Rangel cavaleyro de sua casa com estruções e cartas pera el-rey d' Ingraterra, em que lhe dava conta da deslealdade do dito conde pedindo-lhe que por enxempro de reys e mais delle que per bem de suas leanças e amizades era a isso muy obrigado, o quisesse mandar prender e entregar-lho pera nestes reinos segundo suas culpas se fazer justiça delle, ou ao menos fosse laa preso e pera sempre metido em carcer perpetua. E el-rey d' Ingraterra por em algũa maneira satisfazer a seus requerimentos mandou prender o dito conde no castello de Londres. Do que el-rey foy loguo avisado e com muito prazer despachou logo com muyta brevidade por embayxador a el-rey d' Ingraterra o lecenceado Ayres d' Almada corregedor em sua corte dos feytos cives, que muy em breve  por maar foy laa, onde aynda o dito conde era preso; e com muitos fundamentos de dereyto e de suas ligas, requereo que do dito conde se fezesse entrega ou justiça qual mais parecesse rezam. E finalmente el-rey d' Ingraterra depois de sobre o caso aver conselho, se escusou e nam consentio em nenhum daquelles dous requerimentos. E ouve por bem que por o sossego e segurança do que a el-rey compria ho dito conde estevesse em prisam, na qual esteve algum tempo, e depois com mudanças que o tempo traz foy solto da dita prisam e se veo a Barcelona, onde el-rey e a raynha de Castella estavam ao tempo da entrega de Perpinhão, e dahi se foy a Sevilha onde tinha sua molher e filhos, e dahi a poucos dias faleceo.

 

Como cativarão Dom Antonio filho do conde de Villa Real

que era capitam em Ceita

 

Capitulo LXXV

 

E neste anno de oytenta e oyto estando el-rey em Benavente lhe veo recado como Dom Antonio filho segundo  de Dom Pedro de Meneses conde de Villa Real, que depois foy marquês o primeyro de Villa Real, estando por capitão na cidade de Ceita fezera hũa entrada em terra de mouros, e trazendo hũa boa cavalgada acodio sobre elle tanta gente dos mouros, que lhe pareceo que se nam poderam salvar senam pelejando com elles, o que fez como muyto ardido e esforçado cavaleyro e pelejou com elles valentemente, e por os mouros serem muitos, Dom Antonio foy muyto ferido e cativo, e foram mortos muytos christãos, em que morreram algũas pesoas principaes nos quaes entrou Christovam de Mello alcaide-moor d' Evora muyto valente cavalleyro e pessoa de preço, e Symão de Sousa filho do comendador-moor de Christus e Marfim Vaz da Cunha senhor de  Tavoa, e Fernam Coutinho e outros; os quaes todos morreram como esforçados cavaleyros matando primeyro muitos dos mouros. A qual nova el-rey muito sentio porque tinha muito boa vontade ao dito Dom Antonio e o tinha em muito boa conta, e assi a Christovam de Mello e a outros, e com muita deligencia mandou logo à dita cidade socorro e outro capitam. E Barraxe como sabedor teve maneira como ouve Dom Antonio a suas mãos, e o deu e resgatou pollos arrefens que por elle e  seu resgate estavam em Tangere, em poder de Dom Joam de Meneses que o cativou. E assi foy o dito Dom Antonio livre e tirado de cativeiro per troca de Barraxe.

 

De hũa armada que el-rey mandou fazer para Africa,

de que foy por capitam Fernam Martinz Mazcarenhas e o que fez

 

Capitulo LXXVI

 

El-rey como seus desejos eram fazer sempre guerra aos infieis, e porque se fazia prestes pera em pessoa passar em Africa, neste anno de oitenta e oito determinou de mandar hũa armada sobre hum ardid que lhe tinham dado, e nella por capitães Fernam Martinz Mazcarenhas seu capitam dos ginetes, e Aires da Silva seu camareiro-mor e com elles quinhentos de cavallo, gente escolhida dos livros d' el-rey, e mil homens de pe besteiros e espingardeiros. E estando jaa prestes pera embarcarem e partirem, veyo a el-rey recado dos capitães dalem estando em Almada como a terra d' Africa era avisada da dita armada, e com medo seu se goardavam muito e vellavam e punham suas pessoas e fazendas em salvo. Pollo qual a mais da dita armada se desarmou e mandou el-rey entam o dito Fernam Martinz Mazcarenhas, com trinta caravellas e taforeas e com elle cento e cincoenta de cavalo homeẽs fidalgos e cavaleyros de sua guarda. Os quaes tanto que desembarcaram em Arzila se ajuntaram per concerto que dantes tinham assentado com Dom Joam de Meneses capitão de Tangere, e com o conde de Borba que estava em Arzilla, os quaes todos fizeram quinhentas lanças e quatrocentos homeẽs de pee. E assi juntos foram correr ao campo d' Alcacer Quebir alen da ponte onde os mouros estavam, sem receo dos christãos, onde atee entam gente de guerra dos christãos nam chegara. E entraram em hũa aldea grande donde trouxeram cativas dozentas e cincoenta almas, e mataram muytos mouros, e tomaram muyta prata e ouro e muitos despojos, e do campo trouxeram muito gado e grande cavalgada de bestas e sem dano algum dos christãos sayram a elles mil e setecentos mouros de cavallo e muita gente de pee, e nam ousaram de pelejar com elles. E os christãos muyto a seu salvo trouxeram tudo a Arzila onde per seu costume tudo foy repartido. E estando el-rey aynda em Almada lhe escreveram os  capitães este feyto com que el-rey folgou muyto.

 

Do que el-rey fez yndo com a raynha

a ver correr touros em Alcouchete

 

Capitulo LXXVII

 

Estando el-rey em Alcouchete yndo hum dia de casa a pee com a raynha e damas e senhores e muitos fidalgos a ver correr touros no terreyro junto da ygreja, acertou que metendo hum touro na cancella fogio do corro, e veo por a rua principal por onde el-rey hia e diante do touro vinha muyta gente fogindo com grande grita. Foy o receo tamanho nos que hiam diante d' el-rey que todos fogiram e se meteram por casas e travessas. E el-rey soo tomou a raynha pola mão e pos-se diante della com a capa no braço e a espada apunhada com muito grande segurança; esperou assi o touro que quis Deos que passou sem entender nelle. De que muytos fidalgos e outros homeẽs ficaram muy envergonhados e elle com muita honrra; e foy sorte que se a el-rey vira fazer a outrem lhe fezera por ysso muita merce segundo estimava as cousas bem feytas. E porque Dom Jorge de Meneses seu page da lança que lhe trazia a espada nam vinha pegado com elle e fi- cava hum pouco atras com as damas, quando pedio a espada e o nam vio posto que lha deu muito prestes o arrepelou primeiro que a tomase.

 

De como Bemohi veo a estes reynos e foy feyto christão

e de sua morte

 

Capitulo LXXVIII

 

No ãno passado de mil e quatrocentos e oytenta e sete estando Gonçalo Coelho cavalleyro da casa d' el-rey, na boca do Rio de Cenaga no reino de Jolofo em Guinee resgatando, Bemohi principe negro que entam com muita prosperidade e grande poder governava o dito reino de Jolofo, sendo per suas lingoas enformado das muitas virtudes, perfeições, e grandezas d' el-rey desejou de o servir e pera começo, lhe mandou per o dito Gonçallo Coelho hum rico presente d' ouro, e cem escravos todos mancebos e bem despostos e assi algũas outras cousas de sua terra. E mandou com ele a el-rey hum seu sobrinho por embaixador com hũa grossa manilha d' ouro por carta de crença que he o costume de sua terra, por antr' eles nam aver letras, e lhe mandou por elle pedir armas e navios. E el-rey com rezam e justa causa se escusou, dizendo-lhe a defesa e escomunhões que o Papa tinha postas a quem desse armas a infiees e por elle nam ser christam lho nam podia mandar. E neste anno de quatrocentos e oytenta e oito, porque o dito Bemohi por trayção dos seus foy lançado fora do reino, determinou meter-se em hũa caravella das do trato que corrião a costa, e em pessoa vir pedir a el-rey socorro, ajuda, e justiça. E estando el-rey em Setuvel, o dito Bemohi chegou a Lixboa e com elle alguns negros seus parentes filhos de pessoas antre elles de muita valia e grande estima. E como el-rey soube de sua vinda mandou que se viesse apousentar em Palmella, onde logo mandou prover os seus muito abastadamente, e a elle servir com officiaes e muyta prata, e todolos outros comprimentos d' estado, e a todos mandou logo dar de vestir de ricos panos segundo suas calidades; e como foy em desposiçam pera poder vir aa corte el-rey lhe mandou a todos cavalos e mulas muito bem concertados. E o dia de sua entrada o mandou receber polo conde de Marialva Dom Francisco Coutinho, e com elle todolos fidalgos e nobre gente da corte; e mandou el-rey que fossem vestidos e concertados o melhor que podessem; e as casas d' el-rey e da raynha foram todas armadas de ricos panos de seda e de ras com estrados reaes e dorseis de brocado; e com el-rei estava o duque Dom Manoel irmam da rainha  e muitos perlados e senhores de titolo e muitos fidalgos todos muy ricamente ataviados e muy galantes. E com a raynha estava o principe seu filho com outros senhores e damas vestidas em grande perfeiçam, porque acabado de Bemohi estar com el-rey avia logo d' hir aa raynha e ao principe.

E Bemohi parecia de ydade de quarenta ãnos, era grande de corpo, muito bem feito e muy proporcionado e muito negro, e a barba comprida e muito bem posta e homem de muito bom parecer e graciosa presença e de muita autoridade. E os que com elle vinham todos muito bem despostos e gentis homens que logo pareciam honrradas pessoas, e os mais desenvoltos homens aa gineta que nunca foram vistos; que corriam a carreira em pee, e em pee correndo o cavallo se viravam e abaixavam e tornavam a levantar. E correndo ho cavallo com as mãos no arçam saltavam da sella no chão e tornavam a saltar encima; e correndo a cavallo lhe punham ovos e pedras pequenas na carreyra e de cima dos cavallos hiam tomando, cousas espantosas, e atee entam nunca vistas e assi outras muito grandes desenvolturas a cavallo e a pee que lhe el-rei muitas vezes fez fazer perante si.

Veo Bemohi muyto bem vestido e entrou na sala em que el-rey o estava esperando e o veo receber dous ou tres passos fora do estrado com o barrete hum pouco fora. E assi o levou ao estrado em que estava hũa cadeira real em que se el-rey nam assentou, e em pe encostado a ella o ouvio. E Bemohi com todos os seus se lançaram ante seus pees pera lhos beijarem, e fizeram mostrança de tomar a terra debayxo delles, e em sinal de sojeiçam e senhorio e muito grande acatamento faziam que a lançavam per cima de suas cabeças; e el-rey com muita honrra e cortesia o alevantou, e per negros lingoas que ahi estavam lhe mandou que falasse. O qual com grande repouso, descrição e muita gravidade, fez hũa fala pubrica que durou muito grande espaço, em que pera seu caso meteo palavras e sentenças tam notaveis que pareciam de muito prudente principe. Nas quaes contou a el-rey com muitos sospiros e lagrimas sua desaventura causada per trayçam que em seu reino contra ele se fizera. Em que declarou que soo el-rey lhe lembrara pera lhe dar socorro, ajuda, e vingança, e sobre tudo justiça. E que esta esperança tinha nelle, porque no mundo elle soo o podia fazer por ser rey tam poderoso, tam nobre, tam justo, e tam piadoso, e tambem por ser senhor de Guine cujo vassallo ele era, pedindo-lhe por tudo socorro, ajuda, piadade e justiça, dizendo que ainda que seu escudo era real por sua gloria e louvor fosse de vitorias de reis ricamente bordado, nam seria agora menos acompanhado com memorias de reys que fezesse. Que as primeiras per ventura seriam beneficios de fortuna, e esta seria a propria bondade e grandeza de seu coraçam. Dizendo mais: "O muyto poderoso Deos sabe que ouvindo eu as tuas virtudes e grandezas reaes, quam acesos foram sempre meus espritos e meus olhos pera te verem, e nam sey porque nam foy. Porque tanto mais me prouvera que fora em toda minha livre prosperidade, quanto este meu destroço e desterro por sua triste condiçam, menos autoriza minha fee e palavras. Mas se assi era de cima ordenado que per outros meos a mim mais favoraveis, eu nam podesse vir e alcançar tanto bem como para mim he ver-te, louvo muyto Deos com minha destruyçam, e ja este contentamento assi me satisfaz, que desta jornada nam yrey descontente". Dizendo mais que se a justiça e socorro que lhe pedia, per ventura contradezia nam ser elle christam, como outras vezes por escusa doutro semelhante requerimento lhe mandara dizer, que ysso nam fizesse duvida nem agora o contradissesse, porque elle e todollos seus que presentes eram, a que nam faleciam nobres e reaes nacimentos, aconselhados em outros tempos de suas santas amoestações, vinham pera em seus reynos e de suas mãos o serem logo. E que soomente a pena e mayor torvaçam que por ysso recebiam, era porque pareceria que forças de sua necessidade mais que de fee lho faziam fazer. E com estas e outras muytas boas rezões sobre sua tençam acabou sua falla.

El-rey lhe respondeo em poucas palavras a tudo com muito grande prudencia,  allegrando-se muyto com sua vinda e muyto mais com seu proposito de querer ser christão, polo qual lhe dava neste mundo e em seu caso esperança de socorro e restetuyçam de seu reino, e no outro salvação de sua alma, e com ysto o despedio.

Foy Bemohi logo falar aa raynha e ao principe ante quem fez hũa fala breve com grande tento e muita descriçam, pedindo-lhe muyto por merce que com el-rey o favorecessem por suas grandes virtudes e nam pollo elle merecer; e a raynha e o principe o receberam com muita honrra e gasalhado, e assi o despediram. E foy levado muy honrradamente assi acompanhado como veo a suas pousadas que tinha muy concertadas, e com tudo o que compria pera elle e pera os seus em muita avondança e elle muy bem servido com oficiaes e cerimonias e muita prata; e logo ao outro dia Bemohi veo falar a el-rey, e soos apartados com a lingoa falaram ambos grande espaço, onde com grande aviso tornou a dizer a el-rey suas cousas. E assi respondeo às que lhe  perguntava muy apontadamente como homem muy sabido, de que el-rey ficou muy contente. E por amor delle ordenou festas de touros, e canas, e momos; e pera as ver teve cadeira no topo da sala defronte d' el-rey, em que estava assentado. E porque elle requeria a el-rey que o fizesse logo christão, ouve por bem que antes que o fosse por ser da seita de Mafamede fosse primeiramente enformado nas cousas da fe e porque tinha conhecimento dalgũas cousas da bribia. Falaram com elle teologos e letrados que ho enformaram e aconselharam na verdade. E ordenaram que vise e ouvisse primeiro missa; e ouvio hũa d' el-rey em pontifical com grandes cerimonias e acatamento, a qual se disse em grande perfeyçam na Ygreja de Sancta Maria de Todollos Sanctos. E Bemohi com todolos seus e com letrados christãos estava assentado no coro, e em levantando a Deos quando vio todos de joelhos e os barretes fora e com as mãos levantadas e batendo nos peitos o adorar, tirou ha touca que tinha na cabeça, e assi como todos com os joelhos no chão e a cabeça descuberta o adorou, dizendo logo com sinaes muy verdadeiros, que ho que naquela ora sentira em seu coraçam tomava por clara prova, que aquelle soo era o Deos verdadeiro pera o salvar. E assi foy dous dias ver comer el-rey, que pera ysso se vestio ricamente; e a salla armada de rica tapeçaria, e com dorsel de brocado e muyta e muy rica prata, e seus oficiaes-mores com reys d' armas e porteyros de maça, e muitos ministrees e danças, trombetas, e atabales, tudo feyto em grande perfeiçam; porque el-rey nas cousas que tocavam a seu estado, era sobre todos muy cerimonial e perfeyto.

E aos tres dias do mes de Novembro Bemohi foy feito christão e com elle seis dos principaes que com elle vieram, aas duas oras da noyte em casa da raynha que pera ysso estava concertada em muita perfeiçam; e foram seus padrinhos el-rey e a raynha, o principe e o duque, e hum comissairo do Papa que na corte andava, e o bispo de Tangere. E o oficio fez ho bispo de Ceyta que o bautizou; e Bemohi ouve nome Dom Joam por amor d' el-rey.

E aos sete dias de Novembro el-rey ho fez cavaleiro, e deu-lhe por armas hũa cruz dourada em campo vermelho, e as quinas de Portugual na bordadura. E no mesmo dia em auto solemne e com palavras de muy grande senhor deu ha obediencia e fez menajem a el-rey. E assi enviou outra ao Papa escrita em latim, em que contou todo seu caso e sua conversaçam aa fee, com palavras de muita devaçam e grandes  louvores d' el-rey; e dos outros seus foram feytos christãos vinte quatro na Casa dos Contos da dita villa muyto honrradamente. E el-rey deu ao dita Bemohi de socorro e ajuda vinte caravellas armadas, e por capitam-mor dellas Pero Vaz da Cunha, que levava por regimento de fazer hũa fortaleza na entrada do Rio de Çanaga a qual avia d' estar sempre por el-rey. Pera a qual fortaleza foram logo muytos officiaes e muyta pedra e madeyra lavrada e todalas outras cousas necessarias. E assi pera hũa ygreja com muytos cleriguos e todo ho que compria em muyta avondança pera laa fazerem christãos muytos da terra; e hia por pessoa principal mestre Alvoro pregador d' el-rey da hordem de Sam Domingos. A qual fortaleza el-rey folguou tambem de mandar fazer, porque tinha por certo que o dito rio bem metido pollo sertam vinha polla cidade de Tambucutum, e per Mombaree, em que sam os mais ricos tratos e feyras d' ouro que dizem que há no mundo, de que toda a Berberia de Levante e Ponente atee Jerusalem se provee e bastece; parecendo a el-rey que ha dita fortaleza pera escapolla e segurança do trato seria neste rio em tal lugar grande segurança pera hos seus e pera todallas mercadarias. E este rio e pouco mays adiante foy descuberto em tempo, e per mandado do ynfante Dom Anrrique primeiro inventor e descubridor desta empresa e conquista de Guinee.

Partio ha dita armada com muyta e boa gente e muyta artelharia, e o dito Bemohi e todos os seus em grande maneyra contente d' el-rey, porque allem do socorro que lhe deu e muitas honrras que lhe fez, tambem lhe fez aa partida muytas merces e dadivas a elle e aos seus. E em fim todas estas obras e despesas e fundamentos de Bemohi acabaram mal. Porque depoys que o dito Pero Vaz com toda sua armada e com ho dito Bemohi, chegou e entrou no dito rio, onde ha dita fortaleza se avia de fazer, tomou sospeytas de trayçam contra ho dito Bemohi, has quaes muytos deziam que nam foram verdadeyras, por a muyta bondade e muyto saber de Bemohi, e assi por yr com tanta rezam muyto contente d' el-rey, e com esperança de ser cedo com sua ajuda restituydo a seu reynado; antes deziam que com o muyto desejo que o dito Pero Vaz tinha de se tornar pera o reyno e receo de morrer laa polla terra ser doentia, sem causa algũa matou ho dito Bemohi aas punhaladas dentro em seu navio. E tanto que ho matou com toda armada, sem fazer detença nem fortaleza se veo logo a estes reynos. E chegou a Tavilla onde el-rey estava, que com a morte de Bemohi foy muy anojado e lhe pesou muyto, e sofreo esta culpa a Pero Vaz, porque avendo de o castigar como era rezam, chegava o castigo a muytos que nisso foram culpados que mereciam grande pena. E el-rey estranhou muito a Pero Vaz matá-lo assi, porque quando elle no dito Bemohi achara algũa culpa ou erros, o devera de trazer a Portugal assi como o levou, pois o tinha em seu livre poder sem perigo algum. E porém a singular condiçam e muita piadade d' el-rey fez sofrer ysto; porque avendo de dar castigo, compria que matasse muitos que nisso foram culpados, o que por sua virtude dissimulou.

 

Da cerimonia com que el-rey fez o marquês de Villa Real

 

Capitulo LXXIX

 

E no anno de quatrocentos e oytenta e nove estando el-rey em Beja no primeyro dia de Março com muita honrra e grande solenidade, fez marquês de Villa Real e conde d' Ourem a Dom Pedro de Meneses que era conde de Villa Real, nesta maneira. El-rey estava ricamente vestido em hũa salla armada de rica tapeçaria e dorsel de brocado e sua cadeira real em alto  estrado muyto bem alcatifado, e el-rey em pee com a mão posta na cadeyra encostado ao dorsel, e com elle o princepe e o duque e muitos senhores e nobre gente todos vestidos de festa. E o marquês veo de suas pousadas a pee acompanhado de muytos honrrados e nobres fidalgos e com trombetas, e atambores, charamellas, e sacabuxas, e muita gente. E diante delle homens do conselho d' el-rey fidalgos de muyta autoridade. E hum trazia nas mãos o estandarte de suas armas com pontas, e outro hũa sua espada muy rica metida na baynha com ha ponta pera cima alta na mão dereyta, e outro hũa carapuça de seda forrada d' arminhos posta em hum bacio de prata grande lavrado de bastiães. E nesta ordem entrou na salla e foy assi tee chegar ao estrado onde estava el-rey; e depois de feytas suas mesuras os oficiaes fezeram calar a casa. E calada o chançarel-mor Joam Teyxeira fez hũa arenga em linguagem dos louvores d' el-rey, e dos grandes merecimentos do marquês e seus muyto assinados e leaes serviços, e assi dos de que decendia, e declarou que el-rey o fazia novamente marquês de Vila Real  e conde d' Ourem. E acabada ha oraçam que foy muyto bem dita el-rey fez chegar o marquez ante si, e tomou ha carapuça do bacio e pos-lha na cabeça; e tomou ha espada e cingio-lha per cima dos vestidos, e da cinta lha tirou nua e com ella lhe cortou as pontas do estandarte e ficou em bandeira quadrada como de principe; e tomou hum anel de hum rico diamante e per sua mão lho meteo em hum dedo da mão esquerda. E acabado ysto o marquês com os joelhos em terra beijou a mão a el-rey e ao principe. E o principe e o duque beijaram a mão a el-rey e  assi todolos outros senhores e pessoas principaes que ahi eram. E o marquês foy aquelle dia convidado d' el-rey, e comeo com elle aa mesa que assi era ordenado em a sala ricamente armada com dorsel de brocado e grande bayxella, com todollos oficiaes e ministros e muitas yguoarias tudo em muita perfeiçam. El-rey estava assentado no meo do dorsel, e o principe à mão dereita, e alem do principe o marquês e da outra parte d' el-rey à mão esquerda estava o duque; e assi comeram todos com grande festa. E acabado de comer e el-rey recolhido, o marquês com muita honrra e muito acompanhado de senhores e nobre gente, muitas trombetas, e atambores, charamelas, e sacabuxas se recolheo a suas pousadas. E depoys ouve  em casa do marquês muitos dias festas de danças e muy abastados banquetes. E como nobre e grande senhor deu algũas dadivas honrradas aos oficiaes que fizeram seus despachos.

 

Do que el-rey disse por Dom Joam de Sousa

 

Capitulo LXXX

 

Dom Joam de Sousa antre muitas boas callidades que teve foy valente cavaleiro e muito bom capitam e singular cavalgador da gineta. E em Castella correndo touros em Arevolo perante el-rey e a raynha cortou com hũa espada a cavallo a hum grande e bravo touro dhum soo golpe o pescoço que logo cahio morto no chão. E aqui em Beja andando aos touros a cavalo perante el-rey e ha raynha e o principe e todas as damas, per duas vezes matou dous bravos touros de hũa lançada só cada hum, que em lha dando cayram mortos sem mays bolir. E estando el-rey hum dia aa mesa falando nisso e gabando muyto estas sortes, disse ho conde de Borba que eram acertos; e el-rey lhe respondeo: "Verdade he, conde, que sam acertos, mas nunca hos  acerta senam Dom Joam"; e todallas cousas boas favorecia e gabava desta maneyra.

 

De como foy ho principio e fim

da Graciosa

 

Capitolo LXXXI

 

Neste anno de mil e quatrocentos e oytenta e nove polo muyto desejo que el-rey tinha da conquista d' Africa, e assi polla cruzada que pera ysso lhe fora concedida de que ja tinha recebido muyto dinheiro, cuidando muitas vezes como melhor o poderia fazer, e mais a serviço de Deos e acrecentamento de sua honrra e estado, ordenou de fazer hũa vila com sua fortaleza em Africa polo rio acima de Larache, com fundamento que dali com seus fronteyros e gente d' armas que sempre nella teria, e com ajudas das outras cidades e vilas que lá tinha e aos mouros foram tomadas, se faria muyta guerra a Feez, e Miquinez, Alcacer Quebir e toda aquela terra de que muita parte se poderia per força conquistar, ou ao menos constranger a pagarem grandes e ricos tributos. E depoys de ter mandado muytas  vezes ver o dito rio e sitio da terra determinou fazer a dita villa; e mandou logo pera ysso fazer prestes sua armada, com muita gente, muytos oficiaes, muita artelharia, muita pedra, e madeyra lavrada, muyto tijolo, e cal, e ferramentas, e todallas cousas necessarias em grande avondança. E no começo do mes de Julho mandou logo partir a dita armada, e por capitam-mor dela Gaspar Jusarte, a fazer e fundar a dita villa a que mandou poer nome a Graciosa. E nam levava muytos navios nem gente sobeja por lhe parecer que por entam nam seria mais necessaria, crendo que em quaesquer afrontas que dos mouros sobreviessem se poderia pollo rio socorrer e prover, cuydando que o dito rio se navegaria em todo tempo com caravelas e navios. E pera milhor aviamento e socorro de tudo, e mais em breve se poder fazer, el-rey com a raynha e o principe e toda sua corte se foy a Tavilla onde cada dia de tudo o que se passava recebia muytos avisos. E pera se a dita fortaleza logo fazer mandou el-rey muyta e honrrada gente de sua corte e começou-se com muyta deligencia e pressa a lugares de pedra e cal, e a lugares de madeira e paliçadas fortes pera que com mays brevidade fosse cercada.

E sendo disso avisado Moley Xeque rey de Fez junto de cujas  terras ha dita fortaleza se fazia, porque do tempo da tomada d' Arzila nas pazes que o dito Moley Xeque fez, a dita terra com outras ficou com Portugal segundo nas ditas pazes se contém, consirando o dito Moley Xeque que se logo no principio o nam empedisse que seria causa de sua perdiçam, fez logo sobre isso ajuntamento geral com os alcaides e principaes de seu reino, e com os alarves e enxouvios e colotos seus comarcãos. E todos sem algũa deferença acordaram de virem cercar como logo cercaram a dita villa em que el-rey de Fez veo em pessoa e com ele Moley Hea seu filho mayor, e com quarenta mil de cavallo e outra muyta gente de pee sem conto poseram de todalas partes cerco aa dita villa; e tambem não leyxaram livre o dito rio de hũa parte nem da outra contra a foz, por que da terra empedissem aos christãos qualquer socorro que por elle lhe fosse. E por muita gente dos mouros começar a vir sobre a dita fortaleza, e assi por o dito Gaspar Jusarte adoecer, e a causa ser de mais peso do que se cuidou, mandou el-rey a Dom Joam de Sousa do seu conselho pessoa muyto principal e muyto valente cavalleiro, com muyta mays gente pera na dita fortaleza ficar por capitam. E com a gente que levou e a que na dita fortaleza estava, forom por todos mil e quinhentos fidalgos e cavaleiros todos da casa e livros d' el-rey e a frol de toda a corte. E depoys crecendo mais o poder dos mouros, e sendo jaa el-rey enformado no certo do segredo do rio e do perigoso sitio da dita fortaleza, por lhe certificarem que em nenhũa maneyra se podia soster, ordenou mandar Fernam Martinz Mazcarenhas capitam dos ginetes e da guarda, e Dom Diogo d' Almeyda que depois foy prior do Crato, e Dom Martinho de Castelbranco veador de sua Fazenda que depois foy conde de Villa Nova, todos tres homens de muita autoridade e valentes cavalleiros e muy aceitos a el-rey, pera com sua tornada depois de tudo muito bem verem, se enformar delles e determinar o que ouvesse de fazer se soste-la ou deixá-la. E sendo elles na dita villa da Graciosa, veo sobr' elles Moley Xeque rey de Fez com todo seu poder; e elles parecendo-lhe que pollo que cumpria a suas honrras e a serviço d' el-rey nam deviam de deixar o dito cerco, ficaram lá e responderam a el-rey por escripto. No qual tempo Dom Joam de Sousa capitam da dita villa adoeceu aa morte, de maneira que nam podia acudir a cousa algũa que comprisse, e por nam morrer por mingoa de fisicos e cousas necessarias a sua saude, ordenaram todos que se viesse logo curar a Portugal. E porque Dom Joam estava de maneyra que nam podiam al fazer, vendo que compria ficar capitam na dita villa, e como muito prudente vendo que os ditos Dom Diogo, Dom Martinho, e o capitam Fernam Martinz eram taes pessoas e de tanto merecimento que deixando o carrego a hum os dous ficariam agravados, lhe fez sobre isso hũa fala e disse que antre todos deytassem sortes quem ficaria por capitão, o que assi fezeram e a sorte cahio em Dom Diogo d' Almeyda, a que logo Dom Joam entregou a villa e se veo curar ao reino, e todos os outros sem algũa deferença o ouveram por capitam. E os mouros vendo a pouca gente dos christãos em comparaçam da sua, e vendo o pequeno repairo da vila tinham por certo que nos primeiros combates que muy rijamente lhe dessem logo per força os tomariam com mortes e cativeiros de todos. E com esta esperança combateram a villa muyto fortemente per muitas partes; e vendo o grande dano e estrago que os christãos nelles fizeram com suas armas e furiosos tiros de fogo, e o forte repairo que na fortaleza tinham feito pera sua defensam, e conhecendo a bondade e grande valentia de seus corações que tinham nam somente pera se defender, mas ainda pera lhes offender, jaa desesperados deste primeiro fundamento, determinaram pera os poder vencer poer-lhe o dito cerco mais afastado como logo poseram, e em hũa parte  do rio que abaixo da fortaleza dava vao, o atravessaram com hũa muyto forte estacada dobrada e chea toda de cestos de pedra antre hũa e a outra pera que ho rio per navios grandes nem per barcas pera cima contra ha villa se nam podesse navegar, com que os christãos de todo fossem de socorro por agoa desesperados. E por defensam desta estacada por que a nam desfizessem poseram junto com ela de hũa parte e da outra do rio muitas bombardas grossas e outros tiros de fogo, os quaes eram sempre guardados de gente sem numero, fazendo com isto suas contas que os christãos de cansados e vencidos de doenças e fome, e nam tendo esperança de socorro se dariam e deixariam captivar. E como os da villa disto foram certificados, ouve antre elles algũa confusam, e foy aynda mais quando souberam que Ayres da Silva camareyro-moor d' el-rey, que era capitam-mor da frota que estava na foz do rio, com todas suas forças e deligencias que nisso pôs, nam podera desfazer nem chegar aa dita estacada polla grande resistencia dos mouros. E porém porque os mais eram fidalgos e de esforçados corações nam cayram em desmayo nem fraquezas, mas cobraram vivo esforço com que se fortaleceram e proverão em seus mantimentos e provisões pera se defenderem e manterem o mais tempo que  fosse possivel, sendo muito confiados na bondade e grandeza d' el-rey que quando comprisse em pessoa os socorreria.

        E de todo este caso foy el-rey logo avisado em Tavila com que foy posto en grande pensamento; porém como rey que nas cousas da fortuna fora muitas vezes vitorioso e nunca vencido, deu logo grande aviamento a mandar mais navios e mays gente, com mais armas e artelharia pera com Ayres da Silva cometerem de desfazer per força a estacada e repayros do rio, pera hũa vez as pessoas dos cercados ao menos se salvarem, que era o que sobre tudo mais desejava. Porque polla enformaçam que ja a este tempo tinha do lugar e a terra ser naturalmente doentia e o rio se nam poder em todos tempos navegar atee a dita fortaleza, ja tinha assentado que em caso que o dito lugar fora feyto e nam cercado de o mandar despovoar e derribar.

 

De como el-rey determinou d' hir em pessoa e do que disse

a Dom Joam d' Abranches

 

Capitolo LXXXII

 

E tanto que os navios de socorro partiram, teve el-rey conselho geeral com todos os que presentes eram da maneira que socorreria aos cercados, porque com todo seu poder determinava os livrar. E todos quantos eram sem ficar algum lhe aconselharam que em nenhũa maneira passasse em pessoa por ser ja na entrada do Inverno e a costa ser muy brava e perigosa e muyto maa desembarcaçam e outros muytos perigos, do que el-rey ficou triste, e sem dar reposta algũa do que queria fazer.

E em se levantando do conselho lhe disserão que aa porta estava Dom Joam d' Abranches, que entam chegava de Lixboa pera o servir no dito socorro. E porque era muyto valente cavaleyro e sabia muito na guerra ho mandou logo entrar e fez tornar assentar todos e pôs Dom Joam junto de si. E deu-lhe conta da nova que lhe viera, e como tinha determinado de com todo seu poder socorrer aos cercados, e como todos os que presentes estavam por muitas rezões lhe aconselhavão que em nenhũa maneira passasse em pessoa; e que primeiro que a isso desse sua reposta, queria tomar seu parecer como d' omem que tam bem sabia a guerra e era muyto bom cavaleyro; e Dom Joam lhe respondeo: "Senhor, beijo as mãos a vossa alteza por esta honrra que me faz e as palavras que me diz; e eu, senhor, sam em contrayro do que a todos parece; e meu parecer he, que tanta e tam nobre gente  como vossa alteza quer mandar, nam fieis, senhor, de ninguem senam de vossa pessoa, porque soo com vos verem todos morreram diante vós, e sem vossa vista nam sey o que cada hum fara, e mais a tamanha necessidade de tanta e tam nobre fidalguia, he rezam que vossa alteza por seu singular esforço e grandissimas vertudes lhe socorraes como de tal rey se espera"; e el-rey folgou muito de o ouvir e muito ledo lhe disse: "Dom Joam, eu tinha ja ysso determinado e porque todos eram contra mim nam tinha dado minha reposta; e agora que vos tenho por minha parte digo que em toda maneyra ey-de passar em pessoa. E todos me perdoay por nam tomar vossos pareceres, que antes que Dom Joam viesse o tinha assi asentado; e se perigos passar em muito mayor perigo estam muitos fidalgos e cavaleyros por me servirem, os quaes eu muito estimo; e tambem Nosso Senhor dara sua ajuda pois que he por seu serviço e contra os ĩmigos de sua sancta fee catolica"; e com ysto se levantou.

E como principe muy esforçado, vertuoso, e piadoso por salvar os seus, determinou logo o mais em breve que podesse lhe socorrer em pessoa. E per dadivas que mandou dar a mouros lhe levaram recado aos cercados como elle hia logo em pessoa socorrê-los, os quaes na soo confiança  de sua palavra que  aviam ja por obra muy verdadeira cobraram hum novo esforço e muita esperança de cedo serem remedeados. El-rey mandou logo com muita trigança fazer per todo o reyno apercebimentos jeraes, e pera tempo muito breve e com palavras de muita obrigaçam em especial, afirmando que hia em pessoa que nam foy necessario fazerem-se costrangidas apuraçoeẽs, porque os muy velhos e os muito moços que por suas ydades eram disso escusos, se convidavão e esquecidos de suas forças e fazendas se faziam prestes, pera hyr com elle e nam ficarem em Portugal, todos com muy verdadeira vontade de o servirem até a morte. E desta determinaçam que el-rey tomou de em toda maneyra socorrer em pessoa e descercar seus fidalgos, criados e cavaleyros, foy logo el-rey de Feez avisado. E por lhe jaa começar de fogir a gente de seu arrayal escarmentados muytas vezes de cruas mortes e feridas, e principalmente temendo muito a passagem d' el-rey, parecendo-lhe que vendo-se com elle em batalha seria destruydo, em vez de fazer guerra cometeo paz ao capitão-mor da frota Ayres da Silva que em nome d' el-rey estava, de que lhe enviou hum assento, per que lhe prazia dar lugar aos christãos cercados na Graciosa a leixassem, e que com todallas armas, artelharias, cavallos, e tudo quanto tevessem sayssem e se fossem livres e seguros, e que el-rey de Portugal lhe confirmasse a paz que el-rey Dom Afonso ao tempo da tomada d' Arzila com elle firmara.

O qual assento Ayres da Silva logo aceitou, e sobre elle manteve aos mouros tregoas atee o noteficar a el-rey, que logo com muita brevidade lho fez saber, e foy delle muy allegre e contente, porque pollo dito assento da paz nam se tolhia poder cercar e tomar quaesquer villas e lugares do dito reyno de Fez que se pera ysso oferecessem; e per elle sem perigos nem outras despesas, cobrava sua gente cercada que sobre tudo desejava. E pera comfirmaçam e aprovar o dito assento, enviou logo Ruy de Sousa e Dom Alonso de Monroy mestre d' Alcantara, e Diogo da Silva de Meneses ayo do duque, que depois foy conde de Portalegre todos do seu conselho e homens de muyta autoridade, muy esforçados, de muito bom saber, e de que muyto confiava. Os quaes com Ayres da Silva juntamente o confirmaram e seguraram per escritura e contrato feyto em Xames, a vinte sete dias d' Agosto do ãno de mil e quatrocentos e oytenta e nove. E dadas de hũa parte e da outra seguras arrefeẽs, os mouros que no dito cerco estavam se partiram, e os christãos cercados se recolheram aa frota com salvamento de suas pessoas e fazendas e artelharias, cavallos, e armas, e quanto na fortaleza tinham; e com toda a frota se vieram a Tavila, onde el-rey e toda sua corte os receberam com muito amor e prazer e muita honrra. E el-rey mandou logo desperceber a gente do reyno, e lhe agradeceo muito sua lealdade e grande brevidade e muito amor e vontade com que se apercebiam pera o servir que certo foy muyto pera estimar.

E de Tavilla foy el-rey com a raynha e o principe e o duque andar pollos lugares do reyno do Algarve provendo, e remedeando algũas cousas que pera bem e assossego daquelle reyno e moradores delle compriam em que muyto aproveitou. E acabado veo-se aa cidade d' Evora, onde entrou a sete dias de Novembro deste ãno de oytenta e nove. E na cidade ouve rebates de peste que el-rey sofreo e remedeou por soster e conservar a saude da cidade em que tinha ordenado ser o recebimento e festas do casamento do principe seu filho.

 

Do que el-rey passou com Pero Pantoja  em Tavila

 

Capitollo LXXXIII

 

No tempo do socorro da Graciosa por se el-rey achar em Tavilla sem dinheiro, por lhe tardar de Lixboa da Casa da Mina onde por ele tinha mandado, e comprir fazer-se logo prestes hum navio pera hir com hum recado, mandou dizer a Pero Pantoja que lhe gradeceria mandar-lhe emprestar por sete ou oyto dias mil justos, que eram seiscentos mil reis; os quaes lhe Pero Pantoja logo mandou e lhe ofereceo muito mais que tinha, pedindo-lhe muito por merce que o nam tomasse doutrem senam delle pois quanto tinha sua alteza lho dera, o que lhe el-rey muito gradeceo. E dahi a cinco dias veo o dinhero que el-rey esperava, e mandou logo dar a Pero Pantoja setecentos mil reis. E elle os nam quis tomar e se veo logo agravar a el-rey dizendo que pois que servia sua alteza com tam verdadeyra vontade, e tinha pera o servir muito de que lhe elle fezera merce, que como lhe dava ganho do seu dinheyro em cinco dias que o tevera, que nam se faria mais a hum mercador cobiçoso. E el-rey lhe respondeo: "Ora pois que vos agravais, tomay oitocentos mil reais, e se mais falais palavra tomareis novecentos mil"; e mandou-lhe dar oytocentos mil reis, emprestando-lhe seyscentos  mil; que desta maneira agradecia os serviços que lhe faziam, e tambem por ysso quando lhe compria dinheyro sem interesses lho emprestavam.

 

Do que el-rey fez a dous fidalgos que vieram d' Arzilla

 

Capitolo LXXXIV

 

Estando em Arzilla por capitão Dom Joam de Meneses que depois foy conde de Tarouca e prior do Crato, fazia muita honrra aos homens, e Dona Joana de Vilhana sua molher fazia tanto gasalhado e tanta honrra a todos que era disso lá e cá muyto louvada, de que el-rey lhe mandava muitos agradecimentos. Vieran-se dous fidalgos honrrados d' Arzila onde estavam por fronteyros descontentes do capitam sem causa, e quando beyjaram a mão a el-rey os favoreceo e fez gasalhado, perguntando-lhe como vinham e pelas cousas de laa, e pedio-lhe ha carta do capitão como todos custumavam trazer; e elles lhe disseram que a não traziam, e el-rey lhe disse; "Segundo isso parece que quando vos partistes nam falastes aa  estalajadeyra que tam bem agasalha todos, ora vos tornay logo e nam venhais de lá sem carta de Dom Joam". O que assi fezeram sem detença algũa, ysto porque sem causa se vieram sem lhe falar, e queria soster a honrra de seus capitães.

 

Do que el-rey disse a Ruy d' Abreu, e a Duarte do Casal

 

 

Capitolo LXXXV

 

Ruy d' Abreu alcaide-moor d' Elvas era homem que el-rey estimava e fazia muita honrra por ser muito bom cavaleyro e homem de que el-rey confiava; e falando-lhe hum dia Ruy d' Abreu em hum seu requerimento se agravou delle, e el-rey lhe disse: "Ruy d' Abreu, tomay hũa cousa de mim como d' amigo, quando pedirdes merce nam lembreis nenhuns agravos"; que nam se contentava fazer merce aos homens, mas ainda lhe ensinava como a aviam de pedir. E Duarte do Casal era valente homem de sua pessoa, e mandou requerer hũa cousa a el-rey e nam lhe falava nisso; e vindo el-rey hum dia pera comer em Evora na sala o vio e perante muitos o chamou e lhe disse alto: "Duarte do Casal, se vós tendes mãos porque nam tendes lingoa pera me falar pois eu folgo de ouvir quem as tem? Ora pois que tendes mãos tende lingoa"; e estas honrradas palavras lhe disse perante muytos porque era bom cavaleyro.

 

Do que el-rey disse a Fernam Serrão

 

Capitulo LXXXVI

 

Quando el-rey entrou na cidade de Lixboa a primeyra vez, foy hũa muyto grande entrada e solene recebimento de muito grandes festas e muytos e grandes gastos e despesas, cousa que foy nomeada por grande, e ouve ahi homens que gastaram muito; e hum Fernam Serram cavaleyro cidadam de Lixboa homem honrrado, vendeo duas quintas e gastou tudo em atavios e vestidos, antre os quaes fez hum gibam borlado de perlas e pedraria que valia muyto. E el-rey porque fora demasia pesou-lhe e teve-lho a mao recado e por nam parecer a alguem que elle favorecia e folgava dos homens lançarem o seu a longe, hum dia aa mesa lhe disse alto perante todos: "Fernam Serram, quantas quintas faziam hum gibam?"; que  nam deixava passar cousa mal feita sem reprensam ou castigo.

 

Do que el-rey fez a Diogo d' Azambuja quando casou a sua filha

e a Pero de Melo

 

Capitolo LXXXVII

 

Diogo d' Azambuja era homem que el-rey tinha em muito boa conta e estima e a que tinha muyto boa vontade e fazia muita honrra e merce; e quando casou sua filha Dona Cezilia com Francisco de Miranda, foram recebidos com muita honrra perante el-rey e a raynha em hũa sala com muyta gente e grande seram, de danças e muitos galantes; e em nos recebendo no estrado, Diogo d' Azambuja era muyto manco de hũa perna que casi lhe fora cortada nas guerras, e estava junto com os degraos, e com a muyta gente que chegava, era muito mal tratado e tanto que se nam podia ter; e el-rey o vio e veo aa borda do estrado e tomou-ho polla mão e sobio-ho em cima, e disse-lhe alto que o ouviram muitos: "Salvay-vos quaa e chamem-vos como quiserem"; e assi esteve com muita honrra perante  todos em cima no  estrado que he lugar de reis e principes.

E Pero de Mello fidalgo de sua casa, era muito bom cavaleyro e muito desmanhoso; e hum dia levando de beber a el-rey aa mesa, hia-lhe tremendo a mão, e em querendo tomar a salva cahio-lhe o pucaro com a aguoa no chão de que ficou muy corrido, e algũas pessoas principaes começaram de ryr, e el-rey disse alto: "De que vos rides? Nunca lhe cahio a lança da mão ainda que lhe cahisse o pucaro"; de que Pero de Mello ficou muito contente e tornou-lhe a dar de beber.

 

Do que el-rey fez ao capitão da Ylha da Madeyra

 

Capitolo LXXXVIII

 

Simão Gonçalvez da Camara capitam que foy da Ylha da Madeyra em vida de seu pay Joam Gonçalvez da Camara sendo elle erdeyro da casa que de seu pay herdava, chamava-se Symam de Noronha que era o apelido de sua mãy. E el-rey tanto que o soube mandou-lhe logo dizer que naquella ora se chamasse do apelido de seu pay pois delle avia de herdar tam honrrada casa, senam que passaria a soceçam della em Pero Gonçalvez da Camara seu segundo yrmão. Polo qual Simão de Noronha se chamou logo Simão Gonçalvez da Camara dahi atee que faleceo, e foy logo beijar ha mão a el-rey pollo bom ensino que lhe dera e el-rey folgou muyto com ysso e lhe fez honrra e favor.

 

Do que el-rey fez a Joam Alverez o Gato

 

Capitulo LXXXIX

 

Hum João Alverez o Gato cavalleyro da casa d' el-rey era filho de hum pobre almocreve, e por ser grande pensador e concertador de cavalos e mulas veo a ter e valer muito e ser honrrado e estimado de todos e d' el-rey favorecido. E hindo el-rey hum dia de Evora pera Estremoz hia Joam Alvares em hum muyto fermoso ginete muy ataviado, e elle muyto bem vestido e concertado com muytos servidores, e no caminho topou com o pay que hia com suas bestas carregadas. E em vendo o filho tirou-lhe o barrete e fez-lhe hũa grande mesura, e elle nam quis falar ao pay e fez que o nam via, porque se desprezava  delle e tendo fazenda nam o ajudava pera que deixasse tam bayxo oficio. Foy ysto dito a el-rey e ouve disso tamanho desprazer que nunca mais quis ver o dito Joam Alvarez, e lhe mandou loguo dizer que nam parecesse mais diante delle, porque o homem que desprezava seu pay e lhe nam fazia bem podendo-o fazer nam era pera se fiarem delle. E o dito Joam Alvares se foy logo enojado a hũa sua erdade onde dahi a pouco acabou mal que o mataram huns seus lavradores.

 

Da merce que el-rey fez a Joam Goo

 

Capitulo XC

 

Foy el-rey hum dia de Evora a ouvir missa a Nossa Senhora do Espinheiro, e por fazer grande calma e muyto poo e yr muyta jente com elle, se recolheo depois da missa dentro no moesteiro, e mandou dizer a todos que se fossem a comer que elle queria ficar soo. Foram-se logo como mandou e despois de serem ydos el-rey sayo com muyto poucos senhores e pessoas principaes que com elle ficaram. E quatro cavaleiros em que entrava hum que se chamava Joam Guoo nam se forão e vinham detras delle e fizeram poo.  E el-rey virou atras e disse-lhe: "O Sancta Maria, se mandey a todos que se fossem a comer porque vos não fostes e me vindes enchendo de poo?"; respondeo o Joam Goo e disse: "Senhor, os que tinham de comer se foram, e os que aqui vem nam tem que comer"; e el-rey lhe disse: "Prometo-vos, Joam Goo, que eu vo-lo dee e muito cedo"; e logo aquelle dia aa tarde o mandou chamar e lhe deu a comenda da Freirea em Evora e aos outros fez merce.

 

Da honrra que el-rey fez a mestre Antonio

 

Capitolo XCI

 

Mestre Antonio sororgiam-mor destes reinos foy judeu, e quando se tornou christão, el-rey folgou muito e lhe fez muita honrra, porque lhe tinha boa vontade e era bom letrado. E quando foy baptizado el-rey foy com elle aa porta da ygreja, e o levou polla mão com muita honrra e muito bem vestido de vestidos ricos que lhe el-rey deu de seu corpo e foy seu padrinho. E depoys de baptizado quando lhe quiseram poer o capelo nam vinha no bacio por esquecimento. E querendo yr por hũa  toalha pera della se tirar, disse el-rey: "Pera cousa tam sancta nam he necessario tanto vagar"; e perante todos desabotoou o gibam e tirou a manga da camisa fora, e dela rompeo e tirou de que lhe poseram o capello. Que desta maneira honrrava os que se tornavam aa fe de Nosso Senhor Jesu Christo.

 

Do que el-rey disse por dous ladrões que enforcaram em Portel

 

Capitolo XCII

 

Mandou el-rey hũa grande alçada de certos desembargadores à comarca d' Alentejo, e em Portel andavão dous yrmãos a saltear a cavallo e roubavam pola comarca muitas pessoas. E eram tam valentes homens e andavam em muito bons cavallos e armados de maneira, que as justiças nam ousavam de os cometer por cousas que ja tinham feytas sobre os quererem prender. Souberam os d' alçada como estavam em Portel, e com muita gente deram sobre elles; e fizeram em sua prisam tantas finezas que se falou muito nisso, que nunca os poderam prender senam depois de muyto  feridos e tam cansados que se nam  podiam bolir; e elles tinham feridos e desbaratados tantos, que pareciam que nam eram homens senam fortes bestas bravas. Foram logo ambos enforcados, e quando os d' alçada escreveram o caso a el-rey pesou-lhe muito de serem mortos, e disse que nam quisera que mataram taes homens, porque muyto melhor fora perdoar-lhes e mandá-los aos lugares dalem pois que tam valentes eram, que lá fizeram muito serviço a Deos e a elle. E aos d' alçada escreveo que taes homens nam deveram de condenar e justiçar sem primeiro lho fazer saber. Tanto estimava os homens que em qualquer cousa faziam aos outros avantajem, que sendo estes ladrões salteadores por serem muyto esforçados e forço­sos lhe pesou porque os mataram e lhes quisera dar a vida.

 

Do que el-rey escreveo ao conde de Borba sobre Fernam Caldeira

 

Capitolo XCIII

 

Hum Fernão Caldeira contador que depois foy d' Arzilla muito bom cavaleiro de sua pesoa, tinha hũa sua yrmaã solteira em Arronches e tendo-a casada honrradamente  em Lisboa foy lá pera a trazer; e dando-lhe conta ao que hia e como a tinha casada, ella lhe disse que nam podia ser, porque era casada com hum cavaleiro dahi homem honrrado que se chamava de Sequeira. Do que Fernam Caldeira ficou agastado, e foy logo em busca delle e lhe disse o que sua yrmaã lhe dissera, e lhe pedio por merce se assi era que a recebesse e que elle lhe daria o casamento que fosse rezam. E o Sequeyra lhe disse que nam era casado com sua yrmaã nem na conhecia nem avia com ella de casar. E Fernam Caldeira lhe tornou a dizer: "Ora peço-vos muito por merce que pois atee aqui a nam conheceis, que daqui em diante a nam conheçaes", e assi se apartaram. Teve Fernam Caldeira tal espia sobre ele, que dahi a muito poucos dias soube como jazia com a yrmaã. E soo aa mea-noite fez hum buraco em hũa parede, por onde entrou com elles e os matou ambos o cavaleiro e a yrmaã, e se acolheo logo a Castella e de Castella se passou a Arzila. Foy el-rey disso sabedor e quando soube que era em Arzilla, escreveo logo hũa carta ao conde de Borba em que lhe dezia: "Fernam Caldeira he lá por fazer hum feito d' omem, agardecer-vos-ey muyto honrrarde-lo e favorecerde-lo, porque de toda a honrra que lhe fezerdes eu receberey muito prazer e contentamento pois polla honrra fez tal feyto".

 

Do que el-rey fez a Gomez de Figueyredo provedor d' Evora

 

Capitolo XCIV

 

Hindo el-rey hum dia passeando a cavallo em Evora, veo a elle hum judeu, e deu-lhe capitolos de Gomez de Figueredo provedor da comarca, que fora muito privado e camareiro d' el-rey Dom Afonso seu pay. E el-rey porque vio que ouviram o que o judeu dezia por dissimular acenou aos moços d' estribeira que o arrepelassem, e disse alto: "Trazia-me capitolos de Gomez de Figueredo". E depois só secretamente mandou chamar o judeu e vio os capitolos; e por ser cousas de que ouve desprazer, dahi a muytos dias mandou chamar Gomez de Figueiredo e soo o reprendeo muito e lhe disse que se nam fora feitura de seu pay, que ele o castigara bem alem de lhe tirar o officio. Porém por nam dizerem que hia contra has cousas d' el-rey seu pay teria nisso temperança. E lhe fazia a saber que ele lhe tinha tirado seu oficio pollo nam servir nele aa sua vontade; e por nam cuydarem que o desonrrava nem lho tirava por descontentamentos que delle tevesse lhe fazia merce doutro  muito melhor e de mais honrra que era veador da casa do principe seu filho, que lhe logo deu sem ninguem saber que el-rey fora delle descontente, e tudo por ser feytura d' el-rey seu pay. E depoys da morte do principe por o dito Gomez de Figueredo ser muy honrrado e muito bom cavaleiro e homem de muito bom saber lhe tornou el-rey com grandes esconjurações a dar o dito oficio.

 

Da merce que el-rey fez a hum desembargador

por dar hũa sentença contra ele

 

Capitolo XCV

 

Tendo Joam Roĩz Paaes contador-mor de Lisboa hũa demanda em que muito hia com el-rey, se louvaram ambos em juyzes os principaes letrados que na Relaçam avia e pessoas virtuosas, que eram o doutor Ruy Boto chanceler-mor e o doutor Fernam Roĩz adayão de Coimbra, os doutores Joam Pirez e Ruy da Grãa, e o vigairo de Tomar, que depois foy bispo da Guarda e prior de Sancta Cruz, e todos deram sentença contra el-rey. E quando lho foram dizer, disse que folgava muito, e pois que todos foram contra ele que seria por lhe nam acharem  justiça. E perguntou qual fora o que primeiro votara; disseram-lhe que o vigairo de Tomar que vivia com o duque. O qual logo mandou chamar, e ele vindo com receo, el-rey muito alegre com palavras e geito de muito contente lhe disse: "Vigayro, eu vos tive sempre em muyto boa conta, e agora vos tenho em muito melhor por serdes o primeiro que votastes contra mi, que os bons e virtuosos assi o ham-de fazer quando eu nam tiver justiça; e para verdes quanto com isso folgo e vo-lo agardeço, hi falar com Antam de Faria e elle vos dara dozentos cruzados, de que vos faço por ysso merce pera ajuda de vossa despesa". O vigairo lhe beijou a mão e teve muito em merce, e foy a Antam de Faria que lhos logo deu.

 

Do que el-rey fez a Alvoro Mazcarenhas sobre outra demanda

 

Capitolo XCVI

 

Andando o precurador dos feitos d' el-rey em demanda com Alvoro Mazcarenhas sobre cousas da Mina onde estevera por capitam, estes mesmos doutores foram juyzes da causa e deram sentença contra el-rey, e o doutor Fernam Roĩz se foy a ele e lhe dise: "Senhor,  de-me vossa alteza alvissara que julgamos contra vós". El-rey disse que lha prometia, e mandou a todos que tornassem a ver o feito outra vez se per ventura era em obrigaçam a Alvoro Mazcarenhas por aver hum anno que o trazia em demanda. Viram-no todos e depois de bem visto lhe disseram que lhe não era obrigado em cousa algũa por quanto tevera rezam de alegar; e el-rey lhe fez todavia por isso merce de trinta mil reaes de tença.

 

Do que el-rey sobre outro feito passou

com o doutor Nuno Gonçalvez

 

Capitolo XCVII

 

Estando el-rey hum dia con desembargadores sobre hum feito seu depois de lido e ha casa despejada pera darem seus votos, disse o doutor Nuno Gonçalvez: "Senhor, nós nam podemos aqui votar neste feito"; perguntou el-rey porquê; disse ho doutor: "Porque vossa alteza he parte nele e está presente". El-rey levantou-se em pee avendo disso desprazer e disse-lhe: "Isso me aveis vós de dizer, como em mi se entende isso, se eu sam a mesma justiça como ey-de ser parte?"; respondeo o doutor: "Senhor, que vossa alteza seja a mesma justiça como o feito he convosco vós soes parte";  e el-rey com payxam passeou hum pouco polla casa sem falar nada. E tornou logo aa mesa, e encostado nella em pee disse: "Doutor, eu vos agradeço muito o que me dissestes e fizeste-lo como muito bom homem que soes. E a mi me parece assi como a vós que nam devo de ser presente e por isso me vou e todos julgay segundo vossas conciencias, e sayo-se logo e deyxou-os soos.

 

De hum homem a que el-rey deu a vida sendo julgado à morte

 

Capitolo XCVIII

 

Em Evora antes das festas do casamento do principe Dom Afonso, foy el-rey aa Relaçam hũa sesta-feira como sempre fazia; e na mesa grande era julgado hum homem à morte por matar outro e foy trazido diante d' el-rey; e por saber que era dado sentença que padecesse disse: "Senhor, quatorze annos há que sam preso e em quanto tive fazenda pera peitar sempre me alongaram meu feito e agora que ja nam tenho cousa algũa me julgaram à morte; e se entam me mataram eu soo padecera, e minha molher e filhos ficara-lhe fazenda pera se manterem;  e agora, senhor, matam todos poys tudo gastey por alongar a vida. Olhe vossa alteza ysto com olhos de piadade e de tam virtuoso rey como he". El-rey ouvindo as palavras ficou muyto triste e vio o começo do feito; e quando achou que dezia verdade e que avia quatorze annos que era preso disse aos desembargadores: "Melhor merecieis vosoutros todos ha morte que aqueste pobre homem, mas quem ha-de matar tantos?"; e chamou entam o homem e disse que lhe perdoava livremente, e que ele mandaria à sua custa por perdam das partes; e assi o fez e o mandou logo soltar; e disse-lhe que em quanto nam viesse o perdam que se fosse aas obras dos paços que ahi lhe dariam cada dia dous vintens; e o homem lhe beijou a mão e o fez assi. E el-rey dahi a tres dias foy ver as obras e vio lá o homem com hũa muito grande barba que avia quatorze ãnos que nam fezera, e disse-lhe: "Nam soes vós o a que eu dey a vida?"; respondeo: "Senhor, si"; disse el-rey: "Poys porque nam fazeys essa barba?";e o homem disse: "Senhor, por nam ter dinheiro que dar a quem ma faça". E el-rey lhe mandou dar ahi logo dous mil reaes e disse-lhe: "Ora yde logo fazer a barba e nam vos veja eu mais com ela"; e o homem se lançou a seus pes pera lhos beijar chorando com prazer e rogando a Deos por sua vida e seu estado.

 

De hum moço a que el-rey deu a vida

sendo tambem julgado aa morte

 

Capitulo XCIX

 

Neste mesmo tempo em Evora julguaram aa morte hum moço de desassete ãnos por matar hũa sua yrmãa e hum homem que com ella achou. E el-rey estando na Relaçam quando lhe leram a sentença mandou vir o moço diante si, e perguntou-lhe porque os matara; disse o moço: "Senhor, aquele homem por eu ser muito seu amigo o levava a casa de meu pay e ele começou d' atentar em minha yrmaã; e vendo eu que andava apos ella, lho disse muitas vezes a ambos e pedi que nam curassem disso, e ambos me desprezavam e davam pouco por mi; e hum dia por acerto e minha maa ventura os topey ambos metidos em hũa  mouta, e foy tamanha a dor e paixam que disso ouve, que com hũa azagaya que levava na mão os matey ahi ambos"; disse-lhe el-rey: "E nam sabias tu que se te prendessem que te aviam por ysso de enforcar?"; respondeo: "Senhor, si, mas antes me quis aventurar a ysso que sofrer tamanha desonrra, e a paixam me fez esquecer de tudo". E el-rey movido de piedade e contente das palavras do moço disse-lhe: "Poys o tam bem fizeste e assi ho sabes dizer bom homem deves de ser e eu te perdoo livremente"; e o mandou logo perante si soltar, e lhe ouve ainda por dinheiro perdão das partes, e o moço com prazer se lançou aos seus pees e lhos beijou; e todos folgaram de el-rey lhe dar assi a vida e lho louvaram muito.

 

Do que el-rey fez no feito do carcereiro João Baço

 

Capitolo C

 

No Limoeyro de Lixboa estava preso hum homem estrangeiro muito rico e estava julgado aa morte. Concertou-se com o carcereiro que se chamava Joam Baço, e per seu consentimento se fez muito doente e confessado e feito seus autos fez que morria. Vierão homens por elle em hũa tumba, e o levaram a soterrar yndo vivo e são e da ygreja fugio e se salvou, e o carcereiro se pôs em salvo. Quando o el-rey soube, ouve disso desprazer, e mandou poer tanta deligencia que ouve o carcereiro à mão; e desejando muito de o castigar quis estar ao julgar de seu feito com certos desembargadores, os quaes foram deferentes nos votos tantos de hũa parte como da outra. Que  huns o julgaram aa morte e outros o remetiam aas ordens. E disseram a el-rey: "Senhor, agora fica o feito em vossa alteza somente pera o castigar como quiser". E elle ficou hum pouco cuydoso sem falar como a homem a que pesara muito com ysso, e disse: "Eu certo desejava muito de castigar este homem por o caso que fez ser feo; porém pois sois tantos a hũa parte como a outra, a rey nam pertence senam yr aa parte da cremencia e dar a vida, e eu sam em lha dar e dou a ysso meu voto desejando muito o contrayro".

 

Doutro homem que el-rey perdoou sendo julgado que morresse

 

Capitolo CI

 

Julgaram na Relaçam hum homem à morte por dormir con hũa sua cunhada irmãa de sua molher, e ter della filhos. Vio el-rey o feito e achou que sendo a molher viva, elle tinha a cunhada em casa e que era moça fermosa, e que per morte da molher por descuido dos parentes ficara assi com elle das portas adentro, e que neste tempo a ouvera. E el-rey vendo ysto disse: "O diabo pode muyto e nossa fraca humanidade muyto pouco e neste peccado da carne ainda menos, e mais avendo ahi tantos azos de pecar como he estarem sos em hũa casa tanto tempo. E avendo respeito a tudo me parece que pois ysto he feito desta maneyra que por esta moça se nam perder seria mais serviço de Deos casá-los ambos e mandar-lhe despensaçam", e assi o fez. E lhe perdoou a morte e mandou aa sua custa pola despensaçam, e fez aynda merce aa moça pera se vestir que era prove.

 

De como el-rey deu a vida a outro homem

que estava pera justiçarem

 

Capitolo CII

 

Em hũa quinta-feyra d' Endoenças andando el-rey correndo as ygrejas, se pôs hũa molher em joelhos diante dele e chorando muito lhe disse: "Senhor, polo dia que oje he, e aa honrra das cinco chagas de Jesu Christo peço a vossa alteza que aja misericordia comigo"; e el-rey lhe perguntou que era o que queria; disse: "Senhor, meu marido he julgado aa morte, polla morte e paixam de Nosso Senhor lhe perdoay"; e el-rey lhe disse: "Molher, mayor cousa quisera que me pedireys por esse por quem  mo podis, eu lhe perdoo livremente", e logo dali lho mandou soltar. De que todos foram muy sastifeitos e ouveram enveja de tam bem feita cousa por ser em tal dia, e por amor de Nosso Senhor Jesu Christo que tantas cousas nos perdoa cada ora.

 

Do que el-rey disse a hum homem que lhe dizia mal doutro

 

Capitollo CIII

 

Hum homem honrrado disse hum dia a el-rey mal doutro, dizendo que sendo casado com hũa muito honrrada e muyto boa molher, era tam mao que tinha vinte mancebas; perguntou-lhe el-rey: "Quantas dizeis que tem?"; respondeo: "Senhor, vinte"; disse el-rey: "E ysso provar-lho-eis vós?"; e elle se afirmou que si; e el-rey lhe disse: "Ora hi-vos muyto embora, que quem tem mancebas nam tem manceba". E ysto lhe respondeo por nam dar orelhas a mexeriqueiros, e tambem porque nam se pode manter mais de hũa manceba e o al he ser hum homem amigo de molheres.

 

Do que el-rey disse ao corregedor da corte

 

Capitolo CIV

 

Disseram a el-rey que Joam Fernandez Godinho corregedor da corte dos feitos civeis, tomava peytas e fechava suas portas e despachava mal as partes. E el-rey por Joam Fernandez ser homem honrrado o quis primeiro amoestar pera que nam se emendando lhe dar hum grande castiguo, e o mandou loguo chamar e nam curou de muytas palavras soomente lhe disse: "Corregedor, olhai por vós e da maneira que viveis que me dizem que tendes as portas cerradas e as mãos abertas". E nam lhe disse mais porque confiava de si que ysto soo abastava.

 

Da maneira que el-rey deu hum oficio a hum homem

que lho pedio

 

Capitolo CV

 

Hum homem veo pedir hum oficio que vagara a el-rey a que disse que o tinha dado, e o homem lhe beijou a  mão; el-rey ficou enleado e disse-lhe: "Vós entendestes-me?"; respondeo: "Senhor, si"; disse-lhe el-rey: "Que he o que vos disse?"; e o homem tornou: "Dise-me vossa alteza que jaa o tinha dado"; disse el-rey: "Poys porque me beijastes a mão?"; e elle lhe disse: "Porque me podera vossa alteza remeter a hum official que me trouxera aqui hum mes apos si em que gastara vinte cruzados que aqui trago; e por estes beyjey a mão a vossa alteza porque delles me fez merce em me logo despachar"; e el-rey lhe tornou: "Ora por ysso vos faço merce do oficio, e eu darey outra cousa a quem ho tinha jaa dado", e lhe fez dele merce.

E outro homem veo pedir a el-rey outro oficio e trazia a petrina muyto alta, e el-rey lhe disse que o tinha dado, e elle perguntou: "Senhor, a quem?"; e el-rey lhe disse: "A hum homem que trazia a petrina em seu lugar".

 

Do que el-rey fez a hum homem que esperou hum touro

 

Capitulo CVI

 

Estando hum dia el-rey vendo correr touros em Evora no terreiro dos paços, estava hũa tranqueira mal concertada, e com muita gente nella. E hum touro muito bravo quis sayr por ella, e a gente toda fogio. Ficou somente hum homem que estava detras dos outros embuçado com hũa capa e hum sombreiro, o qual levou da capa e da espada e só aas cutiladas muyto vallentemente defendeo a passajem ao touro e o fez tornar atras. Pôs el-rey os olhos nelle pollo tam bem fazer, e o mandou logo chamar, e perguntou-lhe que homem era e com quem vivia e o que fazia na corte e tanto apertou com elle, que o homem lhe disse que tinha morto hum homem em Lamego, e que por nam ser conhecido na corte nem em Evora andava ahi escondido. Mandou el-rey logo chamar ho corregedor, e cuydando o homem que era pera o mandar prender e justiçar lhe disse: "Corregedor, emcomendo-vos muito que me livreis este homem de qualquer maneyra que poderdes que receberey nisso muyto prazer"; e o corregedor o fez assi; e tanto que foy livre el-rey ho tomou por seu criado e lhe fez merce; e desta maneira estimava e favorecia os valentes homens.

 

Do que el-rey fez por nam passar hum alvara em contrairo doutro

 

Capitolo CVII

 

Acabando-se el-rey hum dia de confesar disse ao confesor: "Padre, eu tenho dito tudo quanto me lembrou; agora vos requeiro da parte de Deos que se mais sabeis de mi que mo digaes"; e ho confessor lhe disse: "Senhor, esse he tam justo e tam sancto requerimento que por elle vos acrecentará Deos a vida e estado neste mundo, e no outro vos dara salvaçam; e sem mo vossa alteza mandar trazia em lembrança pera vos dizer, que me disseram que a hum homem do Algarve passáreis hum alvara, pollo qual deram contra outro hũa sentença em que perdeo dozentos mil reaes"; e el-rey lhe disse: "He verdade que eu passey esse alvara com falsa emformaçam; e quando o soube por nam passar outro em contrairo mandey chamar o homem, e secretamente lhe mandey por Antam de Faria dar dozentos mil reaes em ouro, e elle he bem contente e sastifeyto e lhe mandey que nam fallasse nisso".

 

Do que el-rey disse por Manoel de Melo

 

Capitollo CVIII

 

Manoel de Mello reposteiro-moor d' el-rey e yrmão do conde d' Olivença foy muito valente cavaleiro, e homem que el-rey por ysso estimava e fazia muita honrra. E estando por capitam em Tanjere pelejou com Barraxe e o desbaratou e matou muyta gente, sendo os mouros muyto mais sem conto que os christãos que foy hum honrrado e valente feyto e sem dano algum dos christãos. E sendo Manoel de Mello ja vindo, estando em Portugual, Barraxe fez ameude algũas corridas e entradas na terra de Tangere. Disseram-no a el-rey, e hum dia falando nisso aa mesa disse alto perante todos: "Guarde-se Barraxe nam tire eu o caparaçam  a Manoel de Mello". E com estas taes cousas aviventava tanto os esperitos e a honrra aos homens que nam trabalhavam por outra cousa senam por honrra e vertudes.

 

Das cortes que el-rey fez em Evora sobre o casamento do principe

 

Capitolo CIX

 

No mes de Janeiro de mil e quatrocentos e noventa, foram as cidades e villas principaes do reino apercebidas pera cortes geraes sobre o casamento do principe. Sobre que el-rey ordenou de mandar logo embaixada a Castella, e queria dos povos ajuda de dinheiro pera as festas do dito casamento; as quaes cortes se fizeram na cidade d' Evora a vinte e quatro dias do mes de Março logo seguinte dentro nos paços na sala da raynha que se armou muito ricamente; e se fez hum alto estrado ricamente alcatifado com grande dorsel de brocado e cadeira real pera el-rey, e outra abaixo dele aa mão dereita pera o principe, e na sala feitos assentos pera os senhores e pessoas principaes do conselho, e pera as cidades e villas todos segundo suas precedencias; e el-rey depois de todos os precuradores estarem assentados, veo com grande estado diante muitas trombetas, charamelas, e sacabuxas, porteiros de maça, reis d' armas, arautos, e passavantes, o porteiro-mor, e mestre-salas, veador, e veadores da Fazenda, camareiro-mor, e guarda-mor e mordomo-mor, e assi o regedor, chanceler-mor, e todolos oficiaes e desembargadores; e el-rey vestido em opa roçagante de brocado com rico forro e o ceptro na mão, e com ele o principe ricamente vestido, e o duque e todos outros senhores entrou na sala e se assentou em sua cadeira real e o principe junto com elle e o duque e todolos outros senhores e oficiaes em seus assentos ordenados; e como a casa foy ordenada e todos calados, o licenceado Ayres d' Almada corregedor da corte muito bem vestido de vestidos ricos que lhe el-rey deu, fez em linguajem hũa arengua de muytos louvores d' el-rey e das muitas obrigações em que lhe seus povos e todos os do reino eram, alegando os grandes perigos e risco de sua pessoa que passara nas guerras, e o vencimento da batalha de Touro, e como posera o principe seu filho em terçarias, e o apartara tanto tempo de sua vista, tudo por dar a elles paz e sossego, e os livrar de guerras e manter em muita paz e justiça; e assi dos grandes proveitos que a todos em geral vinha de o dito casamento se acabar, e das grandes festas que por ysso queria fazer; e que por estar sem tanto dinheiro quanto avia mester lhe rogava que o quisessem com ele ajudar; e que nam lhe pedia cousa certa senam o que elles por suas vontades quisessem e podessem boamente fazer. E os precuradores todos pollo muito amor que os povos a el-rey tinham, e por lhe parecer rezam depoys de nisso praticarem e averem seu conselho, logo sem lhe mais ser falado fizeram com muito boa vontade a el-rey serviço de cem mil cruzados, que lhe ele muito agardeceo ho serviço e boas vontades. De  que logo fazerão pollos povos suas repartições, e el-rey pôs os recebedores e officiaes e todos ficaram contentes.

 

De hũa nova justiça que el-rey mandou fazer

 

Capitolo CX

 

Neste ãno de mil e quatrocentos e noventa, estando el-rey em Evora antes da vinda da princesa, lhe foy dito que em Lixboa em casa de hum cavaleiro que se chamava Diogo Pirez do Pee, e vivia junto da praça da palha, se jugavam dados e cartas e outros jogos, com que Deos era desservido e seu sancto nome renegado, e o de Nossa Senhora e dos sanctos brasfemados. E como el-rey era muy catholico, devoto e amigo de Deos por atalhar e evitar tamanho mal, e por castigo do que nas ditas casas se fazia, pollo mesmo caso na  metade do dia com pregam de justiça as mandou queymar no primeiro dia de Junho do dito anno. De que na cidade foy grande espanto e alguns homens que em suas casas  tinham jogos e tavolajens com muito grande receo se tiraram logo disso.

 

Da tomada de Targua e Camice

 

Capitolo CXI

 

Barraxe mouro principal e grande senhor que atras se disse neste ãno de quatrocentos e noventa, tratava de tomar a cidade de Ceyta per manha e ardil de hum Lopo Sanchez cavaleiro que nella estava e fengio de lha dar, de que loguo mandou aviso a el-rey estando em Evora; e o concerto antre ambos chegou a tanto que parecia que por Barraxe fiar tanto no dito Lopo Sanchez o poderiam com hum trato dobrez tomar dentro na cidade. Pera o qual el-rey mandou Dom Fernando de Meneses filho mayor e erdeiro do marquês de Villa Real, pessoa de muyto merecimento que depois foy marquês. E depois de el-rey com elle estar e tomar concrusam do que avia de fazer, partio pera Ceyta com cincoenta vellas que no Algarve com muyta brevidade foram armadas e aparelhadas de todo o necessario, e nellas muyta e boa gente e assi chegou a Gibaltar. E Fernam de Pina  escrivam da camara era diante sobre ho dito trato pera de lá o avisar do que nisso se passasse. O qual por nam achar o tratamento certo, avisou Dom Fernando que em Gibaltar entrasse de noyte por nam ser visto dos mouros, porque com sua vista se perderia a esperança do dito trato e de qualquer outra cousa que quisesse fazer. E o dito Dom Fernando e Dom Antonio seu yrmão que em Ceyta estava por capitam acordaram com conselho de fidalgos e cavaleiros que laa estavam que em tanto fossem dar na villa de Targua que he na costa; a qual depois de bem vista e espiada partiram para laa com a dita frota e com alguns navios de Ceita e de Castella que se a ella ajuntaram bespora de Ramos. Na qual frota hiam dous mil homens e nam mais que cento e cincoenta de cavallo. E Dom Fernando mandou sayr a jente em terra em tam boa hordem e regimento que a villa foy logo entrada e sem nenhũa resistencia tomada; porque os mouros tanto que viram que a dita frota hia sobre elles, hos mais se acolheram logo às serras onde se salvaram; e porém alguns foram mortos e captivos, e a vila toda roubada e queimada e derribada pollo chão, e talada das arvores e cousas principaes de fruito. E acabado o feyto Dom  Fernando fez cavaleiros Dom Anrrique e Dom Diogo seus yrmãos que com elle eram, e muytos fidalgos e pessoas honrradas. E acharam no porto de Targua vinte cinco navios antre grandes e pequenos, e na casa da tereçana, bombardas, polvora, e salitre, e ancoras, e muytas lanças, couraças, e capacetes, e muytas ferramentas d' almazem que todo recolheram. E acharam trinta christãos captivos que salvaram e trouxeram a Ceita alem doutros que loguo passaram a Castella. E com ysto outro muyto despojo da villa com que entraram em Ceita sesta-feira d' Endoenças com muito prazer, sem algum dos christãos ser morto nem ferido de que o dito Dom Fernando, como bom capitam foy muy louvado.

E nam sastifeito disto desejando de fazer mais serviço a Deos e a el-rey e acrecentar mais em sua honrra, porque o trato principal de Barraxe a que fora hia ja perdendo esperança de concerto, per conselho e acordo que fez com Dom Martinho de Tavora capitão d' Alcacer Ceguer, e com Manoel Paçanha que estava em Tanjere por capitão, e com outras pessoas que o bem entendiam, determinou hir a Camicee e destruy-lo, que era lugar sem cerca, posto nas mais asperas e altas serras de todo Africa, a que os mouros por sua grande fortaleza e muyta povoaçam, e por atee entam nunca de christãos ser cometido nem visto chamavam o Encantado. Pera a qual hida se ajuntaram em Alcacer donde partiram quatrocentos de cavalo e mil e dozentos homens de pee. E depoys de serem junto do lugar vendo os que nisso mais entendiam sua grande fortaleza e muy perigosas entradas ouve muyta duvida se o cometeriam e porém repartiram a jente pera cometer e segurar o perigo e com muito esforço e ardideza cometeram o lugar, em que acharam muitas povoações e entraram o mais forte delle pellejando tam valentemente, que os mouros desempararam o lugar e se meteram per branhas e serras onde nam escaparam de mortos e captivos, porque ha serra era jaa tomada dos christãos. E o lugar foy tomado, roubado e queimado; e ao recolher por ha terra ser muyto aspera e tam maa, que huns aos outros nam podiam socorrer, morreram dos christãos  setenta e dos mouros quatrocentos e captivaram cento. E tomaram grande cavalgada de cavalos, bestas, e gado, e muyto despojo da villa, o que tudo foy em Alcacer repartido segundo suas ordenanças a contentamento de todos. E logo Dom Fernando se  veo à corte e foy d' el-rey com muita honrra recebido dando-lhe muytos agardecimentos por seus honrrados serviços.

 

De como foy mudado o Moesteiro de Sanctos

 

Capitolo CXII

 

Aos cinco dias de Setembro deste anno de quatrocentos e noventa, mandou el-rey mudar e trasladar o Moesteiro de Sanctos, que estava em Sanctos-o-Velho onde ora sam os paços alem de Boa Vista pera o lugar onde ora estaa, que he Sancta Maria do Parayso antre o Moesteiro de Sancta Clara e o Moesteiro da Madre de Deos. O qual moesteiro he da hordem de Santiago, e el-rey o mandou ali fazer de novo e as reliquias dos martires que no moesteiro velho estavam foram lá levadas em hũa tumba dourada e a comendadeira que se chamava Violante Nogueira molher de muita vertude e honestidade, e assi todas as donas do convento foram no dito dia levadas a pee com solene priciçam do cabido e todas as ordens e cruzes ao dito moesteiro, no qual sempre viveram honestamente.

 

De como o senhor Dom Jorge veo a primeira vez aa corte

 

Capitolo CXIII

 

Quando el-rey Don Afonso o quinto faleceo que foy no mes d' Agosto de mil e quatrocentos e oytenta e hum, naceo o senhor Dom Jorge filho d' el-rey que sendo principe e casado ouve de Dona Anna de Mendoça molher muito fidalga e moça fermosa de muy nobre geraçam. O qual el-rey mandou criar em poder da infanta Dona Joana sua irmã que estava em Aveiro, a qual o criava muyto honrradamente como o pertencia a filho d' el-rey seu yrmão. E porque neste anno de mil e quatrocentos e noventa a infanta Dona Joana faleceo, el-rey quis mandar trazer seu filho aa corte pera que junto de si fosse criado, e primeiro que o fizesse pedio aa raynha sua molher que o ouvesse assi por bem, e lhe nam lembrassem payxões que sobre ysso ja tevera pois ante elle eram tam esquecidas. E a raynha por suas grandes virtudes e muita bondade, e polo  grande amor que a el-rey tinha, nam abastou consentir nisso mas ainda pedio por merce a el-rey que lho deyxasse criar em sua casa e que como a proprio filho o criaria; de que el-rey foy muyto alegre e mandou logo por elle.

E entrou ho senhor Dom Jorge em Evora a quinze dias de Junho, e vinha com elle o bispo do Porto Dom Joam d' Azevedo e outras pessoas honrradas. Sayram a o receber fora da cidade o principe seu yrmão e ho duque e todolos senhores e fidalgos e nobre gente da corte, e nam lhe foy feyto festa algũa por caso da morte da infanta sua tia que avia pouco que falecera. E ho senhor Dom Jorge quisera beijar a mão ao principe a pee, e ele o nam consentio, e a cavallo lha deu e abraçou com honrra de proprio yrmão e assi o abraçou o duque e o marquês e os senhores de titolo que ahi eram, e antre o principe e ho duque veo com muita honrra beyjar as mãos a el-rey seu senhor e padre que com muyto prazer e honrra ho recebeo nas casas de Joane Mendez d' Oliveira onde entam pousava, pollas muitas e grandes obras que nos paços entam se faziam pera a vinda da princesa. E dahi foy logo o senhor Dom Jorge beijar as mãos aa raynha que com mostranças de muito amor e muita honrra o recebeo e recolheo logo pera si com cuydado e carrego de todallas cousas que a sua vida, criaçam e bom emsino compriam, o que sempre se assi fez em quanto andou em sua casa muy inteyramente que foy atee o tempo da morte do principe como adiante se dira.

 

Do principio do casamento do principe Dom Afonso

com a princesa Dona Isabel, e das grandes festas que se fezeram

na cidade d' Evora

 

Capitulo CXIV

 

Por que as guerras passadas antre os reys e reynos de Portugal e Castela se acabassem, por serviço de Deos e bem dambos os reynos, foy feyta e assentada paz perpetua per meo da senhora ynfanta Dona Breatiz, antre os ditos reys e reynos e socessores delles, por ser pessoa que tanta licença tinha em ambos que era mãy da rainha Dona Lianor nossa senhora e tia da raynha Dona Isabel de Castela yrmã da rainha sua mãy, a qual paz se fez no ãno de mil e quatrocentos e setenta e nove. E pera mayor firmeza e segurança, foy concertado e jurado casamento antre o principe Dom Afonso e a princesa Dona Isabel, que ao tal tempo eram infantes por ser em vida d' el-rey Dom Afonso. E por nam serem entam de ydade pera logo poderem casar, se assentou e concertou que fossem ambos postos em terçaria na villa de Moura que he junto do estremo, em poder da dita ynfanta Dona Breatiz que os ahi avia de ter a grande recado como teve. E depois da morte d' el-rey Dom Afonso por consentimento dos reys seus padres, por causas justas que pera ysso teveram, sayram o principe e ynfanta da dita terçaria com algũas condiçoẽs que conformavam a dita paz e amizade; antre as quaes como atraz fica dito foy hũa que chegando o principe à hidade de quatorze ãnos, estando entam a dita infanta Dona Isabel por casar que casassem ambos. E porque a este tempo o principe entrava em quinze annos e a ynfanta nam era casada, desejando el-rey acabar o dito casamento, mandou sobre ysso a Castella por embayxadores Fernão da Silveira  condel-mor e regedor da Casa da Sopricaçam, o doutor Joam Teixeyra chançarel-mor destes reynos, e por secretario da embayxada Ruy de Sande, que depois foy Dom Rodrigo de Sande que jaa sobre ho dito casamento fora aos ditos reys e o deyxara bem concertado. Ha qual  embaixada foy muito honrradamente com muytos fidalgos muy galantes e ricamente ataviados e partio da cidade d' Evora no começo do mes de Março. E a requerimento da raynha de Castella levavam o principe tirado polo natural, que era o mais fermoso e gentil homem que no mundo se sabia. El-rey e a raynha de Castella e o principe seu filho, a princesa e infantes e toda a corte estavam na cidade de Sevilha. E tanto que a dita embaixada partio, el-rey como virtuoso e catolico principe, porque o principal de seus fundamentos era no serviço e amor de Deos, mandou logo com grande devaçam muytas esmollas a todolos moesteiros e casas virtuosas do reino, encomendando muito a todos que em suas orações, jejuns e obras meritorias pedissem a Deos que no dito casamento fizesse o que mais fosse seu serviço e bem destes reynos, e que nam deixassem de fazer as ditas devações atee se ho dito casamento acertar, ho que se fez muy inteiramente com muyto amor e devaçam.

E hos ditos embayxadores chegaram aa cidade de Sevilha, e foram per todolos grandes da corte, do reino e da cidade recebidos com tanta honrra e cerimonias, quanto atee entam nunca foram recebidos embayxadores de nenhum rey. E assi lhe foram feytas outras muytas honrras e favores de honrrados apousentamentos, presentes, e visitações. Em que craro se via ho muyto prazer e contentamento que todos em geral e espicial com sua yda tinham. Ho que muyto mais viram nas proprias pessoas d' el-rey e da raynha, quando os embayxadores lhe deram sua embayxada, cuja substancia era requerem e concordarem o dito casamento. Que logo sem duvida nem dilaçam algũa se concordou; e logo ho dito Fernam da Silveyra que pera ysso levava suficiente e abastante precuraçam, em nome do principe per palavras de presente como manda a Sancta Madre Ygreja de Roma recebeo a dita princesa Dona Isabel por sua molher, per mão do cardeal Dom Pero Gonçalvez de Mendoça, perante el-rey e a raynha, o príncipe e infantas suas yrmãas, e muitos e grandes senhores com muyto grande solenidade, o domingo da Pascoella a noyte deste anno de mil e quatrocentos e noventa; na qual noite e outros dias seguintes ouve em Sevilha muito grandes e sumptuosas festas de momos e justas reaes, em que el-rey justou e foy mantedor, e assi justaram muitos grandes e pessoas principaes e ouve outras muytas e grandes festas.

 

De quando veo nova a el-rey do principe ser recebido em Sevilha

 

Capitolo CXV

 

E porque el-rey era avisado pelos ditos embaixadores do dia em que o dito recebimento avia de ser, pera em poucas oras saber quando se fizera, ordenou paradas de cavaleiros de sua guarda homens deligentes e em cavalos muito ligeiros d' Evora até Sevilha de tres em tres legoas, pera que tanto que o recebimento fosse acabado, a todo correr de hum em outro viesse a nova. A qual deu a el-rey Felipe do Casal irmão de Ruy de Sande que era o derradeiro e estava na Torre dos Coelheyros. E chegou com ella a el-rey logo ao outro dia segunda-feira ainda de dia andando passeando na praça; e sayra aquella ora de casa do secretairo Afonso Garces de receber hũa sua filha com hum Luis da Costa que vivia em Alhos Vedros, que el-rey entam foy casar em pessoa, e com elle o principe e o duque e outros muytos senhores.

Ha qual nova foy d' el-rey e do principe e de todolos grandes e nobres e de todo o povo ouvida com tanto prazer e alegria que mays nam podia ser, dando todos principalmente muitas graças a Deos. E el-rey tinha prestes sem se saber per toda a cidade, pera que tanto que ha nova viesse, muitas e muyto grandes fogueiras por todas as praças, ruas principaes e todas as torres do muro e da cidade, e pollos muros, torres, e lugares altos da cidade, muitas infindas bandeiras, muitas bombardas, e outros tiros de fogo, e foguetes, muytas trombetas, e atambores, charamellas, e sacabuxas, e que todos os sinos repicassem, e as ruas, praças, muros, e torres muito enramados de ramos verdes; e isto era repartido por muitos homens sem se saber. E tanto que a nova foy dada a el-rey todas estas cousas se fizeram juntamente com tanta brevidade e presteza que foy cousa espantosa. E era tamanho o estrondo que com ysso e com a grita da gente parecia que a terra tremia: tudo muito  pera ver por ser tam supitamente, e feyto em muyta perfeyçam.

El-rey e ho principe da praça onde andavam se forão logo aa See a darem muytas graças a Deos, e acabado dahi aa casa da raynha onde jaa acharam tanto alvoroço, tanto prazer, e alegria, assi nella como em todalas damas que nam se pode estimar. E loguo ouve muyto grande serão de muytas danças, e baylos, e allegrias, e muytas  festas. E toda a gente da cidade foy logo posta em danças e folias, com ynfindas tochas na praça e no terreiro dos paços, e por todas as ruas principaes, e tanta gente honrrada e nobre, e assi a do povo que nam cabia, nem se vio nunca tanto alvoroço e alegria. E muitos velhos e velhas honrradas com o sobejo prazer, foram juntos cantar e baylar diante el-rey e a raynha: cousa de que suas ydades os bem escusavam. Nos quaes entrou Ruy de Sousa e Diogo da Silva que depois foy conde de Portalegre, homens ja de dias e de muita autoridade; e em vindo el-rey da See com o principe e o duque e con muito grande estado lhe sayo aa rua cantando com hum pandeiro na mão Dona Briolanja Anrriquez dona muito honrrada molher d' Aires de Miranda; e el-rey com prazer a tomou nas ancas da mula e a levou assi com muita honrra onde a raynha estava. E nam somente foy ysto nos paços d' Evora, mas em todo o reino, tanto que a nova foy sabida sem mandado d' el-rey, senam de suas proprias vontades faziam todas as festas que podiam; e os cavaleiros dos lugares dos estremos de Castella com a muita alegria desta nova se ajuntaram todos, e com as bandeiras dos lugares partiam e se vinham todos a cavallo ao estremo dambos os reynos, e à vista dambos por sinal da paz que antre elles ja  avia, e do muito contentamento e prazer do dito casamento abaixavam e alçavam muitas vezes as bandeiras com grandes gritas e prazeres rogando todos a Deos por as vidas do principe e princesa, lembrando-lhe quam poucos annos avia que com as ditas bandeiras sayam dos ditos lugares com muito odio, guerras, pelejas, e mortes dambas as partes, e agora com tanta paz e sossego.

E logo ao outro dia terça-feyra polla menhaã cedo, el-rey, ho principe, e ho duque com todollos grandes e fidalgos da corte, e a raynha com suas damas e as senhoras e donas honrradas da corte e da cidade cavalgaram muito ricamente vestidos, e diante delles hos mouros e judeus com suas touras, guinolas, e festas, e assi todo ho povo com muytas folias e envenções de prazeres, foram ao Mosteiro de Nossa Senhora do Espinheiro a ouvir missa e dar a Deos muitas graças e a ella. E lá no moesteiro comeram, e aa tarde com grande estrondo de prazer se tornaram aa cidade em que pollas praças e ruas ouve comeres mui abastados, e nos paços muitas danças e festas atee acerca da menhaã.

E logo a quarta-feira o pateo dos paços onde ora estam as bestas foy toldado per cima e todo  ricamente armado com estrado real e dorseis de brocado, e ouve nele momos reaes e muito ricos en que entrou el-rey com os senhores casados, e o principe e o duque cada hum per si com muitos fidalgos de suas casas, e assi outros muytos fidalgos todos com grande riqueza e singulares antremeses e muita galantaria em perfeiçam, e foram tantos e tantas danças que a noite nam abastava. E aa quinta-feyra ouve na praça da cidade touros e canas, a que el-rey e a raynha vieram com muyto grande estado e riqueza, e todas as damas com muyta nobre gente.

 

Da morte da ynfanta Dona Joana yrmaã d' el-rey

 

Capitolo CXVI

 

E estas e outras muito mayores festas se ordenavão cada vez em mayor perfeiçam e mayores despesas se nam fora a morte da infanta Dona Joana yrmãa d' el-rey que entam se finou no Moesteiro de Jesu cl' Aveiro onde estava solteira sem casar, e falleceo em ydade de trinta e seys annos. De que el-rey foy bem anojado porque nam tinha nem teve outro irmão nem yrmaã, e queria-lhe muyto grande bem, e estimava-a muito por ser singular princesa de muytas virtudes, bondades, e perfeições, muito catolica, devota, e amiga de Deos, e muy obediente a el-rey seu yrmão, por que elle e a raynha, o principe tomaram grande doo, e os paços todos foram desarmados de panos ricos e armados de panos azues, e assi toda a corte tomou doo. El-rey lhe fez logo muito solene saymento com muyta despesa em muyta perfeiçam no Moesteiro de São Francisco da dita cidade. E sentio el-rey muyto sua morte por ser em tam poucos dias que nam ouve tempo pera elle a poder yr ver e estar com ella em tal hora. Porque parecendo aos que com ella estavam que a doença nam era de tanto perigo, o nam fizeram saber a el-rey, que por ysso foy muito triste; e lhe pareceo que falecer em tal tempo fora em pendença do sobejo prazer e alegria que por este casamento tomara, que por el-rey ser muyto catholico todalas cousas que lhe aqueciam, se eram boas atribuya a Deos, e as maas a seus peccados, dando com tudo louvores a Nosso Senhor.

 

De como el-rey e a raynha de Castella notificaram

o dito casamento a el-rey e aa raynha

 

Capitolo CXVII

 

E tanto que o embaixador Fernam da Silveira recebeo a princesa em Sevilha como fica dito, logo el-rey e a raynha de Castella, o noteficaram a el-rey e à raynha per suas cartas, com palavras de muyto amor e grande contentamento. E assi escreveo a princesa ao principe com muyta prudencia e honestidade; has quaes cartas trouxeram moços fidalgos filhos de grandes senhores de Castella a que foy feito muito gasalhado e dado ricas merces aa partida. E el-rey, a raynha e o principe lhe responderam a el-rey em muita conformidade com grande amor e alegria e as repostas levaram outros nobres moços fidalgos, a que lá tambem muito favoreceram e fizeram muitas merces. E estas visitações dambas as partes se fizeram muytas vezes atee a vinda da princesa.

E porque compria muyto com cedo dar-se grande aviamento às muitas e grandes cousas que el-rey ordenava de fazer com todo o sentimento da morte da infanta nam deixou de prover com muito cuidado e deligencia todo o que pera a vinda da princesa cumpria, que se esperava logo no Outubro seguinte, porque ordenou el-rey e quis que seu recebimento fosse feito com as mayores honrras, festas e cerimonias, que nunca a outra princesa nem raynha foram feitas. E logo pera ysso ordenou de ter em  seus paços casa apartada que se chamava das festas em que se nam entendia em outro despacho, de que deu carrego a Dom Martinho de Castelbranco veador de sua Fazenda, homem de muyta confiança e a elle muyto aceyto, e galante pera o tal carrego poys era pera gentileza e galantaria; e com elle Anrrique de Figueyredo escrivam da Fazenda muyto grande oficial e homem de muyto bom saber, e assi outros oficiaes pera ysso escolhidos, que entendiam em cuydar, praticar, e ordenar todalas cousas que lhe pareciam serem mais convenientes e necessarias pera mays comprimento e mayor perfeiçam das festas; porque el-rey ordenou e mandou que fossem as mayores, mais reaes e mais perfeitas que se podessem fazer, assi nas cousas que tocavam às cerimonias reaes que nas visitações e recebimentos se esperavam, como em apousentamentos, abastança de mantimentos, e outras muitas policias, e sala da madeira pera banquetes e consoadas, e justas, momos, touros, e canas e antremeses; e principalmente de ouro, e prata, borcados, e seda pera el-rey fazer merces, e tapeçarias, e ricos panos, cavallos, arneses, lanças, e armeiros, borladores, e oficiaes de chaparias, e canotilhos, ourivezes, esmaltadores, jaezes, e douradores, ginetes, e mulas, e sirgueyros. E assi fruytas, conservas, especearias, açucares, meles, e manteyga, carnes, caças, e pescados, e todo o mais que cumpria. O que tudo se logo proveo com tempo antes d' aver necessidade de nada. E escolheo logo pera cada carrego homens que pareceo que o melhor saberiam fazer e os mais autos que no reyno pera ysso achou; e tudo se fez com tanta deligencia, abastança, e perfeiçam, e as festas foram em tudo tam reaes e tam ricas, que jaa em Espanha pera sempre seram lembradas soos e sem comparaçam.

E antre has cousas que el-rey com hos deputados ordenou, foram algũas as seguintes. Primeyramente el-rey per suas cartas e com palavras de grande confiança, amor e prazer, notificou o dito casamento a todolos perlados, senhores, e fidalgos principaes de seus reynos, e os convidou pera as festas delle, encomendando a todos que trouxessem consigo somente hos continos de suas casas, e que de suas pessoas, casas, camas, e mesas, viessem apercebidos quanto melhor podessem, pera que con honrra e abastança podessem agasalhar e festejar os senhores estrangeiros que às festas viessem. E a muytos escreveo e encomendou que trouxessem suas molheres como trouxeram muy ricamente ataviadas. E enviou com muyta  deligencia e muyta abastança de dinheiro muitas pessoas per mar e por terra a Levante e a Ponente a comprar todas as cousas que pera arreo e comprimento de tam ricas festas eram necessarias. E ainda pera mayor perfeiçam dellas mandou notificar a todallas gentes e nações do mundo, que poderiam aas ditas festas trazer ou enviar suas joyas, brocados, tellas, sedas, e ricos panos, e todas as outras cousas que pera ellas fossem necessarias, e os franqueou geralmente de todolos dereytos que delas ouvessem de pagar, e que o preço delas podessem tirar em ouro ou em prata, e asi se cumprio muy inteiramente. E mandou logo hũa caravela muy armada a Italia com feitores pessoas de que confiava, com grande soma d' ouro que compraram e trouxeram grande soma de ricos brocados, tellas d' ouro e de prata e muitas e muy ricas sedas, e assi muita pedraria e outras muitas cousas pera as ditas festas, assi pera arreos e vestidos das pessoas reaes e suas salas, camaras, camas, e guarda-roupas, como pera toda a corte. E tanta foy a cantidade que dos ditos brocados e sedas se comprou e pera o dito casamento foram necessarias, que pera as receitas que levavam, nam abastaram quantas acharam em Genoa, Florença, e Veneza, especialmente brocados e sedas  que ainda deixaram muitas fazendo-se nos teares que depois foram trazidas.

E porque na cidade de Lixboa principal do reyno ao tal tempo morriam nela de peste, e por isso se nam podiam fazer nella as ditas festas como el-rey por mayor perfeição desejou, determinou que fossem na cidade d' Evora que he a segunda do reyno; e posto que nella ouvesse nos paços apousentamentos em que el-rey e a rainha, o principe e a princesa se podessem bem agasalhar, porém por que todas as cousas do dito casamento fossem em grande perfeiçam, mandou el-rey sem embargo da grande brevidade do tempo acrecentar e fazer nos paços muytos apousentamentos de novo com grandes sallas e camaras pera si e pera o principe e princesa. E quis que a brevidade do tempo se comprisse com grande soma de dinheiro e infinitos oficiaes que nas ditas obras andavam, que era cousa espantosa o que logo assi se fez e comprio, com tanta diligencia e perfeiçam que parecia cousa impossivel. Mas os oficiaes eram tantos de todolos oficios, que juntamente lavraram que era cousa muito pera ver; e em seis meses fizeram obras que ouveram mester bem de annos.

Mandou mais vir d' Alemanha, Frandes, Ingraterra, e Yrlanda em navios muytas e muy ricas tapacerias e panos de lam muyto finos, e forros de martas, arminhos, e outros forros, e facaneas fermosas e muyta prata em pasta. Muitos e boõs cosinheiros, muitos menistres altos e baixos, cuja vinda e aviamento destas cousas custou muyto dinheiro. E assi mandou de Castella e outra partes vir muitos ourivezes pera fazerem arreos e outras cousas esmaltadas, e muytos douradores e todos boõs oficiaes de todolos oficios; e assi os mercadores pollos favores e liberdades que recebiam acodiam de muytas partes onde el-rey estava.

E todolos brocados, telas d' ouro e sedas que vieram de Ytalia e assi outros infinitos que mandou comprar e trazer das feiras das cidades e villas de Castella, mandou el-rey recolher ao tesouro de sua casa. Das quaes cousas a seus cortesãos e a outros muytos do reyno e fora delle fez muito grandes e liberaes merces. E a outros que assi o queriam por lhes fazer merce mandava dar emprestado todo o que do tisouro aviam mester, e o tisoureiro recebia depoys os pagamentos pollas tenças e desembargos que do dito senhor tinham atee tempo de dous annos. E os preços das cousas que assi recebiam eram per juramento apressados em sua justa avaliaçam que foy grande aviamento e merce aos homens acharem o que queriam fiado por seu justo preço, e nam no mandaram comprar fora onde em tal tempo lhe custava o dobro.

E ordenou que a todo fidalgo que quisesse justar lhe fosse dado cavalo e armas que ouve de muytas partes, e pera ajuda da despesa da justa dozentos cruzados de merce em brocados e sedas quaes quisessem que lhe logo eram dados no tesouro. E aos fidalgos que nam justavam e fossem para dançar e fazer momos, que os que em momos quisessem entrar, dessem a cada hum de merce nos ditos brocados e sedas cem cruzados, e a alguns dozentos segundo as calidades de suas pessoas. E ysto asi da justa como dos momos per ordenança sem por ysso beijarem a mão a el-rey nem tirarem despacho algum.

E a todos seus oficiaes-mores, mordomo-moor, veadores da Fazenda, guarda-mor, camareiro-moor, porteiro-moor, veador e mestre-salas, fez muyto grandes merces e a todos os outros vestidos de ricas sedas e brocados e outras merces. E a todolos moços da camara, e da capella, porteiros de maça, reys d' armas, arautos, e passavantes, moços d' estribeira, reposteiros, deu  vestidos de finas sedas e muitos moços d' estribeira  foram vestidos de ricos brocados. E aos pajes que eram quatro afora o paje da lança deu muytos e muito ricos vestidos, e assi a muytos moços fidalgos.

E assi foy ordenado e feyto orçamento como despesa necessaria e principal, quanto se poderia dar de merce e dadivas, por el-rey e raynha e o principe aas pessoas de toda calidade que aas festas viessem assi em ouro amoedado como em coraes, joyas, bayxellas de prata lavrada, e borcados, sedas, cavallos, escravos, o que tudo se comprio em muyto grande abastança; porém as festas e comprimento delas socederam de maneira, que a despesa destas cousas passou muito polla ordenança; o que tudo se cumprio com muyta grandeza e louvor d' el-rey.

E mays segurou el-rey por dous annos as rendas de todos aqueles que pera despesa das festas as arrendassem antecipadas quer fossem ecclesiasticas quer seculares; e deu a todallas pessoas que aas festas per seu mandado viessem espaço de hum anno pera a paga de suas dividas de qualquer calidade que fossem, e outro anno as demandas, e ysto nam se entendia quando as taes dividas e demandas tambem tocavam a pessoas que viessem aas festas porque em tal  caso este privilegio nam avia lugar.

E proveo-se mais de muita infinita cera que pera festas he adiçam muy principal, a qual cera se ouve de Berberia e de Guine. E assi de muitas fruitas verdes, e de tamaras, açucares, e conservas, especearias, meles, manteiga, arroz e todalas outras cousas desta calidade em muito grande avondança pera banquetes e consoadas; e proveo-se nos portos de mar com dinheiro que laa foy enviado por pessoas pera isso ordenadas que fizessem sempre pescar todolos pescados d' estima, e enviá-los aa corte com muita pressa huns frescos e outros en conservas. E mandou que de todallas comarcas derredor fosse trazido per contrebuyçam geral muyto trigo dos lavradores, farinha, e cevada, vacas, carneiros, porcos, e outras calidades de mantimentos, por que nunca falecessem e sempre sobejassem; e estas cousas se davam e repartiam ordenadamente e com proveito e prazer de seus donos; e ordenou mais que os caçadores de toda sorte, e os pescadores de rio daquellas comarcas, depois da princesa ser entrada em Portugal, e as festas durassem sempre continuadamente caçassem e pescassem per giros, e as caças e pescados enviassem logo aa corte per torteiros que pera ysso eram ordenados. E ordenou mais que de todo o reino permar e por terra seus almoxarifes e oficiaes mandassem aa corte, galinhas, capões, patos e adens, pavões, e outras muitas aves; e mandaram tam grande numero dellas que foy certo que as ditas aves durando as festas comeram mais de cem moyos de trigo, porque tanto se levou em conta e despesa aos oficiaes que delas tinham carrego en casas e quintaes que lhe pera ysso deram; e lhe davam de comer muyto e beber pera que estevessem gordas. Ordenou que das partes ao redor d' Evora mais chegadas constrangessem os lavradores criadores pera trazerem junto da cidade muitas vacas e cabras paridas pera manjares de leite, e assi porcas com leitões e vacas com vitellas, as quaes cousas seus donos vendiam aas suas vontades, e porém honestamente. E mandou que de todalas comarcas ao redor fossem trazidas a Evora muytas camas porque as da cidade pera a muita gente que chegava nam podiam abastar; e estas foram entregues a pessoas deputadas que as davam, e depois recolhião per boa e segura recadaçam todas com sinaes, pera saberem cujas eram e se darem a seus donos. E assi mandou que de todalas mourarias do reino viessem às festas todolos mouros e mouras que soubessem bailar, tanger e cantar; e a todos foy dado mantimento em abastança e vestidos finos, e enfim lhe foy feito merce  de dinheiro pera os caminhos. E mandou que dos lugares mais acerca viessem mancebos gentis homens e moças fermosas que soubessem bem cantar e bailar pera bailos e folias, e a todos foy dado de vestir de panos finos e comer em abastança, e acabado dinheiro pera hos caminhos e erão todos vestidos de libres.

E foram ordenadas na cidade cinquo praças que de toda calidade de mantimentos forão sempre muyto abastadas e muyto providas a toda ora; e na principal praça da cidade em durando as festas nam se vendeo cousa algũa porque foy soomente pera as justas e festas ordenada.

 

Da grande sala de madeira que el-rey mandou fazer

 

Capitollo CXVIII

 

E porque nos paços todos nam avia casa tam grande e em que tanta jente se podesse agasalhar, avendo ahy grandes salas, mandou el-rey fazer hũa salla nova de madeira per grande engenho e arteficio, e cousa grande que se fez onde era a horta de Sam Francisco pegada com a porta do moesteiro, e os paços que jazia ao longo norte e sul, tamanha que era de longuo de trezentos palmos, e de largo de setenta e cinco palmos, e de alto de setenta e dous palmos. Foy armada das paredes sobre grandes e fortes mastos que com grande custo de Lixboa foram trazidos, e antre os mastos de paredes e taypas, e per cima armada de mastos delgados e outras madeiras, e cuberta de tavoado trincado e calafetado e breado como nao de madeira que nam podia chover nella gota d' aguoa. E de dentro era toda das paredes e de cima armada e toldada de ricos e fermosos lambees, cousa nova que parecia muyto bem polla deferença que tinha dos brocados e tapecerias. Tinha a porta principal muyto grande com as portas muyto bem pintadas, no topo contra o norte, e no outro topo era feyto hum muyto grande estrado real que cheguava de parede a parede, a que subião per muytos degraos, tudo alcatifado de ricas alcatifas. E contra o ponente tinha hũa porta junto do estrado de que se serviam pera os paços por onde as pessoas reaes vinham e hiam; tinha quatro casas de fora peguadas nella com muyto grandes arcos altos nas paredes da sala, dous de cada banda que a faziam ainda parecer mayor, pera muitos menistres que nellas estavam muito altos e bem gasalhados donde tangião aas suas vontades. E hum muito grande cadafalso aa entrada da porta aa mão esquerda pera trombetas bastardas e atambores, de muytos degraos em que estavam assentados aas suas vontades sem tolherem vista huns aos outros. E aa mão dereita era feita hũa muito grande e muyto alta copeyra de muitos degraos a mayor que nunca vi, que tomava da porta atee a parede da sala; tinha tanta e tam rica prata, e tantas e tamanhas e ricas peças que era cousa espantosa e de grande maravilha. E ao longo da sala de cada parte foram feitos huns estrados que chegavam de junto da copeyra e cadafalso das trombetas atee junto do estrado real, a que subiam por degraos e tinham de cada parte duas grades de pao muito bem lavradas hũa que estava no chão ao pe dos degraos e a outra no degrao de cima. Isto pera nos degraos vazios antre hũa grade e ha outra se recolher e estar muita gente sem pejar a sala, e verem todos muyto bem sem tolherem vista huns aos outros, os quaes eram pessoas honrradas, cortesãos, e cidadãos que ali entravam per mandado dos mestres-salas; e da grade de cima estavam as mesas e os servidores que delas estavam ordenados os que eram necessários e mais nam. E as mesas que estavam em todo cima com seus assentos encostados aas paredes, eram por todas quatorze mesas muito grandes, sete de cada parte em que cabia muyta gente; e no meo destes estrados ficava a sala despejada em muito grande largura e o chão bem argamassado. E ao longo da sala em dereito das primeiras grades, estavam altos pendurados no aar per polees que vinhão de cima do madeyramento, trinta castiçaes muyto grandes e muyto bem feitos em cruz e dourados, e em cada hum estavam quatro tochas, e debaixo de cada castiçal bacios muyto grandes, em que as tochas pingavam por nam pingarem sobre a gente. De maneira que durando as festas na sala sempre no ar ardiam cento e vinte tochas, alem das com que os pajes serviam que eram cento afora os brandões que estavam pollas mesas, e na copeira que eram muitos, e serião por todos perto de trezentas tochas e brandões acesas que ficava a sala tam crara como se fosse de dia.

 

De como el-rey despejou a cidade e mandou meter nela muito gado

 

Capitolo CXIX

 

E sendo ja feytas muitas e grandes despesas pera as ditas festas e as mais principaes, por a muita gente que vinha de muitas partes e de Lixboa onde morriam, em Evora ouve rebates de peeste. De que el-rey foy muito triste porque se mais mal fosse, as festas se nam poderiam fazer com aquella perfeyção que elle tinha ordenado. E por ver se poderia atalhar isto com que a todos tanto pesava, acordou com conselho dos fisicos, que ante do antrelunho de Setembro, em que os ares corruptos tinham mais força, toda a gente da cidade e da corte se saysse dela, como logo sayo por espaço de quinze dias. Nos quaes el-rey andou fora pollas Alcaçovas e Viana, e esteve na quintam da Oliveyra onde a primeira vez justou, e ha gente toda por quintas, erdades, e ortas, e em tendas no campo. E a cidade foy chea de infindo gado vacum sem conto, que de toda a comarca veo e per mandado d' el-rey ahi foy trazido, e nella dormia de noite e o metiam ao sol-posto, e ja bem de dia o levavam seus donos a comer fora. E porque todas as fazendas dos cortesãos e moradores ficavam dentro na cidade em suas casas e pousadas sem levarem mais que camas e mesas, ouve hi grandes guardas, homens de fiança e recado na cidade repartidos pollas ruas, e assi fora dos muros pera que ninguem podesse entrar nem sayr, muitos cavaleiros da guarda que a roldava com que tudo esteve tam seguro, que se nam achou menos cousa algũa de quanto na cidade ficou, nem somente fechadura de porta com que se bolisse. E acabado os quinze dias o gado todo se levou e a cidade foy toda muito limpa e todallas ruas e casas defumadas e cayadas antes d' el-rey entrar nella. E assi no antrelunho de Outubro depois da gente estar dentro, el-rey mandou que todolos escravos e negros que na cidade avia, se sayssem fora por dez dias so pena de se perderem assi se fez. E por estas grandes deligencias, e principalmente polia piadade de Deos a quem se fizeram juntamente com ysso muytas devações e esmolas, a cidade ficou de todo saã, de que el-rey e todos foram muyto alegres por se poder fazer nella o que estava ordenado.

 

De quando a princesa partio pera estes reynos

 

Capitolo CXX

 

E sendo assi prestes todas as cousas pera a vinda da princesa, el-rey o mandou logo noteficar a el-rey e aa raynha de Castella que estavam na cidade de  Borba pera que podessem logo mandar a princesa sua filha. E tanto que o recado lhe foy dado, partiram com ella, e em pequenas jornadas vieram atee o lugar de Costantina acompanhados do principe seu filho e de muitos grandes; e dali com muitas lagrimas e grande saudade, a princesa lhe beyjou as mãos e se despedio delles, e elles lhe deitaram suas bençoẽs e dahi se tornaram a Borba; e a princesa começou seu caminho a dez dias do mes de Novembro, e vinha com ella o cardeal Dom Pero  Gonçalvez de Mendoça arcebispo de Toledo e o mestre d' Alcantara, e o conde de Benavente, e o conde de Feria, o bispo de Jaem, e Dom Pedro Portocarreyro, e Rodrigo d' Ilhoa contador-mor que vinha por embayxador, e assi outros muitos ricamente aparelhados; e trazia a princesa consigo nove damas filhas de grandes e nobres homens de Castela e Aragão; e vinha por sua aya e camareira-mor Dona Isabel de Sousa portuguesa, molher muito fidalga, e prudente, e de muy onesta vida, e outras molheres e oficiaes de sua casa. Chegou a princesa com todos os que com ela vinham à cidade de Badajoz sesta-feyra dezanove dias do dito mes de Novembro, e todas as jornadas que fazia era el-rey sabedor delas per paradas.

 

De como a princesa foy entregue em Portugal

 

Capitolo CXXI

 

E depoys de el-rey saber o dia que ha princesa avia de ser entregue em Portugual, ordenou que em seu recebimento e entrega que no estremo dos reynos se avia de fazer, fosse em nome do principe ho duque Dom Manoel primo com yrmão d' el-rey e yrmão da raynha filho do infante Dom Fernando, e primo com yrmão da raynha Dona Isabel de Castela, que levava poder especial do principe. E mandou el-rey com elle ho bispo d' Evora Dom Afonso filho do marquês de Valença e primo com irmão da infanta Dona Breatiz homem de muita autoridade, e o bispo de Coimbra Dom Jorge d' Almeida, e o conde de Monsanto, e o conde de Cantanhede; os quaes muito acompanhados de muitos fidalgos e cavaleiros chegarão aa cidade d' Elvas o dia que ha princesa chegou a Badajoz, todos com grande riqueza e perfeyçam de corregimentos de suas pessoas, casas e servidores. E segunda-feyra a vinte e dous dias do dito mes de Novembro a princesa partio da cidade de Badajoz acompanhada do cardeal e todollos senhores que com ella vinham, e com a gente da cidade e suas danças. E no mesmo dia sayo o duque com todos os senhores que com elle hiam da cidade d' Elvas grandemente acompanhado da nobre gente que com elle vinha, e mais com toda a gente da cidade e outra muita comarcaã que ahi veo; e dentro em Castella se foy pera a princesa que o recebeo com grande honrra e muito amor por hyr em nome do principe, e ser primo com yrmão da raynha Dona Isabel sua mãy; e assi fez muita honrra ao bispo d' Evora por ser parente seu tam chegado e os outros senhores; e assi vieram juntos até a Ribeyra de Caya que he o marco do reyno. E depoys de o doutor Vasco Fernandez de Lucena chançarel da Casa do Civel ahi fazer hũa arenga endereçada aa princesa em nome d' el-rey e do reyno, o cardeal entregou a princesa ao duque com as cerimonias acustumadas; e depois de entregue ele e muitos senhores se despediram dela e se tornaram, e com ella vieram muitos atee Elvas. Onde a princesa foy grandemente recebida com paleo de rico borcado e muytas festas, e foy apousentada no Moesteiro de Sam Domingos; e has salas, camaras, e camas, eram per mandado d' el-rey armadas de ricos brocados; e alli foram feitos  e dados aa princesa grandes presentes de cousas de comer.

E ao outro dia terça-feira vinte e tres do mes, a princesa com o duque e os outros senhores todos, foy dormir a Estremoz onde ja chegou noyte, e foy recebida com outra arengua e grande triunfo de festas com paleo de rico brocado e assi de grandes presentes. E nos lugares onde chegava assi de caminho debaixo de paleo hia primeiro fazer oração aa ygreja principal, e dahi a seus apousentamentos; e pollas torres e muros e lugares mays altos das cidades e villas avia muytas bandeiras de suas cores e armas e muytos tiros de fogo que em chegando todos juntamente tiravam; e muitas festas e folias de homens e moças muyto bem vestidas, e as ruas armadas de tapeçarias enrramadas e espadanadas. E aqui em Estremoz foy a princesa decer à Ygreja de Santa Maria junto do castello onde o bispo de Viseu Dom Fernam Gonçalvez de Miranda a recebeo com solene pricissam; e dahi se foy a pee com infindas tochas a seu apousentamento que era ahi perto concertado em tudo com grande riqueza e perfeiçam.

 

De como el-rey e o principe foram ver a princesa a Estremoz,

e como foram ahi recebidos

 

Capitolo CXXII

 

E porque el-rey desejava muito de ver a princesa, a quis yr ver a Estremoz aforrado com o principe e alguns principaes do reyno a elle mais aceytos o mesmo dia que ella ahi chegasse. E foram todos vestidos de caminho e pera o tempo, os mais ricos, mais galantes, e escolheitos que podiam ser, com muitos borcados, tellas, e chapados, e ricos forros, e singular pedraria e em estremo ataviados. Chegaram a Estremoz aa ora que a princesa entrava e se foram decer aa casa do duque com quem aquela noite pousaram. E logo a princesa soube como elles ahi eram e a queriam yr ver, e com grande alvoroço, prazer, e alegria nam pôde comer e depressa se levantou da mesa e logo se vestio, e assi suas damas, e mandou concertar suas casas como cumpria. E el-rey e o principe com esses que com eles vinham se foram pera ela, e a princesa os veo esperar em pee no topo de hũa escada, e em el-rey chegando acima ella se pôs en joelhos pera lhe beijar as mãos; e el-rey com muito amor, muy alegre, com muyta cortesia lhas nam quis dar, e com as mãos a alevantou e deu lugar ao principe e ambos com os joelhos em terra se abraçaram, e el-rey posto aa mão esquerda da princesa, e o principe aa dereita, se foram assentar em hum estrado ricamente concertado; e el-rey tendo a princesa polla mão com muito prazer e alegria lhe disse com muyta descriçam e graça, algũas palavras de quanta gloria e contentamento tinha em ver cousa tanto estimada e que seus olhos tanto desejaram ver, e de quam satisfeito e alegre era com sua vista. E a princesa lhe respondeo com palavras de muyta prudencia, honestidade, e descriçam, de que el-rey ficou muy contente por ver que respondiam com a fama que della ja tinha sabida. E acabadas estas falas el-rey ouve por bem que alem do solene recebimento que em Sevilha se fezera per precuraçam do principe elle em pessoa a tornasse ahi a receber por sua molher, como logo recebeo per palavras de presente como manda a Sancta Madre Ygreja de Roma, nas mãos de Dom Jorge da Costa arcebispo de Braga. E acabado ouve ahi muytas danças e festas e depois d' acabadas el-rey e o principe se despediram della e recolheram a casa do duque onde aquella noyte foram muito bem banqueteados, agasalhados e servidos.

E ao outro dia polla menhaã cedo el-rey e ho principe se foram diante a Evora, e a princesa con ho duque, e o bispo d' Evora e de Coimbra, e os condes de Monsanto e Cantanhede, e Rodrigo d' Ilhoa embayxador, se foram ao Moesteyro de Nossa Senhora do Espinheiro onde jaa chegaram de noite; e a ygreja e apousentamentos estava tudo concertado em muito grande perfeiçam. E logo ha quinta-feyra seguinte el-rey e a raynha e o principe com toda a corte e muyto grande triumpho foram ao Moesteyro de Nossa Senhora, e depois que a rainha com grande contentamento, prazer e alegria vio a princesa que ainda nam vira, se vieram todos aa ygreja do dito moesteyro onde pollo arcebispo de Braga lhe foram feitas as  benções pola Sancta Madre Ygreja ordenadas, e o arcebispo disse missa solene. E acabada a princesa se despedio delles e se recolheo a seu aposentamento, e el-rey, a raynha e o principe se tornaram com grande estado real aa cidade. E aa sesta-feyra e ao sabado esteve a princesa no dito moesteyro, onde d' el-rey e do principe per suas pessoas foy sempre visitada. E segundo fama antes dela entrar na cidade ali nas casas do moesteyro onde pousava, teve o principe ajuntamento com ella, o que de muitos foy estranhado por ser em casa de Nossa Senhora e de tanta devação. E afirmou-se por muito certo que naquella propia noite cahio da parede da ygreja hũa amea junto da camara donde jouveram, a qual amea até oje nam  foy concertada e está assi por memoria que os frades disso fezeram.

 

Da entrada da princesa em Evora

e do real recebimento que lhe foy feyto

 

Capitulo CXXIII

 

E ao domingo vinte e sete dias de Novembro do dito ãno de mil e quatrocentos e noventa que era o dia ordenado pera a entrada da princesa em  Evora, el-rey depois de comer cavalgou acompanhado de todollos grandes e perlados e senhores e nobre fidalguia e toda sua corte, e a milhor vestida e mais rica gente que atee entam nestes reynos se vio, e sem o principe se foy ao dito moesteyro com grandissimo estado e muito grande estrondo de festa. Diante delle vestidos de ricas sedas e muito bem encavalgados, muitas trombetas bastardas, e muitos atambores, muitas charamellas, e sacabuxas, muitos porteyros de maça, muitos reys d' armas, arautos e passavantes, e o porteyro-mor, e quatro mestres-salas, e o veador e os veadores da Fazenda, e o mordomo-mor, e todos huns antre outros nesta hordem e muitos cavallos  a destro ricamente arrayados; e derredor d' el-rey muitos moços d' estribeira vestidos de brocado. E el-rey hia vestido aa francesa com hũa opa roçagante de rica tella d' ouro forrada d' arminhos, e en cima hũa rica e grande cadea de pedraria, e hum pelote de brocado forrado de ricas martas com muytos golpes, e nelles ricos firmaes de pedraria e ricas perlas,

hũa rica adaga d' ouro em hũa rica cinta, e hum chapeo branco com hum penacho branco, e encima de hum muy fermoso ginete ruço pombo aa brida com riquissima guarniçam e detras delle seus pajes ricamente vestidos e muitos senhores e nobre gente. E do moesteiro até a cidade avia muitos antremeses da gente do povo e dos judeus e mouros, e o caminho muito concertado e limpo, tudo em perfeiçam e cheo de gente com muytas folias de folliães e moças muyto bem vestidos.

Chegou el-rey ao moesteiro, e a princesa que ja estava prestes sayo logo vestida com muita riqueza e grande galantaria e assi todas suas damas; ella em hũa mula muy ricamente arrayada, e as damas em mulas com ricas guarnições. E diante dela muitas trombetas, e atabales, charamelas, e sacabuxas, muitos porteiros de maça, e reys d' armas d' el-rey e da raynha de Castella vestidos de ricas sedas e bem encavalgados, e  seus mestre-salas, veador, e mordomo-mor ricamente vestidos. E o estrondo de todas as trombetas e atambores, menistreis altos d'el-rei, da princesa e do duque, e muitos senhores que os levavam era cousa espantosa. E em a princesa saindo, el-rey se foy a ella, e com muito grande cortesia se pôs à mão esquerda, e assi vieram caminho da cidade, e a princesa ainda que a el-rey nam levava pola mão, porque era mui prudente e mui cortês tirou a luva da mão daquella parte donde el-rey hia, e sempre levou a mão descuberta que loguo se julgou por molher de muyto primor e de grande acatamento e assi vieram. O caminho era cheo de tanta e tam nobre e rica gente qual se nunca vio; e aa ponte d' Enxarrama estavam juntos de hũa parte e da outra saindo della sessenta fidalgos juntos todos de ricas opas de brocados e telas d' ouro com ricos forros e grandes e ricos collares e cadeas d' ouro, e as bestas ricamente guarnecidas de que se os castelhanos espantaram principalmente das envenções e galantaria.

Chegaram à porta d' Avis onde eram muito bem feitos grandes arcos triunfaes, e nelles fadas que fadavam a princesa cada hũa de sua cousa. E antre as portas d' Avis era feyto ho parayso muito grande, muito alto, ricamente ordenado com todalas ordens do ceo com muito ouro e muita riqueza concertado, cousa de muito custo, e  avia nele singulares cantores cousa muito pera folgar de ver e ouvir. E estando el-rey e a princesa dentro aa porta da cidade se fez hũa arenga aa vinda e entrada da princesa; e acabada os do paraiso com singulares estormentos que tamgiam, e os cantores cantavam suavemente, fezeram hũa espantosa musica, e assi se fezeram outras muytas e muy concertadas representações, e ali aa porta da cidade se deceram todos a pee, salvo el-rey e a princesa e suas damas, e com cada dama hum fidalgo castelhano. E o duque e o senhor Dom Jorge postos a pee cada hum de sua parte levaram a princesa pollas  redeas da mula, e aas estribeiras hiam condes e grandes senhores. E el-rey atou rico e honrado cordam da Garrotea aas redeas da mula da princesa e por sua honrra a levou asi . E postos ambos debaixo de hum grande paleo de rico brocado e borlado que levavam os regedores principaes da cidade entraram assi. E as ruas da porta d' Avis atee a See, e da See atee os paços e toda a praça eram de cima todas toldadas de panos finos de cores postos sobre muitos mastos que de Lixboa e outros portos de mar foram trazidos, todos forrados dos mesmos panos com infinitas bandeiras, e as ruas todas armadas de panos de seda e ricas tapeçarias; e pollas janellas e portas postas muytas joyas e muytos ramos de louro e larangeira e o chão todo daquella ora espadanado e muitos perfumos aas portas, e na praça e em outros lugares ouve muitos cadafalsos de muytos e muy naturaes antremeses e representações e tudo com muita riqueza, concerto e grandissima perfeyçam.

E assi com este tam grande triumpho e ordem chegaram aa See, onde foram recebidos com muito solene preciçam, e depois de fazerem oraçam e a princesa beyjar o sancto lenho da vera cruz que lhe foy oferecido, tornaram a cavalgar, e na mesma ordem primeira chegaram aos paços jaa de noyte com infinitas tochas que levavam todollos moços fidalgos, e assi moços da camara vestidos de ricas sedas e brocados. E decidos el-rey levou logo a princesa a seu aposentamento; e na sala estava jaa a raynha e o  principe  e muitas senhoras e honrradas donas e damas tudo em tanta ordem e tam ricamente armado de ricos brocados e concertado, que mais nam podia ser e naquela noite antes da cea e  depois ouve grandes festas e danças em que todallas pessoas reaes dançaram, e assi outros muitos com muyto prazer e alegria.

E neste dia ouve dozentos senhores homens vestidos aa francesa de opas roçagantes as cento e vinte de ricos brocados e tellas d' ouro e chapados  todas ricamente forradas, e as oitenta eram de ricas sedas forradas de brocados e ricos forros com muitos canotilhos e borlados. E assi ouve outros muitos vestidos de tabardos, capuzes abertos de ricas sedas e brocados e ricos forros e envenções aa geneta com muyto ricos arreos e todos com muitos moços d' esporas e pajes vestidos de sedas e brocados, e as bestas com riquissimas goarnições e jaezes, e elles com ynfinitos colares e grandes cadeas d' ouro, ricos cintos e espadas e adagas, e muitos firmaes d' ouro de martello e outras tantas policias, que creo que em Espanha nunca outro tal dia se vio nem ouvi que em outra parte nenhũa o vissem.

 

Do primeyro banquete de cea que el-rey deu na sala da madeyra

 

Capitolo CXXIV

 

E logo aa terça-feyra aa noyte ouve banquete de cea na sala da madeyra, em que el-rey e a rainha e o principe, a princesa comeram, e com elles o duque, e o senhor Dom Jorge e Rodrigo d' Ilhoa embaixador; todos em hũa grande mesa com muyto grandes dorsees de brocado que  tornavam toda a salla a través. E na primeyra mesa da mão dereyta comia o marquês de Villa Real com as senhoras, donas e damas, e na primeyra da mão esquerda o arcebispo de Braga, e o bispo d' Evora, e bispos, e condes, e pessoas principaes do conselho, que eram muitos de hũa parte e da outra, assi homens como molheres. E aa mesa d' el-rey com todollos oficiaes vestidos de brocados e servida per moços fidalgos que serviam de tochas e bacios ricamente vestidos. E as outras mesas todas com trinchantes e oficiaes vestidos de ricas sedas e brocados e muy galantes, e assi os moços da camara ordenados a cada mesa todos vestidos de veludo preto. No qual banquete ouve ynfinitas e diversas ygoarias e manjares e singular concerto e abastança, e muitas e assinadas cerimonias. E quando levavam aa mesa d' el-rey as ygoarias principaes e fruta primeyra e derradeyra, e de beber a elle e à rainha e ao principe e princesa, hiam sempre diante dous e dous muitos porteyros de maça, reys d' armas, arautos e passavantes, os porteyros-mores, quatro mestres-salas, o veador, e os veadores da Fazenda, e detras de todos ho mordomo-mor; e todos hiam com os barretes na mão atee o estrado onde faziam suas grandes mesuras; e os  veadores da Fazenda hiam com os barretes na cabeça até o meo da sala, e do meo por diante os levavam na mão, e o mordomo-mor hia sempre cuberto atee ho fazer da mesura que juntamente fazia e tirava ho barrete. E era tamanha cerimonia que durava muyto cada vez que hiam à mesa. E o estrondo das trombetas, atambores, charamelas, e sacabuxas, e de todolos menistres era tamanho que se nam ouviam; e ysto se fazia cada vez que el-rey, a raynha, o principe e a princesa bebiam e vinham as primeiras ygoarias aa mesa; e a copeira era cousa espantosa de ver. E logo à entrada da mesa veo hũa grande carreta dourada, e traziam-na dous grandes bois assados ynteiros com hos cornos e mãos e pees dourados; e o carro vinha cheo de muitos carneiros assados ynteiros com os cornos dourados; e vinha tudo posto num cadafalso tam baixo com rodetas per fundo delle que nam se viam, que os boys pareciam vivos e que andavam. E diante vinha hum moço fidalgo com hũa aguilhada na mão picando hos bois que parecia que andavam e levavam a carreta; e vinha vestido como carreteiro com hum pelote e hum gabam de veludo branco forrado de brocado, e assi a carapuça que de lonje parecia proprio carreteiro; e assi foy oferecer os bois  e carneiros aa princesa e feito o serviço, os tornou a virar com sua aguilhada por toda a sala atee sayr fora e deyxou tudo ao povo que com grande grita e prazer forão espedaçados, e levava cada hum quanto mais podia. E assi vieram juntamente a todalas mesas muitos pavões assados com os rabos ynteiros e os pescoços e cabeça com toda sua pena que pareceram muito bem por serem muitos e outras muitas sortes de aves e caças, manjares, e fruita, tudo em muito grande avondança e muita perfeiçam.

E ouve ahi hũa muito grande representaçam dhum rey de Guinee em que vinham tres gigantes espantosos que pareciam vivos de mais de quarenta palmos cada hum com ricos vestidos todos pintados d' ouro que parecia cousa muito rica; e com elles hũa muy grande e rica mourisca retorta em que vinham dozentos homens tintos de negro muito grandes bayladores todos cheos de grossas manilhas polos braços e pernas douradas que cuidavam que erão d' ouro e cheos de cascavees dourados e muito bem concertados: cousa muy bem feita e de muito custo por serem tantos, e em que se gastou muita seda e ouro; e faziam tamanho roydo com os muitos cascavees que traziam que se nam ouvião com elles; e assi ouve outras representações, e depois da cea muitas danças e outras muitas  festas que quasi toda a noite duraram, cousa certo pera ver.

Do outro banquete que el-rey deu na sala da madeira

 

Capitulo CXXV

 

E assi se fezeram muitas e grandes festas todos os dias e noytes atee domingo cinco dias de Dezembro em que ouve outro segundo banquete na dita sala da madeira de muytas mais envenções, abastança, e gentileza, e de muito mais policias e muito melhor servido que ho primeiro. E era cousa fermosa pera ver as mesas como estavam ordenadas, que em cada hũa avia tres grandes bacios de ygoarias cubertos, e em cima dos dous dos cabos estavam tendas de damasco branco e roxo que eram as cores da princesa; as tendas eram borladas e muyto galantes com muitas bandeyrinhas douradas, e eram grandes de dez covados cada hũa; e na ygoaria do meo estava hum castello feyto como tribolo feito de madeyra sotil e pano de tafetaa dourado, com tantos chapiteos e bandeiras tudo dourado,  que era muito fermosa cousa e de muyto custo. E em entrando na sala estavam as mesas tam fermosas e tam guerreyras, que eram muyto pera folguar de ver e cousa nova que ainda se nam vira, e has tendas eram por todas trinta, e hos castellos quatorze. E el-rey, e a raynha, o principe, e ha princesa vieram, e se assentaram aa mesa, e com elles ho duque, e ho senhor Dom Jorge, e Rodrigo d' Ilhoa como dantes, e assi aas outras mesas has mesmas pessoas que no outro banquete vieram. Tanto que todos foram assentados, os moços da camara que tinham carrego das mesas, tiraram as tendas e as tomaram pera si; e os castellos por serem tamanhos que nam cabiam debaixo das mesas, hos davam a pessoas que os pediam pera moesteyros e ygrejas, em que estiveram muyto tempo pendurados e pareciam muito bem. Começaram a comer, e por ha infinidade das ygoarias, manjares, conservas e fruitas, que foy como consoada durou muyto grande espaço; e acabado ouve muytos e ricos momos e muy singulares antremeses, cada vez com mays riqueza, gentileza, e melhores envenções que duraram até acerca da menhaã. Cousa que se se ouvesse d' escrever meudamente como foy pareceria fabula d' Amadis ou Esprandiam. E destes dous banquetes foy veador e ordenador Fernam Lourenço feitor da Casa da Mina que foy nisso muito polido e abastado. E na sala da madeira nestes dous banquetes, e assi nos outros dias dos momos qualquer homem que ahi vinha rebuçado com touca era logo pollos mestres-salas e porteiros-mores muy bem agasalhado onde bem via tudo; ysto tinha el-rey mandado porque eram ahi muitos grandes senhores de Castella desconhecidos a ver as festas, os quaes todos foram muyto bem agasalhados. E toda a gente da corte e da cidade que estava em pee antre has grades que era muita todos comiam do que se tirava das mesas que era em tanta avondança, que muyto mais era o que sobejava que o que se comia e por ysso nam avia pessoa que deytasse mão de cousa algũa nem fizesse mao ensino, e tambem pollos muitos oficiaes que nisso traziam tento, e pollo castigo que sabiam que aviam d' aver se o fizessem, e mais sobejando tudo a todos. Que certo foy em tanta abastança, e tanta perfeiçam, tanta honrra, tanto estado, quanto no mundo podia ser.

E neste tempo até o Natal em que os justadores se ensayavam e aparelhavam as cousas pera a justa, ouve na praça da cidade e no terreiro dos paços muitas vezes muitos touros com muitos galantes a eles e ricos jogos de canas e muytos momos, e serãos, musicas, e festas sem nunca cessarem; e assi ouve justas de muito bons justadores detras de Sam Dominguos a caram do muro, a que el-rey e ho principe foram. E os paços erão todos armados de ricos brocados e veludos cramesins e ricas tapeçarias com riquissimas camas tudo em muita perfeiçam.

 

De como se ordenaram fias justas reaes,

e se pôs ha tea na praça e da fortalleza de madeyra

 

Capitolo CXXVI

 

E aa segunda-feyra primeiro dia das Oytavas se pôs a tea na praça, que era per cima toldada de finos panos sobre grandes mastos, e com infinitas bandeyras reaes. E a tea era cuberta de panos finos verdes e roxos, que eram as cores d' el-rey toda de hũa parte e da outra chea de pellicanos dourados, e bordados na tea que parecia muyto bem. E no cabo da tea se poseram em mastos muyto altos, bandeyras muyto grandes e muyto ricas das armas  de Portugal e Castela juntamente que eram as da princesa. E foy feyta hũa fortaleza e tavola de madeira com grande novidade pera o caso no cabo da Rua dos Mercadores pegada na praça como fortaleza de guerra com suas torres e cubellos com muytas ynfindas bandeiras, e com hum facho cuberto de brocado posto muy alto pera se derribar aa entrada e vinda dos aventureiros e com hum sino com que repicavam como em frontaria de contrairos. E a fortaleza tomava o vão da rua e as casas onde ora he a camara e has outras da outra parte, e tudo era ricamente armado com ricas camas pera os mantedores e officiaes d' el-rey que esses dias ahi esteveram com elle, todos banqueteados em muita perfeiçam e muitas festas e prazeres dentro. E a fortaleza era de fora toda chea de muytas e claras lanternas muito bem feitas pera ysso e eram tantas, que acesas de noite parecia de fora que a fortaleza ardia em fogo, e era cousa muyto fermosa, afora as luminarias da praça que eram sem conto.

 

Dos ricos momos que el-rey fez na sala da madeira

pera desafiar a justa

 

Capitolo CXXVII

 

E logo a terça-feira seguinte ouve na sala da madeira muito excelentes e singullares momos reaes, tantos, tam ricos e galantes com tanta novidade e deferenças d' antremeses que creo que nunca outros taes foram vistos. Antre os quaes el-rey entrou primeiro pera desafiar a justa que avia de manter com envençam e nome do Cavaleiro do Cirne; e veo com tanta riqueza e galantaria quanta no mundo podia ser. Entrou pollas portas da salla com nove batees grandes em cada hum seu mantedor, e os batees metidos em ondas do mar feytas de pano de linho e pintadas de maneira que parecia agoa; com grande estrondo d' artelharia que tirava, e trombetas, atabales, e menistres altos que tangiam, e com muitas gritas e alvoroços de muitos apitos de mestres, contramestres e marinheiros vestidos de brocados e sedas com trajos d' alemães; e os batees cheos de tochas e muitas vellas douradas acesas com toldos de brocado e muitas e ricas bandeiras. E assi vinha hũa nao aa vela cousa espantosa, com muitos homens dentro e muytas bombardas sem ninguem ver o arteficio como andava que era cousa maravilhosa. O toldo e toldos das gaveas de brocado, e has vellas de tafetaa  branco e roxo, a cordoalha d' ouro e seda e as ancoras douradas, e assi a nao como batees com muitas velas de cera douradas todas acesas; e has bandeyras e estandartes eram das armas d' el-rey e da princesa todos de damasco e douradas. E vinham diante do batel d' el-rey que era o primeyro sobre as ondas hum muyto grande e fermoso cirne com as penas brancas e douradas, e apos elle na proa do batel, vinha o seu cavaleyro em pee armado de ricas armas e guiado delle, e em nome d' el-rey sayo com sua falla e em joelhos deu aa princesa hum breve conforme a sua tençam, que era querê-la servir nas festas de seu casamento, e sobre concrusam de amores desafiou pera justas d' armas com oyto mantedores a todos os que o contrayro quisessem combater. E por rey d' armas, trombetas e officiaes pera ysso ordenados, se pubricou em alta voz o breve e desafio com as condições das justas e grados dellas, assi para o que mais galante viesse aa tea, como pera quem melhor justase.

E acabado hos batees botaram pranchas fora e sayo el-rey com seus requissimos momos, e a nao e batees que enchiam toda a sala se sayram com grandes gritos e estrondo d' artelharias, trombetas, atabales, charamelas, e sacabuxas  que parecia que a sala tremia e queria cair em terra. El-rey dançou com a princesa, e os seus mantedores com damas que tomaram. E logo veo o duque com fidalgos de sua casa com outros riquissimos momos. E veo outro entremes muyto grande em que vinham muitos momos metidos em hũa fortaleza antre hũa rocha e mata de muitas verdes arbores, e dous grandes salvajens aa porta, com os quaes hum homem d' armas pelejou e desbaratou, e cortou hũas cadeyas e cadeados que tinham cerradas as portas do castello, que logo foram abertas, e por hũa ponte levadiça sayram muitos e muy ricos momos; e em se abrindo as portas sayram de dentro tantas perdizes vivas e outras aves, que toda a sala foy posta en revolta e chea d' aves que andavam voando per ela atee que as tomavam. E saydo este grande e custoso entremes, veo outro em que vinham vinte fidalgos todos em trajos de peregrinos com bordões dourados nas mãos e grandes ramaes de contas douradas ao pescoço, e seus chapeos com muitas ymagens, todos com manteos que os cobriam até o joelho de brocados e per cima com remendos de veludo e cetim; e dado seu breve deytaram os manteos, bordões, contas, e chapeos no chão, e ficaram ricamente vestidos todos de  rica chaparia; e os manteos e todo o mais tomavam moços da camara e reposteyros e chocarreyros quem mais podia, e valiam muito que cada manteo tinha muytos covados de brocado. E assi vieram outros muitos e ricos momos, que nam digo com singulares entremeses, riquezas, galantaria, e muitos com palavras e envençoẽs d' ardideza aceitavam o desafio com as mesmas condiçoẽs, e dançaram todos atee antemenhã; e foy tamanha festa que se nam fora vista de muytos que ao presente sam vivos eu a nam ousara d' escrever.

E aa quarta-feyra o principe e a princesa com muita pompa e grande estado se foram apousentar no meo da praça, e tambem a rainha que andava mal sentida pera dahi verem as justas. E aa tarde partio el-rey de seus paços, e foy tomar a tea com tanta realeza, e tantas novidades, e cerimonias de grandeza como nunca outra se vio tomar. El-rey com seus mantedores foy decer aa fortaleza jaa de noyte onde todos cearam com elle em mesas junto da sua; e todos dormião no castello e comiam com elle, e dentro tinhão suas armas e muytos cavallos sempre selados e elles armados a giros, pera que em vindo o aventureyro tanto que o facho fosse derribado sayssem com muita deligencia sem detença algũa; e assi se fazia e fez em quanto as justas duraram.

 

De como el-rey deu sua amostra, e do grande estado

e riqueza e invenções que trazia

 

Capitolo CXXVIII

 

E aa quinta-feyra depoys de comer fez el-rey sua amostra com seus oyto mantedores, e apos elle a fizerão todos os aventureiros que passaram de cincoenta. Nos quaes todos en cavallos, arneses, paramentos, cimeiras, letras, e lanças, moços d' esporas, e todas as outras cousas de justa ouve tanta riqueza, galantaria, envenções, tudo em tanta perfeiçam, que muitos justadores velhos e de muitas partes que ahi eram, e que ja viram outras muitas justas reaes se maravilharam muito destas, e deziam que nunca tal cousa cuydaram de ver.

Sayo el-rey da fortaleza com seus oito mantedores, os quaes eram o prior de Sam Joam de Castella, Valençoila, e Dom Diogo d' Almeida, Joam de Sousa, Aires da Silva camareyro-mor, Dom Joam de Meneses, Monseor de Veopargas frances, Alvoro da Cunha estribeiro-mor, e Ruy Barreto com grandissimo estado e estrondo, tudo em tanta realeza que se nam pode dizer tam inteiramente como foy. Sayram primeiramente grande soma de trombetas bastardas vestidos de ricas sedas das cores d' el-rey e muito bem encavalgados. E apos elles vinham dous grandes e altos cadafalsos com rodas per dentro, que homens faziam andar sem se ver como andavam; os quaes eram ricamente pintados d' ouro e muito bem feitos e ordenados com muytas e ricas bandeiras todos cheos d' atabaleyros com os atabales polas bordas dos cadafalsos da parte de fora, que fazião tamanho roydo por serem tantos que se nam ouvia ninguem, e os atabaleiros vinham todos sem figuras d' omens. O carro primeiro eram todos feitos de feiçam de bogios tam naturaes que ninguem os teve por homens; e o outro em figuras de liões reaes com as felpas douradas muito naturaes e com os atabales todos dourados que parecia muito bem. E detras dos cadafalsos vinham muytas charamellas e sacabuxas ricamente vestidos. Apos elles vinha hum gigante muito grande e espantoso armado de todas armas douradas com hum escudo em hũa mão, e na outra hũa grande facha tam natural que parecia vivo, e passava de trinta palmos d' alto. E vinha encima de hũa muito grande azemolla que pera ysso se buscou vestida de pelles de ussos e tam natural, que cuidavam que era usso com hũa sela e guarniçam d' estranha maneira; e derredor do gigante muytos homens d' armas a pee com alabardas douradas nas mãos que pareciam muyto bem. E entam vinham muitos porteiros de maça, muytos oficiaes, todos ricamente vestidos e encavalgados, e apos eles o porteyro-mor e depois quatro mestres-salas, e atras o mordomo-mor, todos com opas roçagantes de ricos brocados, e tellas d' ouro com ricos forros; e apos elles vinham muitos cavallos a destro com riquissimos paramentos e muy singulares armas, e os moços d' estribeira que os levavam todos vestidos de brocado. E diante d' el-rey vinha hum seu paje que se chamava Dom Jorge de Castro moço muyto fermoso e gentil homem armado e todo cheo d' ouro e pedraria, com hũa guirlanda de pedraria na cabeça e diante hum penacho branco de garça; e vinha encima de hum muito grande e fermoso cavallo com muito grandes paramentos de tela d' ouro e forrados de muyto ricas martas zevrinas; e os paramentos eram tamanhos que pera o cavallo poder andar, os levavam levantados do chão, e afastados doze moços d' estribeyra vestidos de brocado de pelo, que faziam hum gram terreiro, e era fermosa cousa pera ver. E entam vinha el-rey armado de riquissimas armas com coroa real no elmo, e sua cimeyra rica e galante em tanta maneyra quanto no mundo podia ser, com muy riquissima pedraria e perlas, e o cavallo muyto fermoso e em estremo rico, com tantos canotilhos e chaparia, que o brocado rico e ricas tellas era o de que se fazia menos conta; e derredor d' el-rey corenta moços d' estribeyra muyto bem despostos vestidos todos de brocado de pello.

E apos el-rey vinham os mantedores muy ricamente ataviados com riquissimos paramentos de brocados e tellas e ricas sedas, bordados e entretalhados e com muitos moços d' esporas vestidos de sedas hum e hum detras d' el-rey, que desta maneyra fez sua mostra, e deu hũa volta aa praça com este grande triumpho que verdadeyramente foy cousa muyto pera desejar de ver e recear d' escrever.

E tanto que el-rey foy recolhido ao castello com seus mantedores, veo logo o duque com sete aventureyros fidalgos de sua casa, com grande soma de trombetas, atambores, charamelas, e sacabuxas, e antremeses diante com muita riqueza e galantaria e apos elle os outros aventureyros todos com tam ricos e galantes paramentos, e antremeses, e envençoẽs, tantos brocados, e tellas, tanta chaparia, e borlados, antretalhos e tanta riqueza, que me parece que dia de tamanha e tam galante festa nunca foy visto outro tal. E neste dia ouve ahi começo de justa e nam foy mais por logo anoytecer, aynda que pola grande claridade do castello e as muitas e grandes luminarias da praça que toda a noyte ardiam, a tea e a praça era tudo tam craro que podiam justar como na metade do dia. E com este dia de quinta-feyra justaram quatro dias continos atee o domingo, nos quaes dias nevou muyto e fezeram grandes frios, porém a neve nam fazia nojo aa tea por ser a praça toldada. E a justa foy muyto bem justada, e deram-se nella muytos e grandes encontros, sem aver perigo algum. E a cimeyra d' el-rey e dos seus mantedores e suas letras escreverey aqui e assi das dos aventureyros que me lembrarem. E que a  alguns ysto pareça sobejo outros avera que folgaram de o ouvir, que quem escreve nam pode contentar a todos, e nam faraa pouco se de poucos for tachado, que todos querem enmendar e muy poucos escrever. E pera se ysto evitar nam devia d' aver outra pena senam aos grosadores meter-lhe papel e tinta nas mãos e fazê-los per força escrever, e seria muito bom freo pera os desbocados, que sem saber o que dizem, grosam o que não entendem. E as cimeiras e letras são estas.

 

El-rey levava por cimeira huns liames de nao pola raynha Dona Lianor sua molher cheos de pedraria e dezia a letra:

 

Estes liam de maneira,

que jamais pode quebrar

quem co elles navegar.

 

O prior de Sam Joam de Castella, Valençoila, que fora grande senhor, e andava cá desterrado, trazia Alexandre encima dos grifos e dizia:

 

No es menor mi pensamiento

mas ha quebrado tristura

las alas de mi ventura.

 

Dom Diogo d' Almeida que depois foy prior do Crato, levava a boca do ynferno com almas dentro e dizia:

 

Acorda-os de mis passiones

animas, descansareis

de quantas penas teneis.

 

Joam de Sousa trazia hũa besta fera e dizia:

 

Aquesta guarda sus armas

mas a mí que amor enciende

nunca dellas me defiende.

 

Ayres da Silva camareiro-mor  trazia o cão cerveiro e dezia:

 

Guardas tu mas no tam cierto

como yo siempre guardé

la fe del bien que cobré.

 

Monseor de Veopargas frances trazia hũa cabeça de cabra e dezia:

 

Quien me tocare naquesta

yo le rompere la testa.

 

Dom Joam de Meheses trazia hum ychoo com hum homem metido nelle atee a cinta e dizia:

 

Es tam dulce mi prision

que deve para matar-me

no prender-me mas soltar-me.

 

Alvoro da Cunha estribeiro-moor trazia hũa arpa sem cordas e dizia:

 

Quanto más oye alegria

quien no alcança ventura

tanto más siente tristura.

 

Ruy Barreto levava hum banco pinchado e dizia:

 

Más quiero morir tras él

sus peligros esperando

que la muerte recelando.

 

Aventureyros:

O duque Dom Manoel yrmão da raynha trazia  seis justadores seus com os sete planetas.

O duque levava o deos Saturno e dezia:

 

El consejo que he tomado

deste muy antiguo dios

es dexar a mí por vos.

 

Dom Joam Manoel levava o Sol e dizia:

 

Sobre todos resplandesce

mi dolor

porque es él qu' es mayor.

 

Pedr' Ornem trazia Venus e dizia:

 

Si esta gracia y hermosura

puede dar-la,

de vos tiene de tomar-la.

 

Garcia Afonso de Mello trazia a Lũa e dizia:

 

Ante la luz de su lumbre

de vuestra gran claridad

es la desta escuridad.

 

Lourenço de Brito trazia Mercurio e dizia:

 

No ay saber ni descrecion

al que os mira

porque viendo-os se le tira.

 

Joam Lopez de Sequeira levava Mares e dizia:

 

La vitoria que de aqueste

he recebido

es ver-me de vos vencido.

 

Antonio de Brito levava Jupiter e dizia:

 

Aqueste suele dar vida

al que más servir-se halla

y vos al vuestro quitar-la.